Woman driv huffingtonpost.com  Lembram da minha voz? Continua a mesma, mas as cores dos carros, quanta diferença! Woman driv huffingtonpost

Recentemente, ao ver um capítulo da novela Boogie Oogie me chamou a atenção a cor dos carros. Em primeiro lugar, preciso explicar que não tenho o hábito de ver novela, pois não tenho paciência para o gênero, da mesma forma como não gosto de musicais – talvez a única exceção seja o belíssimo Ruas de Fogo. Mas como o filho de um amigo trabalha nela resolvi conferir. Continuo sem entender a lógica das novelas, mas como autoentusiasta me surpreendi com um festival de cores. A novela se passa em 1978 e dá-lhe Brasília vermelha, Fusca azul, Fiat 147 amarelo… tem cena de praia que dá para contar uns 12 carros de umas 10 cores diferentes, várias delas quase à prova de daltônicos. Aí comecei a prestar atenção nas ruas hoje e o que encontrei? Branco, prata e preto — diga rápido várias vezes, é quase como dizer três tristes tigres! Exatamente as mesmas cores que tinha na pronta entrega quando fui comprar meu carro, no meio do ano. Qualquer outra teria de esperar.

Resolvi então pesquisar um pouco e, claro, perguntar e perguntar. Como meus caros leitores já sabem, amo carros mas sou bastante pragmática. Quando compro um veículo penso um pouco no valor de revenda, mas não apenas nisso. Não conseguiria andar num carro amarelo durante três anos apenas porque será a cor da estação em 2018. Apenas se eu gostasse de amarelo. Mas também não compraria um carro amarelo detestando a cor apenas porque custa menos do que o sempre valorizado prata. Deu para entender? Nem um extremo nem o outro.

E a história de qual cor suja mais? Bem, aí, tem para todos os gostos. E como sempre digo que os números sob tortura confessam qualquer coisa — e tem sempre gente disposta a pesquisar qualquer coisa, por mais inútil que nos pareça — encontrei uma pesquisa da rede de lojas de carros britânica Halfords que concluiu que carros vermelhos atraem mais cocô de passarinhos do que os de outras cores!

Sempre gostei do fino humor inglês, tipo Monty Python, mas essa é fantástica. Claro que não sei se os passarinhos brasileiros seguem a mesma dieta alimentícia dos britânicos nem se seu aparelho digestivo é igual — afinal, falamos de pássaros tropicais — mas fica aí a dica. Talvez se você estiver pensando em comprar um Aston Martin, vermelho pode não ser uma boa opção… e antes que me esqueça, o verde foi o menos premiado entre as vítimas dos passarinhos britânicos. Mais uma do humor deles, pois imaginei que verde lembraria grama que é o lugar natural onde pensei que os seres alados fariam suas necessidades. Mas pelo visto não entendo nada de ornitologia.

Retoques – Minha mãe é química especializada em cores e já trabalhou em fornecedores da indústria automobilística. Então, nada melhor do que perguntar a ela sobre a questão da sujeira. Segundo minha genitora, com os avanços da tecnologia a história de que o branco fica amarelo não se aplica aos veículos mas sim, a sujeira é mais visível numa superfície branca e menos numa prata, mas não na preta, pois temos de lembrar que nem toda sujeira é preta. Há poeira vermelha, por exemplo, muito visível em carros pretos e menos em carros prata. Mas aquilo que se aplica ao preto serve em geral para cores escuras também. E tem mais, por questões químicas não se deve deixar sujeira, muito menos o corrosivo cocô de passarinho, numa superfície como a de um veículo. O ideal é lavar ou pelo menos remover com pano úmido. Meu funileiro, que não é de concessionária, há tempos consegue qualquer cor de tinta original por isso a teoria de que branco, preto e prata são mais fáceis de retocar também não encontra fundamento. E tem mais. Minha mãe consegue enxergar oito tons de branco – sim, branco. Ou seja, não dá nem para dizer que branco é tudo igual.

 

Av Paulista cores  Lembram da minha voz? Continua a mesma, mas as cores dos carros, quanta diferença! Av Paulista cores

Avenida Paulista nos anos 70: poucos modelos, mas uma profusão de cores (Foto:  cidadesvariesdades)

Voltando à questão dos anos 70, grande parte dos carros brancos naquela época, não se sabe por que, eram de frota e a cor não era bem vista. Em São Paulo, a administração Luiza Erundina (1989–1993) estabeleceu a cor branca para os táxis comuns, acabando de matar de vez o branco em carros particulares. Ninguém os queria mais, era cor “de táxi”. Mas como é cada vez mais raro as empresas concederem veículo a funcionários e quando o fazem deixam eles escolher a cor (para os mais graduados) ou os fazem andar com carros adesivados com o nome de empresa (para os de serviço), caiu por terra a questão do carro de frota branco. Houve outro fator para o fim da rejeição paulistana ao carro branco: no Salão do Automóvel de 2010 todos os BMW exibidos eram brancos Talvez por isso essa cor tenha virado moda nos últimos anos.

O fato é que os fabricantes expõem carros de cores diferentes nos lançamentos como forma de destacá-los, mas na hora de produzir, dá-lhe branco, prata e preto. Culpa também da rede de concessionárias, segundo me explicaram quando fui comprar o meu. O próprio revendedor quer ficar com um carro o mínimo de tempo possível, por isso prefere os que têm giro mais rápido. Assim, entramos num looping: independentemente da cor que você prefira, quando você for comprar um carro será mais fácil encontrar preto, prata ou branco. E provavelmente você acabará, como eu, comprando uma dessas três cores. E como vendem mais, serão mais pedidas pelas concessionárias na próxima encomenda. Lembram da história dos biscoitos Tostines? Vendem mais porque estão sempre fresquinhos ou estão sempre fresquinhos porque vendem mais? A mesma coisa com os carros. Mas como sobrinha de dois daltônicos, meu conselho é, compre a cor que quiser. Nem todo mundo vai vê-la, mas provavelmente você sim. Então, escolha a que mais lhe agrada e se for vermelho, pare longe de árvores com passarinhos britânicos.

Mudando de assunto: passarinhos britânicos, carros vermelhos, verdes, até eles me lembram que já é final de ano. A todos, um ótimo Natal!

NG

Foto inicial: hufingtonpost.com
A coluna  “Visão feminina” é de total responsabilidade de sua autora e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

Sobre o Autor

Nora Gonzalez
Coluna: Visão Feminina

Nora Gonzalez é jornalista, foi repórter (inclusive de indústria automobilística) e editora da Gazeta Mercantil e de O Estado de S. Paulo durante muitos anos. É fã de carros desde pequena, especialmente de Fórmula 1.

Publicações Relacionadas

  • JJ Neves

    Acho engraçado o lance de cor. Aqui em casa, a gente sempre teve carro branco, algumas raras exceções, como uma Fiorino Pick-Up vermelha, um Fusca azul e um Santana bordô… Até uma Kombi marrom. Mas a maioria sempre branco. Até em tempos em que todo mundo rejeitava carros brancos, meu pai os preferia… Mas quatro portas? JAMAIS! Hoje em dia, a preferência pelo branco continua e as quatro portas são condição sine qua non para ele. No fim, acabei herdando a preferência pelos brancos… Mas o meu é prata. hahaha

  • MSoldati

    Henry Ford: “O carro é disponível em qualquer cor, contanto que seja preto.”
    Ford já previu isso tudo

  • CCN-1410

    Pois é, eu sempre preferi a cor branca em meus carros e se for fazer a conta, a metade dos mais de vinte carros que já tive devem ter sido nessa cor.
    O atual que eu não queria que fosse branco, já que a cor virou moda e detesto isso, entrou naquele esquema do “te arrumo outra cor mas você vai precisar esperar uns três meses para recebê-lo”. Coisas da vida.
    Paisagem linda essa da Avenida Paulista, cada um com a sua cor preferida e fim de papo. Naquela época ninguém seguia a boiada.
    Quando morei no oeste de Santa Catarina nas décadas de sessenta a oitenta, o azul e o vermelho eram as cores preferidas, devido aos times do Grêmio e Internacional de Porto Alegre usarem essas cores em seus uniformes.

  • CCN-1410

    Ah! Também gosto de carros verdes, mas para vendê-los é a coisa mais difícil do mundo.

  • Carlos Eduardo Komarcheuski

    Eu trabalhei uns 5 anos em loja de tintas, e realmente as cores prata. branco e preto são mais fáceis de acertar. Vermelho é o bicho papão, se não cuidar com o tempo fica laranja, já tem que fazer um acerto melhor. Fora as cores tricoat, como branco Nacar da VW dos anos 90 (base e pérola) que para acertar é horrível, igual a dos Unos novos, aquele amarelo pincel atômico, também é bem complicadinho, mas não impossível. Mesmo assim sempre adorei o vermelho Alpine da Fiat e o vermelho Bonanza da GM nos anos 90, é minha cor predileta. Feliz Natal a todos.

  • Curiosamente, nesta semana fiquei observando os carros nas ruas de São Paulo e vi a mesma coisa: todos brancos, prata ou preto, e as variações de cinza metálico; e algum colorido no meio mas quase sempre um modelo mais antigo. Vai entender essas tendências,,,

  • Rogério Ferreira

    Olá Nora, em primeiro lugar, Feliz Natal, a você, a sua família e a todos os Autoentusiastas. Bom… Não é a primeira vez, que eu vejo alguém reclamando do trivial monocromático da frota brasileira, por aqui. Já li alguma coisa a respeito, tempos atrás, se não me engano foi o Bob Sharp, que ainda observou uma coisa interessante: em Brasília, o pessoal é mais tolerante com carros de cores “diferenciadas”. Assino embaixo, pois vivi lá por 25 anos, e realmente, é o único lugar do Brasil onde a frota é um pouco mais “colorida” (no bom sentido do termo, é claro). Eu mesmo, tenho um carro vermelho e confesso que agora, fiquei preocupado com os pássaros, ainda mais que minha garagem no serviço é grande uma árvore. Sim, ele “alvejado” constantemente, mas, não percebi diferença em relação ao que acontecia com o carro anterior, que era preto. Nos anos 80 ainda tínhamos muitas variedades e parece que o “bacana” era fugir do trivial: além do branco, o preto também não era cor muito desejada naquela época, tanto que o famoso “Fuscão Preto”, nunca vi pessoalmente, e se alguém já viu, por favor avise ao Sr. Almir. Penso que numa época que ar-condicionado era coisa raríssima, tons escuros só pioravam a situação. Meu pai teve um Gol BX bege metálico, um Monza SL/E azul metalico, e um Prêmio, num tom cinza amarrozado, também metálico. Eu já tive Escort GL verde claro metálico, Um Prêmio bege, e um Uno verde escuro. A cor vinho era bem aceita e valorizada. O azul crepuscular dos últimos Diplomatas, e Caravans, era das cores mais lindas que já vi. O Azul escuro também é cor ideal para o primeiro Omega e para o Gol GTI, E amarelo, é claro, a cor ideal para o Kadett GS. Já o Escort XR3 tinha que ser vermelho… Em meados dos anos 90, tentaram ousar… Quem não se lembra do Verde Limão do Palio 96, ou do laranja crepúsculo? Na linha Ford, o primeiro Fiesta, possuia opções verdes, laranja, e um horrível roxo, cor que aliás também era encontrada na VW e na GM. Todos esses carros viraram “micos de mercado” e as próprias concessionarias, das próprias marcas, praticavam “racismo”… Daí, quem comprou e custou a vender, não quis mais. Preferiu evitar o trauma optando pelos “50 tons de cinza”. Atualmente, ainda há maneira de fugir do monocromático… Na linha Fiat há dois tons de vermelho e o azul. na VW o cinza quatzo remete a um verde muito bonito e me parece que azul também entrou no catálogo, O New Fiesta, na cor azul metálico fica muito mais bonito, a Ford ainda tentou introduzir, na versão trazida do México, o verde limão, sem sucesso, mais uma vez.. Etios e March, também tem opções cores interessantes. Bom, são esses que lembrei.

    • Nora Gonzalez

      Obrigada, Rogério. Ótimas festas para você também. E quanto a seu carro vermelho, não se preocupe, a não ser que sejam pássaros migratórios e tenham voado para cá desde o Reino Unido…;-) abraços.

  • Roberto

    Tenho a opinião de que para cada carro há uma cor que combina mais (que nem sempre é a cor da moda, como por exemplo o branco é atualmente). A propósito, gosto da política da Kia, que oferece uma variedade grande de cores, todas ao mesmo preço (pelo menos era assim quando cogitei a compra de um Picanto na concessionária). O oposto da Peugeot, onde queriam R$ 600 a mais pelo branco (que não era nem perolizado ou algo do tipo) em um 207, só porque era a cor que eles mais vendiam.

    • CorsarioViajante

      Também penso assim, cada carro pede uma cor. É bem provável que os fabricantes, na hora de escolher o catálogo de cores de cada modelo, levem isso em consideração.

      • Clésio Luiz

        Para mim, a nova Ranger só fica bonita em Azul Royale, a cor oficial da Ford. Nas outras cores ela fica muito apagada, sem graça.

  • Christian Govastki

    Para mim é o axioma do biscoito, os três tons de cinza (preto, prata e branco) vendem mais por serem as que tem em maior estoque e tem em maior estoque pois os vendedores empurram com maior facilidade nos apressadinhos.

    Eu não compro carro preto nem com um mega desconto. A trabalheira que dá para manter é infinita, ainda mais em Brasília. Além do que carro preto ou branco aqui serem carros de uso oficial, então estou fora.

    O prata acho muito sem graça (apesar de no documento meu carro ser prata)

    A minha cor favorita é o Prata Atenas, que é um dourado (Já tive dois Focus desta cor) e o meu Fit é Dourado Poente.

    Os próximos carros de uso no dia a dia, dentro do possível, serão sempre dourado ou de cores parecidas com isto.

    A única exceção vai ser meu próximo carro, uma GM Veraneio que será um azul claro que é feio que dói. Se não achar desta cor, vou mandar pintar…

  • Ruy Rocha

    Quanto a capacidade de distinguir tons, existe um teste on-line para aferir esta capacidade. Vale a pena fazer, muito interessante. Segue o link http://www.xrite.com/custom_page.aspx?pageid=77&lang=en

    • CCN-1410

      Ruy Rocha,
      Poxa, gostei do teste.
      Minha pontuação foi 38.
      Valeu e obrigado.

    • Lucas dos Santos

      FATO: 1 a cada 255 mulheres e 1 a cada 12 homens tem alguma forma de deficiência na visão das cores.

      Tipo isso, hahahaha:

      http://3.bp.blogspot.com/_lLDL95z-zj4/S_VGEJPn-nI/AAAAAAAABkM/5SNUV-hfjt8/s400/cores.jpg

    • Rogério Pires de Oliveira

      Muito legal o teste.

      MInha pontuação foi 16

    • Nora Gonzalez

      Ótimo teste, Ruy. As 22h30, meio cansada, fiz 110 pontos. Pelo jeito, apesar de dois tios totalmente daltônicos não serei eu a primeira mulher a sofrer desse mal.Abraços

      • Nora Gonzalez

        Refiz o teste e deu 54. Vou checar o documento do meu carro para ver se é mesmo da cor que eu penso que é, pois pelo visto sou completamente cega para cores. E não quero nem pensar em como combino minhas roupas…

  • CorsarioViajante

    Questão polêmica, tem vários lados e sempre muito choro, a meu ver muitas vezes sem motivo.
    Por um lado, as cores que menos “enjoam” ou cansam são as mais sóbrias como tons de prata, cinza e preto. Basta pensar num terno: se você vai ter apenas um terno, dificilmente vai comprar um terno roxo ou marrom, provavelmente vai comprar um terno preto, chumbo ou azul escuro, que dá para usar de dia, de noite, em enterro, em casamento, em formatura… Então, lembrando que carro é um bem durável e que você verá todo dia, faz sentido cores mais sóbrias e menos enjoativas.
    Carro tambémé feito de metal, e normalmente associamos metal à tons de cinza.
    Outro fator, para mim, é que cada vez as pessoas se importam menos com a cor do carro. Querem um meio de transporte que, de preferência, suma na multidão e não chame a atenção, tanto pela violência, como pelos carros serem cada vez menos interessantes, diferente dos anos 70, onde despertavam paixões – fazendo um paralelo, hoje temos uma infinidade de modelos e cores de capinhas para celular… Épocas diferentes, paixões diferentes.
    Também tem o fenômeno da moda: a moda virou o carro branco, todo mundo queria qualquer carro branco, tanto faz se ficava bem ou mal com aquela cor. Agora a moda é o azul, e já vemos mais carros azuis na rua.
    Bem lembrado a logística também, cores marcantes dividem opiniões e, portanto, tem menos giro que cores neutras que, se não apaixonam, não incomodam. Então as lojas vão fazer estoques destas cores.
    Mas sinceramente, quem faz questão de cor sempre pode encomendar.

    • Uber

      Como assim você diz encomendar? Está se referindo a repintar numa funilaria ou seria possível pedir isso à fábrica?
      Gostaria que fosse possível encomendar à própria Hyundai um HB20 amarelo, por exemplo. Acho que ficaria bem legal num tom claro como o do Chery QQ.

      E quanto a associar tons de cinza a metal, é por isso que não gosto muito de prata, parece que não pintaram o carro…
      Nem Mercedes acho graça com essa cor, apesar de ser a oficial!
      Engraçado que o único carro prateado que acho bonito é o Novo Uno! Combina bem com aquela frente.

      • CorsarioViajante

        Não, me refiro a encomendar junto à fábrica optando em seu catálogo de cores. Lógico que é impossível, em escala industrial, oferecer todas as cores e suas nuances. Para isso, você lembrou bem, sempre se pode recorrer a uma pintura por conta própria se realmente for importante para o comprador.

        • Uber

          Mas é uma pena não podermos formar grupos e para encomendar diretamente à fábrica para pintar um modelo com uma específica.
          Repintar ou adesivar não é tão completo quanto a pintura de fábrica.

          • Renato Mendes Afonso

            Não é complexo quando a linha de produção esta toda alinhada para tal. Porém apenas linhas mais “artesanais” costumam oferecer paleta larga, uma vez que não se trabalha com grandes quantidades e em uma linha quase que contínua (superesportivos costumam ser exemplo tanto em cores quanto customização de interior).

            Ficar alterando a linha de produção devido a “meia-duzia” de compradores, infelizmente é complicado do ponto de vista industrial de larga escala. E se fizerem, pode ter certeza que de alguma forma passarão o custo disso para o consumidor.

            Acho que só uma paleta maior de cores já solucionaria o problema e, mais que isso, tornar essas cores disponíveis em tempo hábil ao consumidor.

          • CorsarioViajante

            Pois é, não é algo do tipo “Zé, pega essa tinta e pinta o carro”.

          • CorsarioViajante

            Com certeza.

  • R.

    Muito legal essa foto da Av Paulista em 1978…
    Carros coloridos e um belíssimo Karmann-Ghia amarelinho…
    O velho cine Astor no Conjunto Nacional … traz ótimas recordações …
    Meu pai (in memoriam) sempre nos levou lá … Naquela época a embaixada dos EUA ficava por ali… A garagem do prédio sempre tinha uns carrões americanos , nos quais eu ficava babando ….
    Inclusive foi nesse cine que aos 11 anos assisti o Star Wars 1 .. fantástico.

    Bons tempos!

  • R.

    Quem vai gostar de ver essa foto com os carros coloridos é o nosso amigo Mr. Car !
    He he !

    • Mr. Car

      Pode apostar que adorei, he, he!

  • Ricardo

    Acho curioso gente reclamar da montonia atual da cor dos carros, mas que, por sua vez, acabam comprando as de sempre. Como a sra., dona Nora.

    • Lucas dos Santos

      São vencidos no cansaço, quando o vendedor diz que não há a cor escolhida à pronta entrega e que é necessário esperar…

    • Comentarista

      Compram as de sempre pois estas são as disponíveis a pronta entrega. Vai querer uma cor diferente do catálogo. Aqui em casa esperamos 6 meses por um 500 vermelho. Preto, prata tinha para pronta entrega e com desconto. Noventa e nove porcento de quem compra carro não quer esperar nem uns 5 dias de preparação da entrega, quiçá meses.

      • Ricardo

        Não é o seu caso, comentarista, pois você esperou. Para os outros eu digo: agüentem e não reclamem, então.

    • Nora Gonzalez

      Ricardo, é mais do que nada uma constatação. Até porque pessoalmente gosto muito de carro prata ou branco e o preto não me incomoda, então aproveitei uma boa oferta com ótimo desconto e levei um veículo que estava na pronta entrega. Mas meu outro carro é azul. Ou mais exatamente Gris Fer. Lindo! Abraços.

  • Lucas dos Santos

    O fato é que os fabricantes expõem carros de cores diferentes nos lançamentos como forma de destacá-los, mas na hora de produzir, dá-lhe branco, prata e preto.

    Também me pergunto isso. Quando vejo um carro com cor diferente no lançamento sempre penso “finalmente saíram da mesmice!”. Mas aí você olha nas ruas e nas concessionárias e raramente vê o carro naquela cor. Acho que a única exceção foi o “amarelo-marca-texto” – ou o verde – do Novo Uno, que teve uma boa aceitação e se encontra facilmente por aí.

  • Marcos Alvarenga

    Acho difícil eleger uma cor favorita para carros, e acredito que cada carro tem uma cor na qual fica melhor.

    Até entre os Ferraris existem aqueles que não ficam bem de vermelho. O que mais dizer então? Duvida? Procure no Google um 612 Scaglietti vermelho e um azul.

  • Felipe Parnes

    Matérias sempre bem humoradas para divertir nossas manhãs

    • Nora Gonzalez

      Obrigada pelas suas palavras, Felipe. Abraços.

  • Fernando

    O principal que é o recado, é algo que deveria ser muito propagado por ai! Exercer a escolha.

    Mas não dá muita esperança, vendo tantos Camaro amarelos… seja por causa de “música” ou efeito “transformers”, a cor que mais sai é algo enraizado.

    Sobre a questão do retoque, creio ser algo a ser visto a longo prazo, de que o problema não é o pintor encontrar a tinta na loja… e sim um carro com uma pintura velha, desgastada por igual por todo o carro, ao receber um retoque parcial com tinta nova ficará diferente sim. Mais em uma cor que em outra? Não sei, mas quem nunca viu um carro que fica no tempo, e tem um branco que fica manchado amarelado ou um vermelho desbotando por exemplo? De qualquer forma isso ficou no passado, tamanha a melhoria na pintura dos carros, é algo muito favorável para hoje isso ser colocado em questão e talvez ser um mito mesmo.

  • Daniel

    E depois de muita procura, estou muito feliz com meu Civic na belíssima cor Azul Denim! E um viva aos que não seguem a boiada e fazem valer o seu gosto. Feliz Natal a todos!!!

  • Clésio Luiz

    Pode ser impressão minha, mas acho que essa estória de cor fácil de acertar é por causa do costume. Se você trabalha muito com prata/branco/preto, vai saber de cor que misturas adicionar para chegar ao resultado esperado.

    Já se for aquele amarelo mostarda que a GMB usou nos Astra 15 anos atrás, vai sofrer por causa da falta da familiaridade com a cor.

  • Lucas dos Santos

    A propósito, já notaram como, ultimamente, a maioria dos fabricantes está usando azul na divulgação de seus carros recém-lançados?

  • Lucas dos Santos

    A minha foi 54 – para quem não fez o teste ainda, quanto mais alto, pior.

    Mas a culpa foi DO MEU MONITOR, que não reproduz direito as cores (mentira!), hahahaha!

    • Fernando

      Muito interessante o teste, já tinha feito um há algum tempo, pois eu tinha certeza que era daltônico.

      Nesse aí a pontuação foi 35, mas fiquei com sensação de ter feito tudo errado…. kkkk

  • Falando nos “tons de branco”, semana passada na rua avistei de longe um carro branco e pensei: “como está sujo…”. Quando cheguei mais perto, vi que o carro estava limpíssimo, e era quase 0km. Era um Ford Ka na nova cor “vanilla white”, vulgo, branco encardido! Muito feio! Mas gosto é gosto… 🙂

  • Junior

    Nora, é verdade que os tons de vermelho desbotam com o tempo ou as novas tintas são mais resistentes como já ouvi falar ?

    • Nora Gonzalez

      Junior, fique tranquilo e se gostar de carro vermelho, vá em frente. As novas tintas são bem resistentes e não tem mais essa de uma cor ser menos resistente do que a outra. Abraços.

  • xmeneghetti

    Sempre comentei sobre esta incrível variedade de cores dos carros em São Paulo, e digo SP estado, pois aqui no interior não é diferente.
    Mas costumo viajar muito para Santa Catarina, o que conseqüentemente me faz passar pelo Paraná… e lá as coisas são bem diferentes… como tenho uma e gosto do carro, sempre fico reparando, e existem SpaceFox de todas as variedades de cores passeando pelas ruas… vermelhas, brancas, azuis, verdes, e as encontro com freqüência.

  • Christian Bernert

    Melhor do que ficar escolhendo a cor pela facilidade de aparentar sujeira é fazer uma vitrificação da pintura. Isto deixa a pintura menos aderente à sujeira. Demora bem mais para o carro ficar sujo. Sem contar que fica muito mais fácil lavar. Na maioria das vezes dá para lavar apenas com água sem ter que usar sabão. Depois basta secar e pronto. É como se tivesse lavado e encerado. Depois que descobri isso não tiro mais o carro da concessionária sem antes aplicar a vitrificação. É um ótimo investimento.

  • Rodolfo

    Carro bege era horrível.

  • Mr. Car

    Cores! Que voltem as cores! Que saudades das ruas multicoloridas! ABAIXO a mesmice do preto, prata, e branco.

  • Junior

    Sou a favor do fim desta “ditadura” do preto, prata e branco, mas em muitos modelos o vermelho acaba sendo a única opção diferente. É uma cor que eu gosto mas tinha este receio, de ficar feia com o tempo. Abraços.

  • Leonardo Mendes

    Em se tratando de carro eu sigo a filosofia de Henry Ford:
    O carro estará disponível em qualquer cor, desde que seja preto.”
    Não existe cor mais perfeita para carro.

    Aproveitando, uma pena a Peugeot ter aposentado o Azul Bourrasque no 208… tínhamos um de test-drive aqui nessa cor, muito bonita.

  • Anounimous

    Qual era a cor dos táxis de São Paulo antes da Erundina? Pensei que já fossem brancos.
    Interessante sobre os carros de frota ou de empresa. Hoje todos que vejo são prata, então nem para dá dizer que carro branco é carro de empresa.

  • Sor

    Acho que hoje a Fiat é a fábrica que mais consegue sair do trio branco/preto/prata. Além de alguns modelos como o Uno pincel atômico, o Palio “G1” laranja e o verde, vejo muito as versões Sporting dela em amarelo e principalmente em vermelho. Vejo muitos Unos a Palios “comuns” também naquele vermelho sólido.