Olha só o absurdo a que chegamos com esse comercial de uma empresa de ônibus da Dinamarca que sugere que os nossos carros sejam queimados. Que vida chata e sem graça deve ser a dos dinamarqueses.

 

É verdade que andar de carro em São Paulo ou em quase todas as capitais do Brasil e do mundo está cada vez mais chato. Mas como o Bob sempre diz, a culpa não é dos carros, e sim do excesso de gente. Haja vista com já anda o metrô de São Paulo. E da total falta de planejamento de médio e longo prazo. Porém o mundo ainda não está completamente perdido e os autoentusiastas ainda não estão extintos. Ao menos por enquanto!

Selecionei alguns vídeos para provar isso! E mesmo que o que está sendo mostrado nesses vídeos esteja fora ou longe da nossa realidade (não só aqui no Brasil, mas em todo o mundo), é isso que nos move e nos faz continuar entusiasmados. Mesmo quando dirigimos nossos carros mais normais e de um jeito mais tranqüilo.

Aproveito também para convidá-los a conhecer as playlists que estamos montando no nosso canal do YouTube. Começamos recentemente e a idéia é ir acrescentando vídeos que gostamos.

Vamos esquecer por alguns minutos o mundo politicamente correto, dos blá-blá-blá ativistas, da eletrificação dos carros, dos carros autônomos e desfrutar um pouco de autoentusiasmo na essência e, principalmente, sem culpa.

PlaylistO mundo não está perdido” 

Esse primeiro vale a pena traduzir, pois fala muito com os autoentusiastas.

Prazer de dirigir, quando ele começa?
Quando você liga o motor, sente a potência?
Quando você libera o freio de mão?
Começa quando a rotação sobe, e as batidas do seu coração também?
Quando você ganha velocidade, com o motor gritando, e não há nada além da pista à frente?
Não! Começa no momento em que você vê isso.

 

Esse segundo também:

Nós estamos dispostos a apostar que nenhum garoto cresceu com o pôster de um Passat na parede do seu quarto.

 

Um Cadillac com coração de Corvette.

 

A contribuição dos irmãos Dodge ao autoentusiasmo.

 

Esse Lexus não existiria se não fosse o LF-A!

 

Já não se fazem mais garotos como esse.

 

Quero chegar aos 50 exatamente assim!

 

Os gatos do inferno estão a caminho. Aumenta o som no máximo! E curta o melhor estilo americano. Os alemães que me perdoem, mas isso não tem igual.

 

Infelizmente dentro de algum tempo essas imagens serão feitas com carros híbridos, elétricos, suves, sem motoristas…
Fica aqui o registro de que o autoentusiasmo ainda resiste!

PK

Sobre o Autor

Paulo Keller
Editor Geral

Engenheiro mecânico com pós-graduação em marketing e administração de negócios iniciou um grupo de discussão sobre o mundo do automóvel no final dos anos 90. Em 2008 percebeu que a riqueza do conteúdo desse grupo não deveria ser restrita aos seus integrantes e então criou o blog AUTOentusiastas. Seus posts são enriquecidos com belas fotos que ajudam a transmitir sua emoção e sensibilidade. Além de formatar e manter as mídias sociais do site. Visite: www.paulokeller.tumblr.com.

Publicações Relacionadas

  • ccn1410

    Com exceção do primeiro vídeo, assistirei os outros mais tarde.
    Recentemente vi um vídeo onde mostrava o total descaso dos dinamarqueses com seus idosos. Agora eles vem com isso.
    Morar na terrinha da Margarida II não está fácil.
    Eu acho que eles precisam de mais sol.

  • Roberto Mazza

    Muito bom, Paulo! O YouTube realmente tem MUITA coisa boa, vou ver se tenho algo para contribuir para essa lista também.

  • Ivan Rocha

    Nossa , gostei muito dessa postagem. Também me incomoda essa paranóia. Logo vão acusar os motoristas pelo aumento da criminalidade, pela falta de água etc. É chato mesmo.
    E digo mais, podem até achar lindo e “politicamente correto” andar de ônibus, mas eu ainda prefiro andar de carro, com vidro fechado e ar-condicionado ligado. E sem essa de elite ou outras besteiras que escuto. Andei muito de bicicleta e ônibus. Trabalhei para comprar, não roubei e não vivo esperando bolsa-carro de governo algum.

  • jr

    Li a reportagem do El País com um urbanista que mora em SP. Fiquei chocado com o simplismo como alguém na casa dos 80 anos trata certos assuntos nos quais é especialista. Alguém com esta experiência deveria ser capaz de expressar uma visão muito mais elaborada, cheia de nuances. Será que passou a vida toda apenas no banco traseiro do carro (com motorista)? Não consigo aceitar um urbanista de verdade, digno de seu título, não entender nada da mobilidade urbana. Quem quer o predomínio de um meio apenas puxa a sardinha para seu lado, o que é totalmente antiprofissional par um urbanista.
    Bom, precisamos de todos os meios de transporte, todos. Precisamos racionalizar muito aqui no Brasil, em todas os estados e cidades. Precisamos de bom transporte coletivo, de diferentes modais. Deve haver o espaço para a bicicleta, um transporte individual em sua essência. Tem de haver espaço para o pedestre.
    Precisamos de transporte usando ainda mais meios de massa ferroviários, navais, fluviais e aeroviários para cargas.
    Mas, o caminhão e o carro tem de ter seu espaço também. Idealmente, cada um deve ter o direito de escolher o seu meio de transporte.
    Os ajustes devem ocorrer no mundo real, para pessoas reais, necessidades reais individuais e coletivas.
    Cabe ao Estado criar os meios e facilidades, não interromper caminhos e estabelecer dificuldades.
    Mas, o que fazer? A educação (básica) continua a ser tratada como lixo. O direito não é respeitado, os deveres não são exigidos.
    Não vejo nenhuma perspectiva de que caminhamos em direção à sabedoria, nenhuma.

    • Domingos

      O europeu perdeu a mão uns 40 anos atrás.

      A maioria das besteiras que compramos aqui vem de lá, não é à toa que o continente está afundado numa crise de produtividade e de futuro ao grande legado que tem.

      Esse urbanista aí deve ser mais um que, estando em sua terra natal, trocaria voto por bolsa-viagem – como acontece muito lá na Espanha.

    • Lorenzo Frigerio

      Será que é quem eu estou pensando? Um respeitado urbanista (ligado ao PSDB) que já foi Secretário da PMSP nessa área (Planejamento?) nos anos 70 e detonou sua reputação há uns 15 anos defendendo a pirâmide do Maharishi em pleno Parque. Dom Pedro?

  • Christian Bernert

    Valeu PK. Sensacional !!!

  • Bruno Rezende

    Sobre essa do politicamente correto, essa semana no Facebook um conhecido postou um incentivo à ocupação de prédios em São Paulo, “ocupar é preciso”, incentivando a ocupação da propriedade alheia. Tudo seria muito bonito, não fosse o fato de esse meu conhecido morar em amplo apartamento nos Jardins e desfrutar do seu título de sócio do Clube Athlético Paulistano (+- 600 mil reais)….. Porque não vende o título e doa para os pobres e, ao mesmo tempo, não acolhe umas 5 famílias desabrigadas em seu apartamento?
    É a mesma situação do cara que demoniza o carro, mas tem o seu guardadinho na garagem…..
    É a história da nudez do mineirinho: “Antes nudez do que no nosso”!

    • Domingos

      Normal, é a culpa por terceirização. Se você é rico e fútil, basta colocar a culpa nos outros e apoiar alguma causa social, por mais absurda que seja.

      Vale lembrar que a glamourização da ocupação de áreas e prédios já está levando a pessoas tomarem terrenos, praças e outros lugares para fazerem festas PRIVADAS, dentro das quais geralmente rola muita “liberdade” – se é que me entendem.

      Locais esses que muitas vezes são públicos e não deveriam contar com esse tipo de evento, muito menos de forma onde fecham os espaços como se os universitários fossem donos deles…

      • Lorenzo Frigerio

        Tem também os “valets” que estacionam na rua, “privatizando-a”. Mas acho que a Prefeitura conseguiu acabar com isso… demorou mas conseguiu.

        • Domingos

          Essa é antiga. Mas não tenho visto isso não. Talvez nas áreas do centro ou as mais fiscalizadas, pois perto de casa tenho visto mais valets que estacionam na rua do que aqueles que possuem estacionamento próprio.

          Aliás, a maioria por aqui é de valets que sequer possuem estacionamento próprio, no máximo 2 ou 3 vagas próprias…

    • RoadV8Runner

      Seu comentário vai exatamente ao encontro da letra da música “Pelado”, do Ultraje a Rigor (e lá se vão praticamente 30 anos de quando a música foi feita!):

      Sem roupa, sem saúde, sem casa, tudo é tão imoral.
      Mas a barriga “pelado” é que é a vergonha nacional.

      Não que eu defenda nudez explícita a todo canto, mas os pseudo-moralistas fazem vista grossa para problemas muito mais sérios…

      • Domingos

        E, antes, o moralismo falso ao menos vinha defender bons valores.

        Hoje o moralismo está em se você emite 10 gramas a mais de CO2 a menos ou a mais ou se você reage “com naturalidade” a dois homens se beijando.

        Pura inutilidade.

  • BlueGopher

    Sensacional o do Dodge Brothers.
    Foge da rotina e mostra direitinho o que são verdadeiros autoentusiastas!

  • Leandro

    Muito legais os vídeos!
    Realmente as pessoas são o problema do mundo.
    Espero que um dia acordem desse mundo fantasioso que vivem e façam o certo para o nosso próprio bem.

  • Boni

    Quero ver esse cara dizer que o carro é a maior estupidez da humanidade quando ele estiver com um filho(a) doente, num dia chuvoso e precisar ir à um hospital com urgência.

    • jr

      Acho que o cara nunca precisou dirigir. Ele sempre foi no banco de trás, com motorista particular na frente…

      • Domingos

        Acho que o cara nunca precisou pensar e compra tudo de opinião do que for “vanguarda no Facebook” ou entre os “formadores de opinião”.

        Um cara considerar uma das maiores expressões e obras do homem como “maior estupidez da humanidade” é pura imbecilidade.

        Se cair de quatro na grama, fica por lá e come ainda.

        O problema são os espertinhos que ganham com isso. Para eles, geralmente em cargos com privilégios, não muda nada – só aparecem os “benefícios”.

    • Lucas dos Santos

      Mas, na opinião desse pessoal, o carro deveria ser utilizado SOMENTE nesses casos!

      Há quem acredite que as pessoas utilizam o carro “desnecessariamente”! Defendem que quem deseja apenas ir de um ponto a outro, sozinho, sem urgência e sem bagagens para carregar, deveria deixar o carro em casa e ir de transporte público, bicicleta ou a pé!

      Logo, vão começar a falar em “racionamento” do uso do carro! Se bem que, se analisar bem, isso já existe!

      • Lorenzo Frigerio

        Racionamento é uma coisa que não deve ser imposta. Tem que vir naturamlmente das pessoas. Morei 6 anos em Londres e lá não tive carro. Preferi gastar o dinheiro para viajar nas férias, pois sabia que quando voltasse ao Brasil-sil-sil teria que gastar uma grande parte do meu dinheiro com carro – aqui não dá para ficar sem. Lá tem metrô e trens. Não é barato, mas você chega em quase qualquer lugar, e sem o stress de dirigir.

  • Wendel Cerutti

    Na boa ,acho que o carro do cara deve ser chinês (rsrs) .Curto muito carros, mas um belo ônibus double decker com quatro eixos e um belo interior é demais também! Em tempo, o comercial dos Irmãos Dodge é muito louco!!

  • Fabio Vicente

    Entusiastas infelizmente estão em extinção. De fato o mundo está ficando muito chato, e me parece inclusive que os maiores interessados (fabricantes) não estão preocupados com isso.
    As pessoas culpam os carros por tudo: poluicão? Culpa do automóvel! Acidente com vítimas? Novamente o maldito carro, que ou é inseguro, ou é potente demais, ou é pesado demais… Falta gasolina no mundo? Os carros são beberrões. Pedágio caro? É culpa do excesso de carros…
    Bom, os vídeos que mais gostei foram os institucionais da Porsche comemorando os 50 anos do 911, conforme os links abaixo:
    http://youtu.be/IM0jcxF5770
    http://youtu.be/LWXYNaCeL60

    Tem o teste de velocidade máxima do Dodge Charger Hellcat:
    http://youtu.be/768Fd5OQ6bM

    Este aqui dispensa comentários (obááá):
    http://youtu.be/FTgsdHWrXRc

    E por último, uma singela homenagem ao pessoal que odeia carros:
    http://youtu.be/GowJeGcf_Kk
    http://youtu.be/RDldwiVYtgI

  • V12 for life

    Cada um melhor que o outro, e enquanto existir pessoas com gasolina nas veias, isso nunca vai morrer, querem um mundo sem carros ótimo, como foi dito na reportagem venda o seu, e eu terei mais espaço para o meu nas ruas.
    Afinal, em minha casa não tem chaminés sem catalisador expelindo fumaça, sabe-se lá de que, os carros hoje poluem menos que os de dez anos, e esses menos que os de vinte anos, e culpa ainda é minha se prefiro fica uma hora sozinho no trânsito em vez de 3 com gente mal educada.

    • Lorenzo Frigerio

      Pelo menos não temos mais a Controlar.

  • francisco greche junior

    Não dá para entender mesmo, essas pessoas que demonizam os carros devem ter nascido e crescido em uma vida muito confortável. Quero ver minha mãe de 64 anos fazer compras no mercado e trazer tudo no braço ou no ônibus. Ou é de carro comigo ou é de táxi. Por favor, né…

    • Fabio Vicente

      Os defensores do mundo melhor só pensam em si mesmos.

  • Marco Antonio

    PK,

    Post Maravilhoso… Sem Palavras!

  • Jorge Diehl

    Aquele vídeo do start de V8s e afins é imperdível…

  • Mingo

    A maior estupidez da humanidade nunca foi e nunca será o automóvel. A maior estupidez é dar ouvidos à gente estúpida como esse urbanista caquético que falou isso…
    Para tipos que nem ele, estou tomando Actívia e Johnny Walker!

  • Rafael Sumiya Tavares

    Garanto que quase todos os dias do ano o que me faz acordar e querer ir trabalhar começa pelo fato de dirigir até lá! A felicidade não é o destino, mas sim a viagem até ele…

    • Domingos

      É uma parte da graça e penso o mesmo.

      A vida para o esquerdista materialista, que é a mesma coisa quase que um fissurado em dinheiro liberal, é só ser eficiente.

      Colocar mais pessoas no menor espaço possível, ser o mais “racional” possível, chegar no trabalho da forma mais fácil possível, ter o mínimo de responsabilidades possíveis para um máximo possível de ganho.

      Tudo isso para conquistar muitos diplomas e trabalhar nos empregos mais descolados onde ele ganhará melhor. Tudo para, no final, ele gastar isso com muita inutilidade (tipo colecionismo de filme, culturismo, colecionar viagens excêntricas) e viver entre a sardinha do ônibus/metrô, o “trampo” e as horas de “lazer”.

      Horas essas que serão gastas ou com essas inutilidades que não trazem felicidade a ninguém, basta ver as pesquisas de cidades “modelo” dessas que a gente “tem” que copiar, ou então com besteiras inerentes a um estilo de vida fútil e materialista de verdade – como usar drogas, ter vários parceiros de relacionamento eternamente onde você não confia nem seu celular a nenhum deles etc.

      O materialismo aqui é aquele ruim mesmo, não o natural que os mesmos chatos costumam criticar. O materialismo aqui é achar que uma cidade tem que enfiar o maior número de pessoas no mesmo lugar para que todos tenham chance de, pelo volume de dinheiro movimentado, comprar um iPhone não porque gosta – mas porque sem ele você não é nada.

      Por isso mesmo um materialismo bacana como o carro é negado nesses locais. O útil e o bom têm pouco lugar, atrapalham a “eficiência” e o objetivo de colecionar pessoas, relacionamentos, culturas, dinheiro e uma vida baseada em símbolos ao máximo nível.

      O cidadão dessas cidades, se tivesse um carro, seria aquele que o tem porque é “politicamente correto” ou é “moderno” ter. E ele ficaria lá sendo usado para nada de bom, da mesma forma que o iPhone do tal cidadão não é usado para tirar foto de um bom momento com a família, mas sim para tirar fotos de “tendências”, coisas que “parecem modernas”, coisas que são “corretas” e outras inutilidades no nível semântico da coisa – afinal, nem mesmo nas explicações abstratas essas coisas fazem sentido.

      A vida sem essa felicidade e essa noção é mero devaneio, mero viver como qualquer um. Quando o cada um ter sua vida acaba em nome do verdadeiro materialismo doentio, da vontade de controle doentia, todo mundo é igual e nada faz sentido.

      Por isso mesmo as baixas taxas de fertilidade, de felicidade e de progresso humano nesses locais todos.

      O patente em todos eles é que a cada 20 ou 30 anos tem que ser importada uma nova população a eles, já que a população local vai morrendo sem deixar legado (ou seja, tendo vivido em ABSOLUTO vão) ou vai embora.

      Para os governantes e amigos é um grande negócio. O deprimidinho que não usa carro nesses locais é um ávido consumidor e é completamente controlado.

      Para compensar uma vida tão chata, só com muito cafézinho, muita fotinho de “coisas interessantes”, muita droga e muita bebida.

      Prefiro pegar trânsito.

      • Lorenzo Frigerio

        E nem se fale nos que “filmam” o carro e depois esquecem o filho lá dentro.
        Mas de uma maneira geral, prefiro discordar, pois se concordasse estaria sendo cínico.
        É responsabilidade das pessoas cair na real; se não caírem, problema delas. E você não é obrigado a se socializar com elas.
        O fato é que hoje se vive muito melhor que no século XX ou, pior no XIX. Com todos esses aumentos de eficiência, temos um aumento de opção pelo que fazer. As diversões, antigamente, eram limitadas. Até os anos 60, havia só alguns canais de TV. Fora isso, as pessoas iam ao cinema ou teatro, ou juntavam os amigos para um joguinho em casa. Depois, veio o VHS. Depois, a TV a cabo, e por aí vai. Houve uma melhora em todas as áreas, justamente para que possamos utilizar aquele tempo livre da maneira que melhor nos convier.
        Se alguns preferem se tornar escravos dos seus “gadgets”, ou do próprio trabalho, é triste, mas problema deles. Eu me consolo que não sou assim.
        O fato é que o ser humano sempre buscará soluções que facilitem sua vida, mesmo que pareça estar sempre correndo atrás do próprio rabo.

        • Domingos

          Bom, entendo o que quer dizer. O problema é que nos obrigam a “socializar” com essas medidas e estilos de vida criminalizando o nosso ou qualquer outro menos insano.

          Da parte das melhorias, concordo. Mas isso não tem muito a ver, isso seria um materialismo bom e natural inerente ao homem.

          Estamos sempre buscando melhorar as coisas e nossas ferramentas e isso é louvável.

          O problema é quando tudo vira em torno desse hedonismo, em especial começado pela nossa modernidade, em que se busca ao máximo viver única e exclusivamente por essas “eficiências”.

          E nisso é importante lembrar que não é uma TV digital contra um VHS ou uma cidade onde só de pode andar de ônibus mas existem Meganes RS, contra um passado livre mas com Opalas, que vai fazer a vida melhor.

          Até um certo ponto evoluímos, com os poréns. Não me parece agora viver a vida proposta atualmente, onde nem filhos é legal ter, melhor que uma vida do século XIX.

          Sinceramente, prioridades. Ok, as modernidades são muito legais, mas ter uma vida realizadora me parece mais legal que fazer sexo com pessoas de várias nacionalidades e ter internet a qualquer momento.

  • Jundy

    Recomendo para quem ainda não viu a série de 7 capítulos “BMW Unscripted”, que mostra a relação que só um Autoentusiasta pode ter com essas máquinas (no caso BMW). Elas possuem mais de 3 minutos cada, mas segue o link para o trailer: http://youtu.be/iDljGGTek30

  • bronson

    Toda vez que eu pego um ônibus eu lembro por que eu jurei nunca mais andar de ônibus…

  • Vinicius

    Esse vídeo me deu um nó na garganta…

  • Fórmula Finesse

    Nunca conheceremos a extinção total, caro PK!! Apesar de todos os esforços do governo, fincaremos o pé firme – no acelerador – e resistiremos no nosso Álamo automobilístico (tomara que não com o mesmo fim..rsrsrsr!), até o final dos nossos dias.

  • Lipe

    Ótima compilação de vídeos! Agradecido.
    Obs.: Quando o autor cita que dirigir nas capitais está cada vez mais chato, sinto-me, algumas vezes, feliz por dirigir em Florianópolis. Nos horários que pego a Av. Beira-mar Norte não há muito trânsito e nem muitas motos, dando pra ultrapassar os mais lentos intercalando as faixas com bastante atenção, tomando cuidado apenas com os semáforos dotados de câmeras. Também é bom dirigir na SC-401 à noite. Não há radares fixos e os móveis geralmente são utilizados de dia.
    Porém, em horários de pico, haja paciência. O pior nem é o anda e pára em si, e sim os sujeitos que vivem furando a fila, por exemplo nas filas que se formam na própria Beira-mar para conversão à esquerda, com destino ao Centro da cidade, sempre há os engraçadinhos que deixam para entrar na fila lá no final, na “boca” do acesso. Dá vontade de ter um jipe…

    • Pelo que me lembro, a linda Floripa realmente é mais tranquila de trânsito. Abraço!

  • cesar

    PK,
    Me desculpe, mas não acho que a culpa seja dos urbanistas. As cidades crescem sem o mínimo planejamento urbano por culpa dos nossos governantes e até mesmo da população. Você acredita que algum urbanista teria coragem de fazer o que o maldade anda fazendo em São Paulo? Tenho um lote aqui em Brasília em um desses condomínios, comecei a desenvolver o projeto urbanístico levando em consideração tudo que deve ser feito, ou seja: calçadas largas, com separação da via, áreas para colocação de árvores e equipamentos urbanos etc. Pois bem, levei o dito projeto para aprovação da assembléia do condomínio e o que aconteceu foi que disseram que eu estava desperdiçando área e que queriam calçadas com somente 1,50 m de largura. Hoje o condomínio é fechado, mas sabemos que as cidades são organismos vivos que crescem. Amanhã, quando for necessário, não terão espaço para ampliar as vias, além do que os tais 1,50 m são insuficientes para o deslocamento de pedestres. O que fiz? Peguei meu boné e fui embora.
    Aqui em Brasília, existem duas principais cidades: Brasília e Taguatinga, e no meio um vazio de quase trinta quilômetros. Pois bem, desde a época da construção de Brasília, todo o planejamento urbano, orientava no sentido da ocupação regular deste vazio. Governo após governo, nada se fez e o resultado está aí, um enorme favelão de rico (sim aqui em Brasília isso existe) sem a mínima condição de trânsito. Pergunto: que culpa os urbanistas têm?

    • Angelito

      César, obrigado por defender minha (futura) classe! Infelizmente isso é nossa realidade, muito mais do que falta de planejamento apropriado, é a vontade de seguir um planejamento inapropriado de nossos governantes atuais

    • Cláudio P

      Concordo com você, Cezar, e o exemplo que você citou, ainda que em menor escala, é perfeito! Talvez o PK tenha se decepcionado com os urbanistas porque, como pude perceber, se deparou com um péssimo representante da profissão. Claro que um urbanista que dá as costas ao automóvel não merece ser levado a sério. Nesse caso é até difícil crer que seja um urbanista, mesmo. Na verdade as cidades chegaram ao ponto em que estão (e podem piorar!) porque os administradores públicos, que deveriam zelar pelo planejamento urbano, pouco ouvem os bons urbanistas. Apenas vivem fazendo concessões aos interesses de poucos. O verdadeiro urbanista prega controle efetivo do uso do solo e do adensamento, com ênfase para o transporte de massa pela escala macro das cidades, mas com espaço para todos os outros tipos de transporte, com beneficio para todos, inclusive para os carros, pois seus donos são cidadãos que também são pedestres, usuários de transporte
      coletivo e, muitas vezes ciclistas, motociclistas e etc. Resumindo, a cidade para todos. Além do mais garanto que há urbanistas autoentusiastas. Eu conheço um.

      PK, excelentes vídeos, um melhor que o outro! Realmente esse mundo ainda tem jeito. E esse comercial da Dinamarca, hein?! Nunca vi tamanha estupidez!!!

      • Lorenzo Frigerio

        Falar o quê… um país onde abateram uma jovem girafa perfeitamente saudável, esquartejaram e entregaram os pedaços aos leões (em frente às crianças que visitavam), “porque ela não tinha bons genes”. Sendo que vários zôos no mundo se ofereceram, pediram, para ficar com ela. E os caras explicando, com todos os argumentos possíveis, como se fosse uma coisa perfeitamente normal.

    • Domingos

      Se eu acredito que tem urbanista que defende essas atrocidades? Acredito, em especial se for de faculdade pública ou amigo do governo.

      Porém é verdade, a maioria não proporia coisas absurdas assim e sabe muito bem que não funciona. O governo que ferra tudo mesmo e por isso que governo bom é governo que não enche a paciência e só investe em áreas de base mesmo.

  • marcus lahoz

    Bons vídeos. Realmente é fácil culpar o efeito (carro) e não culpar a causa (pessoas em excesso).

    SE tivéssemos um transporte coletivo decente, se tivéssemos educação da população dentro do transporte coletivo, se os prédios não tivessem mais que 4 andares…..Não haveria problema de trânsito, as cidade seriam mais espalhadas, o transporte coletivo teria um uso muito maior…Seria bom demais. Mas infelizmente o SE não joga.

  • Mr. Car

    Ok, Keller, o mundo pode não estar perdido (ainda), mas que está ficando chaaaaaaaaaaaaaato… E claro, fui direto e reto nos vídeos da Dodge, he, he! Acho que é a única marca de que me podem acusar de chegar perto de ser um fanboy. Se puserem um Hellcat, um Lambo, um Pagani, e um Veyron na minha frente, e disserem “escolhe”, nem olho para os super-hiper-ultra-mega-baita esportivos: entro correndo no Challenger. Aliás, não precisava nem ser o Hellcat.

  • Paulo, parabéns por abordar o assunto. O meu canal no YouTube: https://www.youtube.com/c/RollerBuggy/videos é pura diversão e paixão em ter e pilotar os carros (BUGGY). Pode escolher qualquer um… Se alguém quiser ver pura diversão em pilotar ao vivo, Vamos nos encontrar amanhã (21/02/2104)no restaurante Graal da Av. do Bandeirastes, 5.100(Perto do Aeroporto de Congonhas),para um passeio no litoral! Horário do encontro: 09:30 tolerância de 20 min.Todos convidados!

  • Domingos

    Essa propaganda da Dinamarca é para desincentivar o cara a usar o ônibus, é isso?

    Porque me pareceu assim: uma pessoa besta, com um estilo de vida besta, numa propaganda besta com um final besta que poderia ser lida como “use ônibus, seja um retardado estranho que queima carro e tem uma vida ruim.

    Mas, tem seu público. O dinamarquês idiota padrão é bem o cara que não quer ter responsabilidade nenhuma na vida, inclusive dirigir ou ter carro, para aproveitar melhor o turismo sexual eterno que eles chamam de vida por lá.

    É assim, né… Quando o petróleo acabar eles caem na realidade de novo (claro, que eles nunca vão admitir que vivem de petróleo).

    • Lorenzo Frigerio

      Quem vive de petróleo é a Noruega.

      • Domingos

        A Noruega em especial, Lorenzo, porém pode pesquisar que toda aquela região é rica em petróleo.

        Atualmente é a única região da Europa com petróleo e, junto com a Rússia e alguns países ex-URSS, a única na Eurásia inteira a ter grandes reservas dele.

        A Dinamarca é bem rica em petróleo também e esconde isso muito bem assim como a Noruega. Ambos países que cobram imposto do CO2 na gasolina mas que duvido que paguem o mesmo imposto ao exportar seu petróleo.

  • Rafael Malheiros Ribeiro

    Prezados urbanistas, governantes e demais interessados,
    Estou doido para deixar de usar meus carros nos meus deslocamentos mais rotineiros. Para tal, aguardo apenas a tomada de algumas decisões suas (nem precisa de todas):

    1) Que os ônibus urbanos sejam dotados de chassis apropriados (não caminhões encarroçados), ar condicionado, cintos de segurança e assentos para todos. E que os motoristas tenham à disposição câmbio automático, quem sabe assim deixam de despencar de viadutos ou tombar nas pistas (como ontem), tamanha sua pressa e stress;
    2) Que passem com horário marcado;
    3) Que trens e metrô sejam integrados com outros meios de transporte (acreditam que este não chega às rodoviárias ou aeroportos no Rio de Janeiro);
    4) Que ciclovias merecedoras deste nome tenham mais segurança (experimente voltar do trabalho à noite pelo Aterro do Flamengo, será esfaqueado cedo ou tarde…);
    5) Que os trens urbanos deixem de ser a vergonha que são, lotados, quebrados, sem segurança nem pontualidade, com estações imundas, com escadas rolantes e ar condicionado sempre quebrados.
    6) Que autoridades e funcionários públicos em geral passem a dar o exemplo, acabando com carros oficiais, vagas de estacionamento privativo, reembolsos de gasolina e outros privilégios automotivos.

    A lista é ainda maior, mas se pelo menos três itens acima forem satisfeitos, prometo deixar meus carros 90% do tempo na garagem, e usá-los apenas ocasionalmente, em horários fora do pico, ou em casos de estrita necessidade. Até lá, usarei-os sem pestanejar, usando o transporte público em pouquíssimas situações, quando for mais vantajoso para mim. Passar bem…

    • Domingos

      Eu só peço que os governantes vão catar coquinho e façam aquilo de melhor que eles têm a fazer: nada.

      Meramente cobrem das empresas fornecedoras de transporte público, por meio de contratos, melhor qualidade e abrangência dos serviços.

      De resto onde o governo põe a mao é pra fazer besteira.

      Aliás, vá pensando que a tal conversa do “carro só no final de semana” é verdadeira. Não está vendo o que fazem? Se pudessem, trancavam a rua inteira para passarem 2 bicicletas por hora durante os domingos.

      O que eu proponho ao Haddad é o seguinte: ele controla a circulação de carros como quiser e faz de São Paulo uma grande faixa exclusiva de alguma coisa.

      Em troca, nós não pagamos qualquer imposto relacionado ao carro e pagamos também os valores antigos do IPTU.

      Queria ver…

    • joao

      Se for um passageiro para cada ônibus, no transporte público, como na Dinamarca, deixo meu compromisso de queimar meu carro também…

  • Perneta

    A síntese do autoentusiasta!

    Se tiver motor e anda tá valendo!

  • Perneta

    Sugiro olhar o filme para ver o que acontece depois. Kkk

  • Aeroman

    Muito bom!! Só acho que vc foi injusto com o motor elétrico. Ele tem virtudes que o motor a combustão não tem: Torque instantâneo e constante, leve, de dimensões pequenas, simples, robusto, com uma eficiência enorme. Ele não tem o ronco de um V-8, mas pode ser a parte legal do futuro. As baterias com a tecnologia de hoje ainda não ajudam, mas isso deve evoluir.
    Pense num Tesla Roadster ou no Model S, não no Leaf 😀

  • RoadV8Runner

    Não tive tempo de ver os filmes ainda, mas só pela “chamada”, são altamente entusiásticos.
    Sobre esse mundo sem sal e sem açúcar para o qual estamos a caminho, que sempre chamo de hipocritamente correto, simplesmente não dou a mínima… E pode ser quem for, quando alguém me vem com alguma hipocrisia sobre automóveis, lasco uma resposta autoentusiasta (e nem sempre bem humorada ou educada) para rebater de vez a estupidez. Sei lá, com com o passar dos anos (leia-se aumento de cabelos brancos…) estou ficando cada vez menos tolerante a demagogias em geral. Por isso que chamo o politicamente correto de hipocrisia, pois quem o defende não cumpre o que prega. É fácil chamar carro de estupidez nas redes sociais, quando ninguém vê a garagem do demagogo. Antes somente o papel aceitava tudo, mas agora a Internet também o faz.

  • jrgarde

    Valeu Arnaldo! Vi os vídeos assistindo o JN e as ótimas notícias do pais da dilmalice… Realmente nasci no lugar errado, mas ainda tenho tempo para mudar para algum lugar onde possa usar meu dinheiro sem patrulha politicamente correta e com liberdade…
    Direito de comprar um belo Mustang sem que ele custe o mesmo que uma casa ou que tenha que vender um rim para isso!

  • João Carlos

    Pergunta para esses urbanistas ou os cicloativistas, como resolvo o problema de levar minha mãe toda semana ao hospital, com metrô ou ônibus público, ou de bicicleta?

    Em recente entrevista do Haddad, é isso que ele sugeri: transporte em São Paulo seria somente por bicicleta ou por meios coletivos.

    • Lucas dos Santos

      Vão dizer que, nesse caso, não há problemas em usar o carro, pois é uma “necessidade real” – a maior preocupação deles é com quem utiliza o carro “sem necessidade”.

      Mas, provavelmente, vão sugerir que você dê carona para mais três pessoas, de modo a ocupar todos os lugares disponíveis no seu carro – ou que, se possível, você pegue carona em algum carro que já esteja com três lugares ocupados. Afinal, para os “chatoativistas”, bancos desocupados em um carro é “desperdício de espaço”!

      Parei!

      • Domingos

        Ciclista ativista e falador de nada é a mesma coisa. Uma bicicleta ocupa o mesmo espaço que uma moto para se deslocar a uma velocidade não muito maior que um humano a pé na média.

        Esse mesmo espaço acaba inutilizado pela lentidão e o perigo representado pela bicicleta, sendo que desde motos até ônibus e caminhões é necessário desviar delas.

        O espaço e o disturbio causados por uma bicicleta circulando entre os carros seria maior que os benefícios caso realmente essa fosse adotada entre os moradores de São Paulo como meio de transporte.

        No centro de Londres isso já é uma realidade, onde os ônibus muitas vezes são obrigados a pararem por conta de ciclistas, atravancando o trânsito já péssimo dessa cidade.

        Só que em Londres já admitiram que a idéia é usar a bicicleta como forma do governo não gastar com transporte público e como forma de restringir todos os outros meios de transporte.

        Aqui em São Paulo é a mesma coisa. E não interessa o argumento do “carro vazio” ou do “carro cheio”. O interesse também fica admitido com uma declaração dessas: querem ÚNICA E EXCLUSIVAMENTE o transporte que pode ser controlado pelo governo.

        Graças a Deus somos “reaças”.

      • Por isso eu gosto do Smart e do Twizy!

    • Domingos

      Ou seja, sequer táxis ou sequer alguma forma de carro com várias pessoas ou microônibus compartilhados.

      Está claro o fascismo, a imposição de modos de vida e valores e a vontade não só de acabar com a cidade de São Paulo como também de levar a cabo o plano comunista (chega de meias palavras) de restringir a mobilidade dos cidadãos.

      Bicicleta tem um poder de locomoção extremamente pequeno, é quase o mesmo que andar a pé em termos de alcance e de disponibilidade de uma pessoa média querer fazer alguma coisa.

      Ônibus e metrô são meios públicos onde rota, capacidade e disponibilidade das linhas são completamente controlados pelo poder público.

      Agora, o que faz um cara desses sequer poder dar uma declaração dessas como prefeito? Por mim seria proibido, afinal ele não foi eleito para eliminar os carros das ruas ou pichar muros ou liberar festas.

      Todas essas medidas contra a lei da própria cidade, até porque está na Constituição Federal que não se pode criminalizar ou proibir algo que NÃO É CRIME. E muito menos se pode usar ou cobrar dinheiro dos impostos sobre algo que é crime.

  • A emoção é isso aí…

    (vídeo eliminado por o motorista estar com rosto oculto na edição e repleto de palavras de baixo calão, inaceitável no Ae; sinto muito)

    • R.

      Ótimo video …
      He he
      Entre 5:13 e 5:25 uma seqüência (super-bem executados) e insana de punta-tacos !
      O “velho” guia muito !!
      Show!!

      • Lorenzo Frigerio

        Não sei se o véio “toca” muito ou se é louco. Chuto que ele seja de Santos, e foi dar um rolê na interligação Anchieta-Imigrantes. Tal qual a Imigrantes, uma estrada horrível para se passar de 160 ou 170, por causa das ondulações, sem contar os radares. Basta passar por um só a essa velocidade para perder a carteira.

  • RoadV8Runner

    Eu gosto de superesportivos de desempenho anos-luz à frente de minha habilidade ao voltante, mas quando colocados lado a lado de um muscle car… aí o bicho pega! O ronco daqueles mastodônticos V8 vicia mais que chocolate! (disse chocolate para ficar no politicamente correto. Hehehehe!!!) O Challenger Hellcat é obsceno ao extremo…

    • Mr. Car

      Pode ficar com todos eles, Road. Eu só quero o Challenger, he, he! Também acho infinitamente mais legais que os Veyrons da vida, um Porsche, um Jaguar, um Maserati, etc…

  • agent008

    Filme perfeito! E o Michael Caine continua matando a pau (fez o Alfred dos últimos filmes do Batman, entre outros bons filmes recentes). Hoje um filme como esse seria totalmente escorraçado como politicamente incorreto. Serezinhos sem graça é o que estamos nos tornando.

  • Newton (ArkAngel)

    Eu já simplifico mais: a cada dia que passa, mais e mais pessoas idiotizadas que parecem possuir somente vida orgânica.

    • Domingos

      Sim. E o veneno atual é que essa vida meramente passageira, que no fim sequer deixa um herdeiro ou uma obra espiritual, é vista como linda, libertadora e outras mentiras que a fazem “parecer” como uma vida além do orgânico.

      Por isso mesmo tanta gente adere.

  • Bera Silva

    Seus comentários são sempre interessantes, Domingos. Esse aí de cima em especial.

    • Domingos

      Obrigado! Apesar que preferia que a vida nossa estivesse mais interessante e promissora que meus comentários…

      Tenhamos esperança!

  • Carlos Eduardo

    Ford e Dodge estão fazendo as melhores propagandas ultimamente

  • Lorenzo Frigerio

    O bom dos políticos é que eles têm data de validade. Bye Bye Haddad 2016…

    • Domingos

      Deus te ouça!

  • Lorenzo Frigerio

    Concordo totalmente. Lembrei de uma vez que fui fotografar uns produtos numa empresa, e esperávamos o Presidente para tirar uma foto dele para o catálogo que estava sendo feito. A secretária, a uma certa altura, irritada com a ineficiência do ar condicionado, culpou “os arquitetos” por “fazerem prédios em que não dá para abrir a janela”. Da mesma forma, naqueles tempos de fotografia com filme, o fotógrafo levava a culpa por causa do fotolito mal feito.
    O caso do condomínio, aliás, evoca o Alphaville. O velho Takaoka achou um absurdo aquelas avenidas de duas faixas e canteiro central; ele queria avenidas simples com no máximo 8 metros de largura. Ainda bem que ele saiu derrotado nisso; o bolso dele acabou agradecendo!
    O grande mal do Brasil é nivelar as coisas por baixo. Como dizia uma velha propaganda institucional do regime militar, “o Brasil é feito por nós” – para o bem e para o mal.

    • Lorenzo, vale a mesma resposta para o Cesar, acima. Abraço!

  • Lorenzo Frigerio

    De nossos governantes, SEMPRE.
    É por isso que sou a favor de um órgão municipal separado para planejamento urbano de longo prazo, livre de políticos. O prefeito simplesmente não deveria ter o poder de interferir nessa área. Vou além, acredito que as subprefeituras deveriam ter subprefeitos e conselhos eleitos diretamente, como na Europa e EUA, esvaziando o poder do prefeito da cidade. Aí sim, talvez ele possa se dedicar às políticas de longo prazo e à interoperabilidade das regiões.

    • Domingos

      Perfeito, Lorenzo. E o tal órgão deveria ser composto de pessoas contratadas diretamente pela população e ter as medidas referendadas ou aprovadas via contratação/não contratação.

      E ainda esvaziaria câmera dos deputados e outros cargos, deixando só os sub-prefeitos e talvez sequer o prefeito.

  • Lorenzo Frigerio

    Aposto que Mercedes, BMW e Audi enviaram uns alemãezinhos de jaleco branco aos Estados Unidos para ficar um ano estudando o ronco dos Mustangs clássicos (com seus diversos motores) e do Ford GT (40), para poder emulá-lo em seus carros mais fortes. Pois os carros europeus que não são supercarros, talvez excetuando as Aston, nunca roncaram desse jeito.
    Quanto aos anúncios, o melhor é o dos Irmãos Dodge.

    • Zeb Uceta

      Sei que não tem nada a ver com o motor dos carros, mas como é que a Mercedes consegue fazer carros legais e ao mesmo tempo ter os motores diesel com o ronco mais feio de todos os tempos, a cada geração?

    • Lorenzo, deve ser isso mesmo. E agora, os alemães com turbo tem que simular o som nos alto falantes! E os Aston Martim de fato são escandalosos!
      Abraço!

  • joao

    Os dinamarqueses precisam conhecer transporte por ônibus. Lá é um para um igual na propaganda? Desse jeito eu também iria de transporte público.

  • Roberto

    O mundo não está perdido mesmo (ainda bem). Numa época onde cada vez se restringe mais os espaços para os automóveis e os limites de velocidade são cada vez mais reduzidos, me deparo como uma grata surpresa neste verão. Os limites de velocidade nas estrada por onde viajo todo o verão aqui no interior do RS (BR-290 e BR-476) aumentaram para até 110 km/h (antes era 80 km/h). Finalmente os órgãos de transito pereceberam que andar nestas estradas a esta velocidade é perfeitamente seguro. Algo que a maioria dos motoristas já sabiam.

  • Lorenzo Frigerio

    PK, mais sobre a “vida chata dos dinamarqueses”. O link mostra uma reportagem de uma jornalista britânica que vive lá e tentou comprar um carro:
    http://www.telegraph.co.uk/expat/9853662/Buying-a-car-in-Denmark-even-a-banger-costs-a-fortune.html

    • Douglas

      Parece que quando uma sociedade evolui demais passa a se ocupar com tolices, e a tolice do momento é ser contra os carros.
      Mas acredito(talvez seja apenas uma esperança minha) que a demonizacão do automovel já está próxima do pico e logo irá reduzir-se.

    • Ricardo

      Escandinávia é o inferno na Terra. Países ultra-regulados, regras pra tudo quanto é lado.

      • Domingos

        Tudo isso em troca da proteção às inutilidades… É o diabo que se apresenta bonito, mas quando é exportado para o resto do mundo se revela mais claramente no quanto é ruim.

        Basta ver São Paulo. Vamos ter fé, isso some daqui. Lá acho que já é caso perdido pois há muito dinheiro em cima de vender essa causa.

  • Roller Buggy .

    Segue o Vídeo de hoje:http://youtu.be/E5qOw0zeEp8

  • Domingos

    Evoluiu errado, a propaganda enorme de uma sociedade que vive entre futilidades e dinheiro de petróleo que nos faz achar que os Dinamarqueses são grandes coisas.

    Mas sim, é uma tendência atual as pessoas se preocuparem com tolices enquanto a futilidade e a maldade só crescem.

    Graças a Deus a gente mora no Brasil. Pois é, tá na hora da gente ver que nem sempre devemos reclamar. Um país como a Dinamarca é um embuste e para mim não é qualidade de vida ser restrito dessa forma enorme e ainda por cima a maior parte da população ter como meio de vida uma vida fútil – até porque alguma coisa tem que ocupar a tristeza que deve ser viver num país assim.

    Me desculpem os que acham bonito, mas pra mim EUA, Alemanha e mesmo o Brasil dão de 10 a zero nisso aí. O que eles tem hoje de melhor é só obra do passado, onde ainda eram pessoas sérias.

    Se tirar o petróleo de lá vira uma Jamaica de branco e espero ter sido bem claro na mensagem mesmo.

    • Douglas

      Ótima colocação a sua, entendi perfeitamente.
      Eles estão aderindo a uma moda que se pegar forte no mundo todo vai prejudicá-los, já que parte da renda do país vem do das exportações do Petróleo.
      E essa história de que queimar combustíveis fosseis causa aquecimento global até hoje continua sendo teoria.

      • Domingos

        Sim, ilustra bem a hipocrisia e a histeria do sistema deles.

        Se não fosse por petróleo aquilo ali seria um pequeno país agrícola como a Bélgica. E seria muito melhor.

        Num ponto eles têm razão sobre o petróleo. É a tal maldição energética…

      • Domingos

        Por outro lado devemos olhar o que você disse também: toda histeria, por ser futilidade que é moda e desnecessária, acaba atingindo um pico e passa.

        Hoje ninguém aguenta mais ouvir falar de aquecimento global. Até os esquerdas já mudaram para mudanças climáticas e agora tem até um novo termo que esqueci (ainda bem…).

  • Domingos

    Vamos comemorar! Isso é um bom sinal!

  • Domingos

    Propaganda de trouxa. Desse jeito, realmente, ficaria “legal”. Apesar que ter como meta de vida ser andar de ônibus e ser moderninho ainda seria coisa bem de trouxa.

  • Zeb Uceta

    Enquanto isso, o limite de velocidade na Ponte Rio-Niterói continua de ridículos 80km/h. Na Avenida Brasil, com manutenção muito mais precária, é de 90km/h. Vai entender o que passa na cabeça de quem estabelece os limites!

  • Lorenzo Frigerio

    Quem nasceu para ser Mercedes, nunca será Scania.

  • Pessoal, desculpe a demora em responder! tem semanas em que a gente “perde o pé”. Abraço a todos e obrigado pelos comentários!

  • Tomara que você esteja certo Douglas. Abraço, PK!

  • Muito boa a reportagem. Bom pára nós vermos que a imbecilidade humana não acontece apenas no Brasil. Abraço e obrigado!

  • Boa Roberto. Felizmente há pessoas que ainda tentam nivelar por cima! Abraço e obrigado pela informação!

  • Bons pontos!
    Abraço!

  • Obrigado pelo convite! Mas infelizmente não deu! Impressionante esse encontro do vídeo!

    Já viu esse post? http://autoentusiastas.com.br/2014/11/10-melhores-brasileiros-parte-iv-bugues/

    Abraço!

    • Olá Paulo, sim eu já vi este post… Já tinha feito comentários lá e até contribui para corrigir uma informação sobre o BRM na postagem.

  • Eu também!
    Abraço!

  • Cesar, claro que não dá para generalizar. Mas qualquer urbanista que coloque a culpa nos carros é muito oportunista. E agora, quando já não houve um bom planejamento, nem os urbanistas bons conseguem resolver a encrenca. Abraço e obrigado!

  • Sim, eu falei de um caso em que o cara apontou o vilão. E assim ganhou um coro a seu favor. Não quis generalizar! Abraço!

  • Angelo, por favor, não quis generalizar. Apenas entro em qualquer discussão com qualquer urbanista que explique a falta de planejamento como culpa dos carros. Abraço!

    • Angelito

      hahah, tranquilo PK. Pessoalmente acho também que esse discurso está batido, mas (in)felizmente estamos no momento oposto ao que foi o urbanismo dos anos 20 a 70, que foi o Modernismo, em que o uso do carro foi pensando como transporte principal pra quase tudo. Apesar de soar uma maravilha para os ouvidos de um Autoentusiastas, a verdade é que forçar as pessoas a usar um único tipo de transporte (independente de ser público ou individual) é uma péssima atitude de planejamento, e por isso esse movimento foi extremamente discutido e rejeitado nas atuais gerações de urbanistas.

      Futuramente pararemos de negar o transporte individual, mas até lá continuaremos incentivando o uso de transporte público, ou de meios de transporte individuais que não ocupem o espaço de 5 pessoas (Não teríamos tantos problemas de congestionamento se as pessoas dividissem o carro com pessoas que fazem o mesmo horário que elas)

  • Já está na lista dos leitores! Abraço.

  • Já está na lista dos leitores!

    Abraço.

  • Já estão na lista dos leitores! Valeu!!!

    Abraço.

  • Muitas pessoas não me entendem quando falo que eu realmente gostaria de ter um Smart ou um Twizy! Abraço!

  • nelson yuki

    PK, sou autoentusiasta! Tá cheio de gente criticando, porque tá na moda e o próprio não faz nada! Se critica os carros, que ande de ônibus ou metrô. Se critica todos os veículos a combustão, que ande a pé, de bicicleta, de carro elétrico. Agora tá na moda carro elétrico. Se todos os carros do mundo fossem elétricos, lógico que faltaria eletricidade, e naturalmente o preço dispararia. Do que desenvolver um carro elétrico, é melhor aperfeiçoar o motor a gasolina, diesel ou álcool, cada um com o seu combustível. Tem gente que diz vegetariano, não come nada de origem animal, mas tenho certeza que tem produtor agrícola que utiliza animal para produzir verduras e legumes. Se não come o animal, não deveria comer o que é produzido pelo animal também. Tem muita gente falando demais. Cada cidade deveria ter uma sociedade cuidando da cidade, das estradas, dos rios, do lixo, do esgoto… Agora é moda falar de falta de água, isso é coisa antiga, a chuva não vai resolver o problema, o que temos que fazer é cuidar dos rios, das nascentes, plantar arvores no leito dos rios, não jogar lixo nas ruas… Sou super-fã das reportagens, meu sonho é ter um Shelby Cobra 427 SC 64 azul com faixa branca. Realizei um pedacinho porque comprei uma miniatura. Abraços a todos

    • Domingos

      “Tem muita gente falando demais”. Perfeito, é isso mesmo.

  • KzR

    Que vídeo mais sem noção esse dinamarquês. Todos sabem (deveriam) que não há nada mais ‘cool’ do que poder ir para onde se queira ou mesmo para qualquer lugar a hora que desejar. Isso só com transporte pessoal, a depender de sua exigência de conforto. Comparar um senhor com um jovem por conta de escolha só reforça essa alienação descabida e incoerente.