Overtime  EUA: VENDAS DE SUVES, PICAPES E PERUAS ALTAS EXIGE PRODUÇÃO ATÉ NAS FESTAS DE FIM DE ANO Overtime

Trabalhadores das fábricas Jeep, em Toledo, Ohio, trabalharão no período de Festas (Automotive News)

Vários fabricantes, a começar pela Chrysler, terão trabalho extra nas fábricas americanas que produzem suves, peruas altas e picapes durante o período de Festas, indicando confiança que o mercado americano de comerciais leves entrará aquecido em 2015.

Ao mesmo tempo, alguns estão estendendo o tempo de parada nas linhas que fabricam sedãs pequenos e médios, um segmento do mercado cuja demanda esteve mais fraca este ano.

A Fiat Chrysler Automobiles (FCA US) passará de dois para um turno durante cinco dias consecutivos começando sexta-feira em duas fábricas em Toledo, Ohio, que produzem o Jeep Wrangler, Wrangler Unlimited e Cherokee.

As vendas da Jeep nos EUA, a marca que mais vende, aumentou 44% este ano, chegando a 629.000 unidades até novembro.

É comum as fábricas americanas pararem entre o Natal e o Ano Novo.

As fábricas da FCA US em Belvidere, Illinois, que produzem o Dodge Dart e os Jeeps Patriot e Compass, trabalhará em turno único durante três dias: sexta, sábado e 29 de dezembro.

A fábrica da General Motors em Arlington, Texas, está funcionando com horas extras esta semana e na de 5 de janeiro para atender à forte demanda de redesenhados suves grandes modelo 2015. Há meses os concessionários reclamam de não receberem Chevrolet Suburban e Tahoe, GMC Yukon e Cadillac Escalade em quantidade suficiente.

A GM está também planejando horas extras para as fábricas americanas e canadenses onde são fabricadas a novas picapes médias Chevrolet Colorado e GMC Canyon, as peruas altas médias Chevrolet Equinox e GMC Terrain, e as peruas altas de porte grande Chevrolet Traverse, GMC Acadia e Buick Enclave. O mesmo para a fábrica de Bowling Green, Kentucky, a casa do Chevrolet Corvette.

As vendas de picapes nos EUA, ajudadas por novos modelos, preços da gasolina em queda e economia fortalecida, cresceram 10% este ano até novembro, enquanto as vendas de carros o foram de apenas 1%. Ao todo, a vendas de veículos leves cresceram 6% este ano e caminham para o quinto ano consecutivo nesse ritmo após do colapso da indústria de 2008-09.

“Vemos uma convergência de circunstâncias econômicas favoráveis levando a demanda de veículos em níveis anteriores à recessão, incluindo ganhos contínuos no mercado de trabalho, maior confiança do consumidor em oito anos e preços baixos dos combustíveis,” disse John Krafcik, presidente da TrueCar. “Este ano foi notável em termos de crescimento e faturamento resultantes dos enormes ganhos em picapes, veículos utilitários e vendas de carros de luxo. Achamos que 2015 será ainda melhor.”

Produção em alta

A produção de veículos leves nos EUA está projetada para chegar a 17,25 milhões este anos, atrás apenas de 2000, quando foram produzidos 17,3 milhões, da acordo o Centro de Dados da Automotive News.

A acentuada queda dos preços da gasolina nos meses recentes levou alguns analistas a mais uma vez elevarem suas previsões de produção e vendas para 2015.

A LMC Automotive semana passada aumentou sua previsão de produção do mercado americano de 17,2 milhões para 17,4 milhões de unidades. Seria um aumento de 3% sobre o os níveis de produção projetados para 2014, disse a LMC.

“O investimento na região aumentará a capacidade em cerca de 500.000 unidades e, juntamente com a forte demanda regional por veículos, um panorama de produção mais positivo é esperado,” continuou a LMC,

Ao todo, as 17 fábricas da GM na América do Norte estarão paradas na maior parte desta semana e assim permanecerão além de 5 de janeiro em uma combinação de manutenção das fábricas, reequipamento e ajustes de produção para casar com a demanda de mercado.

As duas fábricas de picapes grandes em Fort Wayne, Indiana, e Flint, Michigan, ficarão fechadas de 5 a 12 de janeiro para manutenção, segundo fontes que estão a par do programa.

A fábrica da GM em Fairfax, perto de Kansas City, no Kansas, que produz o Chevrolet Malibu e o Buick LaCrosse, pararão por sete semanas consecutivas a partir de hoje, voltando a produzir em 9 de fevereiro, segundo fontes.

O porta-voz da GM, Bill Grotz, não confirma a duração da parada em Fairfax, mas disse que a fábrica estaria parada para manutenção e projetos de mudanças lá “destinadas a melhorar a competitividade futura da fábrica, “ incluindo novas instalações de pintura. Ele disse que a GM produziu volume de Malibu e LaCrosse antecipadamente para atender a demanda dos consumidores durante a parada.

Queda da Cadillac

Duas fábricas da GM interromperão a produção duas semanas além das festas, voltando em 19 de janeiro, segundo o Centro de Dados da Automotive News. Elas são a fábrica de Lansing, Michigan, que produz os Cadillac ATS e CTS, e a linha “Flex” em Ontário, no Canadá, de onde saem o Buick Regal, o Cadillac CTS e os Chevrolet Camaro e Impala.

As vendas da Cadillac nos EUA caíram 15% este ano e os licenciamentos totais foram 6% menores.

A Nissan Motor Corp., fabricante que superou o mercado americano este ano, não pretende produzir no período de festas de fim de ano. As fábricas ficarão sem atividade depois de terça-feira e voltarão a funcionar em 5 de janeiro, disse um porta-voz.

A Toyota Motor Corp., que viu as vendas de picapes subiram cerca de 12%, adotará o mesmo esquema, fechando a partir de quarta-feira e reiniciando no dia 5 de janeiro.

Na Ford Motor Co., a parada nas festas é o começo de mais de um mês sem produzir na área de picapes da fábrica de Kansas City. A produção da F-150 irá parar desta terça até 15 de fevereiro para se preparar para produzir a redesenhada picape 2015.

A Ford programou parada extra nas fábricas onde produz vários modelos, incluindo Fiesta, Fusion, Focus, C-Max e Lincoln MKZ.

Mas enquanto isso os funcionários estão trabalhando extra para produzir a Super Duty, o Escape e o Lincoln MKC. A parte da fábrica de Kansas City que produz as vans Transit também operará em horas extras.

As fábricas Hyundai e da Kia na Geórgia e no Alabama, respectivamente, incumbidas da produção do Elantra, Sonata e Santa Fe, e Optima e Sorento, também trabalharão extra, segundo o Centro de Dados da Automotive News.

A Mitusibishi, mesma coisa, horas extras na fábrica de Normal, Illinoiis, que produz a perua alta Outlander Sport. As vendas deste veículo foram de 29.300 unidades, salto de 25% no ano, contribuindo para licenciamento total nos EUA 27% maiores. (Automotive News/Nick Bunkley, Mile Colias e Larry Vellequette).

As/BS

Sobre o Autor

AUTOentusiastas

Guiado por valores como paixão, qualidade, credibilidade, seriedade, diversidade e respeito aos leitores, o AUTOentusiastas desde 2008 tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo!

Publicações Relacionadas

  • Roberto Mazza

    Gostei muito de ver no texto e título o termo “peruas altas”, pois assim também vejo carros como Mit Outlander, Fiat Freemont ou mesmo BMW X1. Até uma honda CRV vejo como uma senhora perua. Enquanto que Classe B, Peugeot 3008 e GM Spin e Fiat Idea são minivans destes tempos.

    Carros “familiares” ganharam altura, certo conforto para entrar e sair, colocar cadeirinhas, etc. Embora existam ainda os que gostem mais de “peruas mais baixas”, e neste caso o mercado tem oferecido bem pouco mesmo. Assim é a vida. Chamar tudo que é “altinho” de Suve não dá. Crossover também tem sio um termo bastante genérico. Eu ainda prefiro pensar como hatch alto e compacto (Ecosport, Tracker, ASX), hatch alto médio (Tiguan, Q3), peruas altas, etc.

    • braulio

      Que pena que as peruas “baixas”, com maior eficiência aerodinâmica e dirigibilidade próxima mais a um sedã que a uma van, estejam sumindo…

  • Comentarista

    Infelizmente estamos voltando ao normal, onde os países de primeiro mundo estão voltando à economia crescente e nós caindo novamente na recessão, desemprego, alta inflação! Tava bom demais pra ser verdade!

    • Eduardo Mrack

      Quando que esteve bom???

      • Comentarista

        Em que ano você nasceu?

        • Eduardo Mrack

          1987, e desde que comecei a ter alguma noção das coisas, não vejo ordem nem progresso. Penso que apenas reduzir a economia dos países desenvolvidos não eleva a nossa.

          • Comentarista

            Você é muito jovem. De 2005 a 2011 o país viveu anos de bonança não vistos nos últimos 30-40 anos.