SERÁ QUE OS PLANOS DA FIAT-CHRYSLER DE CHEGAR AOS MERCADOS PREMIUM DARÃO CERTO?

SERÁ QUE OS PLANOS DA FIAT-CHRYSLER DE CHEGAR AOS MERCADOS PREMIUM DARÃO CERTO? Maserati fabrica

Sergio Marchionne espera que a Maserati e a Alfa Romeo, junto com a Jeep, aumentem a presença do Grupo FCA nos altamente lucrativos segmentos premium (foto Just-auto)

Será que o aumento de vendas da Maserati em oito vezes tornará a Fiat-Chrysler um contendor no mercado premium? Ray Hutton considera os desafios à frente parte da firme estratégia de Sergio Marchionne para crescer.

A Maserati vem comemorando seu centésimo este ano. O evento de encerramento das festividades do centenário foi o descerramento de uma placa num edifício no centro de Bolonha, onde os irmãos Maserati abriram sua primeira oficina em 1914 e adotaram o símbolo do tridente da cidade como seu logotipo.Nostalgia, em forma de desfiles, exibições e encontros de entusiásticos donos de Maserati têm feito bem aos negócios. A Maserati está crescendo. O último Quattroporte e seu companheiro de peso médio, o Ghibli, entraram no segmento de sedãs premium e nunca venderam tanto.Ainda que tenha tido períodos de grande sucesso nas corridas, a Maserati não tem uma história muito grande como fabricante de automóveis. Ela não tinha um carro de passeio senão depois da Segunda Guerra Mundial, quando os irmãos fundadores (interessados mesmo eram em corridas) deixaram a firma e se tornaram parte do grupo industrial Orsi em Modena. Nos anos 1960, a Maserati era mais conhecida pelas velas de ignição e buzinas a ar do que pelo poucos carros exóticos que produziu para ricos playboys, esportistas e estrelas de cinema.

Em 1969 a Ferrari, ali pertinho em Maranello, passou para as mãos do império Fiat. A Maserati, que estava fazendo poucas centenas de caros GTs por ano, estava à beira da falência. Foi comprada pela Citroën, que também não estava bem financeiramente, e em apenas seis anos a Maserati passou para as mãos do empresário de competições Alejandro de Tomaso. Ele tratou de aumentar a produção por meio de uma série de carros menores, mais baratos, mas nada que fosse notável e ajudasse a melhorar a má reputação da Maserati.

Quando a era de Tomaso acabou, o governo italiano comandou uma transferência de ações para a Fiat, juntando Ferrari e Maserati, antes grandes rivais nas ruas e nas pistas. Em 1997, a Maserati foi colocada sob direção da Ferrari, com Luca di Montezemolo como presidente. Foi assim, num passe de mágica, que a Maserati chegou onde está hoje.

Quando Sergio Marchionne chegou para agitar a Fiat, em 2004, a Maserati voltou a Fiat Auto (os motores V-8 continuaram a ser produzidos em Maranello, com o são até hoje), Marchionne engendrou uma escala de dentro das marcas do grupo, de acessíveis Fiats para o dia a dia, passando pelo carismático Alfa Romeo, até o esportivo de luxo Maserati. Os últimos dois, como marcas premium, podiam compartilhar componentes e instalações. A Ferrari, mesmo antes que oferta pública ações fosse idealizada, ficaria sozinha, como uma proposta exclusiva.

Como é de seu feitio, o exigente Marchionne dispensou vários executivos incumbidos de desenvolver tal estratégia e que fracassaram em atender seus objetivos altamente ambiciosos. Agora parece que ele encontrou o administrador perfeito. Harald Wester, o chefe técnico da Fiat, tem também a tarefa de conduzir as marcas Alfa Romeo e Maserati. Um alemão frio, metódico e calmo que já trabalhou na Ferrari, Wester aceita e concorda com os planos otimistas de Marchionne. Em 2012, quando a Maserati vendeu 6.300 carros, o alvo estabelecido foi de 50.000 em 2015 — um aumento de oito vezes que pareceu, exceto para Marchionne e Wester, uma missão impossível.

Maravilha das maravilhas, com 2014 quase terminando, parece que será atingido. Expansão nos mercados chinês e americano e a entrada do novo Ghibli no segmento do BMW Série 5 elevará as vendas deste ano para algo acima de 35.000 unidades. Há mais para vir do Ghibli e no outono de 2015 a Maserati iniciará a produção do Levante, seu primeiro utilitário esporte. O Levante, baseado na plataforma Quattroporte/Ghibli, está previsto para vender 20.000 unidades por ano cheio.

Para Marchionne, a única saída é para cima, de modo que ele agora elevou o objetivo para a Maserati para 75.000 unidades em 2018. Até agora, pelo menos, Wester não se mostrou reservado.

Em todo caso, ele está preocupado com o renascimento do Alfa Romeo, um trabalho ainda mais difícil. Anos de prevaricação e mudanças de idéias deixaram a Alfa com uma linha de apenas dois modelos (MiTo e Giulietta) que se podiam realmente vender na Europa. As vendas caíram para abaixo de 75.000 veículos no ano passado. O último objetivo, 400.000 carros por ano em 2018, não parece nem remotamente atingível, mas Marchionne o defende, dizendo, com um brilho no olhar, “milagres acontecem”.

Tudo na Alfa, talvez até sua sobrevivência, depende do novo sedã Giulia de tração traseira que deverá ser lançado no dia 24 junho de 2015. Este carro e suas variantes vêm sendo desenvolvido por engenheiros e estilistas da Fiat escolhidos a dedo numa área “abandonada” na Maserati em Modena, longe do centro tecnológico de FCA em Turim.

Isto e o fato de o Alfa Romeo 4C, de baixo volume, ser feito na Maserati, parece sugerir a sinergia entre as duas marcas que Marchionne havia antecipado. Wester diz que não é o caso, pois considera a Alfa Romeo e a Maserati marcas completamente separadas, com diferentes filosofia e clientes.

O compartilhar instalações é, disse ele, apenas uma questão de lógica industrial. A Maserati tinha o espaço e capacidade técnica para produzir o 4C em Modena, porque o Quattroporte e o Ghibli foram transferidos para da fábrica Bertone, renomeada fábrica Advogado Giovanni Agnelli, em Grugliasco, fora de Turim. Os Alfas não será feitos lá e tampouco o Levante, previsto para ser fabricado no centro de produção Fiat em Mirafiori.

Juntas ou não, o sucesso da Alfa Romeo e da Maserati é crucial para a futura expansão da Fiat e da Chrysler. Com os mercados europeus continuando estagnados e com limitadas possibilidades de crescimento das marcas Fiat, Chrysler e Dodge, a FCA precisa participar do atraente setor premium.

Atualmente, a estrela do Grupo é a Jeep, que não é premium no sentido do termo geralmente aceito, mas goza de uma invejável reputação de veículo versátil, que vai a qualquer lugar, e o os utilitários esporte são outro setor em expansão. Se Marchionne (e Wester) lograrem êxito, a Jeep, a Alfa e a Maserati dariam à FCA uma frente para competir mundialmente com as máquinas de dinheiro BMW, Audi e Mercedes-Benz. Mas isso, como se diz em Detroit, é uma grande dúvida.  (Por Ray Hutton/just-auto)

Ae/BS

Sobre o Autor

AUTOentusiastas

Guiado por valores como paixão, qualidade, credibilidade, seriedade, diversidade e respeito aos leitores, o AUTOentusiastas desde 2008 tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo!

Publicações Relacionadas

  • Lucas Vieira

    Pertinente essa estratégia, e ems e tratando de Fiat tudo é possível, vide o sucesso da Jeep em sua gestão, e o mesmo ocorreu com a Iveco e CNH. E os problemas de qualidade que fizeram ela sair com rabo debaixo das pernas nos EUA, não acontecem mais.

    Vamos ver.

  • Marcos Alvarenga

    Não entendo o descuido com a Alfa.

    E como é que tiram de produção carros ainda atualíssimos em desenho como o Brera e o 159 para não colocarem nada no lugar?

    Difícil pensar em algo mais bonito na minha opiniao.

    http://srv2.betterparts.org/images/alfa-romeo-brera-13.jpg

    http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/2c/Alfa_159_grey.jpg

  • Eduardo Palandi

    Não vai dar certo. e a primeira burrice, a de matar a Lancia, é a maior de todas e já está surtindo efeito.

  • Bob Sharp

    Eduardo
    Olha que teve muita gente boa dizendo que a união Fiat-Chrysler era abraço de afogado…

    • Eduardo Palandi

      Bob,

      para carros baratos (Fiat, Dodge, Chryslers em geral), eles são bons. para supercarros italianos, também.

      no meio dessa tabela, creio eu, não há um plano:
      – a Lancia (minha marca predileta, então posso estar enviesado) respira por aparelhos
      – a Alfa Romeo, que tinha uma gama incompleta de modelos, ficou com apenas dois hatches e o 4C, cuja produção é limitada. enquanto isso, não volta aos EUA,nem ao Brasil, e nem mesmo se fortalece na Europa, a ponto de a Lancia, quase que com um só modelo, ter vendido mais que a Alfa, em termos GLOBAIS, ano passado
      – a Maserati sofre com a falta de escala para seus modelos, o que complica o pós-venda (peças caras e sem outros produtores paralelos no padrão OEM), e também com a diminuta rede de concessionários
      – o padrão de acabamento dos Chrysler melhorou, como o senhor percebeu com a segunda geração do 300C em relação à primeira. mas isso, pelo que vejo, não roubou vendas de Ford, Chevrolet, Buick, Acura, Toyota e outras com quem os americanos fazem cross-shopping na hora de decidir

      concordo integralmente com o seu texto e vejo mais sobreposições do que sinergias. e isso vai acabar, aos poucos, por asfixiar as marcas individualmente. lamento, em particular, que a Lancia, que vem sendo emasculada desde 1969 (quando foi comprada pela Fiat), chegue a final tão melancólico…

      • TwinSpark

        Alfa e Lancia poderiam ser as galinhas de ovos de ouro da Fiat por carregarem muito valor. Particularmente, poderiam estar ligeiramente abaixo da Audi, oferecendo esportividade (Alfa) e estilo (Lancia) a preços competitivos. Uma plataforma pequena de tração traseira serviria para as duas e para o Dodge e poderia receber diversos modelos, utilitários inclusive (trazer mais dinheiro para esportivos, como Macan e Cayenne fazem). Alfa não tem condições de concorrer com a Porsche, como a Fiat deseja; isso é tarefa da Ferrari e principalmente da Maserati, que ultimamente está atrás da Ferrari em vendas. A Fiat sempre subaproveitou suas marcas, que sem exceção têm imenso valor histórico. Acredito muito que o Renegade aumentará substancialmente o caixa do grupo, mas Maserati precisa estar ao lado da Porsche, a Ferrari deve manter sua cota de 7000 unidades, a Lancia pode seguir a DS, a Alfa precisa de uma linha maior, enfim. A Fiat precisa parar de depender da marca Fiat e do Brasil.

  • Cristiano Reis

    Aqui na obra temos duas Iveco rodando bem, realmente me surpreenderam, já que aguentaram bem o rojão em rampas íngremes. Já os Volvos (VM 260) com problemas críticos de quebra de semi-eixo.

    • Lucas Vieira

      Cristiano, raro ver Volvos quebrando semi-eixos, é algo mais comum de ocorrer com os Scania, desde os tempos dos Jacarés, onde sobrava motor e faltava semi eixos, o contrários ocorria com so Volvos (NL), onde o eixo não quebrava nunca, masi o motor engolia fogo…

      Talvez por conta dos VM usarem eixo Meritor, e não Volvo.

      Redução no cubo evita essas quebras também, embora a Iveco seja a única a não usar.

      • Cristiano Reis

        Lucas, eu não entendo muito de caminhões, sabe? Apesar de já trabalhar com terraplenagem há 5 anos, só de uns dois para cá vim começar a observar a desenvoltura dos trucados na obra. Aqui na empresa só temos Volvo, Ford e Volkswagen, esses Iveco são agregadas. Essa história do semi-eixo estou comentando porque vi todos os VMs sofrerem com o mesmo problema! Inclusive vieram técnicos da Volvo aqui na minha obra que tentaram argumentar que os caminhões estavam com mais carga do que aguentariam, algo que meu chefe não engoliu já que os Bob Esponja e Ford rodavam normal com a mesma quantidade volumétrica de 13~14m³.

        Só sei que até hoje nunca soube qual o motivo do problema, mas todos (TODOS os 9VM) sofreram quebras na mesma peça.

  • Marcelo Henrique

    O 156 foi o sedã mais bem vendido da marca, mas como o 159 não veio para o Brasil, não sei o que dizer sobre este veículo.

    Todavia o 159 morreu prematuramente, em meados de 2008 existiu ao menos um protótipo do 159 sedã com um motor V-8 Ferrari e que poderia ser o sucessor do 156 GTA. Mas com a crise imobiliária e as baixas vendas acabaram com o carro.

  • heliofig

    A Fiat perdeu a ótima chance de voltar com a Alfa Romeo ao Brasil quando lançou o 159, carro lindo e muito próximo, mercadologicamente, da aura que o 2300ti deixou no Brasil. Para os brasileiros dos anos 80 e 90, Alfa Romeo é sinônimo de concorrente de Mercedes e BMW. O pessoal dos anos 70 que conseguiu criar uma imagem mais de carros esportivos, no tempo em que era possível importar as macchine italianas.
    Mas como nunca veio ao Brasil, agora nos resta esperar pelo novo Alfa Giulia.

    • Todo dia eu vejo dezenas de 159 aqui em Roma e digo que a Fiat, realmente, deu uma baita mancada em não vender o 159 no Brasil. O carro é muito, mas muito mais bonito que o 156, ao se ver de perto.