DSC01149 c  FORA-DE-TÓPICO: SERÁ MESMO? – II DSC01149 c

Não faz muito tempo, abril desse ano, publiquei matéria com o mesmo título acima, só que esta tem sufixo II para diferenciar. ‘Fora-de-tópico’, tanto antes quanto agora, por parecer não ter relação com o figurante central do Ae, o automóvel. Mas acontece que tem tudo a ver, uma vez que a máquina que mudou o mundo, como tantas outras, não é inquebrável e é essencial que haja a peça certa no momento certo para mantê-la funcionando corretamente.

A foto acima é de alicate de unha. Uso esse tipo desde quando me entendo por gente e o considero ideal. Mais ou menos por volta da virada do milênio comprei um novo, marca Mundial. Em 2011 a mola de retorno, como a mostrada ao lado do alicate. quebrou. Sem a mola é possível usar o utensílio, mas é incômodo precisar comandar a abertura a cada avanço no corte das unhas.

Como usuário, fiquei decepcionado e chateado ao mesmo tempo, por a princípio ter de comprar um alicate novo, que estava perfeito na sua função precípua de cortar unhas. Só por causa de uma simples mola!

Entrei em contato a fabricante por e-mail, via Serviço de Atendimento a Clientes, o famoso SAC que toda empresa tem, expliquei o ocorrido e pedi que “passassem a mão no contêiner de molas de alicate” na linha de produção da fábrica e me mandassem algumas molas. Dito e feito: passados alguns dias recebi um e-mail de acolhida do pedido e dizendo que me mandariam molas pelo correio. E que chegaram pouco dias depois, quatro unidades.

Claro, fiquei satisfeito com a atenção da fabricante Mundial.

Ao instalar a mola, ele quebrou. A segunda montagem deu certo, ficaram duas de reserva. Após um ano quebrou outra e pus uma nova. Ficou uma. Preocupante. E outro dia nova quebra. Estoque de molas zero.

Uma rápida busca na pasta de Enviados no Outlook Express e achei o que precisava, e-mail do SAC e nome da funcionária que havia me atendido há pouco mais de três anos. Sem certeza de que ela ainda trabalhava na Mundial, escrevi-lhe. Respondeu, trabalhava!

A partir daí, a mesma seqüência anterior, e-mail de acolhimento do pedido e informação do envio pelo correio. Ontem chegou um envelope com seis molas dentro.

Em que pese o dissabor de ver pouca durabilidade da mola, a atenção da fabricante comprovou ser exemplar. Não me foram cobradas as molas nas duas ocasiões, mas se o tivesse sido, não me importaria.

Pagar por algo que nos atenda não aborrece. Se algum dia o Google obrigasse a fazer assinatura para o acesso eu pagaria com o maior prazer.

Fica o exemplo de atendimento para reflexão  da indústria automobilística, todo SAC deve se esmerar por atender pronta e corretamente Sua Majestade, o Cliente.

No envelope que me chegou ontem, um singelo porém significativo cartão:

 

DSC01151 c  FORA-DE-TÓPICO: SERÁ MESMO? – II DSC01151 c

Uma certeza tenho: a Mundial vai ver o que está acontecendo com as molas que têm durado aquém do razoável.

BS

Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • Roberto Neves

    Tive uma experiência semelhante na década de 1980 com uma mochila da marca Trilhas & Rumos. Comprei uma, que rasgou no primeiro uso. Enviei uma carta (ainda não havia e-mail) para o fabricante, que me respondeu pedindo desculpas, explicando que recebera um lote de material inferior e me orientando a levar a mochila à casa do dono da fábrica (a fábrica fica em Teresópolis e o pai do dono mora no Rio de Janeiro). 15 dias depois recebi de volta a mochila, totalmente reformada e reforçada, e a tenho até hoje. Depois disso, já comprei outras mochilas dessa marca e a recomendo a todos.

  • Ilbirs

    Bom exemplo da Mundial. Se formos considerar que alicates de unha são algo que fica com um mesmo design por um longo tempo, é mais do que justo eles estranharem o porquê da mola estar quebrando com facilidade, ainda mais que esse alicate não está sendo usado na intensidade que seria usada por um serviço de manicure.
    E acaba sendo um exemplo bom para fabricantes de carros, que por vezes parecem não estranhar a quebra de partes de seus veículos que não deveriam quebrar se fossem feitas de maneira adequada (vide cubos de roda do Stilo brasileiro, que eram feitos de ferro em vez de aço e ocasionavam rodas saltando, coisa de que nunca se ouviu falar no Stilo italiano).

  • Angelito

    Enquanto isso, a Fiat se apressa e apressa os fornecedores para lançar sua nova gama de produtos (Renegade, a “Grand Strada”, o city car). Vão lançar sem verificação decente da qualidade dos lotes só pra estar no cronograma. Vai dar recall.

    http://www.autossegredos.com.br/2014/11/11/fiat-corre-contra-o-tempo-para-manter-datas-dos-proximos-lancamentos/

    • Cristiano Reis

      Eu gosto muito da Fiat, já tive dois, e meu pai e meu irmão possuem um, mas algo me desagradou muuuuito e acabou me deixando meio desgostoso pela marca. Explico, o Linea do meu pai (Absolute 2011) não reproduzia o som corretamente quando este era reproduzido do pen drive. Pesquisando na internet achei a resposta: o chicote do som estava ligado invertido, várias pessoas relataram isso e disseram que conseguiram resolver o problema. Levei o Linea à concessionária em Sobral e eles não dera a mínima, disseram que estava normal. Meu pai também não insistiu muito, pois utiliza mais CDs mesmo. Acabei deixando de lado, mas sai de lá com a mesma frustração, angústia e raiva de quando ia às concessionárias Honda da mesma cidade pedir para regular as válvulas de uma Tornado 2004 e eles diziam que elas não estavam batendo.

      • TwinSpark

        Moro aí perto de você e sei que o atendimento da Mundi é bem ruim, talvez isso explique a aversão que os sobralenses e pessoal da serra tem à Fiat. Em pouco tempo a Hyundai vai desbancar a Fiat aí em Sobral.

    • CCN-1410

      Angelo_Jr,
      O banco do motorista do meu Fiat apresentou problemas desde novo. Estive na concessionária por quatro vezes, sendo que duas delas por interferência da fábrica.
      Pois bem, meu carro já está fora da garantia, com mais ou menos 40 mil quilômetros rodados e o banco agora além de ter ficado muito duro nas costas, apresenta ruídos do tipo “nhec nhec”.
      Sempre que estive na concessionária solicitei um banco novo, mas infelizmente não fui atendido.
      Eu não entrarei mais em contato com a fabricante e nem com a concessionária, mas também nunca mais comprarei um carro dessa marca.
      Isso é muito ruim, pois de resto o carro é ótimo e tem tudo aquilo que eu quero e preciso.

      • Roberto Neves

        Tenho uma má história semelhante com a Renault, que já narrei aqui e que não repetirei para não me tornar cansativo.

  • Douglas Danilo

    Bob, isso mostra claramente a obsolescência programada, onde as empresas programam a vida útil de seus produtos para reduzir a durabilidade, infelizmente vem acontecendo em todas as áreas!

  • Roberto Eduardo Santonini Ceco

    Esse alicate te deu trabalho.
    Outro fez a alegria do povo no GP do Brasil desse ano!

  • NightRider

    Lembro de um episódio acontecido comigo a uns 2 anos. Comprei um óculos escuro da marca HB e depois de um tempo de uso perdi a sacola de tecido que protegia o óculos (vinha essa sacola e o estojo) mandei email para o SAC perguntando onde poderia comprar outra e me pediram meu endereço para enviar um gratuita. Mesmo não sendo culpa da empresa achei um atendimento perfeito, com certeza fidelizou o cliente e recomendo para todos depois disso. Já comprei outros óculos escuros e sempre da mesma marca. Estou tão acostumado com empresas que parecem que fazem um favor em nos vender o produto que quando fui bem atendido achei estranho.

  • Bob Sharp

    Pode explicar? Não entendi.

  • Bob Sharp

    Douglas
    Acho que nesse caso, não. Seria se o eixo desgastasse ou se a lâmina perdesse o fio em menos tempo que o razoável.

  • Bob Sharp

    Angelo_Jr
    Não necessariamente.

  • Uber

    Acho que só mesmo o Bob para contatar a fábrica para pedir molas de alicate de unha E conseguir!
    Isso nem me passaria pela cabeça, já o teria jogado no lixo.

    Seria essa a moral da história? Mais fácil encontrar molas para um alicate de unha do que molas ou outras peças para um carro com mais de 10 anos…

  • Fabio Vicente

    Em compensação, vou relatar um caso antagônico a este, quando fui fazer manutenção do meu carro na Bono Pneus localizada no distrito de Souzas em Campinas, SP – cuja loja nem existe mais. E consigo entender o porquê…
    Levei meu carro pra trocar pneus, e algumas peças da suspensão dianteira precisavam ser substituídas – pivô esquerdo e as duas bandejas inferiores.
    Comprei 5 pneus Goodyar GPS 3, que eram os originais do carro, e solicitei o reparo da suspensão. Após o término, além da conta salgada, uma desagradável surpresa: a dianteira do carro passou a ter “vida própria”. Explica-se: em linha reta, a dianteira balançava como se eu virasse o volante de repente, causando vários sustos. Voltei imediatamente à loja, mas como era um sábado a tarde, a mesma já havia fechado. O caminho de volta foi um tormento, visto que eu precisava pegar um trecho de rodovia até chegar em casa, e o carro naquela condição. Em uma curva feita a 50 km/h, virei o volante, mas o carro simplesmente passou reto e quase bati.
    Voltei na segunda feira seguinte, relatei o problema ao supervisor da oficina, e ele no maior pouco caso disse que isso era problema “do carro” – não me diga gênio!! (minha resposta, dada na mais absoluta calma e serenidade – só que não).
    Após muito insistir, um dos mecânicos saiu para andar com o carro, e constatou que as bandejas estavam com os terminais de fixação quebrados e a alegação foi a mais absurda possível: “isso aconteceu porque quem montou a bandeja, fez o aperto das porcas com o carro suspenso. O correto é descer o carro e depois apertar as porcas”. Indignadíssimo com a explicação por motivos óbvios, retirei meu carro daquela oficina e levei para outro local, onde o reparo foi feito a contento. Mandei um email para Bono relatando o ocorrido e espero a resposta até hoje… e isso se passou em 2009!! Ah, e como eu disse, dias depois a loja em questão fechou.
    Portanto Bob, quando vejo casos com este me causa estranheza. Assim como relatou um colega acima, estou tão acostumado a ser atendido como se pessoas nos fizessem favores que quando algo do tipo acontece, dá vontade ir até a empresa e parabenizar pessoalmente os funcionários um a um.

    • Lorenzo Frigerio

      A alegação não é absurda, mas foram eles que trocaram as bandejas e as apertaram com o carro suspenso. E mesmo que fosse o caso, as buchas não arrebentam logo de cara.

  • CorsarioViajante

    Que exemplo legal! Não tem coisa melhor do que empresas (e pessoas) que ao invés de criarem dificuldades, criam facilidades.

  • Acredito que no futuro, sobretudo devido à internet, às redes sociais e a “horizontalização” dos meio de comunicação, o atendimento ao cliente e a sua satisfação voltará a fazer diferença, como (suponho), já ocorreu num passado distante. Esse deverá ser um dos principais determinantes do êxito ou fracasso de todo negócio.

  • Rodolfo

    Me lembro nos anos 90 um cara que tocou fogo no seu Corsa 0-km na frente da concessionária que só dava defeito e a concessionária não resolvia o problema.

    Infelizmente para o consumidor conseguir que o seu carro 0-km ou em garantia seja consertado ou trocado por outro, tem que ser no mínimo um advogado, pois ele conhece de cor o Código de Defesa do Consumidor.

  • Bob, o de Petrópolis

    Tenho uma experiência parecida com as cordas NIG para guitarra. Até hoje guardo a carta, escrita à mão com a justificativa e um conjunto de cordas novas. Parabéns a esses Brasileiros!

  • Marcus Vinícius

    Conheço uma historia semelhante de um casal de idosos que moravam na roça, possuíam pouco poder aquisitivo e sonhavam em poder assistir uma TV. Apesar já possuírem uma lhes faltavam a parabólica. Enviaram uma carta para a Century (fabricante e fornecedora de antenas parabólicas entre outras coisas) contando a história deles e do tão sonhado sinal de TV. Não deu outra, a Century prontamente mandou uma equipe com uma parabólica e aparelho receptor totalmente de graça para o casal.

  • Lucas dos Santos

    Bob,

    Isso mostra o quão importante é a interação entre cliente e fabricante, também chamada de feedback.

    Muitas vezes o fabricante até está disposto a ouvir o que o cliente tem a dizer, mas este, por acreditar que “não vai dar em nada”, sequer tenta. Aí, às vezes, determinada empresa/fabricante se passa por ruim por conta um problema que ela sequer tem conhecimento – porque ninguém lhe comunicara sobre ele.

    A moral da história é que, por menor ou por menos incômodo que seja o problema apresentado por um produto, é sempre importante informá-lo ao fabricante. Na pior das hipóteses, você poderá ser solenemente ignorado, mas, na melhor delas poderá ocorrer o relatado aqui. É mais ou menos como naquele conto do Pontiac e o sorvete.

  • Boni

    A empresa que age dessa forma só tem a ganhar.
    Tenho certeza que você, Bob, não compraria alicate ou ferramenta do gênero de outra marca. Certo?

    Que a Mundial sirva de exemplo para outras fabricantes. O respeito com o cliente é a base para qualquer empresa crescer em todos os sentidos.

  • a. shiga

    Até quando acompanhei, via mercado de ações, de uns anos p/ cá a Mundial passou a importar seus produtos de China visando aumentar margem. Embora seja muito apreciável a qualidade do atendimento deles e com certeza um diferencial, acredito que o máximo que podem fazer com relação ao seu problema é descontarem a queda de qualidade no preço. Tem sido assim que todos os produtos chineses.

    • André Scudeller

      A China também fabrica produtos de ótima qualidade, a escolha é do importador. Pode ser esse o caso da Mundial com o cortador.

  • malaman
  • Cláudio P

    Bob, exemplos como esse de respeito ao cliente e ao consumidor são muito raros, e na indústria automobilística ainda mais, mas surpreendentemente eu tive um exemplo muito feliz. Tenho um Peugeot 206 2006, meu desde zero. Quando já havia completado três anos eu estava bastante desapontado com o volante. O material macio estava com a superfície toda descascando. Considerando que a vida útil de um volante costuma ser a mesma do próprio carro ou mais, ver um volante naquele estado com apenas três anos era de indignar qualquer um. Resolvi então mandar um e-mail para a Peugeot, inclusive com fotos anexadas. Pois bem, poucos dias depois recebo uma resposta dizendo que meu caso estava em análise e que aguardasse novo contado. Não esperava mais do que outro e-mail dizendo que meu carro já estava fora da garantia e que nada poderiam fazer, mas, muito ao contrário, ligou-me uma representante do atendimento da Peugeot informando que já havia uma peça nova reservada para mim sem custo na concessionária de São Bernardo do Campo, a antiga Avenir, e me passou o nome da pessoa que lá deveria procurar. Liguei para a concessionária, agendei o serviço e de lá saí com um volante novinho instalado e sem desembolsar um centavo. Em seguida fiz questão de mandar a Peugeot um e-mail agradecendo e elogiando a atenção que recebi e eles me retornaram agradecendo o reconhecimento.

    • Roberto Neves

      A Renault precisa aprender com esse seu exemplo da coirmã francesa. No meu caso, passei um ano tentando que consertassem meu carro. Fui atendido 6 vezes em 3 diferentes concessionárias, sem sucesso. Faltando dois meses escrevi para o SAC da empresa e nem sequer me responderam.

      • Luiz_AG

        Sempre fui tratado bem pela Renault. A Peugeot (hoje tenho um Peugeot) não me dá a mesma atenção não…

        • Roberto Neves

          Salve, Luiz. A bem da verdade, fui sempre atendido pela Renault com muita cordialidade (exceto quando a garantia estava chegando ao fim e não responderam meus e-mails). O que me incomodou foi terem me vendido um carro com 3 anos de garantia e passarem um ano sem resolverem um defeito que poderia ter me deixado a pé em alguma estrada deserta, à noite.

  • Mr. Car

    Acho que já narrei isto em seu outro post, Bob, mas também conheço um caso de atenção e respeito ao cliente, embora não diretamente comigo. Um professor em uma aula de vendas, falando de fidelização do cliente/consumidor, contou um caso de um consumidor que sempre comprava aqueles biscoitinhos salgados sabor queijo, da marca Piraquê, que estavam sempre fresquinhos e crocantes. Um dia, comprou um que não estava, apesar do prazo de validade em dia, e a embalagem intacta. Ligou para o SAC da empresa, fez a reclamação. Anotaram o endereço dele e poucos dias depois, recebeu de graça, não um pacote apenas, mas uma caixa destes biscoitos.

    • Luciano Silva

      Tenho uma história parecida. Na Páscoa de 2012, comprei um ovo de chocolate da Garoto, que veio com um sabor estranho. Minha esposa ligou para o SAC apenas para relatar o problema. Não era sua intenção pedir outro ovo apenas alertá-los para o que havia ocorrido. Mas a atendente fez questão de pedir o nosso endereço e nos mandar outro. Dias depois chegaram não um, mas dois ovos, maiores, cuidadosamente acondicionados em uma caixa de isopor.

  • Maurilio Andrade

    Bem diferente da Fiat. Isto já faz bons 7 anos, mas nunca me esquecerei.
    Em abril de 2007 comprei um Palio Fire para a minha esposa, com cerca de 6 meses de uso, 10.000 km rodados e ainda na garantia.
    Pois para minha surpresa, em pouco tempo o carro começou a patinar a embreagem.
    Levei-o à concessionária várias vezes. O problema parecia resolver-se mas sempre depois de 2 ou 3 semanas voltava.
    Enfim, depois de muitas brigas, a dona Fiat me levou em “banho-maria”até acabar a garantia, para finalmente me dizerem que eu teria que arcar com a troca da embreagem e retífica do volante do motor.
    Sabem o que aconteceu? Vendi o carro, e nunca mais comprarei qualquer modelo deste fabricante.

    • Roberto

      A impressão que eu tenho é que as concessionárias e montadoras não gostam de dar muita atenção para os donos dos carros de entrada da marca. Digo isto pois quando precisei resolver alguns problemas com o Fiat 500 da minha esposa, sempre me atenderam bem e resolveram tudo prontamente.

      Já quando eu tinha um Ford Fiesta Rocam, tive os mais diversos tipos de dissabores cada vez que eu levava o carro para revisão. Era normal o carro voltar pior do que quando levava, isto quando não tentavam me cobrar a mais pelo serviço. Pior que troquei várias vezes de concessionária e o serviço não era diferente. Abri várias reclamações referentes ao serviço no SAC e até hoje (após 1 ano de eu ter vendido o carro), ainda estou aguardando a resposta definitiva referente a primeira reclamação.

  • Mibson Fuly

    Tive uma experiência feliz com a Texx (marca de uma das minhas jaquetas para motociclista). Os protetores de ombro e cotovelo do modelo Desert começaram a se desintegrar após dois (de pouco uso até). Parecia despolimerização. Contatei o fabricante pelo Facebook mesmo, deixei um número para contato e eles me ligaram para confirmar endereço. Duas semanas depois vieram os novos protetores. Em um material diferente (aparentemente mais resistente à temperatura). Fiquei muito satisfeito.

  • BlueGopher

    Interessante que eu também já fui muito bem atendido pela Mundial.

    Sempre usei aquele cortador tradicional, dobrável (beem menos sofisticado do que o de alta cutelaria do Bob…haha).
    Anos atrás resolvi aposentar o meu velho cortador, já oxidado e sem fio, e comprei um novo, da mesma Mundial.
    Ao desdobrar a haste, derrubei o cortador no chão, e não é que esta haste dobrável, aparentemente super robusta, quebrou? (trinca transversal +- no meio de seu comprimento)
    Creio que deve ter havido algum problema no alívio de tensões de um muito possível TT, ou mesmo após a cromagem.
    Entrei em contato com a Mundial, que me enviou pelo correio um cortador novo, que está em uso até hoje.
    Excelente empresa.

  • claudio fischgold

    Bob,

    li o livro sobre a Amazon (o título é A Loja de Tudo) onde se destaca, em diversas passagens, a preocupação do fundador Jeff Bezos de manter os clientes satisfeitos.

    Esta introdução é para comprovar que algumas poucas compras que fiz na Amazon não chegaram (e tenho certeza que foram “extraviadas” no nosso correio) e, sempre tive não apenas um atendimento primoroso como, quando não se conseguiu resolver o problema da entrega sempre tive meu dinheiro restituído.

    Houve inclusive um caso que, por conta da Internet muito lenta, cliquei numa confirmação de compra que não queria. Logo que vi o débito no meu cartão de crédito (por aviso no celular) entrei em contato explicando o ocorrido. Pois o estorno do valor da compra veio no mesmo extrato onde constava o débito.

    Mas, para deixar bem clara minha satisfação, devo mencionar que fiz muitas compras na Amazon sem problema nenhum, inclusive com entregas antecipadas em relação ao prazo original declarado por eles.

    Assim creio que podemos colocar a Amazon no mesmo patamar da Mundial.

    • Lorenzo Frigerio

      Para quem compra peças de carro, a Summit é uma senhora empresa no que toca ao respeito ao consumidor. Os caras são “the best”.

      • Christian Govastki

        Lorenzo, eles enviam para o Brasil sem problemas? Já tentou a Jegs? Anotei suas sugestões para a Veraneio…

        • Lorenzo Frigerio

          A Summit é maior que a Jeg’s. Eles enviam para o Brasil. Você tem várias opções de remessa, a maioria das quais (tipo UPS) é impraticável para nós brasileiros. O ideal é escolher a remessa pelo correio. Você também tem a opção iParcel, que inclui o “franc de droits”, ou seja, a alfândega é calculada e paga com antecedência, portanto você recebe a encomenda em casa, sem passar pela alfândega e sem ter de retirar e pagar os impostos na agência. Se você tiver paciência para esperar o embaço na alfândega, a remessa normal é mais econômica, pois ao contrário do sistema iParcel, o correio não tem cobrado o ICMS estadual (18% em SP), só o II de 60%. E o iParcel tem mais um pequeno problema, o próprio custo do transporte sobre o qual os impostos serão calculados já é um pouco mais alto.
          Dependendo do que for trazer, em alguns casos vale a pena pesquisar as peças na Amazon.com, pois o valor do frete pode ser mais vantajoso, embora às vezes seja ao contrário.

    • João Guilherme Tuhu

      Também já tive problemas com a Amazon. Estou há 3 anos esperando uma encomenda fonográfica…

    • Bob Sharp

      Cláudio
      Já comprei muito na Amazon mas nunca tive problema. Sendo como você diz, está mesmo no mesmo nível da Mundial.

  • Lipe

    Pior: tem que pagar os (caros) honorários de um advogado e se sacrificar numa lenta e incerta briga judicial.
    Mas sabe que eu coloco um pouco dessa culpa em pessoas que alteram os carros, fazem revisões fora etc e, quando dá problema, bradam na concessionária pela garantia.
    Eu lembro que quando comprei um carro numa loja da VW tinha um Golf com uma placa escrito “vendido para Fulano de tal” e aquele carro estava rebaixado. Perguntei a um vendedor o motivo e ele disse que o cliente solicitou que colocassem molas esportivas antes mesmo da entrega (no carro zero!).
    Retruquei, perguntando sobre a garantia, e ele disse: “é, garantia de suspensão ele perdeu”. Eu não duvido que o cliente, se tiver problema em amortecedor, volte lá querendo garantia a todo custo…
    Abraço

    • Rodolfo

      Fora o mau uso, colocam óleo fora do especificado ou não trocam óleo e usam combustível batizado (adulterado)..Tem cada muquirana… Depois reclama que o carro quebra porque não presta.

      Voltando ao assunto, quem deve recorrer em caso de problema é quem cumpre todas as revisões dentro do prazo da garantia.

    • Lucas dos Santos

      Se continuar assim, logo fazem como nos computadores: lacram tudo e colam as peças e conectores internos com cola quente. Se levar para a assistência e estiver faltando um dos lacres, perdeu a garantia!

  • CorsarioViajante

    Nunca fui com a cara da Bono também. Mas neste caso, devia já estar para fechar e fizeram o serviço de qualquer jeito, no melhor estilo “abandonar o navio”. Que perigo!

  • Christian Bernert

    Eu corto as unhas com a tesoura de um canivete Victorinox. Curiosamente a mola de retorno da tesoura também quebrou depois de uns 4 anos de uso. Isso já faz três anos e nunca tive a ideia de fazer como você Bob. Vou tentar e depois digo o que aconteceu.

  • Eduardo Mrack

    Vou assinar meus pedidos via e-mail como “Bob Sharp” para ver se assim serei bem atendido e respondido quando envio solicitações deste tipo aos SAC’s. Até hoje não tive o seu sucesso Bob.

  • Piantino

    Bob, sou amigo do presidente da Mundial, farei seu depoimento chegar até ele, tenho certeza que será motivo de extrema satisfação saber da boa imagem que a empresa dele tem com seus clientes.

  • Lorenzo Frigerio

    Você teve sorte. Comprei pelo correio umas peças para o meu velho Santana de uma autorizada VW em Porto Alegre (UNICOM). Uma delas era a calha do lado esquerdo. Por causa dela, que é grande demais para os correios, embora leve, foi necessária a remessa por uma transportadora, o que encareceu o custo total. Ao instalar a peça, vi que haviam me mandado a calha do lado direito. A peça de plástico ridícula custou R$125,00 e a fração do frete chuto que metade disso, portanto mandar a peça de volta não compensaria, e os caras estão fugindo de me reembolsar ou de fazer uma proposta concreta. O erro foi 100% deles, pois pedi pelo no. VW. Se continuarem a fugir à responsabilidade, terei de recorrer ao PROCON; já tive uma vez que fazer isso por um valor ridículo.

  • jr

    Parece até um grande fabricante de eletrodomésticos (linha branca)… que pisou na bola em equipamentos da marca que tinhamos em casa: aspirador de pó, não tem saco para reposição (!!!); um humidificador, cuja tampa rachou. No caso do aspirador o SAC respondeu que não sabe onde vende sacos para seu aspirador… no caso do humidificador (cuja garantia, de apenas 3 mese, o mínimo legal) acabara de vencer, eles disseram: compre outro, pois não temos interesse em fornecer partes de nossos produtos, só o produto inteiro. Dá para acreditar?

    • Lorenzo Frigerio

      Electrolux… SÓ PODE SER!

  • Antonio Pacheco

    Esse texto me fez lembrar um ótimo atendimento que também tivemos lá em casa. Compramos feijão no supermercado, e ao abrir, o mesmo estava mofado. Como na embalagem tinha o número do SAC, meu pai ligou, informou o ocorrido e a empresa, depois de pedir desculpas, pediu para deixar o feijão na loja onde foi comprado para devolução. Se não me engano eram 2 kg. No mesmo telefonema, perguntaram qual o consumo mensal da família, que iriam mandar pacotes para substituir os estragados. Dito e feito, menos de 5 dias depois, chega uma caixa via sedex com uns 10 kg de feijão, todos novos, além de outros brindes e de uma carta pedindo desculpas pelo ocorrido. Nem precisa falar que meu pai passou a comprar só dessa marca posteriormente, independentemente do preço.

  • Barroso

    Vocês dão muita sorte. Eu nunca consegui um atendimento assim. O melhor que consigo é que me ignorem, quando não respondem dizendo que a culpa é minha.

  • César

    Sem querer fazer propaganda para esta empresa, Bob, que aliás se originou a partir da Metalúrgica Eberle aqui da cidade onde moro, mas é uma empresa muito séria e que sempre primou pela qualidade de seus produtos.
    Certamente um ótimo exemplo a ser seguido. Pena que nem sempre é assim.
    Por falar nisso, será que a Honda da Amazônia estaria disposta a enviar, pelo correio mesmo, um novo motor de partida para a minha Lead? Duvido muito. Mas a vida é assim mesmo. Abraço.
    CSS

  • Jorge Diehl

    Quando comprei minha L200, em 2008, comprei da Casa das Capotas (www.casadascapotas.com.br) uma lona marítima. Montei-a em menos de 20 minutos e encaixou como uma luva. Após alguns anos, por preciosismo, comprei uma nova, exatamente igual a primeira. Após 2 horas tentando montar, até hoje (2 anos depois) ela encontra-se montada pela metade. Nada encaixa, a lona é curta, os suportes perderam qualidade. O que fiz? Relatei o caso acima ao SAC da empresa. O que eles fizeram? Nada…Casa das Capotas, por favor, quebre!!

  • João Guilherme Tuhu

    Já eu só tenho boas histórias com a Renault. Até agora…

  • João Guilherme Tuhu

    Quem já trabalhou em concessionária, como eu, tem os dois pés atrás com elas… a melhor garantia é a própria manutenção do dono.

    • Roberto

      Tem muita gente que também pensa assim (inclusive eu), com relação às revisões nas concessionárias. Assim, muita gente o faz por conta da garantia mesmo.

      Nas revisões do meu antigo Festa Rocam, lembro que sempre preenchiam o fluido da direção hidráulica acima do máximo. Na primeira vez só percebi meses depois quando a direção hidráulica ficou dura de repente. Tive sorte por isto não ter causado vazamentos. Aí eu me pergunto: se nem fluido de direção hidráulica sabiam preencher corretamente, imagina só como não era a revisão das demais peças.

      • KzR

        E o pior é que muita gente confia cegamente nos serviços prestados pelas concessionárias. Quando o carro apresenta um problema como o seu, a culpa vai para o carro e não para quem não deu a manutenção direito. Assim, também se espera que com as oficinas independentes, o serviço seja prestado corretamente – que também cometem vários tropeços.

        Cansei de pedir a uma css Chevrolet para corrigir o manômetro de pressão do óleo, que simplesmente ficava maluco, mostrando valores diferentes, quando não ficava no máximo ou travava no zero. Hoje ignoro o mostrador.

  • Bob Sharp

    Christian
    A Victorinox do Brasil é importadora Zippo, e por três vezes me atenderam, se bem que a garantia do Zippo é por toda a vida. Procure-os, ache-os fácil no Google. Tenho certeza de que farão o reparo na hora.

  • AlexandreR

    Caro Bob, quando comecei a ler, já pensei logo no caso do anti-chama do gol… (borra de água+óleo, sem solução, mesmo trocando) se a VW resolvesse o problema, mesmo cobrando, para mim já valia… hehehehe ótimo texto parabéns!!!

  • disqus_cExMXKJwy3

    Esse texto em vez de fora de tópico deveria ser considerado um “how to”, pois mesmo sabendo que temos o direito de reivindicar garantias e qualidade no atendimento, já estamos tão mal acostumados a deixar pra lá, sob o pretexto de quase nunca sermos atendidos, que muitas vezes nos “poupamos” da possível dor de cabeça e partimos logo para a substituição de determinados produtos.

    No entanto uma parte me chamou atenção: “Pagar por algo que nos atenda não aborrece. Se algum dia o Google obrigasse a fazer assinatura para o acesso eu pagaria com o maior prazer.” Concordo plenamente, mas faria uma pequena ressalva: Desde que seja pelo preço justo.

    Ora, se o valor cobrado pela mola fosse muito próximo do valor do alicate de nada adiantaria. E esse é talvez um dos maiores males da indústria automobilísticas. A insatisfação com valores abusivos e as vezes surreais das concessionarias são uma constante em qualquer grupo de discussão proprietários de veículos.

    O próprio preço dos nossos carros são uma ofensa ao holerite de qualquer trabalhador, ainda que os mais abastados. Não há hoje nem um carro 0-km no Brasil que valha o preço que se paga.

    Meu ultimo carro novo foi um Corsa Premium comprado a preço promocional (sic!) no final de 2010 quando ele estava próximo de sair de linha. Um carro que me atendeu muito bem mas que no ano passado resolvi trocar por algo “melhor”. Feita aquela peregrinação por concessionárias, percebi que se eu quisesse sair com outro carro 0-km, eu teria que desembolsar quase 2x o valor do Corsa usado pra sair num Celta 0-km com menos motor, tamanho e equipamentos. Ou 3x o valor do Corsa se o pretendente fosse um Onix.

    Não tive dúvidas, desse dia para cá desisti de carro 0-km. Me desfiz do Corsa (a contra-gosto) e comprei o meu “algo melhor”, um Vectra automático, a um preço menor que o do carro 0-km nacional mais barato no mercado. E assim fiz com o carro da minha mulher (para quem comprei um outro Corsinha), com o do meu pai (que queria uma Strada 0-km e o convenci a pegar uma Ranger seminova) e da minha irmã (em vez de celta 0-km, C3 usado) e outros amigos a quem palestrei ferrenhamente, mostrando números, vantagens e desvantagens ao desconsiderar o tão sonhado carro novo.

    P.S.: Acabei me empolgando no tamanho do comentário. Se eu soubesse que iria ficar tão longo tinha me candidatado a História do Leitor.

    • Gabriel

      Tenho Um Idea 1.4 2008, e fui ver um Palio com mesma motorização e equipamentos, me deram apenas R$ 19.000,00 no Idea e o Palio ficaria por mais de R$42.000,00, to trocando por uma Tracker 2.0 2008/2009, com todos os equipamentos, além de teto solar, abs e Air Bags, bancos traseiros que rebatem também em direção ao porta malas, virando belas camas, além de tração nas 4 rodas e caixa de redução, como trabalho com geologia as vezes preciso de um carro mais adequado a situações fora de estrada, e uma mecânica robusta e confiável por R$ 30.000,00…

  • RoadV8Runner

    Claro que um bom atendimento é sempre prazeroso, mas problemas crônicos e simples de se resolver como esse da mola são simplesmente irritantes ao extremo. Tive o mesmo problema com um cortador de unhas da Mundial. Só que, no meu caso, a mola quebrou com apenas dois meses de uso! A função da mola é simples demais para levar anos para ser resolvido, não acredito que a Mundial ainda não tenha se dado conta da fragilidade do modelo usado atualmente.
    Antigamente usavam uma mola de lâmina simples, que apresentava durabilidade muito superior, mesmo que acontecesse a quebra depois de anos de uso (nada é eterno, claro…). Lembro-me que minha avó tinha um cortador de unha desses, cuja molha quebrou-se após mais de 10 anos de uso, o que considero para lá de admissível.

  • KzR

    Totalmente integrado ao tema do site, embora por ligação menos óbvia. As vezes esquecemos que o SAC pode fornecer grande ajuda, já que vários outros nos aborrecem mais do que os problemas gerados pelos seus produtos. A empresa de alicates está de parabéns.

  • Cristiano

    Boa tarde! Tenho um causo parecido que aconteceu comigo…
    Fui numa festa em uma chácara com um moletom que tinha acabado de ganhar do meu padrinho, em algum momento da festa acho que ele estava amarrado na cintura e acabei perdendo sem perceber… Só notei a falta do mesmo a hora que o frio voltou. Chegando em casa desesperançoso que alguém o teria encontrado enviei um email a NATURAL ART (fabricante do moletom) explicando o ocorrido e dizendo que meu padrinho ia comer meu rim se soubesse que tinha perdido a blusa, anexei ao email uma foto minha com o mesmo. Para minha surpresa 2 semanas depois eles me enviaram um moletom novo (que por sinal era de uma coleção passada) e disseram que deu um trabalhão para encontrar, somente numa loja em PARIQUERA-AÇU tinha uma em estoque que me enviaram sem custo algum!

  • mecanico anonimo

    Tenho um alicate similar a esse, mas da alemã Solingen. A mola é do mesmo estilo, mas possui um rolete na extremidade. Minha irmã tem um similar da marca japonesa Green Bell, cuja mola é no estilo “lâmina dupla”. Ambos tem mais de 14 anos de uso contínuo, e continuam como novos. Dá gosto ter “ferramenta” de fabricantes que respeitam e atendem prontamente seus consumidores, mas dá mais gosto ainda ter ferramenta de qualidade tal que nos faz esquecer que o “sac” da marca existe…

  • CristianoReis

    Olha aí, cara, nunca pensei que fosse encontrar alguém da região por aqui, ainda mais com esse pseudônimo, mas está explicado, você é da serra, não é? Nunca vi tantos carros interessantes aqui no Ceará como ali em Tianguá! Inclusive esses dias encontrei uma Belina 4×4 para vender de lá!

    • TwinSpark

      Sou de BSB, minha casa é em Tianguá e vivo maior parte do tempo em Parnaíba. Apesar do pseudônimo, na garagem guardo um japonês tiozao e ando num Mille Lampredi

  • Braz Portari

    Prezado Bob,
    você deu muita sorte e teve toda a atenção por parte da Mundial. Eu já não tive a mesma sorte com outra fabricante de renome mundial e alemã. Estou falando da Robert Bosch. Eles têm uma linha branca e há tempos comprei um fogão deles e após algum tempo o painel frontal começou a desgastar a pintura e oxidar. Minha decepção é que eles não fabricam mais esta peça e não achei mais nem nos revendedores. Conclusão: vou ter de comprar outro fogão para minha tristeza….e nem adiantar reclamar no SAC. eu tentei, e me enviaram para um preposto deles, a MABE, que também não ajudou em nada..

  • Antônio do Sul

    Aqui em casa, a última pessoa a comprar um zero-km foi o meu pai, em 1997. De lá para cá, todos nós compramos semi-novos, com pouco uso e ainda dentro da garantia de fábrica. Assim, gastamos bem menos, ficamos com carros bons e mais equipados.

  • Roberto Neves

    Farei o mesmo, Eduardo. Bob Snows eu já sou, posso rubricar “BS”, ehehehe…

  • Douglas Iseri

    Belo Texto e um ótimo exemplo de empresa!

    porém fica uma observação e uma opinião minha…

    Essas molas existem sim para a reposição de peças quebradas! qualquer loja que faça o trabalho de afiação de objetos que necessitem de fio de corte (facas, tesouras, alicates e afins) realizam a venda e troca das mesmas.
    Será que a mundial faz certo enviar essas molas?

    Digo isso porque como o alicate já tem um bom tempo de uso, a garantia já se foi faz tempo! e a mola é uma peça que tem o desgaste natural de uso (como os amortecedores e molas de nossos carros).

    já aconteceu 2 casos parecidos comigo… só que foi de desodorante aerosol! comprei em um mercado de grande porte e quando fui usar, a válvula, simplesmente não funcionava direto… vazava pelo botão e não por onde realmente deveria sair o produto… entrei em contato e fizeram a troca! Mas foram casos onde o defeito foi de fabricação!

    Fico pensando o que seriam das empresas se não existisse a quebra ou a necessidade de troca de seus produtos… imagine a mundial sem vender seus alicates e sim só enviando suas molas sem custo nenhum ou sem lançamentos de novas linhas… será que conseguiriam manter as portas abertas?

    Concordo com que o SAC de muitas empresas ficam devendo em muitos detalhes… mas nesse caso especifico fiquei na duvida se a empresa realmente tomou a atitude certa!

  • Bob Sharp

    Douglas
    Esqueceu que o mercado para alicates de unha (e incontáveis outras coisas) não para de crescer? Só aqui já passamos de 200 milhões. Falta de compradores absolutamente não é preocupação da Mundial.

  • Felipe A. Debortoli

    Quem me dera poder entrar em contato com a Fiat e pedir a mesma que disponibilizasse algumas peças de reposição para o meu 1.6R 1990…

  • Boa Bob! Exemplos destes devem ser divulgados. Tanto o seu como o da empresa. Parabéns. MAC.