Trail  MOTOR V-6 DA CHEVROLET TRAILBLAZER AGORA COM INJEÇÃO DIRETA Trail1

O motor V-6 HFV6 de 3,6 litros da Chevrolet Trailblazer 2015 passa a ter injeção direta, resultando em aumento de potência em 38 cv, de 239 para 277 cv (a 6.400 rpm) e de 2,2 m·kgf de torque, de 33,5 para 35,7 m·kgf (a 3.700 rpm). O corte de rotação é a 7.150 rpm.

Os dois comandos de válvulas por cabeçote passaram a ter fase variável contínua e os coletores de escapamento passaram a ser integrados aos cabeçotes. Pistões passam a receber jato de óleo para arrefecimento e os pinos de pistão são flutuantes agora.

 

HFV6 Motor Conjunto  MOTOR V-6 DA CHEVROLET TRAILBLAZER AGORA COM INJEÇÃO DIRETA HFV6 Motor Conjunto

Vista em corte do novo motor HFV6 de injeção direta (imagem GM)

O bloco e os cabeçotes são de alumínio e aquele tem camisas de ferro fundido nodular. O desenho do cabeçote é extremamente complexo e por isso para fundi-lo é usada uma espuma especial para as partes internas, em que depois, por meio de ultrassom, a espuma se desmancha e é retirada.

 

Cabeçote  MOTOR V-6 DA CHEVROLET TRAILBLAZER AGORA COM INJEÇÃO DIRETA Cabe  ote

O novo cabeçote tem o coletor de escapamento integtado, note a saída única (foto GM)

O câmbio continua a ser o Hydramatic 6L50 de seis marchas com trocas manuais seqüenciais.

A velocidade máxima continua limitada a 180 km/h e a aceleração 0-100 km/h é feita em 7,6 segundos.

A suspensão de braços triangulares na dianteira e de eixo rígido na traseira foi recalibrada para maior conforto e precisão, segundo a GM, e direção teve a relação baixada para 18,2:1, 3,33 voltas entre batentes e diâmetro mínimo de curva de 11,8 metros.

O preço não foi informado. Como referência, a Traiblazer LTZ com o motor anterior tinha preço público sugerido de R$ 144.650.

Ae/BS

(Atualizado em 20/10/14 às 14h14, inclusão de imagens)

Sobre o Autor

AUTOentusiastas

Guiado por valores como paixão, qualidade, credibilidade, seriedade, diversidade e respeito aos leitores, o AUTOentusiastas desde 2008 tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo!

Publicações Relacionadas

  • Boni

    7,6s no 0 a 100 km/h? Muito bem, Chevrolet.

  • Bob Sharp

    Acesse de novo e veja as imagens adicionadas.

  • anonimo

    Este motor com injeção direta já era disponível na Holden pelo menos desde 2010. Meu Omega 2011 tem.

  • Ilbirs

    Uma coisa que estranho nesse motor é essa potência de 277 cv a 6.400 rpm. Esse mesmo bloco, com essa mesma mesma cilindrada e e essa mesma injeção direta, quando montado na Colorado americana, gera 309 cv a 6.800 rpm e 37,2 kgfm a 4.000 rpm.

  • Renato

    A injeção direta de combustível já está consolidada nos motores há muitos anos. Por que os fabricantes de automóveis evitaram até agora introduzir esta tecnologia no Brasil?

    • Eduardo Cabral

      Por causa do combustível meia boca.

    • Daniel S. de Araujo

      Enxofre na gasolina. Alto teor de enxofre não faz bem aos motores de injeção direta.

      Igual as emissões Euro 4 e 5 em caminhões: A tecnologia já existia e podia ser implantada pelos fabricantes desde 2008 mas devido a ausência de diesel de baixos teores, o Euro 3 sobreviveu até 2012

      • Lucas Vieira

        Daniel,

        O curioso é que o enxofre é tido como vilão e poluidor, o que é verdade, mas já li a respeito que ele faz muito bem à bomba injetora, lubrificando ela, sendo o Diesel S500 bem superior nesses aspecto se comparado ao S10. Já leu algo a respeito? Tenho 2 Ducatos Euro 3, uma mecânica e outra eletrônica, e não abasteço com S10 por esse motivo, além do preço. Uso sempre o S500 aditivado.

        Abraço

        • Daniel S. de Araujo

          Lucas, já li isso sim! Dizem que o enxofre tem um poder lubrificante e que o projeto das bombas injetoras rotativas são elaborados considerando o enxofre. Seja como for, nas bombas injetoras rotativas ainda não explicaram como o diesel S50/10 compensou o menor poder lubrificante, uma vez que é o proprio combustivel que lubrifica a bomba.

          Na minha ex. Ranger NGD3.0E Powerstroke, o S50/S10 fazia uma diferença tremenda, chegava a compensar o maior preço pois a economia chegava a quase 10%. Na minha atual F-1000 entretanto, colocar S10 é um desastre. Ela bebe mais que em relação ao S500 e o motor não funciona tão “liso” digamos. Só abasteço a F- com S500!

          A propósito, experimente abastecer a Ducato eletronica com S10 e veja se tem diferença!

        • Lucas Vieira

          Vou fazer o teste e te respondo posteriormente, abasteci a eletrônica uma vez e não fiz média, apenas notei que a fumaça, que já era pouca, sumiu por completo. Já a mecânica, usei durante um mês, não vi ganho de desempenho, que dizem ter por conta do número maior de cetanos, a fumaceira preta continuou a mesma, e o consumo sem alteração…

  • Thiago

    Precisava de uma calibragem mais firme de suspensão. A antiga parece uma barca.

  • Joel Gayeski

    Bob e Autoentusiastas, se possível digam o que acham, esse motor não seria um ótimo atrativo mercadológico para trazer de volta o Omega, agora na geração VF?

    • RoadV8Runner

      Para mim, seria. Porém, o Omega australiano não caiu no gosto do brasileiro, talvez por não ter linhas da carroceria “esculpidas a machado”. Eu sempre gostei do Omega, principalmente por seu desenho limpo, sem exageros, tanto do modelo nacional quanto os importados.

  • Marcio Gregolin

    Pois é, esse motor provavelmente é o LFX, uma pequena evolução comparado ao LLT que vinha no Omega australiano desde 2010, basicamente é alguns kg mais leve. Só que o Omega (10-11) tem 292cv, mas é um sedan e certamente tem o comando de válvulas e/ou calibragem bem diferente desse motor, isso tudo pra adaptar cada motor ao veículo utilizado, obviamente uma caminhonete precisa de uma distribuição melhor da potência onde a mesma começa aparecer em giros bem mais baixos, então sacrifica-se a potência final pra colocar um comando e uma calibragem mais “mansos”, que permitam uma potência aparecendo logo cedo.

    Não sei se consegui explicar…

    Mas, sem dúvida, é um motor excepcional. Tenho um Omega 2011 e amei esse motor. Uma pena o Omega não ter feito sucesso apesar da sua mecânica incrível.

    Como foi dito, o pessoal prefere uma “nave espacial” cheia de botãozinho e que dirige sozinha, que vc comanda tudo por voz, e que chame tamanha atenção como se um ÓVNI estivesse passando na rua no momento… Isso que o pessoal gosta. E tem que ter teto solar, já que o Brasil é um país de clima frio… Nada a ver com o Omega australiano. Mas garanto que quem tanto o critica, jamais dirigiu um.. Ao dar a partida e começar a dirigir, vc esquece de todas as parafernálias.

    Mas quem comprar esse carro vai se surpreender com o motor não só pelo desempenho, mas pela suavidade e o tanto que é gostoso de dirigir…