Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas GP da Coréia pode ser moeda de troca com equipes – Autoentusiastas

Inclusão do GP da Coréia eleva a 21 o número de eventos em 2015 e aumenta para cinco o número de motores para o ano que vem. Em outra manobra política, Caterham é autorizada a carro de 2014 na próxima temporada. No Brasil provas de longa duração marcam o final do calendário de pista.

 

Vettel, GP da Coreia (Foto Getty Images)

Sebastian Vettel  durante o GP da Coréia (Foto Getty Images)

A inclusão do GP no calendário do Campeonato Mundial de Fórmula 1 pode ser interpretada, seguramente, como importante moeda de troca entre Bernie Ecclestone — ou como é moda dizer na Europa, o “detentor dos direitos comerciais” da categoria —, e as equipes que sobreviverem ao inverno do hemisfério norte. As duas faces dessa moeda podem ser resumidas em um aumento no faturamento de prêmios e lucros, que aumentará em aproximadamente 5%, e a possibilidade de continuar usando cinco “unidades de potência”, expressão usada para descrever o conjunto formado pelo motor V-6 de combustão interna e os dois sistemas de recuperação de energia.

A manobra permite gerar recursos — esporte que políticos brasileiros praticam com desempenho olímpico na modalidade “alocação de recursos” junto a empresas com interesses em obras públicas — que atenuam a grita por uma distribuição de lucros mais justa, algo que a sociedade brasileira também deseja, mas o faz em níveis próximos ao outrora popular futebol de várzea. Neste quadro, Force India, Lotus e Sauber poderão receber alguns trocados extras sem que Ecclestone & Co. tenha cedido às pressões para abrir o cofre, sem falar no efeito colateral de aplacar a fúria dessas equipes.

No território técnico, o aumento do calendário afeta diretamente a regra que estipula para 2015 que uma unidade potência seria autorizada a cada cinco provas. Como é impossível instalar 20% de um motor, arredonda-se para cinco o número de conjuntos autorizados para as 21 corridas do ano que vem. Não se surpreenda se mesmo com a supressão de uma prova, ou duas…, não se modifique a quantidade de motores autorizada à utilização.

 

Nikolas Tombazis (Ferrari Media)

Nikolas Tombazis encerrou segundo ciclo na Ferrari (Foto Ferrari Media)

No terreno das equipes, segue a onda de contratações e a agonia dos pilotos que disputam a última grande vaga da entressafra. A Ferrari anunciou o desligamento de Nikolas Tombazis, que será substituído por Simone Resta, e a chegada de Bob Bell. Filho de um dos mais famosos arquitetos gregos (Alexandros Tombazis), Nikolas formou-se em engenharia aeronáutica no Imperial College, uma das escolas que mais contribuiu para o desenvolvimento aerodinâmico da F-1; ele iniciou sua carreira na Benetton (1992-1995) e McLaren (2004-2005) e passou duas vezes pela Scuderia (1997-2003 e desde 2006). Certamente em muito breve deverá ser anunciado por uma nova equipe; seu desligamento abre espaço para a promoção do seu assistente direto, Simone Resta.

 

Bob Bell (Foto Mercedes media Center)

Bob Bell deixará de usar o cinza (Foto Mercedes Media Center)

O irlandês Bob Bell já colaborou com as equipes Benetton, Jordan, Renault e Mercedes, onde estava cumprindo aviso prévio desde novembro do ano passado, algo previsto no código de ética entre as equipes de F-1 para a contratação e liberação de profissionais de alto escalão. Especializado em aerodinâmica e formado pelo Queen´s College, em Belfast, Bell ainda deverá ter seu cargo anunciado; entre outras ocupações, ele já desempenhou funções de diretor administrativo na Renault e na Mercedes.

 

McLaren segue na indecisão

Enquanto Ron Dennis segue impoluto na busca incessante por investidores que garantam a ele o controle acionário da tradicional equipe, voltaram a circular nas redes sociais fotos do carro que poderia acabar com a angústia de Jenson Button e Kevin Magnussen. Com a indecisão de Dennis em definir quem continua na ativa, um modelo de dois lugares usado para fins promocionais é apresentado como a solução para o problema…

 

McLaren biposto

Button e Magnussen: seus problemas acabaram…(Foto McLaren Media Centre)

 

Red Bull com mais espaço

Ladrões usando dois automóveis invadiram a sede da equipe Red Bull, em Milton Keynes, e levaram cerca de 60 troféus que decoravam a entrada do local, deixando um imenso espaço vazio. A polícia inglesa ainda não tem pistas sobre quem teria praticado o delito e as imagens gravadas pelo circuito interno de TV apenas indicaram que os veículos usados tinham placas de outros países.

Ainda no cenário da equipe do touro vermelho circularam rumores que o projetista Adrian Newey teria rompido um acordo para se transferir à Ferrari quando o acerto feito entre ele e Luca Di Montezemolo vazou à imprensa italiana horas depois de ambos terem conversado e definido as bases da possível transferência. Uma repetição mais rápida e belicosa da passagem de John Barnard pela Scuderia nos anos 1990…

 

Vanir Ghilardi, o “Alemão da Pole”, nos deixa

 

Vanir Ghilardi (Foto Niltão Amaral)

Vanir Ghilardi (Foto Niltão Amaral)

O automobilismo gaúcho, e por tabela o brasileiro, perdeu no fim de semana uma de suas figuras mais populares e caristmáticas: Vanir Ghilardi sucumbiu a complicações de saúde causadas por uma úlcera gástrica. Vencedor em várias categorias regionais, Ghilardi dirigia a equipe Pole Motorsport e nos últimos tempos concentrava suas atividades nos carros da F-Júnior, onde conquistou títulos com Rodrigo Elger e Pedro Cardoso.

 

Endurance

Duas provas de longa duração, a 12 Horas de Tarumã e a 500 Milhas de Londrina, marcam neste final de semana o encerramento da temporada de corridas de 2014. Destinadas a públicos diferentes, as duas competições conseguem reunir grids importantes em contextos voltados a equipes profissionais e a entusiastas.

WG

A coluna “Conversa de pista” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

Sobre o Autor

Wagner Gonzalez
Coluna: Conversa de Pista

Jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 300 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. É a mais recente adição ao quadro de colunistas do AUTOentusiastas.

  • Fabio Vicente

    Caterham com o carro de 2014? Pobre Kobayashi…
    A Formula 1 tá mesmo muito complicada. Tem que gostar muito, mas muito mesmo, para acompanhar a categoria.
    Wagner, não estaria a McLaren esperando que a FIA permita 3 carros por equipe no grid para então anunciar o trio de pilotos? Embora Bernie negue essa possibilidade, na F-1 tudo pode mudar na calada da noite.

    • Wagner Gonzalez

      Fabio, o problema na McLaren é o Ron Dennis conseguir o dinheiro que precisa para comprar ações suficientes para assumir o controle acionário do grupo. Ele sabe que, com o Alonso garantido na equipe, não terá problemas nessa área.
      Abraço

  • Daniel

    Que bom! Para sorte do Sebastian a parceria “piloto mediocre & projetista genial” continuará firme e forte.

  • Lucas dos Santos

    Essa permissão que a Caterham recebeu para utilizar o carro do ano anterior me lembra a situação da Toro Rosso em 2006, seu ano de estréia.

    Em 2006, para quem não lembra, foi o primeiro ano em que os motores passaram a ser V8, abandonando assim os V10. A Toro Rosso, porém, por uma razão que eu desconheço, não conseguira arranjar um V8 para correr em 2006.

    Dessa forma, a Toro Rosso recebeu permissão para utilizar o Cosworth V10 do ano anterior, que pertencera à Minardi – na verdade, pode-se dizer que o carro todo era uma Minardi com as cores da Red Bull -, sendo a única do grid com esse motor. Obviamente que, para igualar a disputa com os V8, esse motor V10 teve seus giros limitados.

  • Wilson

    500 Milhas de Londrina, eu estarei lá!!!!!!!!!!

  • Eu também.
    @disqus_bdyCNGlZVP:disqus, pode explicar porque as corridas se destinam à públicos diferentes?