EDITORIAL: DEFINIDO MAIS ÁLCOOL NA GASOLINA, E DE FORMA VERGONHOSA

Cana  EDITORIAL: DEFINIDO MAIS ÁLCOOL NA GASOLINA, E DE FORMA VERGONHOSA Cana

Saiu a notícia hoje. A primeira que recebi, enviada pelo leitor Daniel S. de Araújo, foi gerada pela Agência Reuters Brasil. Diz a nota que a União da Indústria da Cana de Açúcar (Unica), pela sua presidente Elizabeth Farina, informou que a mistura de álcool anidro à gasolina passará da atual 25% para 27%. Isso após uma reunião na Casa Civil, no Palácio do Planalto, para tratar do assunto. A nota só não disse com quem foi a reunião, mas informou que a nova mistura deverá começar em 15 de fevereiro e que se trata de uma antiga demanda do setor sucroalcooleiro. O texto foi assinado por Nestor Rabello.

Primeira vergonha, de enojar: esses espertalhões  da indústria sucroalcooleira, se realmente têm tal demanda,  é porque querem empurrar tanque abaixo dos automóveis o seu combustível pobre, sem possibilidade de escolha, sem fazer força. Querem moleza.  Põe golpe baixo nisso. Creio que o jornalista da Reuters não inventaria isso.

Não passou muito tempo e chegou uma nota à imprensa da Anfavea, ainda mais nauseante.

Começa a nota dizendo que “Em reunião realizada em Brasília, DF, na segunda-feira, 2, sob a coordenação do Ministro-Chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e com a presença de membros dos outros ministérios, a Anfavea (nosso grifo) e o setor sucroalcooleiro acordaram proposta conjunta para elevação do teor de etanol na gasolina.”

Ou seja, a Anfavea fez como os cães fazem para não se borrarem quando estão com medo: colocou o rabo entre as pernas. Considerou elevar o teor de álcool na gasolina a coisa mais natural do mundo.

A Anfavea já foi covarde antes, quando no começo dos anos 1990 o teor de álcool passou de 22% para 25%. Não brigou. Entretanto, a gasolina com 22% de álco0l é a usada até hoje para homologação de veículos no Brasil para obtenção do número Renavam, usada para medir consumo e emissões. É a que as fábricas utilizam (têm de fazer a mistura manualmente).

Agora vem a parte ainda mais nauseante da nota da Anfavea:

“A proposta conjunta é de que a partir de 16 de fevereiro a gasolina comum contenha 27% de etanol enquanto a premium permanece inalterada (nosso grifo). O teor de 27% e não de 27,5% é uma ação de defesa ao consumidor (nosso grifo), uma vez que as provetas de verificação de qualidade instaladas nas bombas de combustível não permitem leitura de número fracionado. A decisão de manter a gasolina premium inalterada se deve a não conclusão dos testes de durabilidade e, portanto, a Anfavea recomenda que os veículos com motor movidos a gasolina utilizem a premium (nosso grifo). Agora a proposta será encaminhada para decisão da Presidência da República”.

Que se saiba, não existe proveta nas bombas para se medir o teor de álcool, só densímetro para verificação visual rápida.  A proveta existe nos postos, à disposição do consumidor para o teste de teor de álcool. Ela fica guardada no escritório do posto.

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores escrever uma besteira dessas é muito triste.

Absurdo dos absurdos: que tal obrigar um carro que requeira 95 octanas RON (gasolina comum) use gasolina de 98 RON, só por esta gasolina conter menos álcool? Quem paga a diferença de preço do litro? A Anfavea?

E ainda vem o presidente da entidade, Luiz Moan Nabiku Júnior, dar “grande e rica informação” de que os carros flex podem utilizar a gasolina com “teor elevado” de álcool… Claro, né Mané? Se pode utilizar álcool puro, pode usar gasolina com 27% de álcool, 30%, 50%, 85%…

Esse dia passa a se chamar “Dia da Infâmia” no Ae.

Bob Sharp
Editor-chefe
AUTOentusiastas

 

 

Sobre o Autor

AUTOentusiastas

Guiado por valores como paixão, qualidade, credibilidade, seriedade, diversidade e respeito aos leitores, o AUTOentusiastas desde 2008 tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo!

Publicações Relacionadas

  • Marcelo R.

    Sobre o preço, onde eu abasteço a Petrobras Grid foi de R$ 2,99 para R$ 3,29. É complicado pagar isso tudo em uma mistura que tem quase 30% de álcool…

    Essa da Podium não ter a mistura alterada eu não sabia. Ela fica com 22% ou 25% de álcool??

    • Domingos

      Cinco anos atrás, com o petróleo bem mais caro, esse era o preço da Podium…

  • Gabriel Fernandes

    Um minuto de silêncio aos proprietários de veículos movidos a gasolina…

    • José Rodrigues

      Gabriel,
      Também aos proprietários (como eu) de motocicletas, às quais a mania de combustível “flex” não chegou, ao menos nas de maior cilindrada.

      • Lucas dos Santos

        Pois é. Meu pai tem uma CG 125, 2003/2004, que, além de não ser “flex”, é carburada!

        Ele está considerando seriamente abastecer com gasolina premium, para não ter problemas. Não sei se ele não vai acabar trocando de moto…

  • Guilherme Gaúcho

    De todo lado nesse país só vem bomba e arrombamento do meu parco orçamento. Para onde fugir? Na hora de tentar melhorar um monte de comprados por esmola tem o poder de decidir, aí fica difícil.

  • Rolim

    Combustível pior com preço maior, devido ao aumento de impostos.
    E ainda por cima, propaganda enganosa: rotulam “gasolina”!

  • Logo mais meu Uno Mille SX vai sentir essa diferença na gasolina.

  • Thiago Teixeira

    Meu monofuel, um Duratec, só com a premium?! É esse absurdo??
    Só uso aditivada, mas a premium já vai a um preço impraticável.

  • Lucas

    E além disso, aqui no Paraná, o preço dos combustíveis querendo subir até 40 centavos por litro!!!!
    Sério, a cada dia eu acordo com motivos a mais para ficar mais e mais desgostado com este país. É triste ver como a nossa sociedade se afunda, colocada nesse buraco sem fundo pelos interesses escusos de uns poucos, e mesmo com toda essa situação, essa gente continua não tendo vergonha na cara de continuar fazendo o que nos leva a esse caos. Aonde isso vai parar?!?!

  • Lorenzo Frigerio

    Essa é a primeira vez que vejo Bob Sharp criticar a ANFAVEA… o hóme tá bravo mesmo!
    Quando introduziram o álcool no Brasil, precisávamos de um substituto para aliviar nossa dependência de petróleo, pois o Brasil importava 3/4 do que consumia. Hoje isso não acontece. Durante anos, o governo manteve uma porcentagem de álcool na gasolina para que, nas entressafras e períodos de pouca demanda, a indústria não quebrasse. Mas hoje não temos essa necessidade do álcool, entretanto o governo insiste em passar mel na boca dos usineiros. O ministro Joaquim Levy disse há pouco tempo que a era dos “amigos do rei” acabou. Não é isso que vemos. O fisiologismo e a busca de contribuições de campanha continuam bem vivos. Disfarçados, obviamente, de nacionalismo patriota para o público cativo do PT. A adição de álcool à gasolina prejudica a própria Petrobrás e seus acionistas minoritários, sinal de que o desmonte da empresa pelo governo segue inabalada, mesmo em meio ao escândalo.
    Ora, por que os usineiros não podem fazer cursos no Pronatec e plantar milho, soja, tomate, mandioca e, apropriadamente, batatas?

  • Raphael Duarte

    Um verdadeira vergonha nacional essa “nossa” gasolina. Não vai demorar muito para esse valor subir para 30% de álcool, tamanho seja o descaramento. Quem sempre fica no prejuízo é nós consumidores. E pensar que em outros países como Argentina e Uruguai, o consumidor pode escolher entre vários tipos de gasolina, inclusive gasolina Pura.

  • Renato Mendes Afonso

    Lamentável. não acho palavras melhores para descrever tal medida.

  • Victor Gomes

    Bob, algum prejuízo a curto e médio prazo com o uso desse combustível porco em nossos carros movidos somente à gasolina?

    • Lucas dos Santos

      Boa pergunta! Seria até interessante se o Ae fizesse um artigo explanando isso – até porque ficaria mais fácil repassar para outras pessoas.

    • Luciano Miguel Santos

      Eu também tenho essa dúvida e não se encontra nenhum parecer de um especialista na internet que aponte o quanto pode ser prejudicial essa mistura..

  • Bob Sharp

    Marcelo R.
    Premium e Podium, 25%. A de 22% de álcool não é vendida, como escrevi, as fábricas têm que fazer as delas. Compram a gasolina sem álcool e álcool e fazem a mistura na fábrica.

    • FabioH

      Bob, e qual seria a explicação para as fábricas utilizarem a gasolina com % menor de álcool do que é oferecido ao mercado, para homologação de veículos?

      • robson santos

        é preciso haver um padrão, concorda ? Há muitas oscilações sazonais, E18, E20, E22, E25… por isso adotaram E22 conforme lei de 1993 e ainda permitindo margem de variação mencionada acima.
        Com essa história, claro vão mudar o padrão de homologação para E27 prevendo teto para 1/3 claro hehehe ou então sniff, sniff…

  • Antônio do Sul

    Acho que a Anfavea só fez esse papelão ridículo de concordar com essa decisão porque espera algo em troca do governo. Com o corpo técnico que todas as fábricas têm, é impossível não saberem dos prejuízos aos motores (no caso de quem tem carro que só queima gasolina) e aos bolsos dos consumidores.

    • Lorenzo Frigerio

      Com certeza… “é dando que se recebe”, já dizia o finado deputado Roberto Cardoso Alves.
      A indústria desde JK tem se especializado em transformar essa “camisa de força” do mercado tupiniquim em fonte de fartos lucros, entre os maiores do mundo. Lembre-se, o mercado é fechado (na prática). As importações só são viáveis para quem tem fábrica aqui. Tudo para proteger os “empregos” da petralhada pelega do ABC.

    • Eurico Junior

      Imploram redução de IPI a cada 15 dias, sempre estão chorando. Chegou a hora de retribuir… e a gente paga o pato!

  • braulio

    Seria esse um modo de continuar dando fama de frágeis aos carros importados, na competição com os nacionais mais caros com o aumento de IPI e em vésperas de cair a sobretaxa dos que veem de fora?
    Esse alto teor de álcool na gasolina não tornaria ela mais corrosiva? Dificultaria a partia a frio? Altera o prazo de validade da mesma? Em carros carburados, precisa mexer em giclês, trocar velas, fazer alguma coisa?

    • Domingos

      Carburado com certeza vai pedir ao menos uma nova regulagem…

  • robson santos

    Apesar de não representarem órgãos públicos, obviamente os presidentes de ambas as Organizações são influenciados diretamente pelo governo, como cargos políticos, não técnicos, por isso falam merdas a vontade para não bater de frente com o governo.

    Mas essa declaração alarmante, ínfame, justamente por onde jamais se imaginaria que viesse, de que recomendam o abastecimento com gasolina premium em qualquer carro movido somente a gasolina só por causa de 2% na diferença do teor etílico ( depois da já overdose de 25% ), seria só ridículo quando na verdade soa gravíssimo conflito de interesses em benefício às Distribuidoras, um verdadeiro atentado econômico contra o bolso dos incautos.

    Não dá pra acreditar no que está acontecendo… vou já correr ao meu vizinho que tem um 206 à gasolina ano 2005 e gritar pelo amor de Deus não abasteça mais com gasolina comum seu carrinho popular porque a “ANTAvea” disse que agora as peças já tratadas contra a maior ação corrosiva do álcool no sistema de alimentação de seu carro não vão aguentar mais 50 mil km por causa da adição ( mais ainda ) de 1 litro de álcool na mistura, já que falaram em durabilidade, ou ainda que seu carro não está apto a queimar adequadamente esta nova mistura, ou seja querem que você se f… e pague ainda mais caro na gasolina…

    Pára tudo, vou virar black-bloc !!!

  • Cada dia que passa fica complicado ter carro no Brasil. Tô pensando em me mudar pro Chile…

  • Aureo Teixeira

    Bob Fim da picada, da moral, enfim. País vergonhoso, deste jeito está “DILMATÁ ” mesmo. Não é atoa que a Petrobras lançou a gasolina grid ou a GRID o bolso e o carro !

  • Rodrigo Justi

    Dá até medo de fazer o cálculo “o que compensa mais: pagar mais de R$ 4 pela premium ou consertar o motor quando der defeito?”. 🙁

  • Junior

    Acredito então que o preço da gasolina vai diminuir, não é? Vivemos em um país sério, não é?

  • F A

    É como se não existisse carro antigo que foi feito para rodar com gasolina e não com essa mistura.

  • RoadV8Runner

    Bacaninha essa do (des)governo junto com a máfia dos usineiros. Se já não bastasse termos aumento no preço da alcoolina enquanto o preço do barril de petróleo cai (tudo bem, sei que o preço da nossa melecolina estava artificialmente baixo, mas não deixa de ser revoltante o preço subir quando o normal seria baixar…), agora seremos obrigados a aceitar mais álcool junto. E essa de aconselhar o uso de gasolina premium em carros movidos a gasolina somente é risível. Aqui em Sorocaba-SP desconheço onde se venda gasolina tipo premium.
    Pois agora mesmo é que não uso álcool puro nem sob tortura no Ford Ka aqui de casa, nem que o preço do litro despenque a míseros R$0,50! Quero mais é que esses usineiros se entupam de tanto álcool. E vou pensar seriamente em não usar mais o carro para ir ao trabalho, já que moro a cerca de 4 km da empresa. Vou cortar o aumento no preço dos combustíveis pela raiz… Aumento de 10% no preço, redução de pelo menos 10% no consumo mensal. Punto e basta!

    • CCN-1410

      RoadV8Runner,
      Todos deveriam fazer isso em protesto, mas brasileiro gosta de dizer que “pode”.

  • Diego M. Debesaitys

    Vergonhoso demais! Agora é esperar pelo milagre de não ser sancionada…
    Bob, o aumento de 22 para 25% do teor de álcool na gasolina não foi no início dos anos 2000?

  • Domingos

    Nossa, é tanto descalabro que a nota de imprensa parece até algo infantil.
    Meio que admitem que é por interesse comercial meramente, depois admitem que carro a gasolina não deve usar essa porcaria com 27% de álcool e ainda falam para usar a “baratinha” premium, que na versão da Petrobrás deve estar na batendo na casa dos 4 reais.
    É muita safadeza. Igual a dono de posto que batiza gasolina, só que com o novo preço absurdo do combustível e em nível de lei federal.
    Nisso a gente ganha até dos nossos vizinhos.

  • Marcos Alvarenga

    Ridículo.

    Assim como o CFM abriu as pernas para os despreprados médicos cubanos sem revalidação de diploma.

    • Bob Sharp

      Exatamente!

    • Lorenzo Frigerio

      O CFM não “abriu as pernas ” para ninguém; pelo contrário. Mas a Anta deu um jeito de passar por cima da entidade.

    • CorsarioViajante

      Aí não, o CFM pegou até muito pesado, mas o trator do governo federal passou por cima do mesmo jeito.

    • Luiz_AG

      Isso é desvio de dinheiro via Cuba. Nada me convence do contrário.

      • Domingos

        Já teve eleição que Cuba mandou dinheiro para o PT. Pode mesmo ser um esquema assim.

  • Douglas

    Bob,

    Impressionante como financeiramente o álcool não se sustenta sozinho, precisa sempre dos subsídios do governo e dos 27% empurrados na gasolina.

    Já imaginou quanto dinheiro o Brasil já perdeu dando subsídios a essa porcaria de combustível?

  • Maurilio Andrade

    Um verdadeiro absurdo! Essa é mais uma daquelas coisas que só acontecem no Brasil.
    Quanta vergonha de ter nascido nesta terrinha de m…

  • Danilo Grespan

    Será que nenhum jurista ou da área pode abrir um processo, coletivo por exemplo, contra essa decisão? Isso vai contra a durabilidade de nossos motores (segundo testes aos que os mesmos foram originalmente submetidos). Meu carro é a gasolina, GASOLINA, não essa água que está virando nosso combustível.

  • francisco greche junior

    Desistir jamais?? Já esta “desistido” faz tempo aqui. Poxa a cada dia me sinto mais sem saída.

  • Douglas

    Parece que os donos de posto se aproveitaram para aumentar além dos 22 centavos previstos.

    No posto que eu costumava abastecer com Grid, aumentou 31 centavos, enquanto que num posto próximo aumentou 20.

    O resultado é que vou mudar de posto, nem só pelos 11 centavos, mais pelo desrespeito também.

    Já o maldito álcool não tem nem como fugir, em qualquer posto vai ser os 27%.

    • Fabio

      Os 22 centavos de aumento da CIDE não estão em vigor ainda…. Só em abril. Este aumento de agora não tem sequer justificativa.

    • Luiz_AG

      Isso sempre acontece. Geralmente volta a um patamar intermediário em razão da perda de faturamento pela diminuição da venda. Postos tem custos fixos (luz, agua, funcionário, aluguel) e tem que pagá-las. Não pode se dar ao luxo de ficar as moscas com preço de gasolina lá em cima. Se dependesse só dos donos dos postos (aliás de qualquer comércio) os preços iriam ao infinito.

  • João Carlos

    Outra coisa que não temos por culpa do álcool, é gasolina com 91 RON. No manual de vários carros diz ser possível usá-la, como o Corolla atual. É a gasolina que todo mundo usa nos EUA (IAD 87 é igual 91 RON). Como sabemos, nossa gasolina é sempre feita num patamar abaixo de octanagem, para com adição de álcool chegar no ponto pretendido. É por isso que temos a Podium, que não passa de uma premium (Super Plus 98 RON) européia mais álcool (102 RON).

    • robson santos

      João, não é por culpa do álcool que não temos gasolina pura de 91 RON como você quis dizer, o que não temos na balança de combustíveis é quantidade suficiente de petróleo de ótima qualidade nem para fazer uma gasolina pura para que se pudesse adicionar somente uns 5% ou 10% de álcool como agente oxigenante e anti-detonante, quanto mais para se fazer uma gasolina pura 91 RON… e nem parque de refino suficiente ( nosso gargalo ) para o aumento desejado da produção dos mesmos tipos de gasolina atuais para que se pudesse reduzir esse teor de álcool para, digamos, uns 20% “só”, olha a situação em que estamos…
      Adição de álcool só faz bem a gasolina, claro, mas a overdose prejudica nossos bolsos…
      O que fazem nessa história de aumento do teor etílico, alegam claro, é proteção à economia do país, para importar menos etc e tal.. mas o que dizer das obras atrasadas do Complexo de Itaboraí, da refinaria Abreu e Lima, que já deveriam estar em operação ? Do superfaturamento em cima delas ? Fora que quando entrarem em operação, já vai representar o período em que elas deveriam passar por expansão da capacidade para atender a demanda nacional… então onde entra a “proteção econômica” nessa “outra” história ???

      Isso me leva a crer que deve ser proteção econômica a outros países…

      • João Carlos

        Nossa gasolina comum/aditivada já é na base 91 RON, mais o álcool vira a comum. Igual expliquei no caso da Podium. É só questão política não termos 91 RON na bomba.

  • guest

    Se fosse no Japão, o indigitado teria cometido haraquiri…

  • Rogério Ferreira

    Duvido muito que alguns carros calibrados para funcionar só com gasolina, vão funcionar direito, com o novo combustível oficialmente “batizado”. São quase 30% de alcool. de cada 10 litros de gasolina, 2700 ml são de alcool. Se no passado, prendiam donos de postos, que promoviam a famigerada mistura por conta própria, por questão de justiça, deveriam prender todos. que autorizaram essa marmota. Vender gasolina adulterada é crime contra o consumidor.

    • Fabio Vicente

      Os meus já não funcionam. Marcha lenta irregular, lentidão nas retomadas de velocidade, consumo elevado são alguns sintomas que estou tendo que conviver. Para minha sorte, rodo no máximo 60 km por semana com cada um. Se precisasse utilizar o carro no dia a dia, estava perdido (na verdade quero dizer outra palavra não permitida neste horário, que rima com essa).

  • Daniel S. de Araujo

    Aqui é assim, não tem demanda, cria-se a demanda. Não é sustentável, cria-se a sustentabilidade. Tudo via caneta Bic (ou seria Mont-Blanc)?

    Pagamos uma gasolina carissima, batizada oficialmente com álcool.

    O que mais me revolta é que vivemos num país repleto de polianas e mal carater.

  • Renato Dal-Prá

    Estou bastante preocupado com a saúde do motor do meu VW Golf 1.4 TSI.
    Sempre abasteci com gasolina aditivada, por indicações do próprio Bob Sharp. Mas e agora? Terei que começar a utilizar gasolina premium?
    Pra começar nem existe esse tipo de gasolina na minha cidade!

    Brasil = País de tolos! #vergonha

  • Bruno L. Albrecht

    Poxa, acabei de regular meu Fusca… =(
    Não tem como fazer uma separação caseira da alcoolina? Dava pra jogar o álcool no Plastimóvel flex e deixava a gasolina no fusca =)

    • guest

      Salvo engano, adicionar um pouco de água provoca a separação dos combustíveis.

  • Marco de Yparraguirre

    Isso sem falar na atitude ditatorial das fábrica que não dão ao comprador direito de escolha. Se quer carro só a gasolina você tem de encomendar.
    Absurdo. Estamos realmente perdidos.

  • Pedro Bachir

    O que me revolta nisso tudo é que o petróleo está num preço muito baixo no mercado internacional, a gasolina subiu cerca de 7% agora (além do reajuste ocorrido no final do ano passado) e com essa alteração para 27% de etanol o consumo de gasolina vai aumentar. Só prejuízo para os consumidores.
    Ao final disso tudo nós teremos pago a conta da roubalheira da Petrobras e teremos que ouvir o Governo enaltecendo a recuperação da estatal.

    • Tarcisio Cerqueira

      Só 7%?? Aqui na Bahia subiu 20% ou até mais nessas últimas 2 semanas… Domingo retrasado era na média de R$3,00, passou para R$3,29 e domingo último para uma média de R$3,60… Aqui em Salvador, no interior tem lugares que parece que vai bater os R$4,00… Agora com 27% de álcool então…

      • LG

        Não foi aí que o PT/Dilma ganharam as eleições de forma acachapante? Sinto pena do que não votaram neles. Os demais (mais de 50 milhões que votaram nos ladrões e mais de 30 milhões que votaram branco ou nulo) devem pagar esta e as demais contas que estão sendo criadas para cobrir mensalões e petrolões, inclusive os que estão por vir

  • Fat Jack

    Vergonhoso…
    E o pior, é saber que só mais uma vergonha, e ao que parece está mais perto de ser a primeira que de ser a última…
    Como já foi dito há tempos: (imagine-se se o criador conhecesse as ocorrências do país atualmente) “O Brasil não é um país sério”
    Ah, e um “off topic” (mas nem tanto, em se tratando de vergonha):
    O cancelamento da Brasília Indy 300…
    Já não basta a forma ridícula com que se cancela um evento deste porte e de repercussão mundial às vésperas, ainda tenho que ler que o cancelamento não gerará perdas haja visto que os valores dos ingressos serão devolvidos.
    Pode até ser que não haja perdas aos fãs residentes em Brasília, pois pelo menos parte dos demais certamente já havia feito reservas de voos e hotéis…, estes valores também serão devolvidos? Sabidamente não…

    • Rodrigo Rmc

      Caro amigo, Há sim muitos fãs do automobilismo em BSB! O problema e tendo um autódromo sucateado os eventos vão para Goiânia. A arrancada e outros eventos também estão em declínio por conta do descaso do GDF!

  • xineis

    Tem algum tipo de regulagem possível para carros movidos apenas à gasolina de forma que haja menos estrago?

    • Pedro Bachir

      Injeção ou carburador?
      Injeção mesmo o carro não sendo flex ela consegue compensar essa diferença, não é preciso nenhuma regulagem e provavelmente você nem note diferença em desempenho, talvez só observe um consumo um pouco maior.
      Carburador pode ser que a mistura fique um pouco pobre dependendo da aplicação, ai seria necessário ajustar a mistura na marcha lenta pelo parafuso de regulagem e talvez aumentar um pouquinho os giclês, mas acredito que não será nada gritante na maioria dos casos…

      • Luiz_AG

        Só um adendo, só se a injeção tiver sonda Lambda. Se forem injeções mais antigas (como a do monza, por exemplo) não existe compensação, pois a injeção é feita calculada com base na massa de ar, temperatura do ar admitido, temperatura do motor, rotação e abertura do acelerador. Não existe validação “pós combustão”, essa feita pela sonda lambda. Portanto, não haverá compensação.

        • Pedro Bachir

          Verdade, Luiz!

  • Leonardo Mendes

    Essa da gasolina de 22% que as fabricantes usam eu ia morrer sem saber… novidade absoluta pra mim.

  • Bruno Bertha

    Temos que meter Ação Civil Pública neles!
    Governo patético!

    • V_T_G

      O caminho é este mesmo! Abaixo assinado e/ou ação civil aproveitando para reivindicar gasolina PURA nos postos. Mimimi não vai levar a nada.

  • Carlos A.

    Ainda bem que os textos oficiais (governo e ANFAVEA) acabaram logo nessa matéria, a acada linha que eu lia os absurdos e aberrações estavam piorando, além de todas as que foram citadas ler algo em que os 0,5% dos 27,5% -valor fracionado – não será adotado por ” defesa ao consumidor” é de vomitar!!!
    Reforçando, a matéria do AE está perfeita, e me desculpem mas ainda estou atordoado com essa política porca dos combustíveis.

  • Fórmula Finesse

    Eu gostaria de saber o motivo de estarem – governo e “anfavea” – nas mãos dessa corja…eles sustentam campanhas eleitorais? Eles são responsáveis diretamente pelo sucesso na venda dos carros? Por quê??? Por quê???

    • Alguém

      Simplesmente porque eles estão no governo, direta ou indiretamente. No Brasil tudo se liga.

      E não me admira se daqui a um mês ou dois começar o chororô da Anfavea por causa das baixa venda, e o governo salvador da pátria conceder mais um regime diferenciado de tributação, uma forma de agradecer o favor feito agora.

  • REAL POWER

    Boa parte da frota brasileira ainda é de carros com
    carburador e seus motores foram projetados para usar gasolina de baixa
    octanagem, com pouco percentual de álcool. Deveria existir a opção de gasolina específica
    para estes motores, tal qual acontece na Argentina. Essa gasolina tem custo de
    produção menor devido a suas características e consequentemente custa menos ao
    consumidor. Tornaria o custo dos donos de carros das décadas de 70/80 mais
    baixo sem alterar a performance ou consumo. Não faz sentido usar gasolina de
    maior octanagem em um motor antigo. É queimar dinheiro, literalmente. Com a
    atual gasolina estes motores já pedem alteração em carburador e curva de
    ignição, em alguns casos até o uso de velas de ignição de grau térmico superior
    para manter a temperatura da câmara de combustão ideal. Mas estas modificações não são testadas ou
    homologadas. Ou seja, cada mecânico faz da forma que achar melhor ou pela sua experiência. Imagina com 27%! Isso em tese, pois sabemos
    que muitos postos vendem gasolina com solvente e maior porcentagem de álcool.

    Depois vem outra parcela de carros com motores com maior
    taxa de compressão, porem homologados com menor porcentagem de álccol. Mesma
    situação de providenciar modificações no motor para manter bom funcionamento e
    performance. Consumo!!!!!, Esqueça, sempre será maior que o normal.

    Nos carros carburados homologados para 22% de álcool, agora
    com 27%, também vão sofrer. Pequenos ajustem terão que ser realizados
    principalmente para quem mora no sul do Brasil devido ao inverno mais rigoroso.
    A mistura vai ficar pobre, dificultado a partida e aquecimento do motor. Os
    motores injetados possuem certa margem para auto adequação em virtude da
    qualidade do combustível, forma de condução, condições climáticas etc, etc.
    Basta saber até onde cada sistema pode ir sem alterar performance e durabilidade.
    Consumo!!!!!, Novamente esqueça, não tem como fazer milagre.

    Em relação aos carros novos de produção nacional ou
    importados, essa gasolina com 27% de álcool também só atrapalha, seja o motor
    flex ou não. É fazer todo trabalho de engenharia e uso de novas tecnologias ir
    por água abaixo, ou “pelo escape a fora”. Afinal o consumo de combustível será
    maior.

    Ou seja. O consumidor sempre pagando pela má administração
    desse país. A questão agora é. Saber até
    onde conseguiremos seguir pagando essa conta.

    Não seria a hora de reiniciar? Desligar tudo e voltar com
    nova programação.
    Quem sabe uma ação coletiva contra esse abuso.

    Abraços.

    • robson santos

      Concordo, mas o governo disponibilizar gasolina que favoreça o consumo em carros mais antigos levando todo mundo a pensar que é mais vantajoso possuir um antigo então, indo na contra-mão do que o próprio governo quer ? Difícil…

      • marcus lahoz

        Nos EUA existe gasolina para carro antigo, e mesmo assim é o maior mercado de veículos do planeta. A comparação não tem sentido.

        • robson santos

          não é apenas “mesmo assim é o maior mercado de veículos do planeta”, há diferenças bases de comparação ( vendas ou frota circulante por exemplo ) mas é simplesmente a maior frota do mundo, e disparado do Brasil por exemplo!!!
          Assim, não dá para se comparar mercado, cultura e tradição no que já existe lá ! E isso porque a tendência mundial é adição de álcool na gasolina, e não o contrário!

          Faz o seguinte então: estabeleça a nova cadeia de logística para este combustível só para atender nossos “muito bem” cuidados carros antigos que circulam diariamente nos grandes centros metropolitanos… isso tudo vai na contramão do que o próprio governo quer, o resto é só sonho, meu amigo…

          • REAL POWER

            Robson Santos.
            O mundo esta adicionando álcool na gasolina, mas em porcentagem menor. Acho que não passa de 15%, que eu aceito sem problema. Mas aqui a questão ambiental é deixada de lado e o que pesa mesmo é a má fé. Estamos a décadas sustentado os usineiros e governo. Chega, não da mais para aceitar.
            Sim, é um sonho ter num mesmo posto bombas com diferentes tipos de gasolinas em virtude de sua octanagem. Lá fora esse sonho é realidade, basta apenas copiar, não precisa inventar nada. Precisa na verdade de vontade para fazer bem feito.

  • ccn1410

    Foi mais ou menos assim que começou a revolução russa em 1917. Se nossos caros políticos não tomarem cuidado, poderemos ter uma dessas por aqui. Só não será comunista.
    Eu acredito que nossos deputados e senadores não podem ser tão alheios que não percebem o descontentamento do povo. Ainda há tempo para mudar, mas que não demorem.
    “É de matar:
    Mulheres de deputados pedem para Eduardo Campos passagem aérea em verba de gabinete.
    A partir de 1º de fevereiro, cada parlamentar pode custar mensalmente R$ 1.792.164,24 aos cofres públicos”.
    É mole?

    • Luiz_AG

      há há! Vai esperando…

    • Domingos

      Eu demitia todos. Coisa mais inútil a política e ter 300 deputados para fazer o que uns 10 já fariam mais que bem.

    • P500

      Sou a favor de uma guerra civil. Terminar o que os Militares de 64 não tiveram tempo de terminar.

    • fred

      só se as tais mulheres fizeram o pedido numa sessão espírita…

  • CorsarioViajante

    Ridículo, o pior é a notícia sair pela mão de terceiros, e não oficialmente, como aliás vem sendo praxe neste governo que não tem coragem de aparecer mas tem coragem de arruinar o país.
    Vender gato por lebre… Horrível. E a Anfavea neste caso levou um cala-boca pois já tinha declarado antes que essa mudança era péssima e ia comprometer carros.
    Até quando vão mimar os usineiros, que são de LONGE o setor mais ineficiente, anacrônico e oportunista? QUe vantagem o Brasil leva?

    • Elbert

      O Brasil e os brasileiros, não vejo nenhuma, mas com certeza vários tão se dando bem nessa.

  • Thiago Teixeira

    querendo ou não meu carro agora é flex

  • Fora que esse é um modo disfarçado de aumentar o preço da gasolina (pura) sem aumentar o preço do gasálcool na bomba, já que compraremos mais álcool a preço de gasolina. Fiz as contas e dá um aumento de 2,5% na gasolina pura. De grão em grão… nossos bolsos se esvaziam.

    • Fernando

      Exatamente o que pensei logo no início.

      Não puramente uma alteração de proporção, mas automaticamente deveria ter seu valor reduzido, pois isso que resulta teria de ser mais barato…

      Se juntar estes 2,5% com os 7,5% de aumento que houve no posto que costumo abastecer, já são belos 10% nosso para o bolso dessa galera já cheia do $$.

      • Domingos

        Agora pegue esses 10% e coloque em cima de um negócio que milhões de pessoas têm que comprar todos os dias e em quantidades grandes – ninguém abastace só 1 ou 2 litros.

        Olha a quantidade estapafúrdia de dinheiro que dá!

    • Elbert

      E logo aumenta o preço do álcool para manter “equilíbrio” entre os dois.

  • marcus lahoz

    Absurdo descabido do governo. Os donos de usinas de álcool não conseguem dinheiro e assim obrigam o povo a usar o produto deles. O governo não consegue gerar mais emprego e obriga o povo a gastar mais dinheiro para salvar empregos.

    É de dar nojo as atitudes deste governo comunista maldito.

  • robson santos

    Raphael, não dá comparar nossa economia à dos hermanos, a nossa demanda à dos hermanos, no Uruguai importa-se ( ainda ) 100% e na Argentina já faz uns anos não se produz o suficiente para atender o consumo interno. E a tendência no mundo todo é adição de álcool à gasolina em teor inicial 5%, medida tanto de caráter econômico como para atender programas ambientais.
    Não tem jeito por enquanto, nossa realidade é nosso fardo…

  • Frederico

    Meu carro é somente gasolina.. como fica? Se tiver problemas, o governo vai pagar o reparo?? Não há possibilidade de bancar somente gasolina premium… se a aditivada já estava R$3,55 antes do último aumento, imagina agora…
    Pura palhaçada. Tomara que o valor do açúcar no mercado internacional quadruplique! Quem sabe assim possamos ter alguma diminuição na porcentagem de álcool na já batizada gasolina.
    Ou melhor… porque não podemos ter o direito de escolha?? Nos EUA não há vários tipos de gasolina e você escolhe? Porque aqui não pode ser assim?
    gasolina pura, gasolina com 25% de álcool, gasolina com 27%, etc…

  • Eurico Junior

    A postura da Anfavea é lamentável. Mas não não se pode esperar outra coisa de quem implora por redução do IPI e benesses afins a cada 15 dias. Chegou a hora de retribuir. E os otários (nós) pagam a conta, como sempre.

  • Daniel S. de Araujo

    Antigamente a Anfavea era mais briguenta…Hoje eles parecem mais é capachos da UNICA e do Governo Federal (e olha que o Governo Federal só vem prejudicando a indústria automobilística)

  • c4vitesse

    Não tem mais jeito esse país. Se quisermos morar em um lugar decente, vamos precisar trocar de país, porque isso aqui vai por água abaixo.

  • Rafael Sumiya Tavares

    Estou indignado com isso tudo… É uma afronta a qualquer cidadão decente desse país! Estou realmente irritado com esse aumento de preço da gasolina e fico num beco sem saída, pagar as contas da Petrobrás ou dar dinheiro aos usineiros vigaristas? Acho que chegou a hora de todos voltarem as ruas para tirar essa corja do governo.

  • V_T_G

    Pergunto aos senhores advogados, não seria ilegal forçar o consumidor a adquirir etanol junto com a gasolina? O Procon tem base legal para intervir?
    Outra coisa, podíamos elaborar uma petição publica como esta http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=P2013N38614 , porém bem redigida e com o endosso dos principais pólos de cultura automobilística. O que acham?

  • Eu não entendo qual seria a dificuldade de termos ambas, uma gasolina comum, com o mínimo possível de álcool e essa mistura em outra bomba, quem tem carro flex, pode usar a mais barata, quem não tem, tem a opção da gasolina mais pura que não premium.

  • RJGR

    Caberia uma ação popular por meio de abaixo assinado ou coisa parecida?

  • Juvenal Jorge

    E quem tem um bom carro a gasolina e não essa enganação mafiosa chamada flex, que se dane!
    Políticos e usineiros, malditos.
    Arderão!

  • Bruno Hoelz

    Desanimador…

    Bob, é necessário algum ajuste ou modificação em motores antigos para suportar o novo teor de álcool? Numa VW Parati 1991 e num Gurgel X-12 1986, por exemplo?

  • Z_H

    Já imaginou a burocracia (como se o país precisasse de mais) para gasolina com % diferentes de álcool ?

  • Fabio

    Será que um carro importado, cuja importação não se deu oficialmente pelo fabricante, e portanto não adaptado ao maior teor de álcool, poderá ter problemas mais sérios?
    É meu caso, tenho um carro que foi trazido por corpo diplomático,importado já usado dos EUA, portanto calibrado para mistura de no máximo 10% de álcool. Além do possível menor rendimento e certamente maior consumo, pode haver danos ao motor e seus sistemas de alimentação e/ou exaustão?

    • Antônio do Sul

      No caso do seu carro, não haverá engasgos ou falhas, já que os sistemas de injeção eletrônica se auto-ajustam. Claro que haverá uma perda de rendimento e um maior consumo, mas, quanto à durabilidade, acho que ainda não se sabe precisamente o quanto será afetada. Dê uma conferida nos comentários do Pedro Bachir e do Luiz_AG

  • Antônio do Sul

    Ainda bem que a CG é muitíssimo econômica, pelo menos. Mesmo com o preço do litro da gasolina premium, talvez ainda seja uma boa alternativa.

  • Mibson Fuly

    Caros Bob e amigos do Autoentusiastas. Precisamos da Associação Brasileira de Condutores. Para lutar contra essas agressões.

    • André Stutz Soares

      Alguém já deu esta ideia antes? É a primeira vez que eu leio algo sobre isto, e achei uma ótima iniciativa!

      • CorsarioViajante

        Automóvel clube…

  • Erwene

    Um dia a gente aprende: nossa força é o consumo. É a porra da moeda de troca hoje em dia – já era decência, bem estar social, dignidade.. Com essa corja político-financeira-produtiva de m….., resta essa última arma: diminuam o consumo!!! sei que é um baita esforço, mas sejamos racionais nas escolhas, disciplinados na poupança e eles vão sentir a nossa força.

    • RoadV8Runner

      Eu ainda tenho opção de reduzir o consumo, mas revolta saber que muitos não têm saída, é engolir o aumento e seguir em frente…

  • Fernando

    Dificilmente resolverá alguma coisa, mas ficar parado resolve menos ainda. Assinem e compartilhem, vamos fazer barulho. Criei uma petição no Avaaz para o veto do aumento de percentual de etanol diluído na gasolina. Assinem e compartilhem: https://secure.avaaz.org/po/petition/Presidencia_da_Republica_Veto_ao_aumento_de_25_para_27_de_etanol_anidro_diluido_na_gasolina/?nTSXpgb

    • REAL POWER

      Só reclamar não dá né. Vamos participar. To dentro.

    • guest

      Fernando, lamento dizer que esse tal de Avaaz é criticado por conta de acusações de aparelhamento petista.

      É só pesquisar no Google por “avaaz pt” e verá muitas acusações nesse sentido. Coloco um link, escolhido ao acaso:

      http://observatorioconservador.com.br/avaaz-no-brasil-a-servico-do-pt-e-dos-globalistas/

    • FabioH

      Também estou.

    • Ivan

      Sinto muito, mas o Avaaz é filial petista. Perda de tempo assinar mais esse organização fraudulenta.

    • CorsarioViajante

      Já assinei e compartilhei.

  • Eduardo Mrack

    No Brasil, a demanda obedece a produção !!!

    • Elbert

      No Brasil o interesse manda em tudo.

  • RoadV8Runner

    Exatamente, cada vez mais somos acuados sem ter muita opção de fugir do arroxo…

  • RoadV8Runner

    Como respondi ao Erwene aí em cima, eu ainda posso atenuar a desgraça, mas quem depende do carro para trabalhar, tá lascado…

  • RoadV8Runner

    Mas o ministro Levy está certo, não temos mais amigos do rei, agora são amigos da presidanta… É rir para não chorar.

    • Domingos

      A queda dos reis foi ao mesmo tempo uma farsa e uma histeria francesa. Estaria tudo absolutamente igual, se não melhor, com os reinados.

  • robson santos

    Já vi em tabelas de documentos antigos ( esse é o problema, vai achar isto em texto agora ) é possível ver valores de base inferiores a 85 RON e ao redor de 70 MON, e ainda a adição de álcool ficava na casa de 12%, e os motores com taxa de compressão mais baixas do que hoje, com o tempo a adição só foi aumentando e a taxa de compressão evoluindo… Dessa forma a gasolina tipo “A” só serve mesmo a carros da década de 80 pra trás… não que eu esteja duvidando, é interessante sua informação, sobretudo porque parece mistério, não é divulgado em portais da Petrobras, então poderia mostrar a fonte de informação da gasolina base que chega às Distribuidoras ( tipo A ) apresentar 91 RON ? Só a tipo premium de base deve se aproximar disto, porque parece o álcool não influenciar em sua octanagem tanto quanto influencia na gasolina comum…

    Mas de qualquer forma João, não acho que essa questão seja política, overdose à parte, e sim de produção atual, assim se temos que importar gasolina/petróleo para atender a nossa demanda então de que adiantaria “desviarmos” a gasolina tipo “A” ( ou mesmo com apenas a adição digamos uns 10% de álcool ) para os postos inaugurando uma nova categoria de gasolina só para atender categoria de veículos que nem de longe são os predominantes na frota ( baixa taxa de compressão comparada aos parâmetros atuais ), faltando mais gasolina ainda para compor a do tipo “C” que atende a frota predominante ( taxa superior a 9:1 ) ?
    A maioria dos carros nacionais precisam de gasolina no mínimo 91 RON, e a nossa comum de IAD 87 que apresenta 94 RON portanto atende com certa folga, mas acho que nem de longe a tipo “A” atende a este parâmetro, lembrando ainda que a adição de álcool influi mais na octanagem RON do que na MON.

    A não ser claro, que atenda, e por isso costumam não divulgar oficialmente justamente por causa dos interesses políticos que você mencionou, não querem sucitar questionamentos do povo… embora menos adição de álcool resulte em melhor autonomia reduzindo o consumo, mas para isto o volume de gasolina na mistura aumentaria mais significativamente do que a redução do consumo alcançado, ou seja, continuaria precisando de mais gasolina no mercado com essa redução de teor de álcool que tanto desejamos, e não temos atualmente sobrando na balança de combustíveis, assim essa redução teria que ser até o ponto de não afetar ainda mais a balança, isso sempre foi possível, não sou especialista mas acho que ao redor de 15% estaria de bom tamanho ( e não afetaria a octanagem perigosamente ), isso aumentaria o volume de gasolina necessário a mistura mas a redução no consumo compensaria porque diminuiria a frequência que vamos aos postos no período de 1 ano…

    • João Carlos

      O álcool influencia na octanagem independente do tipo de gasolina. É o exemplo que citei da Podium, perante a Super Plus européia; para as outras gasolinas o raciocínio é o mesmo. Tem até um artigo do Bob falando disso, procure. Não sei o valor de RON da gasolina A, foi só uma suposição, certamente é menos que 91 RON. É até irrelevante isso, pois será misturada a um oxigenado (MTBE) a 10% em alguns mercados, ou álcool, daí sim dar o valor de octanagem final. O que é certo é que, na base, podemos ter um valor menor, pois vamos ter 15% (agora 17%) mais etanol que o resto do mundo.

  • Wagner Bonfim

    Infelizmente essa e outras notícias cada vez mais me trazem a certeza que nosso país está caminhando para a inviabilidade!

  • Ricardo

    Meu carro é monocombustível comprado 0 km ano passado. Não tem gasolina premium na minha cidade. Como é que o governo em conluio com os usineiros faz uma dessas? quais são as consequencias para o motor de eu continuar abastecendo com a gasolina que encontro por aqui que, em breve, terá 27% de etanol?

    • Elbert

      Relaxa, tem grande chance de você já está usando uma % bem maior rs

      • Ricardo

        O pior, Elbert, é que é capaz de voce estar certo.

  • Domingos

    Isso porque estamos num governo “do povo”. Imagina se não estivéssemos hein…

  • Jorge Augusto Anderson Mendes

    Vergonhosa e a posição da Anfavea. Ela foi co-partícipe, portanto é co-responsável, e obviamente todas as suas associadas. Mandei um requerimento a Citroën para que se posicione (tenho um C4 lounge THP). Caso a Anfavea não se manifeste contra esta decisão, todas as fabricantes associadas passam a ser responsáveis pelos eventuais prejuízos dos consumidores. Que tenham vergonha na cara e se posicionem contra a medida, uma vez que o combustível “indicado” é muito mais oneroso, além de inexistente na maior parte do Brasil.

  • guest

    Sejamos justos: embora não citada no editorial do Ae, uma das maiores promotoras dessa medida é a Kátia Abreu, ministra da Agricultura (ou seria ministra dos Agricultores?).

  • FabioH

    Acho que não seria necessário expandir o mercado de combustível premium, não existe demanda, apenas a implementação de uma gasolina intermediária (com 10% ou 15% de etanol) já seria uma solução, e sim, ela seria mais cara que a atual com 27%, mas seria uma opção, o que não temos hoje.

  • Lucas

    “A decisão de manter a gasolina premium inalterada se deve a não conclusão dos testes de durabilidade…” Ou seja, há possibilidade desse aumento ser prejudicial aos motores não-flex, mas antes que isso seja comprovado eles já vão executar a mudança. Definitivamente seremos os cobaias da imbecilidade de alguns.

  • No Brasil é o rabo que balança o cachorro…

  • Meu velho pai, na sabedoria dos seus quase 78 anos hoje, lá no início dos anos 90 já afirmava: Os dois maiores lobbies do congresso nacional o são, por ordem de importãncia: Usineiros e Banqueiros… vinte anos depois, estes mesmos setores ainda dão as cartas, sejam nas taxas de juros ou seja na busca de benesses fiscais. A diferença é que naquela época num congresso que tinha uns “300” picaretas, segundo o representante do partido mais trabalhista de então e futuro messias , autoproclamado portador de nossas indignações e vontade de mudanças, estas decisões eram tomadas pelos nossos representantes do legislativo. Hoje, com a tal corrente esquerdopata e cleptomaníaca no poder a mais de doze anos, estas decisões ocorrem no gabinete do ministro, unilateralmente…Dá para entender: Sai mais barato a cooptação e as migalhas do butin coletivo ficam bem mais concentradas.

    • Ricardo

      Certeiro o teu comentário. Brasil, um país de tolos! (para rimar com o slogan do cachaceiro)

  • ALEXANDRE

    Acabo de ler que a Anfavea recomenda que os veículos com motor movidos a gasolina utilizem a premium. Oras, será que alguém da área jurídica poderia responder se, caso o consumidor siga o que consta no manual do veículo (no meu caso, por ex., possuo uma Tiguan 2014), poderia se eximir de qualquer culpa por continuar usando a gasolina indicada?

  • aaa

    Somos dois com o mesmo problema.
    Um pais que quebra a petrobras e aceita lobby tanto da industria acucareira e, diga-se, da automobilistica nao merece respeito.

  • Felipe Parnes

    Agora meu carro que só roda com gasolina precisa ser abastecido com incríveis 4 reais o litro. Te amo, governo, o que você faz por mim ninguém mais faz

  • Reginaldo Ferreira Campos

    Temos é que PROCESSAR esse desgraçados, todos eles! E se não der certo, invadir Brasília NA MARRA! Chega de aceitação pacífica, tá na hora da guerra!

  • Cadu Viterbo

    Tb to na lista do monocombustível
    embora tenha postos na minha cidade, não é em todo lugar que tem!

  • Cadu Viterbo

    Discordo de você.
    A injeção tem um limite para se auto ajustar
    27 é quase 3 vezes mais que 10
    é uma diferença significativa. O álcool tem menor poder calorífico, precisa de mais combustível, o ponto é diferente. Pode haver falhas e engasgos por mistura pobre, sim. Durabilidade, se houve falta, é sériamente comprometida
    Se fosse fácil pra injeção se adaptar, pra que tanto investimento nos “flex”? não precisava de injeções modernas, sensores mais sofisticados, múltiplos knock sensors
    Os importados sem tropicalização vão ser os mais afetados

    • Antônio do Sul

      Com certeza, o álcool é mais pobre, com menor poder calorífico, mas ainda assim haverá alguma diluição desse excesso na gasolina, o que é bem diferente de se abastecer com álcool hidratado um carro a gasolina. No caso do carro do Fábio, com essa nova mistura, o funcionamento provavelmente será um pouco pior do que é hoje. O problema é saber o quanto essa corda aguenta ser esticada…

  • Ricardo Okada

    Canalhas!!!

  • pkorn

    No meu carro mono eu vou continuar usando gasolina comum, os danos causados com 25% serão os mesmos causados com 27% de álcool? Não vou comprar gasolina mais cara por 2% a menos de álcool. Será que este meu raciocíno procede?

  • Carlos A.

    Lembro da falta de álcool combustível nos postos no início dos anos 90 (eu ainda era bem novo e não sei dos detalhes) em casa carro sempre foi a gasolina, então esse fato não me marcou diretamente, mas lembro de ler em revistas especializadas da época (isso anos depois, já com mais noção das coisas) sobre as conversões de motores originais a álcool passados para gasolina devido a falta do ‘combustível’ vegetal. Parece que o consumidor agora com opção de escolha ao menos nos carros flex, não abre mão da gasolina principalmente os que viveram o problema na época. Pena o governo não apoiar a maioria, ou seja, o povo. Pior para quem tem carro só a gasolina – meu caso também – ficamos na mão.

  • Enderson Filho

    JAMAIS cogitei ter um carro flex por razões óbvias, não quero um pato na garagem, mas hoje em dia, em decorrência da falta de punho de alguns setores e dos interesses sobrepujantes de outros, sou obrigado levar em consideração os recentes fatos e incertezas. Qual será o teor de álcool na gasolina daqui a alguns anos.
    Comprei para minha esposa um Fox 2015 flex e sonho (sonhava, já não sei mais até onde posso levar esse sonho) com um Golf GTI, que como já divulgado, jamais será flex (ainda bem).
    Costumo ficar com um carro por 3 ou 4 anos e se resolvo comprar um e daqui 1 ano esse 27% viram 30%? Mais outro ano, 32% e por ai vai.
    Até que ponto um motor projetado pra andar com gasolina de primeiro mundo agüenta os desaforos do álcool? Sei que esses motores já são projetados com determinada % de álcool, mas quanto? A resposta disso pode se tornar uma conta a pagar para quem tem carro movido somente a gasolina.

  • Lucas5ilva

    Isso para mim me cheira a artimanha para salvar a “petrossauro”, pois é a única que vende gasolina premium, viram que só o aumento no preço não é suficiente pra tirá-la do buraco, ou é artimanha para tirar de circulação os carros a gasolina fabricados antes de 2003.

  • Bob Sharp

    Lucas
    A Petrobrás já vendeu gasolina premium, não vende mais, embora haja rumores que voltará a tê-la. O que a Petrobrás tem hoje é a gasolina Podium.

  • Barba

    “carros flex podem utilizar a gasolina com “teor elevado” de álcool…”
    Jura ? … noticias relacionadas a carros e gasolina são sempre infames

  • Rodolfo

    Bob,

    A Anfavea está nem aí para carros movidos a gasolina, pois os carros fabricados no Brasil são praticamente todos Flex.

  • Eduardo Alvim

    Esse assunto me irrita profundamente. É um absurdo o consumidor não ter DIREITO DE ESCOLHA. Coloquem postos com bombas separadas, uma para álcool, uma para gasolina PURA e outra para misturar na proporção que o cidadão desejar. Acredito que haja tecnologia para isso, não deve ser um empecilho técnico. A não ser que o Gobierno *forçe* os postos de combustível a fornecer o lixo monopolizado, o que deve ser mesmo. Outra questão que encuca, por que caralhos o preço do álcool sobe sempre à mesma proporção do preço da gasolina?? Para manter a “paridade” de 1 x 0,70? Um completo absurdo. Se os produtores de álcool choramingam ao Gobierno excesso de produção e acabam por conseguir empurrar seu produto vegetal para todos os consumidores brasileiros, basta vender a porra do álcool a preço baixo (lei da oferta x demanda) que eu mesmo passo a abastecer com pinga! Garanto que o estoque acaba rapidinho… Gostaria muito de entender se a “sacanagem” é do dono de posto, que compra o líquido translúcido a um preço baixo e sobe o preço para artificialmente atingir a relação 1 x 0,70, ou se vem do usineiro mesmo. E outra: cadê a regulação do mercado? Não seria papel dos postos BR venderem álcool a preço baixo para forçar a concorrência a desovar todo o estoque? Por favor, vamos usar as leis do Mercado a nosso favor, não empurrar uma mistura nojenta para nossos carros usarem…