Posse  FORA-DE-TÓPICO: NÃO DÁ PARA ENTENDER Posse

Eu só queria entender duas coisas. Uma, o porquê, qual o sentido da filha de Dilma Rousseff, Paula Araújo, ter desfilado no Rolls-Royce da Presidência. Em geral, é um cônjuge que acompanha o outro nessas ocasiões.

A segunda, mais importante, como é possível a presidente reeleita falar em “novo governo”, controle dos gastos, busca do equilíbrio orçamentário, enfim, tudo que fazia parte das lides normais da presidente de 2011 a 2014. Soa como se Dilma tivesse recebido a faixa presidencial de outro presidente, não que foi reeleita.

Se são necessárias mudanças, o cenário já o indicava que sim bem antes, não entre 26 de outubro (o 2º turno das eleições) e agora.

E o que dizer do novo mote “Brasil, pátria educadora”? O Brasil não é uma pátria, mas um país! É, sim, a nossa pátria. No mínimo tinha de ser, caso se quisesse enfatizar (novo) empenho na educação, “Brasil, país da educação”, pois pátria não educa, isso é feito pelas suas instituições de ensino.

Que tal Stefan Zweig ter intitulado seu famoso livro “BRASIL País do Futuro” (Editora Guanabara, 1941), “BRASIL Pátria do Futuro”? Mudaria completamente o sentido, certo?

Tudo muito estranho mesmo. Como a presidente ser conivente com absurda e inaceitável gestão da Petrobrás por Graça Foster ao não destitui-la do cargo, especialmente depois do anúncio do balanço do terceiro trimestre, que deveria ser publicado em novembro, a ser feito em janeiro sem parecer de auditoria independente. Como papel aceita tudo, quem investiu na empresa não terá como saber se o que está ali é verdade. Isso se chama falcatrua.

E muita atenção: o petista deputado Ricardo Berzoini, novo ministro das Comunicações, disse aos primeiros minutos da sua posse anteontem que o governo vai tentar implementar seu projeto de censura da imprensa, agora travestido (pelo PT) de “regulação econômica da mídia”.

Reescrevendo título desta matéria, dá para entender, sim. O Brasil disse “Venezuela, eu sou você amanhã.”

BS

Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • Helcio

    Triste…..muito triste, Bob.

  • Guilherme Rocha David

    Infelizmente você tem toda a razão, Bob

  • Daniel S. de Araujo

    Bob, não se preocupe…Esse governo não se sustenta. Já começou sem legitimidade…e temos o Michel Temer que será o primeiro a empurrar a Dilma e o PT ao abismo se ele vir uma pequena chance de virar presidente e assim atingir o “Eldorado” de sua vida!

    • André K

      Também acho. Só acho que está demorando muito mas penso que o meu tempo não é o mesmo do Temer.

  • Luiz_AG

    Bom, o primeiro questionamento a meu ver não tem sentido. Ela leva quem ela preferir, vai ver está ruim no casamento, o cônjuge está doente sei lá. Preferia uma Drag Queen atriz pornô no governo fazendo o que deve ser feito do que um Padre fazendo burradas.

    O segundo questionamento é para enganar o povo. Mudança em um governo que está aí a 12 anos, muitos deles segundo a cartilha do governo anterior. Só com uma revolução popular muda alguma coisa.

    Eu já estou descrente não do governo, mas da população brasileira. Acabou-se. É isso. Melhor lançar um novo adesivo. Brasil, ame-o do jeito que está ou deixe-o.

    • Bob Sharp

      Luiz-AG
      Trata-se de um desfile para, como presidente, ser vista e/ou aclamada. Se o cônjuge não pôde acompanhá-la por qualquer motivo, o correto teria sido ir sozinha. Como as noivas órfãs que entram na igreja desacompanhadas.

      • ccn1410

        Aqui em minha região as noivas órfãs entram acompanhas por um irmão, tio ou mesmo outro parente.
        Sinceramente Bob, não vi nada de mal nisso.

        • Bob Sharp

          ccn1410
          Não gosto desse hábito de “substituir”. Considero mais franco, bonito e tocante a noiva entrar sozinha, como a fraulein Maria em “A noviça rebelde”, cujos pais eram desconhecidos.

          • ccn1410

            Este foi um dos melhores filmes que assisti.
            Foi um dos três filmes que insisti para meu filho e minha filha assistir na sua época de adolescentes.

      • Rafael Ax

        Bob, se não me engano a Dilma é divorciada. E no primeiro mandato a filha dela também a acompanhou no dia da posse. Mas lembro que na primeira posse, quem realmente fez sucesso foi a mulher do Temer, hehehehe…

    • ccn1410

      Luiz AG,
      “Revolução popular”
      Por favor, não incite o povo a fazer isso. Irmão matar irmão; amigo matar amigo; vizinho matar vizinho, não é uma boa coisa. Pense em outros meios.

  • Mr. Car

    Esta foto me fez pensar. Pensar em Dallas, 1963.

    • Lorenzo Frigerio

      Que comentário sórdido, hem Mr. Car, totalmente fora dos que você normalmente faz.

      • Mr. Car

        Não é sórdido, é apenas compatível com o sentimento que esta corja me inspira.

        • Domingos

          Acho que o Lorenzo está certo. E o certo era essa turma na cadeia, assim como todos os outros casos de abuso e corrupção.
          Porém aí água bate nas nádegas: com quase todos os partidos com rabo preso, ninguém vai até o fim nessas histórias. Assim como livraram o pessoal do mensalão, pode apostar que já tem acordão aí para trocarem um “caso Petrobrás” por uns trensalões e uns cargos de ministério.
          Essa é nossa realidade.

  • Rafael Malheiros Ribeiro

    Nada neste governo faz sentido, por quê o desfile faria? A única esperança é a própria incompetência do PT implodir seu projeto de poder, porque se depender do povo ignorante e omisso (os que nela votaram e os que se abstiveram, votaram em branco ou nulo), ou dos que tem interesses escusos, nada vai mudar.

  • ccn1410

    Na falta do marido o filho ou a filha pode, ainda mais sendo bela como a Paula Araújo, hehehe…
    “Brasil, pátria educadora”? – Foi um deslize e tanto.

    • Bob Sharp

      ccn1410
      Pode mas não deve – mesmo a filha sendo bela. Se o marido não pôde acompanhá-la, é desnecessário sob qualquer ótica ser substituído pela filha ao não se caracterizar uma união.

    • Lorenzo Frigerio

      Na certa, todos estavam de olho na Paula, não na Anta.

  • ccn1410

    Mr. Car,
    Acredito que esse não é o caminho.
    Por favor leia a minha resposta ao Luiz_AG.

  • CCN-1410

    Muitos podem estranhar alguns de meus comentários, mas eu sempre procuro agir como o “Advogado do Diabo”. Ademais, sempre é bom analisar as conseqüências de nossos atos. Ou alguém aqui gosta de morte e sangue. Chega de Hitler, Stalin, Mao e Pol Pot.
    Não esqueçam que o bom cidadão que mora ao seu lado ou trabalha com você, pode ser “do outro lado”, mas você não quer vê-lo morto ou torturado, não é mesmo?

    • cesar

      CCN, aqui vai um texto que de certa maneira explica porque devemos estar vigilantes:

      “Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu.
      Como não sou judeu, não me incomodei.

      No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista.
      Como não sou comunista, não me incomodei .

      No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico.
      Como não sou católico, não me incomodei.

      No quarto dia, vieram e me levaram;
      já não havia mais ninguém para reclamar… ”

      Martin Niemöller, 1933

      • Antonio Ancesa do Amaral

        Tem um poema russo na mesma linha, no texto diz você que não toma atitudes, e ai finalmente arrancam sua garganta. E agora, como reclamar?.

  • Moisés.SP

    O problema deste país não está no(s) governo(s), mas no povo acomodado que adora uma política assistencialista, que leva esses à perpetuação dessa casta política no poder. Isso não se resolve elegendo novos governantes, que de uma maneira geral repetem as mesmas práticas, e sim investindo trilhões em educação, para que as gerações futuras tenham o privilégio de viverem numa Nação séria. Não basta tirar os vermelhinhos do poder, a parte mais difícil é a mudança de mentalidade de um povo, para que este deixe de ser dependente do Estado e caminhe com próprias pernas.

    • francisco greche junior

      Sabe Moisés eu concordo e discordo sempre que leio algo no sentido do que você escreveu. Como podemos esperar algo a mais de um povo que em sua maioria é de uma sofrível origem, que não permitiu grandes avanços e desenvolvimentos? Um povo que sempre foi explorado, subjugado. Um povo que com o passar dos anos foi sempre doutrinado a ser o que é, passivo. Sei que tem pessoas diferentes, mas são minoria. Cadê armas? Cadê disposição para morrer se necessário, passar dificuldades? Não, é mais prático receber o assistencialismo, para outros continuarem explorando pessoas, para outros vender ilícitos. Se for ver mesmo quantas pessoas terão coragem de lutar deve dar uma meia dúzia… Serão chamados de loucos e sufocados rapidamente.

      • Antonio Ancesa do Amaral

        Tudo que começa errado, termina… Assim foi aqui, um navio de deportados chega a essa terra com a missão de explorar e assim poder ser repatriado, devido ao envio das benesses da nova terra, e assim está até hoje.

        • Domingos

          Começar errado é uma bosta e nossa cultura inclusive não só se acostumou com isso como até venera esse caminho.
          Pode ver os exemplos do governo, as celebridades e jogadores: as pessoas gostam mesmo é quando começou passando fome ou até quando cometia um crime ali e aqui e depois do dia para noite enriqueceu e “tudo se resolveu”.
          Porém, vamos ver os exemplos da Austrália e Nova Zelândia e não nos prendermos a esse pensamento baixo de vitimismo voluntário que o nosso governo atual tanto usa para se eleger – ao mesmo tempo em que muda pouca coisa.

      • Domingos

        Mais ou menos essa história aí. É verdade, mas ao mesmo tempo você vê os imigrantes da época do pré e pós primeira guerra e a maioria chegou aqui com um belo nada em posses e mesmo em estudo e só um pouco de cultura.
        No entanto havia empenho, dedicação, boa vontade. Isso construiu uns 80% das grandes nações de hoje. No passado mesmo a Europa era relativamente pobre.
        Existe a exploração e existe quem gosta de continuar a ser explorado, como você acabou colocando também. A propósito, não sou contra uma cultura de ajudar os mais necessitados – pelo contrário. E se isso acontecer na forma de ALGUNS programas sociais, que seja.
        O problema é a cultura toda ser essa e a motivação ser a continuidade do coitadismo e até a ampliação dele, como tem se provado na maior parte. O problema é o país ser só isso e só essa discussão. É muita pobreza – de espírito.

        • francisco greche junior

          Sabe eu acredito que boa índole e bons princípios se encontram em pessoas de todos os povos do Brasil, de cada origem. Porém não consigo mais acreditar no povo mesmo, no governo já faz tempo.

          • Domingos

            Eu acho o mesmo, até porque determinismo é uma grande besteira.
            Realmente anda difícil acreditar no povo e no governo de forma geral, mas ainda há a esperança que a grande parte de povo e governo sujos e bestas que fazemos parte deixarem os poucos mais virtuosos governarem.
            Funcionou bem em muitos lugares…

    • CCN-1410

      O brasileiro comum não fala “dinheiro do Estado”, ele diz “dinheiro do Governo” e aí quando pode se esbalda.

    • Antonio Ancesa do Amaral

      Só tú mesmo Moisés ” e caminhe com próprias pernas”, desde que nos deram espelho, a “política assistencialista” se perpetuou abaixo do Equador. Veja os votos do 1º e 2º turnos no Estado de Pernambuco, a ameaça do corte do bolsa família falou alto.

    • Davi Reis

      Pois é, e vai explicar pra algumas pessoas que não vai existir política assistencialista que possa ser sustentada depois que o país quebrar. Concordo que deve-se ensinar o povo a pescar, e não dar o peixe (usando o velho exemplo), mas também acredito que algumas políticas assistencialistas podem ajudar, desde que aplicadas de maneira pontual e responsável, e não como eternas muletas pra parte de nossa população. Infelizmente, a última coisa que andamos vendo por aqui é uma postura responsável e consciente do governo federal.

      • Domingos

        Depois que as bolsas começaram a ser distribuídas conforme o critério “quanto pior a pessoa e sua atitude, mais ajuda”, essa parte do responsável realmente desintegrou.
        Muitos falam do bolsa-família, mas os 80 contos para ajudar alguém a comer e que pode ter nascido realmente em condições muito ruins, ao menos serviu para uma boa causa.
        O problema foi a eleitorização que até hoje se deu por esse programa. E, principalmente, o cara ganhar 1.000 e não sei quantos Reais se for preso, através da família dele.
        Se usar crack então, ganha uma outra bolsa semelhante. É loucura, é maldade isso.

  • Gabriel FT

    Onde está escrito “Brasil, pátria educadora”, leia-se: Brasil, “pátria” doutrinadora, que dará ainda mais ênfase na disseminação da propaganda marxista às nossas crianças.

  • Rogério Ferreira

    A história se repete Brasil adentro, independente de partido… Afinal de contas, é tudo “farinha do mesmo saco” aqui em Goiás, o Governador fez uma profunda “reforma administrativa” cortou vários cargos comissionados, reduziu secretarias, fez de tudo para ter um estado mais “leve e eficiente”… tudo muito lógico, se o antecessor não fosse… ele mesmo… Ou seja, para quem tem um pouquinho de inteligência, fica óbvio que ele mesmo admitiu que sua gestão passada foi “gorda e ineficaz. Eu já desisti deste pais… Não tem jeito, acabou, boa sorte, para todos nós.

    • R.

      Pode ser que todos os “sacos de farinha” sejam ruins….
      Mas o saco de farinha do PT é muito pior e mais bolorento que os outros …
      Melhor dizendo, é uma farinha que nao serve para nada!
      He he

  • Fabio Vicente

    Bom, isso mostra que os protestos de 2013 eram mesmo por causa dos vinte centavos, pois quando o país teve a chance da mudança, optamos por deixar tudo como está.
    Reelegemos a presidente cujo governo está envolto em escândalos terríveis que iniciaram com seu antecessor. E em São Paulo, reelegemos um governo tão incompetente e corrupto quanto o federal – vide os escândalos da Alstom e também a seca que castigou o Estado no último ano – e sobre esta última ele foi avisado por especialistas em seu mandato anterior, mas omitiu-se. Fora a educação pública deste Estado que se era ruim na época do Quércia, Fleury e cia., o PSDB conseguiu a proeza de piorar ao longo dos anos com a educação continuada. Nem preciso explicar aqui as conseqüências desse desastroso modelo de educação.
    Quando eu vi neste mesmo site que o PT não tem ideário, penso que partido nenhum o tem. Independente da sigla, sempre há algum desvio de conduta, sempre há algo que prejudica o desenvolvimento da nação. Precisamos é de alguma forma dizimar este modelo político que aí está, pois ele favorece e sustenta um sistema onde somente governa quem usa a corrupção e o fisiologismo a seu favor.

    • Antonio Ancesa do Amaral

      No futebol, a seleção pode perder para qualquer time, menos para a Argentina. Esse sentimento deveria ser válido para a política, qualquer partido que ganhasse continuaríamos na mesma mesmice, menos o PT. Demos um aval na reeleição que concordamos com tudo que fizeram e queremos que assim fique.

    • Domingos

      Perfeito. Política NUNCA vai levar a nada. Nunca.
      Basta observar os exemplos. A Alemanha ficava de acordinho e de discussão ideológica entre 50 e 80, quando se reergueu e se tornou uma potência enorme como nunca antes tinha sido? O Bob ou os outros editores daqui se tornaram grandes profissionais do ramo indo fazer protestinho na paulista (ok, às vezes necessários mas não como modo de vida…) e se candidatando a político interesseiro, ou trabalharam firme e se dedicaram a fazer algo bom e ter poder para isso?
      A resposta só não enxerga quem não quer.

    • Mingo

      PT, PMDB, PSDB, PV e mais um monte de siglas inúteis, tinham que ser jogadas todas na privada e darem uma descarga bem prolongada, pois esses excrementos geralmente voltam a boiar novamente.
      O negócio é ter caráter e bom senso, tocando a própria vida e tentando não prejudicar os outros, pois esperar algo dessa raça chamada “POLÍTICOS” é pedir para morrer de raiva, câncer ou aneurisma cerebral…

  • J Paulo

    Na boa, não deveria haver nem essa cerimônia toda. E esse Rolls-Royce? Sou autoentusiasta e, principalmente, antigoentusiasta, mas esse carro já deu o que tinha de dar, não?

    • lightness RS

      Não, não, ele é carro usado em cerimônias somente, e espero que continue sendo usado, um carro desses nunca chega no ponto “que deu o que tinha que dar”, é um Rolls-Royce, é presidencial, e é “conversado”. Se fosse usado dia a dia, concordaria, mas são somente ocasiões especiais. Pena a pessoa que utiliza ele seja quem é.

    • Lorenzo Frigerio

      Concordo com você, e lamento que neste ano não tenha aparecido o Cadillac De Ville 1968 conversível que levou “Satã” e senhora na posse de 2010; um carro bem mais legal que esse Rolls-Royce.

  • Política é o cancro da administração pública.

  • Acompanhei a campanha e achei, no mínimo, redundante levantar a bandeira de “Novo Governo” sendo aquela senhora candidata à reeleição. Isso foi admitir que algo estava errado e “precisava mudar” mas, como disse um colega aqui, pode ter sido uma manobra para garantir a reeleição e se manter no poder.
    Vocês viram a placa dianteira do Rolls aonde está escrito “Presidenta”? Nossa lingua portuguesa se ajusta ao sabor dos ventos e das conveniências.

    • RoadV8Runner

      Ler ou ouvir “presidenta” dói na alma… Eu me recuso a usar essa palavra.

      • Domingos

        Presidente é, ainda por cima, uma das únicas palavras de gênero neutro no português. O presidente, a presidente, os/as/uma/um/alguns/algumas, todas as flexões ficam perfeitas em qualquer caso sem mexer na palavra.
        Também é uma palavra que termina em e, tornando-a mais neutra e possível de usar em qualquer caso ainda.
        Presidenta é pura histeria esquerdistóide e feminista do PT e do mundo da “elite intelectual” do Brasil. Gente que vem encher o saco com elogio de rua e “sociedade machista” aqui em São Paulo mas pega voto deixando de baixo do tapete e passando a mão na cabeça do verdadeiro horror contra a mulher nas cidades do interior do nordeste.

    • Davi Reis

      Concordo. É a melhor confissão possível de que os últimos 4 anos foram de um governo completamente descontrolado e sujo (isso sem falar nos dois mandatos do Lula). Agora, se vai mudar mesmo, continuo duvidando muito… Sou da linha que prefere esperar o melhor, mas preparado pro pior. Acho que tempos difíceis virão.

      • Pelo menos a senhora em questão não poderá se reeleger em 2018, já que a lei eleitoral não permite isso; ao que consta o partido estrelado quer lançar o Lula como próximo candidato, mas ele foi acometido de um novo câncer, no pâncreas desta vez, e está se tratando secretamente no hospital Sírio-Libanês. O partido estrelado não teria outro opção tão “carismática” quanto ele e os possíveis candidatos seriam o Mercadante, Jaques Wagner ou Patrus Ananias e, correndo por fora, Fernando Pimentel, o atual governador de Minas Gerais e “compadre” da senhora em presidência. Teremos quatro longos e sufocantes anos até pensarmos em poder respirar um pouco, e enquanto isso o país continua desmoronando lentamente com o 2º pior PIB da América do Sul em 2014… uma pena tudo isso.

        • Davi Reis

          Aposto que o Pimentel será o candidato à presidência em 2018. Patrus anda muito apagado aqui em Minas Gerais (a ponto de perder a eleição para prefeito de BH em 2012, concorrendo com um político apagado e ruim), e qualquer outro candidato ainda deveria passar pelo mesmo processo de construção de figura pelo qual a Dilma passou no último mandato do Lula. Nesse ponto, o Pimentel já está à frente, por ter sido o braço direito da Dilma.

  • manoel

    O AUTOentusiastas já foi um blog sobre carros bom. Desde que começou a tratar de política, de forma tendenciosa e parcial, para mim perdeu muitos pontos. Estou preferindo o Notícias Automotivas (desde que descobri como bloquear os comentários). Como comentaristas políticos, vocês são ótimos comentaristas do mundo automobilístico. Quando quero me informar sobre política, procuro fontes especializadas e capacitadas. Fica ai o meu desabafo e a minha dica: mantenham o foco nos carros que tanto nos apaixonam.

    • Joaquim

      Embora concorde com as posições do editor com relação ao detestável partido que tem acabado com nosso país, concordo plenamente com você. Ninguém compra uma Car and Driver ou uma Quatro rodas para ler sobre política, compra para ler sobre automóveis. Se quer ler sobre política, compra a Veja.
      Na internet seria a mesma coisa, se os editores querem falar sobre política, e tem todo direito de fazerem, ainda estamos (por enquanto) num país livre, deveriam fazer numa página ou blog pessoal e não misturar as coisas por aqui. É minha opinião.

      • Ah vá catar coquinho. Acho importantíssimo falar de política, do mundo real. Muitos jovens lêem os textos, e esses precisam saber o que acontece.

        Bob, parabéns pela iniciativa.

    • Daniel S. de Araujo

      Isso, Joaquim e Manoel, vão ler os “jabás” do N.A. e não encham a paciência (para não dizer o saco).

    • Eduardo Mrack

      Como diz o Bob, vá ler sobre carros onde quiser, está cheio de sites e blogs sobre eles na rede mundial de computadores.

    • ” tratar de política, de forma tendenciosa e parcial”….

      O Ae NÃO trabalha para governo nenhum, e mesmo os órgãos de imprensa cujo propósito é informar sobre política emitem opiniões, caso você não tenha percebido.

      Temos liberdade de emitir opiniões. Os editores aqui também têm esse direito! E a opinião deles é a mesma de pelo menos uns 90% dos brasileiros com um mínimo de análise crítica da atual situação.

      Não consigo entender como uma pessoa pode se sentir incomodada por alguém questionar e criticar políticos. Todos os políticos, independente de qual for o partido, estão ali para servir ao país. Eles trabalham (ou deveriam trabalhar) para nós. E ganham muito bem para isso. Mas os cidadãos menos esclarecidos se ofendem, como se tivessem que defender os seus políticos favoritos, mesmo que às custas da sua própria qualidade de vida. Fanatismo começa assim. E isso, embora não seja exclusividade, é típico dos fanáticos do PT. Vai entender…

  • braulio

    A primeira questão é, ao meu ver, menor e mais fácil de explicar: Faz parte do cerimonial que a primeira dama ou que o marido da presidente acompanhe o ser eleito para representar a família. Como a Dilma não tem marido, parece lógico que o membro mais próximo da sua família faça o papel.
    O erro de comunicação é lamentável, mas tem seu viés engraçado: Se nem a presidência consegue contratar um único cara para corrigir os erros em slogans e comunicados oficiais é sinal de que precisamos MUITO de um empenho em educação (o empenho virá? Não sei, me parece muito com aquelas promessas de acabar com a seca do nordeste…).

    • Domingos

      Seca no nordeste, pobreza na África, corrupção no Brasil: todos da série “problemas na verdade fáceis de resolver e que qualquer pessoa sabe bem o que fazer, mas que o mau espírito tornam perpétuos”.
      Eu falaria que o Bob está se prendendo em bobagem (ficou engraçado…) com essa da Dilma e a filha no desfile, mas tem uma coisa aí que é a tal da questão da “estrutura familiar”.
      A Dilma é a perfeita garota propaganda da nova “estrutura” familiar que o PT e a esquerda querem como ideal. Sem marido, separada, com filha e até com fama de lésbica. A família ideal para ser governada até no seu mais íntimo pelo Estado e pelas ideologias, dado que é incompleta e costuma depender da ajuda e apoio de outras instituições.
      Nada que desabone quem teve esse caminho na vida, até pelo inevitável às vezes, mas é fato que não é o modelo familiar realmente bom e completo e que está sendo vangloriado por motivos espúrios.

  • Bob Sharp

    Manoel
    Faça então bom proveito do Notícias Automotivas, porque aqui quem manda somos nós. Falamos e sempre falaremos sobre o que nós quisermos, principalmente criticando sem dó esse partido oco, sem ideário, que tanto mal faz ao Brasil. Ficou claro? Isso porque nós amamos a nossa pátria. Mas quando você quiser saber sobre carros verdadeiramente, dê uma passada aqui. É de graça e nunca saberemos que você nos acessou, portanto não há risco de você passar vergonha.
    Bob Sharp
    Editor-chefe

    • Newton (ArkAngel)

      Bob, antes de mais nada, considero o AUTOentusiastas não só um site informativo, mas sim um ponto de encontro onde podemos eventualmente discorrer sobre assuntos que não sejam somente automóveis. Afinal de contas, quando vamos a um evento automobilístico as conversas não são exclusivamente sobre carros.

      • Bob Sharp

        Newton
        Muito obrigado. Saiba que esse seu sentimento é recíproco, sinto-me conversando com amigos e, como você bem disse, não se fala sobre carros sempre. Assim como leio assuntos de política em outros veículos, acho oportuno expor idéias a respeito aqui. Por exemplo, não li/ouvi em lugar nenhum essa postura da Dilma de falar em novo governo, novas medidas etc. como se tivesse sido eleita pela primeira vez.

        • Gabriel FT

          Além disso, política é um assunto extremamente pertinente a nós, pois influencia diretamente no nosso cotidiano automobilístico com essas políticas desastrosas, do trânsito às restrições de importação absurdas que tornam a cada dia mais difícil desfrutar do automóvel…
          Aliás, com um governo paternalista desses, que quer controlar cada aspecto da nossa vida, tudo se torna político.

          • lightness RS

            Exatamente, não existe tirar a política, não querer falar de política, ela está intrínseca em nossa vida, a cada segundo e ainda mais nós que gostamos de carros!!

        • Joaquim

          Não é possível que não tenha visto. Se entrar no site da Veja verá várias reportagens e colunistas falando sobre isso. E em outros sites também. É só procurar. Mas não espere a mídia televisiva fazer isso, pois elas não vão colocar suas concessões em risco.

      • Tenho a mesma sensação. Por isso eu acesso o Ae todos os dias.

    • Mr. Car

      Já eu, adoro ver o Ae dar seus pitacos sobre política. Manda bala, Bob.

  • Bob Sharp

    Braulio
    Eu gostaria de saber se o cerimonial estabelece que em caso de falta de um cônjuge vai um filho no lugar. A mim soa estranho isso, a companhia de alguém que (teoricamente) não acompanha o dia a dia do eleito e tampouco tem qualquer significado político-familiar perante o povo. E no caso de solteiro(a), como fica? Itamar Franco, por exemplo, era solteiro.
    Quanto à seca no Nordeste, comecei a ouvir falar nisso lá pelos meus 10 ou 12 anos…

    • Lorenzo Frigerio

      Se não era assim, assim passa a ser a partir de agora. Na verdade, desde 2010. Mas se eu fosse a Dilma, teria ido sozinha. Isso não é casamento.

  • cesar

    CCN concordo contigo que não deveríamos pensar nisto e que nem deveríamos estar discutindo este tipo de assunto. Porem, insisto em dizer-lhe que quem começou com esta historia de nós contra eles, ricos contra pobres, nordestinos contra o pessoal do sul e sudeste, foi o partido da estrelinha vermelha e isto não é de hoje. Acredito, que devemos ficar vigilantes para não nos tornamos ovelhinhas de presépio como o povo judeu na Alemanha. Veja ao seu redor como está o povo que aceitou cordialmente ir para o abate. Veja como está o povo hoje na Venezuela, na Argentina ou na Bolívia (veja o que fizeram Mao, Stalin e os Castros). E te afirmo, é a mesma coisa que esta trupe deseja para o Brasil. Não conseguiram ainda porque não tinham controle do Judiciário e o que assusta é que nos próximos 4 anos terão no bolso 10 dos 11 ministros do Supremo.

  • Taylor

    Mr. Car,
    Ótimo… na mosca!
    Taylor

  • Guilherme Keimi Goto

    Mídia imparcial é tão plausível quanto o comunismo utópico: só idiotas acreditam.

    • Lorenzo Frigerio

      E olha que aí vem o “controle social da mídia”, para que o termo “imparcialidade” possa ser definido pelo governo.

  • P500

    Que comece a guerra civil !

  • patriota
  • João Carlos

    O assunto diário lá são preços, qualidade de plásticos e se o formato da maçaneta do 2014 é mais bonito que no 2015. Sem contar os “flagras”. Alguém ainda acredita que carro todo quadriculado não quer aparecer?

  • Bob Sharp

    Joaquim
    Você paga para ler o Ae?

    • Carlos Alexandre Nor

      Joaquim, você paga para ler o Ae? KKKK

  • Lauro Agrizzi

    Bob, você vai morrer sem entender, pois tudo que parte deste partido é sem sentido, descarado, mentiroso e ardiloso, sem respeito ao povo e a inteligência. Pode durar 12 ou 20 anos mas vai desaparecer com o tempo e ninguém vai sentir saudade, pois os Petralhas são finitos e também vão morrer um dia e os novos não vão mais cair nesta cilada.Mas vamos pagar caro por este desgoverno.

    • Lorenzo Frigerio

      O fato, meu caro, é que com tanta coisa errada nesse governo e nesse partido, eles ainda conseguiram vencer as eleições, sinal de que a oposição não é tão querida assim, e existem razões para isso.

  • Lauro Agrizzi

    Bob se fosse eu o editor de Ae eu censurava todos os apologistas dos PeTralhas, eles não merecem e não têm bom senso nem inteligência para participar desta página. Temos que jogar o mesmo jogo deles.Os que estão aqui, defendendo estas barbaridades, são infiltrados e espiões e não merecem espaço. Que criem suas próprias páginas financiadas pelo partido e suas comissões de representantes falsos do povo.Este site é de autoentusiastas, mas acima de tudo de pessoas do bem que querem a liberdade e a real disseminação da informação e do conhecimento, não uma comunidade de abestalhados que acreditam em tudo que os ditadores apregoam em nome da falsa democracia e da participação popular.

  • Fred

    Então podemos criticar também o Hino Nacional, pois ele diz, há quase dois séculos, “Pátria amada, Brasil”… E a letra é de autoria de um escritor e crítico literário.

  • Sinceramente, regular o que blog fala ou não é uma postura típica dos petistas. A Internet e livre, o blog é livre pra falar do que quiser, e você inclusive também tem a liberdade de não acessar mais o Ae.

  • Rafael Sumiya Tavares

    O AE tem todo o direito de publicar o conteúdo que lhe convém. Se o leitor não se interessar pelo assunto da matéria é bem fácil de resolver, não leia! Eu por exemplo me nego a ler sobre automóveis nesses sites de flagras e alisadores de plásticos, não tenho mais estômago. O Ae elevou meu nível de exigência em muitas coisas.
    Bob, você não perderá os bons e assíduos leitores, pois estes sabem que mesmo que um texto desagrade será apenas um ponto de vista diferente a ser respeitado.

  • Bob Sharp

    Lipe
    Marido da presidente ou primeira-dama participam de vida íntima do outro cônjuge, o que não acontece com os filhos. Essa é a diferença. O carro presidencial apenas transportou a presidente eleita entre o Palácio da Alvorada, Congresso Nacional e Palácio do Planalto. Não era desfile na acepção da palavra, apenas um transporte com pompa. Portanto, não se tratava de comemoração alguma. Temer e esposa: qual o problema da diferença de idade? O fato é que são um casal. Charles Chaplin tinha 54 anos quando se casou com Oona O’Neill, de 18, e tiveram oito filhos. Temer presidente, e reeleito, nada mais natural que fizesse o mesmo trajeto acompanhado da esposa.

  • Bob Sharp

    Fred
    É “És tu, Brasil/Ó, pátria amada”, uma expressão que mostra apreço ao Brasil. A letra do Hino Nacional Brasileiro é belíssima, mas é preciso saber interpretá-la.corretamente. É o mesmo caso de, por exemplo, se dizer “Te adoro, filho querido.” ‘Filho querido’ não o mesmo que ‘te adoro’. Entendeu agora?

    • Fred

      Bob, desculpe discordar, mas existem ambos os versos na letra do hino: tanto “És tu Brasil/Ó Pátria amada”, como “Pátria amada, Brasil”. Dizem coisas diferentes.

      • Bob Sharp

        Fred
        Problema nenhum, você discordar. Mas é o mesmo caso anterior, fala em Brasil mas depois exalta-o dizendo pátria amada. Em ordem direta seria simplesmente Brasil, pátria amada. Repetindo o exemplo, ‘filho querido, te adoro.’

    • Pergunto mesmo

      Pleonasmo?

  • Bob Sharp

    Lauro Agrizzi
    Não gosto de fazer isso, mas vou passar a adotar esse procedimento.

    • Absalão Bussamra

      Bob, adote-o sem pudores. Nos blogs “chapa-branca”, há dois procedimentos-padrão: o Paulo Henrique Amorim censura 100% e o Flavio Gomes xinga e ofende quem se atreve a discordar dele. Como você foi muitíssimo bem educado, creio que a primeira alternativa é a mais indicada. Devemos combater fogo contra fogo, pois liberdade de expressão é uma via de mão dupla.

    • Janduir

      Não deveria Bob, apenas quando o cara for mal educado…

  • Bob Sharp

    Lorenzo
    Eu já não disse incontáveis vezes aqui que a democracia é suicida?

  • Fernando Oliveira Lopes

    Bob por essas e por outras eu falo que a Excelentíssima Presidenta é uma neófita de mão cheia, parece não ter a ideia do cargo que ocupa. Detalhes como estes mostram uma pessoa desatenta que não sabe se portar conforme a ocasião.
    E esta desatenção culminou nestes escândalos de corrupção sem precedentes e que ainda vão dar muito barulho.
    A diferença dela e de seus antecessores no cargo é que eles souberam apagar os rastros e sim, a maioria dos políticos brasileiros de má índole!
    Talvez algo parecido com o que foi a operação “Mãos Limpas” na Itália deveria acontecer aqui, mas como falta “tutano” para a maioria dos brasileiros isso será meio difícil de se realizar…

    • Bob Sharp

      Fernando
      Inclusive, para levar a cabo a “Mãos Limpas” os direitos constitucionais foram suspensos por algum tempo, do contrário não teria jeito. A justiça atrapalharia.

      • Kevin “Schãoantz!” (F.Lopes)

        Sem dúvida Bob, nossa justiça hoje é um “tentáculo” do sistema instituído! Hoje creio que precisamos de uma reforma profunda, na verdade “derrubar e começar tudo de novo”!

  • Robin de Loxley

    Entrei agora no site e li a matéria do André Dantas antes de ler esta.
    Muito pertinentes e, interessante, se completam.
    Concluo que somos escravos de uma horda cujo interesse é ter esse tipo de governante no país, já que assim, os lucros ficam maiores e a população mais dependente.
    Que horda é essa, é evidente, aparecem sempre na mídia e nos noticiários é só pensar fora da caixa que fica claro.
    É a horda que se aproveita de políticos corruptos que se vendem seja por um contrato de licitação seja de uma firma de limpeza seja de uma petrolífera;
    É essa horda que financia as campanhas eleitorais de políticos que por não terem compromisso com seus eleitores e sim seus patrocinadores acaba fazendo o que mandam e isso quase nunca é bom para o país.

  • Bob Sharp

    Rafael
    Obrigado. Felizmente os que discordam são mesmo poucos. Estimo 2% no máximo.

    • Peter Losch

      Como você chegou a esta estimativa? Seus textos “politizados” são tendenciosos (e nem poderiam deixar de ser, óbvio) e eu, na maioria das vezes, não concordo com eles, apesar de não externar minha opinião. Se a eleição foi quase na base dos 50%, como você acha que apenas 2% dos leitores discordam de suas opiniões políticas? Menos, por favor.

      • Eduardo Mrack

        É porque este site concentra em sua maioria as pessoas de bem, inteligentes, esclarecidas, com bom senso e senso crítico, que estão atrás de informação e conhecimento. Infelizmente aparecem vez ou outra alguns abestados que votaram na pistoleira, mas não duram muito não.

        • André Baptista

          Experimenta olhar a segmentação de voto por idade. A unica faixa que o Aécio ganha (e de lavada) é 18-25 anos… Emblemático.

        • Peter Losch

          Você está dizendo que qualquer um que pensa diferente do articulista é uma pessoa do mal? 50% dos que votaram na Dilma são “abestados”? Emblemático, o seu texto.

          • Eduardo Mrack

            100% dos que votaram na Dilma são abestados.

          • Peter Losch

            100% mais um.

    • André Baptista

      Não tem como saber, a maioria dos que discordam nao comentam na matéria, ou mesmo nem lêem.

  • Irapuã

    Não sei se é real, mas também mudou a placa do histórico Rolls-Royce… agora é “presidenta”.

  • RoadV8Runner

    Mas esperar coerência de uma pessoa que dizia não conhecer as falcatruas que rolam soltas em seu quintal, é demais… Isso é que me preocupa, esse bando no poder por pelo menos mais 4 anos. Essa de foco na educação seria de dar gargalhadas, não fosse trágico. Alguém acredita que o PT vai realmente melhorar a educação? Dar subsídios para o povo descobrir que são demagogos? Jamais!

  • Alexandre Maia

    Essa mudança de placa, pelo que pesquisei aqui, ocorreu ainda antes da primeira posse dela. Nem estava sabendo, confesso. Segue o link:

    http://blogs.estadao.com.br/olhar-sobre-o-mundo/governo-dilma-rousseff/

    • Danniel

      Fotos tiradas este domingo no Palácio do Planalto…Eu também notei a placa…

  • Roberto Neves

    Não gosto de fazer julgamentos moralistas, nem de avaliar o comportamento pessoal de uma presidente, mas quando vi a nossa de Rolls-Royce foi inevitável me lembrar do papa Francisco, um líder mundial (não sou católico), desfilando tranqüilamente de Fiat Idea, um gesto simpático e humilde.

    • anonymous

      Não entendi o comentário. O Rolls-Royce foi usado até por Getúlio Vargas, em 53. Não é o carro da Dilma, nem diz nada sobre comportamento pessoal. Aliás, seria interessante uma matéria sobre carros oficiais.

      • Roberto Neves

        É verdade, meu caro anônimo. Dilma tem direito de usar no carro que quiser, desde que a legislação brasileira o permita (e, pelo visto, permite). Por outro lado, escrevi sobre algo que não gosto de externar (mas que também tenho todo o direito de fazer): a minha impressão pessoal. Neste caso, eu preferiria ver Dilma a bordo de um Idea, Fox, Gurgel, Sandero…

    • Leonardo Mendes

      Ver o Papa desfilando naquela Idea de vidros abertos me deu calafrios ao pensar na possibilidade de algum celerado repetir 1981.

      Um gesto simpático? Sim. Mas um risco desnecessário também.

  • Christian Bernert

    O pior de tudo é que não sabemos se a presidente foi mesmo reeleita, não sabemos sequer se um dia foi eleita. Afinal nossas urnas eletrônicas não permitem qualquer tipo de auditoria. Isto é um absurdo.
    Já passou da hora de nos unirmos e exigirmos transparência e correção no processo eleitoral. E não seria tão complicado fazer isto. Basta que a urna eletrônica passe a imprimir o voto. A impressão pode ser conferida na hora pelo eleitor que deposita o voto impresso na urna física. Um código numérico gerado pela urna eletrônica é impresso no voto físico para evitar que um voto falso seja depositado na urna física.
    Ao final da apuração eletrônica, os representantes dos dois partidos mais votados e dos dois partidos menos votados seriam convidados a sortear 10% das urnas para serem auditadas. Como o processo eletrônico é (supostamente) infalível, o resultado esperado da auditoria é 100% de acuracidade entre os votos eletrônicos e os votos físicos.
    Caso seja encontrada uma única inconsistência, amplia-se a auditoria para 20% e assim sucessivamente.
    Acho que não é nem um pouco demais que nós, cidadãos, exijamos esta correção nos procedimentos. É o mínimo.

    • Janduir

      Amigo, já trabalhei na eleição e no final quando é impresso o resultado, os fiscais de partido já anotam tudo. Não teve recontagem, porque a oposição deve ter somado (espero eu) os resultados que os fiscais imprimem. Imagino que poderia haver manipulação, mas na hora de lançar os resultados da zona eleitoral na central. Mas com o partido somando os votos que a urna imprime, na minha opinião dificulta a manipulação. E outra, nenhuma eleição com a urna eletronica foi contestada por nenhum partido. Todos fazem suas pesquisas internas. O que ocorreu, é que foi uma eleição suja, parentes meus foram ameaçados de perderem o bolsa familia via celular (isso aqui em SP), imagine no Norte-Nordeste… e outra coisa, no Rio Grande do Sul, foi 53 Aécio para 47 Dilma, então não adianta reclamarmos dizendo que foram somente o norte -nordeste que elegeu a Dilma. Penso que se fosse o Serra, ele teria levado. A história do aeroporto, ser pego bêbado, deu uma queimada no Aécio…

      • Christian Bernert

        Imprimir o total de votos no fechamento da urna não garante nada. A manipulação pode já ter sido processada. Por outro lado imprimir os votos um a um sim dá a possibilidade de auditoria com grande acuracidade. E houve contestação da urna eletrônica sim, inclusive com discurso no plenário da câmara. Só que não foi levado adiante. Ficou por isso mesmo.
        Mais transparência neste processo não seria nada mau.

    • André Baptista

      “Um código numérico gerado pela urna eletrônica é impresso no voto físico
      para evitar que um voto falso seja depositado na urna física.”

      Não entendi, como isso impediria a adulteração dos votos físicos na urna?

  • Leonardo Mendes

    A questão da filha não me soou assim tão estranha… o ex-prefeito de Santos, João Paulo Tavares Papa, era separado e a irmã assumia a imagem e as atribuições de primeira-dama.
    Pra ser sincero achei a atitude da Dilma muito bacana… foi um tiro de fuzil no protocolo, claro, mas foi bacana.

    Quanto ao resto do texto, assino embaixo, passo recibo e reconheço no cartório… raros são os quem tem habilidade em transitar entre assuntos tão divergentes entre si (carros e política) e o Bob faz isso numa boa.

  • Prezados, quando bem jovem ainda, lá no início dos anos setenta, poítica fazia sim, parte do cotidiano. Meu curso ginasial tinha, entre suas cadeiras, a de moral e cívica e o estudo dos problemas brasileiros, e pasmem, as duas por professores idealistas, com claro pendor á esquerda, o que fazia o contraponto do excesso ufanista dos governos militares…O que mais aprendi foi interpretar o que lia, o que pensava quem escrevia e quais seriam os objetivos de quem escreveu: Em outras palavras: senso crítico! Aprecio a pluralidade deste blog, e, como amante de automóveis e mecânica , depois de ler alguma coisa que me interessa por aqui, dificilmente engulo o mesmo assunto em outras páginas com o mesmo entusiasmo e sabor… Bom , isto foi um elogio sincero ao blog e o recado final foi o que escutei de um de meus professores de Educação moral e cívica, quando com pouco mais de 13 anos reclamei da aula pelo excesso de política como tema: Guri! tu podes fazer o que quiser, ser o profissional que for, ter tua simpatia por esta ou aquela linha de governo, mas, meu caro aluno se tu não aceitares valorizar e discutir politica ( na sua essência! E daí foi procurar em livros o verdadeiro significado desta palavra! ) será sempre medíocre… Vida longa a este blog e seus mentores e colaboradores.

    • Leonardo Mendes

      Saudades dessa matéria e de OSPB… ainda hoje tenho os livros em casa.

    • cesar

      Não precisa ir tão longe, em meados dos anos 80 ainda tinha aulas de educação moral e cívica. Nas sextas-feiras tinha o Hino Nacional. Me lembro que o que aprendi de educação de trânsito foi no 1º Grau, aprendíamos a plantar e hoje, bem hoje…

  • Roberto Neves

    Com todo o respeito, penso que o Bob não deve mudar seus critérios: que continue a vetar aqui apenas os que ofendem ou denigrem os demais. O clima de liberdade que aqui sempre reinou é um dos responsáveis pelo sucesso do site.

  • Marco de Yparraguirre

    Aliás,a palavra presidenta não existe, mas o PT acha que isso soa popular, mesmo com erro.Cada povo tem o governo que merece.
    É só esperar e estaremos sob o jugo de uma nova ditadura,desta vez populista, já que não há setor algum nesse país que não esteja comprometido,com esse governo.Está tudo dominado,com raríssimas exceções.Quanto ao blog manifestar-se,politicamente, acho válido.

  • Carlos

    Prezado Bob,
    A foto que abre a matéria é do 1º mandato da PTralha. A foto correta, do segundo, é essa!

    • Bob Sharp

      Carlos
      Agradeço sua colaboração; já foi corrigido.

  • Janduir

    Amigo, foi quase empate, mas se tirar os que foram ameaçados de perder o bolsa-família, daria uns 65/35 para o Aécio…

    • cesar

      Tecnicamente se somarmos todo o contingente habilitado a votar, observamos que a dignissima foi eleita por uma minoria. Segue os dados aproximados do resultado da eleição:

      Dilma: 38,20%
      Aecio: 36,20%
      Brancos, nulos e abstenção 25,6%

      Ou seja, se somarmos os votos do Aécio com o restante, constatamos que 61,8% (a maioria) do eleitorado apto a votar ou nao votou na digníssima ou pouco se importaram com o resultado, mas o fato que se constata é que o partido das treva não levou sequer 2/5 dos votos.

  • César

    Questões políticas à parte, o fato é que este Rolls-Royce é uma verdadeira obra-prima da indústria automobilística. Possui uma presença quase surreal, um automóvel verdadeiramente cinematográfico.

    Que, aliás, poderia ser objeto de um belo post. Fico no aguardo…
    CSS

  • cesar

    Num país em que um livro didático sai com a seguinte perola: “Nós pega o peixe…” e o ministro da educação acha que está tudo normal, o que você espera do resto?

    • Eduardo Mrack

      Nós pega o peixe e dá para a presidenta… seria cômico se não fosse trágico.

  • Rômulo

    Mr. Sharp,

    apenas a título de registro, uma vez que me interesso por nossa espetacular língua portuguesa, o vernáculo “presidenta” é um substantivo feminino reconhecido pelo Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, organizado pela Academia Brasileira de Letras. Então, apesar de soar muito mal, seu uso não é inadequado.

    Cordiais saudações,

    Rômulo

  • Bob Sharp

    Rômulo

    Sei disso, agradeço sua informação, mas trata-se do famoso “consagrado pelo uso”, e não resultado da regra de gênero, ou teríamos agenta, gerenta, assistenta, requerenta, pacienta, videnta, escreventa, atendenta, serventa, dementa, estudanta, figuranta, pretendenta e por aí vai. Mesmo caso de ‘cilindradas’ como unidade de volume no caso de motores, que já vi em dicionário como forma popular admitida. E, como você bem disse, soa mal. Por isso tudo é que me recuso a dizer ou escrever ‘presidenta’ no Ae.

  • Janduir

    Também concordo, o ideal seria imprimir um a um. Mas entendo se tivesse manipulação, o PT aproveitaria e derrubaria o PSDB aqui de São Paulo… ou não teria perdido a eleição no Rio Grande do Sul…

  • André Baptista

    Está enganado amigo. A Alemanha é um país muito politizado sim, olha o indice de votantes, sempre acima de 80% até 1990:

    http://en.wikipedia.org/wiki/File:Wahlbeteiligung_Bundestagswahlen_Deutschland.png

    E lá o voto não é obrigatório, ok?

    • Domingos

      Depende o que você entende por politizado. Hoje ela é mesmo muito politizada, ainda que a taxa de participação tenha caído conforme seu gráfico.
      No passado existia pouco blá-blá-blá político e ideológico tanto na Alemanha quanto no resto da Europa – exceção à França, sempre a afetadona pré-adolescente.
      Em geral se votava em partidos neutros, muitas vezes mais à direita, e se preocupava com economia e qualidade de vida – como tem que ser.
      Já hoje, o europeu improdutivo médio adora uma conversa de política e acha super-chique. Na Alemanha é um hit ser gründ ou ativista de qualquer baboseira, de preferência mais à esquerda e que fira o próprio povo.
      Não só por isso já não é mais o que era antes e tem mantido sua dominância na Europa mais através da politicagem e exploração (leia-se: a falência do seu país paga meu socialismo e minha ideologia, com todos os seus fardos) do que pelo trabalho e destaque como era antes.
      A Alemanha hoje está mais preocupada em colocar fraudulentamente países na Zona do Euro para seu benefício – caso da Grécia – e portar uma imagem histérica e afetada de tolerância sem limites e benefícios sociais sem limites, entre outros ideologismos, do que em ser aquela potência de desenvolvimento industrial e humano que conquista seu lugar de forma limpa.
      E por isso mesmo a politização aumentou. Quando voltarem a se preocupar com o que interessa, vai voltar a ser bem melhor e a ignorar esse assunto em larga escala – apenas comparecerão nas urnas, o que é uma atitude louvável nem que seja para anular o voto.

  • Domingos

    Ou ser um eterno coitadinho que depende dos “favores” dessa classe suja para colocar alguma coisa na boca. Exatamente, tem as pessoas e a população que fazerem sua vida dependem cada vez menos dessa corja, por seus próprios meios mesmo. Aí é eles que passam a trabalhar e concorrer pelo nosso voto e não o contrário.

  • Domingos

    Esse Papa é meio cheio dos populismos também. No entanto, não deixou de ser uma atitude que impressionou e aproximou o povo da igreja.
    Se pensarmos bem, não deveria ser nenhuma loucura um Papa poder andar fora de um carro blindado.

  • gpalms

    Vejo apenas um único motivo para a pessoa fazer isso com sua denominação: massagear o próprio ego ao imaginar que ela, e apenas ela, será lembrada como “a presidenta”.
    Mesmo reconhecido pela língua portuguesa, é pedante.

  • Fernando

    Prefiro presidanta e incompetenta.

  • Porto

    Fiquei tão autoentusiasmado com a relevância da matéria que sugiro uma sobre a vestimenta da Presidenta no dia da posse, como fez as jornalistas Cora Rónai e Miriam Leitão, mas sob a ótica masculina.

  • Thiago Borges

    Engraçado a matéria comentar sobre o slogan ” Pátria Educadora”.
    Pois como foi muito bem dito, quem educa são as instituições de ensino.
    Quando li a frase na mídia, na hora me veio a cabeça o regime comunista Soviético, este sim interferia no ensino, inserindo sua ideologia na cartilha escolar, fazendo uma lavagem cerebral nos estudantes.
    E a presidente já sinalizou que é por esse caminho que ela pretende seguir.
    Em tempo, descobri o AE a poucos dias, e parabenizo os colaboradores pelo excelente trabalho. Só espero que a área de comentários não vire uma zona de guerra como aconteceu em outros sites.

  • Paulo Eduardo

    Pátria Educadora. Um doce para quem não veio imediatamente à mente a expressão “Pátria Doutrinadora”.