A  Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) divulgou nesta quinta-feira, 5, os resultados da indústria automobilística no primeiro mês do ano. Foram licenciados 253,8 mil autoveículos em janeiro, queda de 18,8% com relação ao mesmo mês de 2014, quando 312,6 mil unidades foram negociadas. Já no comparativo com as 370 mil unidades de dezembro do ano passado a retração foi de 31,4%.

Na visão do presidente da Anfavea, Luiz Moan Yabiku Júnior, o desempenho foi impactado por alguns fatores: “A baixa confiança dos consumidores, o processo de operacionalização das taxas do Finame/PSI e uma expectativa pelo impacto das medidas de ajuste anunciadas no começo do ano influenciaram os resultados. Estes fatores confirmam o cenário extremamente difícil para este primeiro trimestre”.

A produção em janeiro de 2015 apresentou retração de 13,7% em relação ao mesmo mês do ano passado: 204,8 mil e 237,3 mil unidades, respectivamente. Quando se compara com dezembro de 2014, quando 204 mil veículos deixaram as linhas de montagem, o resultado aponta estabilidade.

As exportações neste primeiro mês de 2015 ficaram 27,9% abaixo do registrado em janeiro de 2014 — foram 16,3 mil contra 22,6 mil — e 30,4% menor ante o resultado de dezembro, quando deixaram o País 23,4 mil produtos.

Caminhões e ônibus

Ao analisar o resultado do licenciamento de caminhões, janeiro terminou com contração de 28,8%, com 7,7 mil produtos no mês contra 10,8 mil de igual período do ano passado. Na comparação com dezembro as vendas registraram declínio de 44%, quando comparadas as 13,7 mil unidades comercializadas naquele mês.

Os 8,4 mil caminhões produzidos no início de 2015 ficaram 38,7% abaixo dos 13,8 mil fabricados em janeiro do ano passado e acima em 128,1% ao comparar com os 3,7 mil de dezembro.

As exportações do segmento encerraram o mês com alta de 2,2%, ao se comparar os 1,2 mil caminhões de janeiro deste ano com os 1,1 mil de janeiro de 2014, e apresentou ainda acréscimo de 38,2% ante as 846 unidades que deixaram o Brasil no último mês do ano passado.

O segmento de ônibus registrou crescimento de 8,1% no licenciamento em janeiro: 1,9 mil unidades em 2015 e 1,7 mil em 2014. Na análise contra dezembro, quando 2,3 mil ônibus foram vendidos, o declínio foi de 19%.

Os fabricantes de chassi de ônibus produziram 2,5 mil unidades em janeiro deste ano contra as 604 de dezembro de 2014, um aumento de 311,1%. No comparativo com janeiro de 2014, quando o setor produziu 2,4 mil unidades, o resultado foi maior em 2,1%.

As exportações de ônibus em janeiro ficaram 11,8% abaixo do registrado no mesmo mês de 2014 – foram 285 unidades neste ano e 323 no ano passado. No comparativo com dezembro, com 474 unidades, as exportações retraíram 39,9%.

Sobre o Autor

AUTOentusiastas

Guiado por valores como paixão, qualidade, credibilidade, seriedade, diversidade e respeito aos leitores, o AUTOentusiastas desde 2008 tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo!

Publicações Relacionadas

  • CorsarioViajante

    Seja comparando com janeiro 2014 ou com dezembro de 2014, são baixas muito expressivas. Não sei o que será, ainda mais vendo os constantes aumentos de preço e as constantes restrições ao crédito.

  • adriano

    “o segmento de ônibus registrou crescimento de 8,1% no licenciamento”

    Também, se for ver o número de ônibus incendiados, mal vai repor a frota!!!!

  • Comentarista

    Preço, sabemos que jamais serão reduzidos. Quem paga e continuará pagando o pato de uma gestão irresponsável do governo será a população como sempre. Fabricantes de veículos e de autopeças terão que se adequar aos reduzidos números de vendas fazendo cortes em mão de obra, principalmente e infelizmente.

  • joaoamc

    Gostei muito do up! duas-portas, mas parece que o retorno dos bancos é sofrível. Ajudado pelo absurdo que estão fazendo com os combustíveis nesse país, pelo preço e por presumirem que vou abastecer meu Corsa 1996 com gasolina Podium, estou cotando o preço de uma bicicleta. Não contem para ninguém, senão o preço sobe também.

  • Ivan

    Se adequar significa entre outras medias, DEMITIR.