POR QUE TEM QUE SER ASSIM?

POR QUE TEM QUE SER ASSIM? arvores no meio1

Árvores no meio

Ontem publicamos esta foto, para horror de quantos têm um mínimo de discernimento e conhecimento das questões de trânsito, e pergunto: por que tem que ser assim? Por que, como cidadãos, não podemos ter o assunto trânsito tratado com competência e seriedade? O que será que está nos faltando?

Essa medida tomada pela Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Transportes, por sua vez controladora da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), fere o mais elementar princípio de segurança viária, e no entanto, está aí, alardeada por toda a imprensa e, pasme, teve gente que gostou da esdrúxula idéia.

Alguém já viu postes de iluminação pública separando pistas ou faixas de rolamento? Eu nunca vi, aqui no nosso país ou em outros que tenho visitado. Árvores são como postes nessa aplicação, se um carro bate numa, é um acidente sério. Por isso é que se usam defensas metálicas (guard-rails) para essa finalidade, para manter o carro na pista sem que isso implique em colisão frontal.

 

POR QUE TEM QUE SER ASSIM? arvore na rua

Provavelmente alguém mostrou essa foto para Fernando Haddad e ele achou boa idéia… (foto pioneiro.clicrbs.com.br)

É como se estivéssemos num estado de demência coletiva, que não sabemos como resolver as mais elementares questões do dia a dia.

O dirigir hoje no Brasil, todos ou a maioria sabe, virou uma atividade de alto risco, seja por acidentes de toda ordem, seja por uma implacável perseguição aos motoristas — leia-se população — por meio de medidas absolutamente imorais, caso da famosa armadilha no acesso à Ponte das Bandeiras, em São Paulo, já bastante comentada e discutida aqui.

Temos um rodízio pelo final da placa absolutamente ilegal e ele está aí há 18 anos, sem que o Ministério Público Estadual dê a menor atenção a esse abuso da Prefeitura. Imagine o leitor, tirar (teoricamente) de circulação 20% da frota quando ela era de pouco mais de 3 milhões de veículos e manter o mesmo porcentual quando hoje são perto de 5,5 milhões, coisa de 80% mais. Está mais do que evidente que a medida é inócua há muito tempo — menos para os cofres da Prefeitura, dado o que se multa “por trafegar em via e horário não permitido – Operação Horário de Pico”.

A sem-vergonhice do rodízio é tamanha que a proibição acima não é sinalizada, como deveria obrigatoriamente ser, daí resultando que quem é de fora e não conhece a medida — não tem obrigação de saber — e vem a São Paulo, nem que seja de passagem, é multado sem dó, e ainda tem pontos anotados no prontuário da CNH. É a mais completa insanidade ou então roubalheira no sentido estrito.

Engenharia de tráfego no país é apenas um nome, pois ela, de fato, não existe. O controle dos semáforos com emprego da toda a tecnologia de informação do nosso tempo simplesmente é desprezada. Tal tecnologia só existe para captar imagens que são mostradas nos “centros de controle” — para multar, claro.

Outro dia assisti pela tevê como as autoridades de trânsito de Londres fazem para assegurar a fluidez do tráfego. Quando detectam que uma rua está acumulando carros demais, interferem nos tempos dos semáforos do entorno para atenuar o congestionamento. Veja o leitor o sentimento de dever, a preocupação com o cidadão, dos ingleses. Acontecer o mesmo aqui, nem em sonho. Especialmente quando à menor chuvinha semáforos ficam inoperantes — mas não os detectores de velocidade, vulgo “pardais”.

E o que dizer da “Grande Amsterdã” que o incompetente e  inconseqüente (“nós pega o peixe”) prefeito Fernando Haddad que fazer de São Paulo? Quatrocentos quilômetros de pistas para bicicletas! Ruas e mais ruas em que não pode mais parar o carro na porta de casa nem mesmo para um simples embarque/desembarque devido a faixas para bicicletas parcamente utilizadas!

E o que dizer de duas faixas para bicicletas, uma em cada lado da rua?

 

Duas ciclotaixas  POR QUE TEM QUE SER ASSIM? Duas ciclotaixas

Loucura completa (foto de Almir Orem)

O pior é que este “vírus” está se espalhando endemicamente pelo país inteiro, nas capitais e cidades grandes  e médias. O que será que se passa na cabeça desses prefeitos?

Das lombadas, creio ser desnecessário martelar o assunto. Somos a “Pátria da Lombada”, parafraseando o burro mote da presidente da República, certamente criação de um marqueteiro mais burro ainda. Pátria não educa, quem educa é o país, são as instituições de ensino.

Enquanto isso, o automóvel vai sendo cada vez mais demonizado, e isso seguramente é uma das componentes da queda de vendas que vem se registrando no s últimos meses, mostrou o último relatório da Anfavea.  “É, acho que não vou comprar carro não”, muitos devem pensar.

Como estamos num regime capitalista, menos vendas, menos produção, menos empregos. É isso o que queremos? Claro que não. Mas tem gente que parece querer. Soa a orquestração.

Quanto à pergunta-título, será que aquilo que costumo dizer, brincando, que somos um país amaldiçoado, é fato? Estou cada vez mais certo disso.

BS

Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • Roberto C.

    Tudo o foi mencionado na matéria – exceto o rodízio – se aplica com exatidão ao Rio de Janeiro. Com destaque para a indústria de multas e a proliferação das pistas para bicicletas inúteis ou sub-utilizadas. Grande abraço, e parabéns pela forma incansável com que vocês abordam o assunto.

  • REAL POWER

    Bob, essa é minha dúvida maior. Por que nada da certo no Brasil? Se não sabemos fazer, por que não apenas copiar o que da certo lá fora!
    Alguma coisa aconteceu na história desse país que eu não tenho condição de entender, o por que de tanta coisa errada. Me deixa triste saber que minha vida poderia ser melhor e mais fácil, mas não é.

  • Marcelo R.

    “Enquanto isso, o automóvel vai sendo cada vez mais demonizado, e isso seguramente é uma das componentes da queda de vendas que vem se registrando no s últimos meses, mostrou o último relatório da Anfavea. “É, acho que não vou comprar carro não”, muitos devem pensar.”

    Bob,

    Concordo totalmente! Eu mesmo fico me perguntado, ás vezes, para que pagar caro em um carro, no seguro, no IPVA, na manutenção, etc, etc, e nem ter o direito de se usar livremente o mesmo, pois você tem que se preocupar a toda hora com bicicletas, radares, rodízio, buracos, alagamentos dentre tantas coisas? Juro que se eu pudesse, venderia o carro e me livraria de todas esses incômodos…

    • Newton ( ArkAngel )

      A demonização do carro é um tiro no pé. Irão matar a maior fonte de renda do município.

  • Mr. Car

    Bob, aqui no Rio, na recém reformada Estrada dos Bandeirantes, há postes na faixa de rolamento. Não separando as pistas de ida e vinda, como no caso das árvores aí de São Paulo, mas perto do meio-fio ao longo das calçadas, o que não deixa de ser um absurdo, de qualquer forma.

  • Cláudio P

    Quando vi ontem fiquei perplexo!!! O prefeito Haddad consegue se superar cada vez mais. Mas também me causou espécie ver algumas pessoas elogiando. Está faltado senso crítico as pessoas e , infelizmente, a mídia também não assume uma posição critica. Ele justificou dizendo que faltam árvores em São Paulo. Oras, é um argumento tão tolo quanto aquele sobre justificar as “zonas 40” porque a essa velocidade as consequências de um atropelamento são menores. Eu não sei por que tem que ser assim, mas sei que não pode ser assim.

    • Domingos

      Falta é dar manutenção nas árvores em São Paulo, algumas delas sem poda há tanto tempo que não permitem a circulação de pedestres ou ciclistas.

  • João Carlos

    Outra maldição nacional (ou seria paixão nacional) é com canteiros centrais (físicos ou fictícios). Só perda de espaço, coisa eu precisamos. Nos EUA – que não falta espaço – o padrão é divisão de sentidos apenas por linhas.

    Olha esse caso das árvores, o canteiro fictício com ou sem árvores, não faz o menor sentido.

  • Lucas Vieira

    A burrice maior ainda é pintar as faixas de bicicletas, esscorregam igual quiabo quando molhadas….

    Aqui em Belo Horizonte está uma febre de pintar as faixas de pedestres em branco e vermelho, em largas faixas, é só chover que o freio deixa de “funcionar” nas benditas faixas.

    Será que isso só acontece comigo?

    • Lucas dos Santos

      Se tivessem seguido os padrões do Contran, em que a tinta vermelha é utilizada apenas para destacar os limites da ciclovia – à exceção dos cruzamentos, que são preenchidos – esse problema não ocorreria:

      http://i.imgur.com/6v8UO2s.png

      http://i.imgur.com/zJ8Xyx3.png

      Mas não, o pessoal se acha “mais inteligente” que o órgão máximo do Sistema Nacional de Trânsito e cria seus próprios padrões, gerando transtornos desnecessários.
      O mesmo vale para as faixas de pedestre.
      Os órgãos de trânsito precisam ser fiscalizados também – e não somente os motoristas. Se há uma Resolução – que possui força de lei – estabelecendo padrões a serem seguidos, ela PRECISA ser obedecida.

  • Guest

    Se não tiver a árvore nesta via o carro sem controle baterá de frente, será que não é melhor que nada, além de mais verde? hen, ? Nossa seu fígado vai desmanchar de tanto ‘ÓDIOPOSIÇÃO’. Um copo d’água da SABESP para o senhor!

    • Felipe Felipe

      Como o Sr. fala lixo! Também, com essa carinha do Molusco Pinguço não poderia vir outra coisa! O que mais me irrita nos petistas idiotas é que eles tem orgulho de serem idiotas!

    • João Carlos

      O próprio Lula num video (em que ele está num avião) diz que o PT sobrevive e vive dos xiitas. Que o defendem a todo custo, às vezes se passando como ignorante do assunto, como é seu caso. Faça como muitos, pule deste barco enquanto é tempo.

    • Marcio

      João Pedro, dia 15 te espero lá na Paulista! E uma pergunta que ninguém consegue me responder: qual a renda necessária para poder ser classificado como burguês, elite? R$2000? R$4000? R$6000? Vamos parar com essa besteira de tentar jogar A contra B através de rótulos bestas como “ódioposição”, “terceiro turno”, “burguês”, etc. O que está sendo discutido aqui é um bem comum, afinal todo mundo usa a rua para se locomover, o que não pode ser dito das ciclofaixas que estão vazias! Me diz por que discutir um bem comum é ódio? Você não percebe que esse discurso de ódio disso, ódio daquilo, é só lavagem cerebral orquestrada por marqueteiros? Pelo amor de deus!

    • Fabio

      O problema não é o carro bater na árvore. O problema são as motos e
      bicicletas, que em caso de choque com a árvore, trarão lesões
      gravíssimas, ou mesmo a morte, sem falar no risco a pedestres
      atravessando fora da faixa de segurança (sim, eles existem no Brasil!!),
      sem a proteção de uma calçada, e eventualmente “escondido” pela árvore.
      Há muitos outros erros, no que se refere à segurança do trânsito
      (curva, aclive/declive…), mas fico por aqui. E se alguém de fato
      acredita que no meio da rua, sem canteiro central, é um lugar adequado
      para plantar árvores, só posso lamentar.

      P.S.: quanto à água, bebo diariamente a água da SABESP há 47 anos, e vou muito bem, obrigado!!

    • RoadV8Runner

      Nooooooossa!!!
      Não acredito que estou lendo um absurdo desses. Além do perigo que representa abraçar uma árvore, existe o fator “mão contrária vazia”, ou seja, pode-se invadir a faixa contrária e não haver outro carro nela. Já as árvores plantadas…

    • Domingos

      “Mais verde”, “ódioposição”… Bom, com esse vocabulário de assistente de cabeleireiro fofocando, quem vai te levar à sério?

      Agora, aqui em São Paulo a água vai bem, obrigado. Pessoalmente, graças a Deus, não enfrentei um dia sem ela até agora. Nas últimas semanas tem chovido bem, ao contrário de outros estados que estão enfrentando seca (ou seja, o problema não era exclusivamente o nosso governo estadual).

      E, se não és de São Paulo, não cabe meter o bico onde tem conhecimento apenas?

      Basta observar como foi feita a obra, com a típica qualidade PT, que dá para entender o problema. E, ainda por cima, enquanto não foram feitos canteiros (ou seja, em poucos anos o asfalto já ruim vai arrebentar) e enquanto a cidade enfrenta uma crise de orçamento.

      Mas se é desculpa ser “mais verde”, eu apoio árvores em toda faixa que o Haddad pintou.

  • Carlos A.

    Tudo isso é assustador!! Acho que se a pessoa analisar de mais desiste mesmo de ter carro e de dirigir. Eu mesmo acho que estou desaprendendo o que li sobre as regras de trânsito. A cada dia o stress é maior e a incerteza também no trânsito, diante dessas criações estúpidas!

    • Discipule

      Some o que você disse Carlos ao custo do IPVA (aqui no Paraná houve um aumento de 40%), combustível (fato notório), manutenção, etc. Ter um automóvel e usá-lo está ficando cada vez mais custoso e estressante… Creio que, num futuro próximo – espero estar errado – somente aqueles que prezam e têm “amor” ao automóvel o mantenham vivo…

  • Fabio Vicente

    Não é fácil responder sua pergunta.
    O rodízio, como bem explicado tornou-se uma medida ineficiente para o trânsito, mas altamente lucrativa para a prefeitura, que por sua vez, não aplica (corretamente) o dinheiro arrecadado sob qualquer aspecto.
    Na rádio de notícias Bandnews São Paulo há um quadro chamado “buracômetro” onde os motoristas da Grande São Paulo relatam seus problemas e dificuldades com os buracos nas ruas. Veja a que ponto chegou: a prefeitura planta árvores como meio de separar a direção de uma rua, mas não conserta as vias problemáticas da cidade. E sob o argumento de fazer uma arborização na cidade, só que de forma totalmente incorreta.
    Multas de trânsito também estão incorporadas no orçamento básico como item de faturamento de todas as prefeituras do Brasil. Tanto é verdade que geralmente há metas estipuladas pelos governos para aumento de arrecadação a cada novo ano.
    E não duvido que um dia seja implantado o pedágio urbano na cidade de SP. Tenho certeza que há um projeto guardado na gaveta, pronto para entrar em ação.

    • CorsarioViajante

      Na gaveta nada, toda hora trazem esta idéia à tona.

  • lbreis

    No norte do paraná, um prefeito resolveu transformar uma rua em avenida e passou a distribuir postes ao longo da via. Segundo o que se comentou à época, futuramente seria feito um canteiro divisório, abrangendo os tais postes instalados ao centro da via. Consta que o Promotor de Justiça achou uma bendita norma que gizava a largura mínima da pista para a instalação de uma avenida com canteiro central, o que não foi cumprido e, diante da ameaça de uma ação civil pública, os postes foram retirados.

  • Newton ( ArkAngel )

    Bob, é imbecilidade mesmo,não dos governantes, mas do povo mesmo. A maioria vive de modismos mesmo, fazem as coisas sem pensar; “ah, tá todo mundo fazendo. ..
    Tomo como exemplo uma coisa corriqueira hoje em dia, mas que me chamou a atenção : notei que o ser humano está bebendo mais água; atualmente, quase todos andam com aquelas garrafinhas de água em todos os lugares, e ficam bebendo a cada 10 minutos. Nada contra, mas pelo que me lembre, quando eu era jovem ninguém andava com as tais garrafinhas. Cheguei à conclusão então que “está na moda beber água “; existem nas lojas de esporte garrafas caríssimas para acondicionar o precioso líquido, e nos mercados existem águas minerais também muito caras.
    Parece idiotice, e realmente é. As pessoas não raciocinam mais, e os governantes se aproveitam para enfiar-lhes goela abaixo tudo que lhes der na telha.

    • Domingos

      É… bom, melhor não falar. Muitas dessas águas são importadas, inclusive. O impacto ambiental deve ser o mesmo de andar de carro por vários dias.

      Enfim, o tipo de público atraído por essas medidas é a sub-raça humana definida com perfeição e precisão. O pessoal pensa completamente por sinônimo e é capaz de acreditar em algo absurdo mesmo que lhe esfreguem na cara a estupidez.

    • CCN-1410

      É a pura verdade e de preferência beber em público.

    • Lucas Pereira

      hahaha verdade. Ir para o trabalho/faculdade de bicicleta também. Antes era coisa de pobre, “looser”. Agora é “cult”, moderno. Principalmente se a bike tiver cestinha. Ah, e óbvio, ocupando uma faixa inteira de rolamento.

      • Domingos

        Já na minha época tinha isso. Era legal que, no fim das contas, a “bike” era legal só na conversa. Todo mundo queria mesmo era uma carona de quem vinha de carro mesmo. Até os eco-chatos.

  • Bob Sharp

    João Pedro Marchina
    Para escrever um comentário desses, só mesmo sendo um imbecil completo. Árvores são barreiras indeformáveis, ao contrário dos carros. Portanto, é pior a árvore numa batida. As vias são compartilhadas por motocicletas e bater com a cabeça numa árvore é óbito na certa, e não precisa estar rápido. A Sabesp vai muito bem aqui em Moema, obrigado, a água vem da Guaramiranga, que está com 70% da capacidade. Mas dentro da sua imbecilidade, uma coisa você acertou: é ódioposição mesmo! Mas mesmo dando uma dentro — coisa rara dos petralhas, exceto no receber propinas, suma-se daqui e não insista.

    • Maurilio Andrade

      Bob,
      Onde assino?

      • Fabio

        O problema não é o carro bater na árvore. O problema são as motos e bicicletas, que em caso de choque com a árvore, trarão lesões gravíssimas, ou mesmo a morte, sem falar no risco a pedestres atravessando fora da faixa de segurança (sim, eles existem no Brasil!!), sem a proteção de uma calçada, e eventualmente “escondido” pela árvore. Há muitos outros erros, no que se refere à segurança do trânsito (curva, aclive/declive…), mas fico por aqui. E se alguém de fato acredita que no meio da rua, sem canteiro central, é um lugar adequado para plantar árvores, só posso lamentar.

        p.s.: quanto à água, bebo diariamente a água da SABESP há 47 anos, e vou muito bem, obrigado!!

    • Juvenal Jorge

      Ih, Bob, acho que na hora que você escreveu “barreira indeformável” já travou a cabeça do camarada. Se fosse “barreira indeformável verde” até pode ser que ele iria tentar entender.

    • gusmotrub

      Caro Bob,

      Depois desta sua resposta, acho que seria mais apropriado o senhor mudar a frase que está no final da página “Quem Somos”

      http://autoentusiastas.com.br/quem-somos/

      “Guiado por valores como paixão, qualidade, credibilidade, seriedade, diversidade e respeito aos leitores, o AUTOentusiastas mudou de endereço e se transformou em site a partir de 1° de julho de 2014 e pretende continuar evoluindo e se consolidar definitivamente como um dos melhores sites sobre carros do Brasil.”

    • Domingos

      Para ajudar na esnobada, Bob, moro na Zona Norte e ainda assim não enfrentei um dia sequer de falta de água.

      Só ouço reduto do PT com racionamento…

    • SergioCJr.

      Que bom que em Moema não faltou água, Bob.

      Em regiões atendidas pelo Cantareira, caso aqui da Vila Prudente, já faltou por alguns dias. Em bairros mais afastados, onde a diminuição da pressão é mais sentida, falta por vários dias.

      Sem partidarismo, não consigo entender essa blindagem em torno do nosso governador.

      Falam de uma ditadura do PT, mas o que dizer de uma ditadura do PSDB em nosso estado?

      Essa crise hídrica vivida pelo nosso estado é resultado da mais pura incompetência estadual, assim como nosso quadro econômico é resultado da incompetência federal.

      Somos os estado mais rico e pagamos os maiores impostos, porém:

      I) Convivemos com uma educação de baixa qualidade;

      II) Insegurança generalizada (para quem anda de moto, em São Paulo temos que comprar a que menos roubam ou a que possui um prêmio de seguro razoável – algumas esportivas não possuem, sequer, aceitação e, as que têm, o seguro passa de 40% do valor do bem);

      III) Depois de quase 20 anos de PSDB, nossa malha ferroviária e metroviária é ridícula (sem falar no “trensalão”, que para os paulistas, me parece, é invenção da mídia esquerdista).

      Como falei, sem partidarismo, mas pau que bate em Chico, também deve bater em Francisco.

      Vocês percebem como ambos os lados utilizam os mesmos argumentos falhos?

      A “esquerda” aponta as feridas da “direita” (e PSDB nem de direita é) mas é incapaz de olhar suas próprias incapacidades e acusa, todos que lhe são contrários, de coxinhas e reacionários.

      A “direita” (PSDB é direita?) acusa a “esquerda” por todas as mazelas do mundo mas, quando ela está no meio do escândalo, ignora, acusando os que lhe acusam, de esquerdistas, comunistas e bolivarianos.

      É como aquela história, prisão perpétua, espancamento e pena de morte só são boas para os filhos dos outros, porque se é o meu filho que faz uma “cagada”, coitado, não merece ir para a cadeia, pois é um bom rapaz e existem outros piores que ele.

      A verdade é que nossa atual situação não é culpa do PSDB ou PT, é culpa nossa, pois as pessoas que estão nesses partidos são reflexo do próprio povo que, estranhamente, se orgulha de ser o povo do “jeitinho e da malandragem”.

      • Domingos

        Bom, você está certo que devemos criticar e ver os problemas em todos os lados.

        O problema é que, embora não seja seu caso, a condenação do PSDB aqui em São Paulo é só para abrir caminho ao PT e as esquerdas e é só para desinformado e enganado.

        Claro, existem opções melhores. O problema é que NINGUÉM VOTA NELAS.

        Dado que não votam, vamos louvar que o PSDB está aqui no lugar do PT.

        Quando começam a surgir esses índices de violência e tudo mais, repetidos pelos petistas há décadas, você pega os estados governados pelo PT e vê que neles existe uma EXPLOSÃO de roubos, homicídios e outros crimes já há quase 10 anos.

        Outra coisa: Minas Gerais e Rio de Janeiro também estão sofrendo com seca esse ano e as usinas de geração de energia por todo o país sentem o mesmo – e por isso que estamos tendo RACIONAMENTO de energia, feito pela via do aumento enorme nas contas.

        Vale lembrar, nesse caso não como uma provocação a você, que agora está tudo parecendo se voltar contra quem votou no PT:

        – Ônibus mais caro.

        – Energia mais cara.

        – Turismo impraticável.

        – Falta de água em vários locais do país.

        – Aumento de preços generalizado, inflação e gasolina/álcool caros.

        Por fim, em São Paulo falta água só em reduto do PT. Sou do sistema Cantareira também e só noto baixa de pressão, porém nunca fiquei um dia sem água.

        Moradores da minha rua relatam que apenas precisaram encher mais as suas caixas.

        Vila Prudente é redutão do PT, embora já vi manifestações de desgosto depois de tudo isso.

        Novamente, não é pessoal no seu caso, mas parece que finalmente estão voltando as coisas a quem as fez.

        A mesma população que colocou um crápula revoltoso contra São Paulo como o Haddad no poder agora enfrenta, sozinha com outros redutos do PT, a falta de água…

  • Wagner Bonfim

    Bob, não acho que somos um país amaldiçoado, porque temos, ou tínhamos, recursos naturais, ausência de catástrofes naturais e etc. Acho que somos um povo amaldiçoado …

    Nessa ciclovia abaixo, no centro de Vitória – ES, pode-se até achar que está tudo correto, mas … aos domingos e feriados uma das pistas vira faixa de lazer (!), foram extintas as vagas nos 2 lados da via e, infelizmente, o centro será cada vez mais esquecido pela população, pois não há vagas de estacionamento.

    http://midias.gazetaonline.com.br/_midias/jpg/2015/02/03/cda030215gz707-3742248.jpg

    • Lucas Pereira

      Me desculpe, mas também sou morador de Vitória e discordo de sua avaliação.
      Essa ciclovia foi criada onde havia um estacionamento paralelo à via, totalmente incompatível com a avenida. Imagine, ter que fazer baliza em uma das avenidas mais movimentadas da cidade. Praticamente inutilizava a pista da direita. As vagas que deixaram de existir não fazem falta alguma. Hoje, com o estacionamento rotativo na região, sobram vagas. Antes sim, era impossível encontrar vaga.

      Portanto, penso que neste caso a ciclovia só trouxe benefício. Não há impacto algum no comércio, não passa em frente à garagem de ninguém. Ao contrário de muitos exemplos realmente inconcebíveis que vemos por aí.

      Quanto à faixa de lazer na pista da direita aos domingos e feriados, eu a utilizo com frequência e garanto que não há impacto algum no trânsito, já que o fluxo no Centro nessas datas é muito reduzido. Duas faixas nesses dias são mais que suficientes.

      • Domingos

        Bom, esse tipo de coisa dá para se apoiar. Pelo que você fala, ao menos…

        Agora, se já existe a ciclo-via demarcada, permanente e até isolada do tráfego, não vejo a tal “faixa de lazer” como necessária a não ser como forma de encher as sacolas do motorista mesmo.

        E, outra coisa, ou se fecha mesmo uma rua para lazer ou não se fecha. Causar um acidente horrível com uma criança é fácil quando se tem gente dividindo faixa com carro e mesmo com bicicleta.

      • Wagner Bonfim

        Bom Lucas, você tem uma visão, por assim dizer, mais ciclística. Na minha opinião essa Av. deveria ter 4 pistas, e hoje só tem 3, e bem estreitas (os ônibus tem dificuldades em ocupar somente sua via, dada a pouca largura). Em frente aos galpões, principalmente, concordo contigo, o estacionamento até atrapalhava, graças a dificuldade em manobrar típica dos capixabas.

        O estacionamento rotativo é muito custoso para quem trabalha por lá, hoje, basicamente, só órgãos públicos (com seus salários mais altos) e lojas populares. Ou seja, nosso centro antigo involuiu e se tornou um bairro morto, que serve apenas de passagem.

        A PMV bem que poderia ter feito mais! Acho que ela se ateve apenas a criar a ciclovia na marra, mesmo que melhor executada, pois era uma promessa de campanha do então candidato a prefeito. Acho que se pensou apenas no ciclista: falta +1 faixa de rolamento, como coloquei anteriormente, faltam os recuos para os pontos de ônibus em frente ao palácio, que é algo que afeta bastante o trânsito também.

        Essa faixa extra é subutilizada até pelos próprios usuários. Dificilmente as pessoas se sentem seguras para passar por ali. Não justifica mobilizar a Guarda Municipal para criar um recurso de lazer que é pouquíssimo usado.

  • Discipule

    É realmente muito triste e indignante… Pensar que as coisas são feitas sem o mínimo de avaliação técnica, lógica ou motivação (justificável!). Situações como essas demonstram que os governantes são tal qual aquelas crianças mimadas, birrentas e mal educadas: faço o que eu quero, do jeito que eu quero! Doa a quem doer! É isso que eu vejo nessas fotos…

  • Ilbirs

    Aqui em São Paulo eu quase escorreguei bonito em uma dessa ciclofaixas pintadas em um dia de chuva, ainda que esta se encontrasse dentro de uma via particular de um complexo de edifícios comerciais. E depois dessa parei de usar sapato de sola mais lisa mesmo quando o tempo está bom.
    Pior que isso foi quando fui para Paraty e vi que em uma cidade várias vezes menor em tamanho e dotação orçamentária que São Paulo os caras fizeram uma ciclovia do modo certo: blocos intertravados vermelhos (mais tração para a magrela e mais segurança a quem estiver andando) em via segregada do trânsito normal. O resultado disso? Via-se muita gente usando bicicleta na referida cidade histórica. Por lá só não se usa mesmo bicicleta no centro histórico, pelo óbvio motivo de ele ser calçado com pedras lisas igualmente tombadas pelo patrimônio histórico.

    • Domingos

      E, devemos lembrar, NÃO É REGRA ou necessidade pintar toda a ciclovia ou ciclofaixa de vermelho, basta sinalização ou uma mera linha demarcatória.

      Lá fora não se faz isso, pois além de não ser regra é desperdício de tinta e deixa a cidade horrenda.

    • LG

      IIbirs, qualquer cidade com topografia plana e que seja pequena (digamos até 200.000 almas), pode perfeitamente permitir o uso do carro e da bicicleta, sem baboseiras de ciclovia/faixa/rota, pois a própria condição geográfica estimula isso (cidade plana com distâncias curtas). Em Paraty é assim, e uma cidade do Estado de São Paulo em que a magrela é usada mesmo como meio de transporte de “trabalhador” chama-se Cubatão. Nesta cidade é interessante que muitos estabelecimentos comerciais possuem “bicicletários” (acho que é esse o nome), onde o ciclista pode estacionar a bicicleta e prendê-la com a trava apropriada. Detalhe: em Cubatão são pessoas “normais” que usam bicicleta, trabalhadores, alunos, donas-de-casa. Caloi barraforte impera, e dificilmente você vai ver algum palhaço com roupinha colada e “bike” de R$ 8.000,00.
      Eu não moro em Cubatão, mas trabalhei lá durante cinco anos e pude observar isto

  • Tem mais, nos EUA o canteiro central na maior parte das vezes é uma 5a faixa, utilizada para conversões à esquerda, basta sair da faixa de rolamento, encostar e aguardar para fazer a conversão, assim não se atrapalha o fluxo da faixa de rolamento, Inteligente, econômico e funcional.

  • Aldo Júnior

    Bob, faço meu o seu questionamento. Estamos atravessando uma “noite que não tem fim” de governança. O pior é que “Reservas Morais e Institucionais” de outros tempos, (ABI, OAB, Ministério Público e outros), todos tão ciosos e ativos em ocasiões incomparavelmente menos graves do que atravessamos agora, calam-se e omitem-se e, quando não, apoiam satisfeitas o descalabro. Para quem assistiu esse país tentar se organizar como Nação, anos atrás, é muito triste. Como bem diz você, é uma nação se esfarelando. Abraços a todos;

    • Discipule

      Esqueça a OAB… Ela não luta nem pelos próprios advogados… Infelizmente.

  • REAL POWER

    Não posso deixar de sitar a famosa frase do rei da Espanha, Juan Carlos a Hugo Chávez.
    POR QUÉ NO TE CALLAS.

  • CorsarioViajante

    Em SP ocorre coisa parecida, excluíram o “monstro carro” no centro, pois os urbanistas juravam que isso iria transformar a região num “boulevard” lindo, onde as pessoas iriam sentar, tomar um café… Na vida real acabou com o centro. Mas mesmo assim este papo ainda cola e muita gente cai nessa.

    • Domingos

      O centro antigo nosso é lindo. De dia é um lugar super agradável e tem um comércio bacana – ao menos o legal.

      Só precisa eliminar os esquerdismos, coisa que os frouxos do PSDB não fizeram e o atual governo óbviamente só trabalha para expandir.

      Tira de lá em PRIMEIRO lugar a prostituição. Em segundo os moradores de rua, remanejando os mesmos em abrigos.

      Depois tira o pessoal das drogas, que já seriam quase eliminados com a solução da prostituição e moradores de rua.

      Ah, e tira também de lá as casas noturnas, que só servem para prostituição de travestis ou prostituição tradicional mesmo – aliás, abriu uma sede do PCO justo em frente a uma casa noturna lá, que coincidência…

      Óbvio que meramente tirar coisas boas da civilização, como carros, não só não tem efeito como surge efeito contrário.

      • CorsarioViajante

        É lindo mesmo, e isso torna tudo mais triste. Toda vez que vou com minha esposa campineira mostrar as belezas do centro antigo tomamos algum susto. Desistimos.

        • Domingos

          Tem que ir de dia, preferencialmente bem no horário comercial e em dias de atividade normal.

          Durante esse período não tem (ou não tinha…) nada das feiuras do centro. É bastante alegre, até mesmo.

          E existe uma variedade de comércio bom, legalizado e consagrado que não se encontra em outros locais. O que os chatos chamariam de “alternativo”, com toda a penca e a inutilidade padrão deles, lá já existe faz tempo.

          É o único lugar do Brasil em que se pode encontrar peças para eletrônicos antigos ou edições de revistas e livros já tirados de circulação porém ainda NOVOS – e sem ser o tipico negocinho sujo, é tudo sem ser de roubo, com nota fiscal e com gente que estará lá no dia seguinte se houver algum problema.

          Acho que o que começou a estragar lá foi o espírito “galeria do rock”…

  • CorsarioViajante

    Hahaha sensacional, é mesmo o rabo abanando o cachorro, é melhor bater na árvore do que em outro carro, isso que é lógica sectária!

  • CorsarioViajante

    Provavelmente usam tinta com especificação errada. Não sei se repararam mas parece que mudaram a tinta que separa as faixas: na chuva ficam invisíveis.

  • Leandro Castro

    Quando essas raízes começarem a enrugar o asfalto, o que vão alegar?
    Não sou de SP, sou de MG, aqui, na minha cidade, Montes Claros, a empresa de tráfego, MCTRANS, estabeleceu uma faixa de ônibus numa avenida com a pavimentação tão boa quanto uma avenida na lua. Pintaram faixas delimitadoras de um dia para o outro, e, quando começou a “valer a faixa”, tinha agentes multando com maestria!
    Veja na foto anexa! Nessa avenida ai, foto antes da faixa, eles simplesmente pintaram a direita, ÔNIBUS. Sem contar que resolveram implementar o sistema de ônibus articulado aqui, no centro da cidade, de ruas estreitas, resultado, o ônibus ficou travado na primeira esquina que tentou virar!

    • Domingos

      É São Paulo fazendo tradição para o resto do Brasil. Já demos exemplos bem melhores…

  • Bob Sharp

    Newton
    Isso mesmo! Penso o mesmo a respeito de pessoas andarem com garrafinhas de água por toda parte. Virou moda, é “in”, “sou moderninho(a)”. Imagine, sair carregando água!

  • Mr. Car

    Off-topic: primeiras mortes causadas pelo “exército” do MST.
    A interrupção da BR-101 pelo MST em Sergipe, causou um acidente com três mortes. Quando caminhoneiros interrompem rodovias, aquela coisa que atualmente envergonha a pasta da Justiça, o tal de José Eduardo Cardozo, joga a polícia para cima, e manda multar. Mas o guerrilheiro/terrorista do Stédile e seus comandados podem, e se além de interromper rodovias, resolverem também defecar e sapatear sobre a mesa do gabinete deste tal de Cardozo, ele enfia o rabinho entre as pernas bem enfiadinho, como cachorrinho com medo do dono, e ainda os recebe com pompa, tapete vermelho (a cor não podia ser outra), água gelada, cafezinho, e biscoitinhos amanteigados. Vergonha, absoluta vergonha!

    • RoadV8Runner

      Este país está virando uma baderna de assustar…

  • Gabriel Felipe Moretti

    Isso é o que está sendo implantado em Curitiba as tas das Ciclorotas, são ruas secundárias em que o tráfego fica limitado a 30 km/h para dar mais sossego aos ciclochatos de plantão poderem ir de um bairro nobre a uma universidade particular no caso a PUC-PR.
    Quanto as árvores no meio da rua, algumas cidades do Sul tem isso, ainda mais quando são Araucárias, arvores imunes ao corte e se cortar e for pego ou denunciado uma multinha aí de uns R$ 50.000,00, e por ser espécie em extinção fazem destas mesmo, como em Colombo que tem uma de mais de 200 anos no meio de uma rua, ainda bem que esta rua não liga nada a coisa alguma, é de saibro, e só serve para os perdidos darem a volta no Bosque da Uva, próximo ao Centro de Colombo

    • Domingos

      Eu gostava de Curitiba até ver que é constantemente governada por gente com “medo de parecer normal”. Aí anda rolando até aquelas campanhas contra “cantada de rua”, outra imbecilidade fascista moderna disfarçada de “progresso”.

  • Marcio

    Na verdade, a água está virando um recurso tão escasso que a garrafinha é o equivalente à carteira, faz-se escambo de água com outros produtos, ou usam a água para regar essas árvores, haha! Piadas de lado, é uma vergonha mesmo, e pior ainda é pensar que você é proibido de usar um bem durante um dia por semana e não ganha nem um descontinho no IPVA. Ora, se de 5 dias úteis não posso usar em 1, justo seria ganhar um desconto de 20%… E é impressionante como esse Maníaco da Bicicleta vomita números sem sentido para defender essas idiotices! Sou a favor de comprarmos um lote de Roundup (herbicida demonizado por MST e afins) e jogar nessas árvores.

    • Marcos Amorim

      Vai por mim, o resultado de algo assim é hilário.

  • Guilherme Jun

    Só de ver os salários paupérrimos para os concursos da CET, dá pra ter ideia de por que não dá nem vontade de trabalhar lá.

  • Sergio
  • Juvenal Jorge

    Bob,
    muitos não sabem, poucos já ouviram falar, e destes, quase todos não acreditam: o PT quer um povo pobre para implantar o comunismo. Isso para mim é claro como água tratada.
    Espero que mais pessoas percebam o tamanho da encrenca.

  • Ilbirs

    Essa medida tomada pela Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Transportes, por sua vez controladora da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), fere o mais elementar princípio de segurança viária, e no entanto, está aí, alardeada por toda a imprensa e, pasme, teve gente que gostou da esdrúxula idéia.

    Lembremos que a gestão Haddad tem um certo número de puxa-sacos que, se não são maioria em uma cidade que está detestando o referido alcaide, são muito vocais principalmente em redes sociais. São os caras que:

    1) Acham linda a ciclovia de duas mãos em rua de mão única para veículos automotores, acham mais lindo ainda que ela seja basicamente tinta sobre asfalto (mesmo que possa custar um destracionamento das magrelas e acidentes bisonhos que não aconteceriam se as mesmas estivessem com pneu em contato direto com o asfalto ou o tipo de tinta mais áspera normalmente usada nas sinalizações de chão);

    2) Acham lindo que essa ciclovia de duas mãos tenha uma das mãos obrigatoriamente na sarjeta, tornando-a na prática inútil por obrigar o ciclista a ir na contramão para não se acidentar;

    3) Acham lindo que avenidas com canteiro central tenham faixas de ônibus exclusivas em vez dos corredores que o canteiro central possibilitaria a existência, inclusive com benefícios para a fluidez dos ônibus;

    4) Acham lindo que a velocidade máxima das vias se reduza ainda mais;

    5) Acham normal que os arcos do Jânio sejam grafitados, mesmo sendo patrimônio histórico tombado;

    6) Usam o termo “coxinha” para quem se opuser às medidas que estão sendo feitas, quando salgado por salgado eles é que são os enroladinhos;

    7) Devem estar aplaudindo a maldade que fizeram com os ipês amarelos plantados no centro da Patrocínio Paulista, mesmo que essas árvores possam morrer esturricadas daqui a um tempo, tal qual as ciclovias que estão descolorindo;

    8) Estão achando lindo que se transforme o Minhocão em parque suspenso em vez de demolir de vez essa estrutura e arranjar um substituto para a mesma (como a avenida projetada sobre as linhas da CPTM).

    A mecânica desse pessoal é sempre a mesma: tudo aquilo que o Haddad fizer terá o amém deles, mesmo que na prática prejudique tanto a quem não votou nele como a seus próprios eleitores. Se alguém tomar um tombo de bicicleta por destracionamento, irá se machucar independente ou não de ser eleitor do cara. Se alguém bater o carro em uma dessas árvores plantadas no meio da rua, também independerá em quem votou pois o grau de ferimentos será o mesmo.
    Esses haddadetes que sempre bajulam o referido prefeito estão usando de um expediente que inibe muita gente de dizer as coisas abertamente: ostracizar os críticos perante o resto da sociedade, de maneira que até mesmo coisas simples como arrumar um emprego se torne difícil. Logo, muitos preferirão ficar quietos ou criticar de maneira mais velada.

  • Marcos Amorim

    Eu aposto um radar móvel que nem se atentaram para as espécies das árvores e tipos de raiz.

    • joao

      E eu aposto uma lombada que são justamente as espécies que mais estufam o asfalto…

  • RoadV8Runner

    Isso é uma coisa que, sem exagero, vem me preocupando muito por estas terrinhas: a queda brutal que vejo no senso crítico das pessoas, o conformismo com a realidade (ruim) em que vivemos. Para muitos tudo está muito bom e quem luta por melhorias é taxado de revoltado, chato e por aí vai. Eu sou o tipo de pessoa que questiona tudo, absolutamente tudo a que tenho contato. Não é preciso ser especialista em nada para se ter bom senso.

  • Alexandre Macedo

    O PT é a mistura de loucura e criminalidade que está destruindo o Brasil.

  • Bruno Bertha

    Guia descomplicado do Brasileiro politicamente correto 2015, em 3 passos:

    Crucificar o cara que leva a esposa pra jantar, toma um copo de vinho e volta pra casa dirigindo; o fumante que está a 50 metros de distância, e defender e legalização da maconha.
    Militar a favor da união homoafetiva, das cotas para negros (sejam eles ricos ou pobres) e do feminismo, ao mesmo tempo que atribui os escândalos atuais do país à imprensa golpista e coxinha.
    Considerar o carro o vilão da humanidade, e seus inconsequentes donos os responsáveis pelo aquecimento global, ao mesmo em que troca de celular a cada 6 meses, anda de bike, e abre uma nova garrafinha de água a cada 10 minutos.

    Antes de me chamarem de nazista, parem 1 minuto para pensar.
    Abraços.

  • CCN-1410

    Por que tem que ser assim, filme de 1968 com Alan Arkin, excelente ator.
    “John Singer (Alan Arkin) é surdo-mudo. Ele vive num quarto alugado na casa da garota Mick (Sondra Locke); e apesar da dificuldade de comunicação entre eles, os dois tornam-se amigos. Além disso, Mick apresenta muitos traumas de adolescência, e é isso o que leva Singer a fazer de tudo para ajudar a menina, assim como ele faz com todas as pessoas que necessitam de ajuda. A questão é que não há ninguém que o ajude a resolver os próprios problemas”.
    No final ele se mata.

  • joao
  • Ilbirs

    Faz falta no Brasil uma máquina como esta:

    Só aqui em São Paulo daria para transplantar para lugares mais seguros uma série de tipuanas que estão perigando cair e por um acaso estão nas calçadas.

    • Gabriel Felipe Moretti

      Já tinha visto sobre estas engenhosas máquinas de replante de árvores, aqui no Brasil seria ótimo ter umas destas, a serviço das prefeituras especialmente, como aqui em Curitiba que tem algumas Araucárias, que são árvores de grande porte com galhos longos e no topo das mesmas, muitos acidentes ocorrem com quedas de galhos e das próprias árvores, uma replantio em local seguro seria uma boa para algumas em situação de risco.

    • Leonardo Amaral

      Já vi arvores sendo retiradas e replantadas no acesso ao aeroporto de Brasília.

  • César

    Luta sim, Discipule. A OAB é tão organizada que disciplina até registro para estagiários.
    Os conselhos dos engenheiros e arquitetos (CREA e CAU) lutam muito, mas muito menos. Pode acreditar.

    • LG

      É que existe uma diferença estatutária, jurídica e de atribuições entre ordem e conselho. Eu como também pertenço a um conselho, sofro as mesmas limitações César.
      Abço

  • César

    Aqui em Caxias do Sul (RS), também reina a imbecilidade.
    Esta rua, que aliás tem trechos curvos, teve diversos postes de alta tensão colocados no eixo da via, sem qualquer canteiro ou elevação ao redor deles.

    Em tempo: Bob, depois de escrever este comentário reparei que a segunda foto do seu post foi retirada do Jornal Pioneiro, aqui da cidade. Por aqui esse tipo de coisa é muito comum, dada a falta de planejamento urbano.

    • Domingos

      Nossa, a gente leva um tapa e depois vem o soco. As árvores até que ficaram legais perto disso!

    • Márcio Fernando Thomas

      Acho até que vi umas elevações ali no entorno dos postes…. 😛

      Em São Leopoldo – RS, desde que eu me conheço por gente, sempre existiu algo semelhante na Av. Teodomiro Porto da Fonseca. Para mim isto é algo normal, digamos…

      Não creio que o problema seja falta de planejamento, pois se foi colocado aí, provavelmente esta era a melhor solução para o problema de suprir um ponto da cidade com energia.

      Creio que o problema principal por trás disto tudo é que as cidades cresceram muito além do que as cidades comportavam… Está na hora de os governantes descentralizarem as cidades, as indústrias, o comércio… enfim, a Economia Nacional.

    • CorsarioViajante

      Cara, é de cair os dentes da boca, de cair os olhos da cara, de cair o… Deixa pra lá.
      Inacreditável uma aberração desta;

    • Ricardo

      Brasil, país do empirismo e do “vamos fazer que depois se ajeita”.

  • m.n.a.

    Calma meu amigo…pelo que vi de sua foto no perfil, curte a Serra do Mar e natureza (foto no Anhangava?)…. então pensa bem, cortar a Araucária de Colombo de 200 anos é hoje um crime…reflita um pouco melhor se é paranaense…não gostaria que fosse cortada, espero…

    afinal não existem “tantas Araucárias assim” no meio da rua….

    é diferente da situação de São Paulo que estão plantando árvores no meio da rua…

    quanto às CICLOROTAS, concordo com você….RIDÍCULO ! !…

    além de auto-entusiasta e curtir minha Caravan e Chevette, sou ciclista bastante ativo, quando saio pedalo 80 km por Curitiba em QUALQUER RUA, mantendo 30 a 40 km/h com a bike nas vias de 60 km/h…basta ter prudência, andar pela direita, sinalizar e ser visto….os únicos problemas que tive até hoje foram k-gadas minhas mesmo, hehe…

    o problema é essa gente que quer “passear de bike” no meio das ruas, pedalando “em S” a 10 por hora….

    • Gabriel Felipe Moretti

      Opa m.n.a, não to reclamando, só estou apontando os fatos, eu sou muito a favor das Araucárias, estou para me mudar para um terreno perta da Gruta do Bacaetava e planejo plantar pelo menos uns 10 exemplares num lugar especial lá, acho que me expressei mal e ficou aparecendo que estava criticando.
      Quanto a sus resposta se minha foto do perfil é no Anhangava, não é não, fica na Estrada da Ribeira, próximo ao Km 30, ao lado do Viaduto do Bela Vista. Conhece esta estrada até Adrianópolis, se não é um belo e sinuoso passeio, perfeito para entusiastas, com parada obrigatória em Tunas para tomar um café e comer um salgado hehhe.
      Eu já andei muito de bike por Curitiba, o principal que faço é ir pelas paralelas de menos movimento, pelo canto direito, com roupas claras e com iluminação, sempre andando o mais reto possível.
      Sempre vejo aqui pero de aonde trabalho “ciclistas” todos equipados que cruzam semáforos vermelhos a milhão, dias atrás um caminhão não pegou um por muita sorte

  • Lorenzo Frigerio

    Pior é pintar faixa para bicicletas no chão, encher de olhos de gato mas não recapear a via. Continua tudo a mesma buraqueira. Eu tenho a manha de votar no Maluf em 2016 só para esse debilóide não se reeleger.

  • Lorenzo Frigerio

    Tem um filme famoso chamdo “Dançando no Escuro”, em que a moça tem uma doença que vai deixá-la cega, trabalha para sustentar o filho e todo mundo monta em cima e a chupinha porque ela é uma boa pessoa.
    Já dizia Sartre, “o inferno são os outros”.

    • CorsarioViajante

      Sobre este tema, melhor ainda é a Alma Boa de Setsuan.

  • Lorenzo Frigerio

    Um amigo meu era funcionário fantasma da CET. Foi indicado na época do Pitta por um vereador ligado à diretoria do Corinthians, onde seu pai era conselheiro. Obviamente, todos malufistas. E a CET, tirando os marronzinhos, é isso: um cabidaço de empregos, entra gestão, sai gestão.

  • Lorenzo Frigerio

    Sim, é “nóis dá o peixe mais nóis num ensina a pescar”.

  • Nora Gonzalez

    Hoje ouvi o prefeito Haddad dizer que a medida está em teste. Se é para testar como se administra uma metrópole sugiro a ele o Sim City, um jogo de criação e manutenção de uma cidade. A versão completa para PC custa US$ 20. Se é para brincar, pelo menos que seja de mentirinha. E não às custas de nossa integridade física (e mental).

    • CorsarioViajante

      Hahah ótima sugestão, de quebra me deu vontade de jogar simcity 2000!

  • Domingos

    Diversidade não tem nada a ver com respeitar o que não é para ser respeitado. Aliás, a palavra diversidade em si não quer dizer nada.

    O conceito que se formou em cima dela não raro é, na verdade, uma espécie de “me tolere por qualquer besteira que eu faço, pois sou diferente e isso me dá esse direito”.

    Respeito é pra quem tem. Diversidade que interessa são diferentes pontos de vista saudáveis. Um reunir opiniões histéricas e doentias é uma diversidade que só interessa a gente suja.

  • Domingos

    O conceito de amor desses mesmos marqueteiros é gente se pegando na rua, urinando em espaço público, usando drogas e ouvindo música “sem opressão”.

    Daí se tira que, igualmente, o conceito de ódio deles vale tanto quanto a barba podre e os óculos de metrossexual dos mesmos.

  • Domingos

    Perfeito. É assim mesmo. O pessoal do pensamento torto, que se identifica de progressista, no começo usa a ingenuidade para promover suas idéias.

    Como elas nunca foram testadas, em geral por serem inviáveis ou absurdas, eles parecem aos mais ingênuos uma solução aos problemas naturais de qualquer sociedade.

    Quando alguém que já sabe o podre por trás das suas palavras e intenções fala, é chamado de reacionário em diante – geralmente já passando ao nazista mesmo…

    Quando finalmente seduzem os imbecis e chegam no poder, rapidamente os podres aparecem e eles se revelam verdadeiros expansores e CRIADORES de novos problemas em quantidade e severidade muito maior que os problemas que eles “queriam” resolver.

    Aí sobra apelar ainda mais aos apelidos carinhosos para com quem enxerga as coisas como são e à falsa imagem de bondade deles mesmos.

    O que a sociedade fez nos últimos 50-70 anos foi trocar prolemas pontuais, por mais graves que fossem, por um sistema de censura do bom senso em que ocorre tudo isso aí que você descreveu.

    Comer um hamburguer te faz um representante da escravidão, da opressão, do genocídio e do atraso. Fumar uma maconha e acabar com a cabeça e o bem estar de toda uma sociedade é legal, libertador e salvador.

    Tem um motivo pelo qual o Tropa de Elite 2 (que nem assisti, graças a Deus) teve que fazer “mea-culpa”. Todo o financiamento de cultura e pensamento aqui no Brasil não permite um filme que fale a verdade.

    • Bruno Bertha

      “O que a sociedade fez nos últimos 50-70 anos foi trocar problemas pontuais, por mais graves que fossem, por um sistema de censura do bom senso “.
      Domingos, é exatamente isso! A ciclofaixa é só mais uma das idéias falsamente benéficas que querem nos enfiar goela abaixo…

  • Domingos

    Não precisa necessáriamente o povo pobre para o comunismo. Basta estar bem manipulado e, com as coisas “funcionando”, ir pelo método fabiano – o mesmo usado na Europa, o famoso devagar e adoçado.

    Método bruto só se usa em lugar ruim mesmo, como a Venezuela – cuja pobreza é resultado de uma burrice endêmica, haja visto terem petróleo para colocar a Arábia Saudita e entornos em grande competição.

    Uma coisa que SEMPRE vai acontecer e NUNCA vão admitir é que todo, TODO, partido de esquerda se não é implantação do comunismo é fase da implantação.

    Não tem essa de “socialista” e nem de “centro-esquerda”. Existe, no máximo, partido que pensa que é de esquerda mas não é (PSDB nas alas mais liberais e nas alas mais distributivas, por exemplo).

    O PT foi indo até onde deu. Se não houvesse a insatisfação generalizada que existe hoje (existente na Venezuela também, mas ali já está tudo armado e comprado), o PT ia com essa de “imagina, somos do povo” até o mesmo nível.

    Como não deu, agora ele finge alguma coisa e passa a bola pra uma Luciana Genro – queridinha das menininhas de universidade loucas pra poder abortar e que não se importam se para isso vão afundar o país no mais claro comunismo.

    Por isso que PCO, PC do B e outros nem se manifestam aqui. Já está tudo dando certo. Os discursos deles que “o PT é capitalista” são só enfeite, na hora de fazer coalizão e votar estão todos alinhadíssimos.

  • Domingos

    Perfeito, Lucas. Havia comentado isso, mas o comentário não foi por algum motivo.

    O sistema de regulamento nosso e de lugar civilizado algum exige a pintura total das ciclo-faixas, apenas os entornos devem ser pintados.

    Isso economiza tinta, evita acidentes por tinta errada, leva há uma obra mais duradoura (onde o desgaste natural não obriga a pintar tudo novamente e freqüentemente) e fica MUITO menos cansativo visualmente.

    Aqui perto de casa o energúmeno mandou pintar, ainda por cima, DE AZUL POR COMPLETO a calçada que ficava do lado da ciclo-faixa, como que para “não confundir” as duas coisas – sendo a ciclo-invenção já no habitual 100% vermelho.

    Ficou parecendo uma bandeira dos confederados. Só faltou as estrelas. Ufa…

  • Aldo Jr

    Mr. Car:
    E o que mais me preocupa é que, quando da morte no bloqueio dos caminhoneiros, a imprensa em peso noticiou com um “quê” de tragédia. Essas mortes do bloqueio do MST, por ter “selo ideológico”, não teve repercussão. Infelizmente, a imprensa está “dominada”. Abraços;

  • Aldo Júnior

    A única réplica que a PTzada consegue fazer, frente a todos descalabros que vão aparecendo nesse desgoverno catastrófico que estão fazendo, é a pretensa falta d’agua em São Paulo. Falam como se estivéssemos em calamidade pública, (boa parte da população, inclusive eu, não está sequer sentindo o problema), e bradam contra o “estelionato eleitoral”, para tentar esconder o fato de que sua amada Presidanta é a autora do maior Estelionato Eleitoral da história desse país, (lembram-se da história do “Nunca Antes”?), e que só não está sendo tratado da forma que merece, por termos boa parte da imprensa devidamente aparelhada e uma população completamente apática. Triste Brasil. Abraços;

  • Daniel S. de Araujo

    Bob, dizem que todo brasileiro é técnico de futebol, eu adicionaria a frase, todo brasileiro é especialista em trânsito….

    Soma-se a isso o fato que a multa virou instrumento arrecadatório simples (basta instituir a pegadinha, colocar o radar etc. e incrementa-se o caixa de estados e municípios), sem precisar de aprovação no Congresso, mudança de Constituição etc. e temos a receita completa para a bagunça que vivemos.

  • Pablo N

    As cotas nada tem a ver com essas questões; não queira justificar seu insucesso ou de parentes/amigos baseando-se nisso. Somente 15% das vagas são para negros, e destas 6,8% estão ocupadas.

    • LG

      Com certeza, qualquer política de inclusão social nunca deve levar em consideração a etnia do “cotista” e sim a condição social, a fim de receber o benefício. Além disso, o sistema de cotas, por mais socialmente justo que possa parecer, é excludente, à medida que pode deixar de fora alguém com mais capacidade, que soube aproveitar a chance e oportunidade que a vida lhe proporcionou por outro menos capaz, mas que está na “cota”. Na minha humilde opinião, o P0 (ponto zero) tem que ser igual para todos, não importando a origem social, ou seja, o filho do pobre (não interessa se preto,branco,vermelho ou amarelo), tem que ter a mesma assistência básica de saúde (vacinas, consultas pediátricas, saneamento, água encanada, rede de esgoto, etc), a mesma qualidade educacional no primeiro, segundo e terceiro graus e a mesma condição de segurança pública que o filho do rico. Se as oportunidades iniciais forem iguais para todos, o que vencer na vida será por mérito e capacidade. Mas lembre-se, entre o pobre e o rico existe uma categoria que paga toda a farra, todas as bolsas “isto e aquilo” e todo o dinheiro de corrupção, lucros bancários e desmandos governamentais, chamada de classe média.

      • Domingos

        A sanha de igualdade é uma doença mental grave, motivada por uma falsidade de compaixão que se sabe ser tanto falsa como prejudicial. Essa doença se manifesta muito na esquerda.

        Se fosse ter cota para absolutamente todas as desigualdades, os efeitos das mesmas se cancelariam. Só isso já prova que são mais uma “bola da vez” das esquerdas.

        Relaxa que amanhã trocam os negros pelos homossexuais nos esquemas de cota, afinal será a nova moda.

        PS: E a categoria que paga tudo isso é odiada pelo governo e, muitas vezes, pelas demais classes. A reserva dos direitos de expressão e representação apenas para extremos da população, como se eles fossem os únicos com problemas e com esse direito, é velha tática do dividir para conquistar.

    • Bruno Bertha

      Pablo, eu passei em algumas universidades federais. Eu usei as cotas apenas para descrever o típico pensamento esquerdista que existe dentro delas. O mesmo pensamento hipócrita, que demoniza a classe média e seus valores comuns. O maníaco da ciclofaixa não tem nenhum motivo lógico para construí-las, mas sim um objetivo muito mais perverso, aliado à defesa de todas as questões que citei, de ir aos poucos, destruindo toda a ordem social vigente. A ciclofaixa, a preocupação extrema com a saúde, a “falsa” igualdade, demonização de religião, dos empresários, das instituições policiais. Vão fazendo a revolução aos poucos, em doses homeopáticas.

      Basta você assistir uma entrevista do Fernando Haddad. Ele descreve as ciclofaixas de uma forma tão perfeita, com dados e mais dados, que quem é de fora, como eu, vai achar que é a população de SP é que esta exagerando.

      • Domingos

        Perfeito. Fora ser um exemplo de blindagem do politicamente correto, que não permite o direito de questionar certas medidas com base em neologismos e nadismos (o famoso falar nada mas colocar “palavras chaves” querendo dizer algo).

  • cesar

    Segundo o PT, burguês branco de olhos azuis é quem se encontra na faixa de 27,5% do IRPF ou seja, quem ganha 3.743,19.

    • Domingos

      Ou seja, qualquer um que não depende do governo. E nessa faixa não tem só branco não.

      Enfim, o racismo é “aceitável” dependendo de quem solta, né… Não é a primeira macacada do PT nesses assuntos. As declarações deles são de doer mesmo.

    • LG

      Ou seja, a maioria dos petistas, tirando os olhos azuis…

  • Roberto

    Não se iluda amigo, o buraco é bem mais embaixo. É só ver os partidos citados no Lava-Jato (tem para todos os gostos). A política no Brasil só atende a interesses próprios. Infelizmente isto acaba refletindo no trânsito também.

    • Alexandre Macedo

      Concordo, mas não deixo de salientar o quanto esse partido consegue superar os outros quando se trata de incompetência, mau uso do dinheiro público, corrupção e aplicação de medidas ridículas e/ou criminosas, isso para ficar na esfera administrativa e passando ao largo da questão ideológica e legal, onde ele não merece outra coisa senão a extinção. Abraço!

    • Domingos

      Enxergar que todo partido de esquerda tende obrigatóriamente a expandir os esquemas de corrupção e doenças do país é uma necessidade para não ser confundido no “tudo é a mesma coisa”.

      O passo certo é tirar a esquerda do poder, seja ela “suave” ou não. Pode ser com o PSDB frouxo mesmo. Depois disso é caminhar para eliminar liberais e direitistas criando e elegendo opções de governos conservadores – conservador no sentido puro da palavra e não o advindo de teorias econômicas ou materialistas.

  • Marcelo Cid

    Bob,

    Sei que é off-topic, mas seria demais pedir uma avaliação ou até mesmo um “no uso” do Classic?

    Pode parecer ridículo, mas sempre achei e ainda acho esse carrinho interessante.

    Muito obrigado.

    • Bob Sharp

      Marcelo Cid
      Problema nenhum ser off-topic, achei a sugestão ótima. Vou solicitar um para teste.

      • Fat Jack

        Bob, não sei da possibilidade mas eu gostaria muito de uma avaliação do Mitsubishi Lancer, (melhor ainda se for MT) você acha ser possível? Obrigado!

        • Bob Sharp

          Fat Jack
          Temos interesse também, mas a Mitsubishi não cede carros para teste, pelo menos por enquanto. Mas as coisas estão mudando lá, tanto que a Suzuki, que é do grupo, já nos cedeu o Swift Sport, lembra-se? Vamos ver o que rola.

          • KzR

            Bob,
            Aproveitando a conversa off-topic, gostaria de esclarecer uma dúvida. Pelo que vi na matéria “no uso” do Swift Sport, você usou a relação entre marchas para saber a rotação do motor na marcha seguinte. Supondo que a relação entre 1a e 2a marcha seja de 1,728:1. Então, se cambiar de 1a para 2a a 2.000 rpm, o giro cairá para 1.160 rpm; se fizer o oposto (2a para 1a), o giro subirá para 3.456 rpm.
            – Pode-se usar estas referências para efetuar trocas “no tempo”?
            – Para a redução, coloca-se o câmbio em neutro e depois se acelera até a rotação especificada para que a 1a possa ser engatada ?

      • André Stutz Soares

        Bob, uma das mais interessantes características do Ae é esta interação de vocês com o leitor. Por exemplo, a sugestão do leitor Marcelo e sua cordial resposta, “na horizontal”, nada de jornalistas semideuses. Parabéns! Dá prazer ver este projeto crescendo desde quando começo, e tem minha torcida. Abraços.

    • Bob Sharp

      Marcelo Cid

      A GM me informou não ter o Classic disponível para teste. Infelizmente não podermos atender ao seu pedido.

      • Marcelo Cid

        Uma pena.
        Seria muito interessante já que ele é anunciado no site da GM com o motor de 78 cv. Deve andar bem para a proposta do carro.
        E, no mais, me interessa muito o Advantage.
        Mesmo assim, muito obrigado Bob.

      • Lucas

        Quem sabe eles mudam de idéia. Eu também gostaria de um “No Uso” com o Classic.

    • Rafael L M

      Bob, abusando do fora de tópico rsrsrs, gostaria de sugerir a avaliação No Uso, do novo Focus nas versões S 1,6 manual e a 2,0. Vendo fotos na internet, notei que as versões 1,6 automatizadas tem direção com assistência hidráulica, enquanto as demais tem a elétrica. qual a vantagem da primeira em relação à segunda? Não seria mais interessante a Ford oferecer somente uma delas?
      Sobre o Chevrolet Sonic, o senhor ou alguém do Ae ou mesmo algum leitor do site tem alguma informação? Eu sei que ele saiu de linha, e tal, e que muito gente meteu o pau nele por ele ter um preço mais alto que os concorrentes diretos e por ser menos equipados que os mesmos e, ainda por cima, ser menos equipado que os citados. Mas eu sempre achei esses testes e comparativos e testes meio exagerados, meio que tendenciosos. Portanto, se o senhor, ou alguém do Ae ou algum leitor que tenho dirigido o Sonic ou que de alguma forma possa falar sobre o carrinho, ficarei grato. Obrigado.

  • Fat Jack

    Olha…, os descalabros tem sido tantos ultimamente, municipais, estaduais e federais, que eu tenho trocado o telejornal por uma sessão de vídeo game com meu filho.
    Como disse certa vez Raul Seixas:
    “_Quem me dera ser burro…, não sofria tanto!”

  • Ivan

    Esta correndo pela internet. Eu sugeri que plantassem maracujá em cercas. Não seria mais útil?

  • ricardo

    Pessoal, esse Haddad aí em São Paulo não está com nada mesmo não. Mandem ele aqui para Aracaju, aqui precisamos de um prefeito assim…
    Deportem ele para cá, please!!!

  • Bob Sharp

    SérgioCJr
    Se com o PSDB temos problemas no Estado, arrepia só de pensar se fosse com o PT.

  • Bob Sharp

    André Stutz Soares
    Não só isso faz parte do nosso estilo, como nos dá um enorme prazer, esteja você e os outros leitores certo disso.

  • Lucas

    A rua de lazer não é para os ciclistas, mas para todo tipo de atividade/lazer (corredores, patinadores, skatistas, passear com o cachorro etc.

  • Vou dar no pé!

    A idiotice está prestes a explodir!

    Renovem seus passaportes porque daqui a pouco já era ou, no meu caso, é deixar o carro com o tanque cheio para poder dar o fora!

    Veja só Bob:
    http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2015/03/ciclistas-tiram-roupa-para-pedir-respeito-no-transito-do-rio.html

  • Roberto

    Aí eu acho que depende muito do político em questão. Pelo histórico, colocar Aécio ao meu ver é o mesmo que trocar seis por meia dúzia.

    Por isso sou a favor de votar mais pensando no histórico do político que no partido. Aqui no Rio Grande do Sul eles tem bons prefeitos que conseguiram reduzir a criminalidade em suas cidades com medidas meio enérgicas (bem diferente da idéia que alguns parlamentares do mesmo partido adotam). Fora que troca de partido não é algo tão raro nos dias atuais.

  • Ricardo

    Quando dom Pedro II foi expulso do Brasil, deve ter lançado uma maldição, mais ou menos assim: “reclamavam de mim, agüentem os idiotas que me sucederão” – porque não é possível esse estado de coisas!

  • Bob Sharp

    Rafael L M
    Já andamos bastante no Focus 2-L, ache as matérias em Procurar. Pedimos algumas vezes a versão 1,6 manual mas não tinham. Vamos pedir novamente./ Seria interessante só um tipo de assistência de direção, mas não sei por que usam diferentes. Pode ser custo ou questão de instalação. / Não tenho nada a comentar sobre o Sonic, nunca o dirigimos. Há apenas uma matéria comentando o carro, http://autoentusiastas.com.br/2012/05/sonic-resultado-de-uma-rivalidade-de-100-anos/

  • Rubergil Jr

    Bob, e o que dizer do nosso governador e sua comitiva?

    Tiveram a “brilhante” ideia de fazer um discurso de início de obra praticamente no acostamento da Rodovia Dom Pedro aqui em Campinas, numa manhã de sexta-feira (quase não tem carro esta hora, né?). Resultado: trânsito lento, uma carreta não conseguiu frear e acidente:

    http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2015/03/acidente-com-caminhoes-interrompe-coletiva-de-alkmin-em-campinas.html

    Parabéns! Excelente lugar para um discurso Sr. Governador (sic).

  • ronaldo eduardo

    Numa boa… não acho a idéia ruim não.

    Sou morador de belo horizonte e fico indignado com o “desmatamento urbano” que a cidade sofre.
    Merece só um canteiro pras arvores não brotarem do nada.

    Vamos fazer um swap entre Márcio Lacerda e Haddad, ver quem pede pra sair primeiro.

  • Yuri Coelho

    Semana passada , passei por um trecho da BR 040 em Minas Gerais que estava em obras, tudo muito sinalizado, até ai tudo bem, mas num trecho onde foi necessário o estreitamento de pista (um espaço de não mais que 2,5 metros para passagem) fixaram barras de ferro com mais de 50mm de espessura e 1,50 metro de altura para separar as duas pistas, ao invés de cones , carretas e caminhões passavam com muita lentidão no local , que era realmente muito estreito, um absurdo, pena não ter conseguido tirar fotos do local…

  • jr

    Olha, Curitiba e seu maravilhoso gerenciamento de trânsito. Pintaram agora faixa exclusiva de ônibus na Rua Desembargador Westphalen, na região central (Rebouças). Lá o congestionamento é causado por ônibus, que entra sai da rua pela direita e pela esquerda e segue em frente, não pelos carros! Agora, como farei para entrar numa rua à esquerda? Cruzar a faixa exclusiva? Não, pensei, faço uma curva aberta na esquina. Agora notei que deixaram um pedaço de faixa, no meio da quadra pontilhada. E o pessoal do trânsito orientando que as pessoas entrem, EXCLUSIVAMENTE por esta linha pontilhada (de uns três metros) à esquerda na faixa de ônibus para depois poder virar na esquina à esquerda.
    Será que estou ficando louco?

    • Lucas dos Santos

      É assim mesmo. Para converter à direita ali é necessário entrar na faixa exclusiva por aquele espaço ÍNFIMO a poucos metros da esquina!

      Pior mesmo é naquela faixa da Rua XV, em que há uma sinalização de “Dê a preferência” NO MEIO da face de quadra para que os ônibus possam sair da faixa exclusiva e converter à esquerda!

  • Tiago Peliçari

    Em cidades pequenas, há décadas atrás, haviam postes em meio a rua. Meu pai me contou que bateu seu primeiro carro em um destes postes, por ter cochilado. 20 ou 30kmh é o suficiente para um grande estrago.
    Mas um adendo: eram em avenidas retas. O que temos nessa rua em SP é numa curva….

    Sobre a ciclofaixa, aqui no Campo Limpo, colocaram uma em uma rua super estreita e esburacada. E ainda mantiveram os dois sentidos e possibilidade de estacionar na outra extremidade. Podem imaginar a situação?
    Isso sem contar a Estrada de Itapecirica: existe faixa exclusiva de ônibus no canteiro central, mas os microônibus (vulgo peruas) ainda andam na faixa da direita, que é também prioritária. Restou apenas a faixa do meio para os carros, e não duvido que tenham projeto de implantar ciclofaixa….