Inclusão do GP da Coréia eleva a 21 o número de eventos em 2015 e aumenta para cinco o número de motores para o ano que vem. Em outra manobra política, Caterham é autorizada a carro de 2014 na próxima temporada. No Brasil provas de longa duração marcam o final do calendário de pista.

 

Vettel, GP da Coreia (Foto Getty Images)  GP da Coréia pode ser moeda de troca com equipes f1 vettel red bull coreia 700

Sebastian Vettel  durante o GP da Coréia (Foto Getty Images)

A inclusão do GP no calendário do Campeonato Mundial de Fórmula 1 pode ser interpretada, seguramente, como importante moeda de troca entre Bernie Ecclestone — ou como é moda dizer na Europa, o “detentor dos direitos comerciais” da categoria —, e as equipes que sobreviverem ao inverno do hemisfério norte. As duas faces dessa moeda podem ser resumidas em um aumento no faturamento de prêmios e lucros, que aumentará em aproximadamente 5%, e a possibilidade de continuar usando cinco “unidades de potência”, expressão usada para descrever o conjunto formado pelo motor V-6 de combustão interna e os dois sistemas de recuperação de energia.

A manobra permite gerar recursos — esporte que políticos brasileiros praticam com desempenho olímpico na modalidade “alocação de recursos” junto a empresas com interesses em obras públicas — que atenuam a grita por uma distribuição de lucros mais justa, algo que a sociedade brasileira também deseja, mas o faz em níveis próximos ao outrora popular futebol de várzea. Neste quadro, Force India, Lotus e Sauber poderão receber alguns trocados extras sem que Ecclestone & Co. tenha cedido às pressões para abrir o cofre, sem falar no efeito colateral de aplacar a fúria dessas equipes.

No território técnico, o aumento do calendário afeta diretamente a regra que estipula para 2015 que uma unidade potência seria autorizada a cada cinco provas. Como é impossível instalar 20% de um motor, arredonda-se para cinco o número de conjuntos autorizados para as 21 corridas do ano que vem. Não se surpreenda se mesmo com a supressão de uma prova, ou duas…, não se modifique a quantidade de motores autorizada à utilização.

 

Nikolas Tombazis (Ferrari Media)   GP da Coréia pode ser moeda de troca com equipes Tombazis

Nikolas Tombazis encerrou segundo ciclo na Ferrari (Foto Ferrari Media)

No terreno das equipes, segue a onda de contratações e a agonia dos pilotos que disputam a última grande vaga da entressafra. A Ferrari anunciou o desligamento de Nikolas Tombazis, que será substituído por Simone Resta, e a chegada de Bob Bell. Filho de um dos mais famosos arquitetos gregos (Alexandros Tombazis), Nikolas formou-se em engenharia aeronáutica no Imperial College, uma das escolas que mais contribuiu para o desenvolvimento aerodinâmico da F-1; ele iniciou sua carreira na Benetton (1992-1995) e McLaren (2004-2005) e passou duas vezes pela Scuderia (1997-2003 e desde 2006). Certamente em muito breve deverá ser anunciado por uma nova equipe; seu desligamento abre espaço para a promoção do seu assistente direto, Simone Resta.

 

Bob Bell (Foto Mercedes media Center)  GP da Coréia pode ser moeda de troca com equipes Bob Bell

Bob Bell deixará de usar o cinza (Foto Mercedes Media Center)

O irlandês Bob Bell já colaborou com as equipes Benetton, Jordan, Renault e Mercedes, onde estava cumprindo aviso prévio desde novembro do ano passado, algo previsto no código de ética entre as equipes de F-1 para a contratação e liberação de profissionais de alto escalão. Especializado em aerodinâmica e formado pelo Queen´s College, em Belfast, Bell ainda deverá ter seu cargo anunciado; entre outras ocupações, ele já desempenhou funções de diretor administrativo na Renault e na Mercedes.

 

McLaren segue na indecisão

Enquanto Ron Dennis segue impoluto na busca incessante por investidores que garantam a ele o controle acionário da tradicional equipe, voltaram a circular nas redes sociais fotos do carro que poderia acabar com a angústia de Jenson Button e Kevin Magnussen. Com a indecisão de Dennis em definir quem continua na ativa, um modelo de dois lugares usado para fins promocionais é apresentado como a solução para o problema…

 

McLaren biposto  GP da Coréia pode ser moeda de troca com equipes McLaren biposto

Button e Magnussen: seus problemas acabaram…(Foto McLaren Media Centre)

 

Red Bull com mais espaço

Ladrões usando dois automóveis invadiram a sede da equipe Red Bull, em Milton Keynes, e levaram cerca de 60 troféus que decoravam a entrada do local, deixando um imenso espaço vazio. A polícia inglesa ainda não tem pistas sobre quem teria praticado o delito e as imagens gravadas pelo circuito interno de TV apenas indicaram que os veículos usados tinham placas de outros países.

Ainda no cenário da equipe do touro vermelho circularam rumores que o projetista Adrian Newey teria rompido um acordo para se transferir à Ferrari quando o acerto feito entre ele e Luca Di Montezemolo vazou à imprensa italiana horas depois de ambos terem conversado e definido as bases da possível transferência. Uma repetição mais rápida e belicosa da passagem de John Barnard pela Scuderia nos anos 1990…

 

Vanir Ghilardi, o “Alemão da Pole”, nos deixa

 

Vanir Ghilardi (Foto Niltão Amaral)  GP da Coréia pode ser moeda de troca com equipes comemorapole

Vanir Ghilardi (Foto Niltão Amaral)

O automobilismo gaúcho, e por tabela o brasileiro, perdeu no fim de semana uma de suas figuras mais populares e caristmáticas: Vanir Ghilardi sucumbiu a complicações de saúde causadas por uma úlcera gástrica. Vencedor em várias categorias regionais, Ghilardi dirigia a equipe Pole Motorsport e nos últimos tempos concentrava suas atividades nos carros da F-Júnior, onde conquistou títulos com Rodrigo Elger e Pedro Cardoso.

 

Endurance

Duas provas de longa duração, a 12 Horas de Tarumã e a 500 Milhas de Londrina, marcam neste final de semana o encerramento da temporada de corridas de 2014. Destinadas a públicos diferentes, as duas competições conseguem reunir grids importantes em contextos voltados a equipes profissionais e a entusiastas.

WG

A coluna “Conversa de pista” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

Sobre o Autor

Wagner Gonzalez
Coluna: Conversa de Pista

Jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 300 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. É a mais recente adição ao quadro de colunistas do AUTOentusiastas.

Publicações Relacionadas

  • Fabio Vicente

    Caterham com o carro de 2014? Pobre Kobayashi…
    A Formula 1 tá mesmo muito complicada. Tem que gostar muito, mas muito mesmo, para acompanhar a categoria.
    Wagner, não estaria a McLaren esperando que a FIA permita 3 carros por equipe no grid para então anunciar o trio de pilotos? Embora Bernie negue essa possibilidade, na F-1 tudo pode mudar na calada da noite.

    • Wagner Gonzalez

      Fabio, o problema na McLaren é o Ron Dennis conseguir o dinheiro que precisa para comprar ações suficientes para assumir o controle acionário do grupo. Ele sabe que, com o Alonso garantido na equipe, não terá problemas nessa área.
      Abraço

  • Daniel

    Que bom! Para sorte do Sebastian a parceria “piloto mediocre & projetista genial” continuará firme e forte.

  • Lucas dos Santos

    Essa permissão que a Caterham recebeu para utilizar o carro do ano anterior me lembra a situação da Toro Rosso em 2006, seu ano de estréia.

    Em 2006, para quem não lembra, foi o primeiro ano em que os motores passaram a ser V8, abandonando assim os V10. A Toro Rosso, porém, por uma razão que eu desconheço, não conseguira arranjar um V8 para correr em 2006.

    Dessa forma, a Toro Rosso recebeu permissão para utilizar o Cosworth V10 do ano anterior, que pertencera à Minardi – na verdade, pode-se dizer que o carro todo era uma Minardi com as cores da Red Bull -, sendo a única do grid com esse motor. Obviamente que, para igualar a disputa com os V8, esse motor V10 teve seus giros limitados.

  • Wilson

    500 Milhas de Londrina, eu estarei lá!!!!!!!!!!

  • Eu também.
    @disqus_bdyCNGlZVP:disqus, pode explicar porque as corridas se destinam à públicos diferentes?