MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 05  GLA, A CARA DA NOVA MERCEDES MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 05

O recém-lançado GLA — Salão de Genebra, em março — é o mais novo e último modelo da Mercedes-Benz a integrar a sua família de veículos compactos com tração dianteira composta também pelos Classe A, Classe B e Classe CLA. Esse modelo é muito importante porque será fabricado, juntamente com o Classe C, na nova unidade fabril da Mercedes em Iracemápolis, no interior de São Paulo, em 2016.

Mas mais importante que isso, ele faz parte da estratégia da Mercedes para atrair um público mais jovem e dinâmico e, juntamente com os outros modelos da mesma família, buscar novos consumidores para a marca que enfrenta uma concorrência acirradíssima da BMW e da Audi.

Já faz um tempo que a Mercedes perdeu a liderança do segmento premium para a a BMW, que está numa ofensiva enorme de novos lançamentos em vários segmentos, inclusive de tração dianteira, numa corrida insana para manter a liderança. A Audi também anda acertando a mão com sua linha Q e o sucesso do A3 sedã. E no caso do Brasil, onde os suves são muito bem vistos, o X1 e o Q3 também serão produzidos aqui.

A Mercedes espera que essa família de modelos com tração dianteira corresponda a 50% do total de suas vendas. Ou seja, o futuro da Mercedes está nesse modelos.

 

MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 06  GLA, A CARA DA NOVA MERCEDES MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 06

Um Classe A anabolizado

E falando em suves, a Mercedes assim se refere ao GLA, que é o quinto elemento da sua família de utilitários esporte (utilitário de lazer, não de trabalho), juntamente com GLK, ML, GL e G. No entanto, não acho que o GLA seja um suve na essência, vejo-o como um Classe A anabolizado.

Internamente no Ae nos referimos a carros com mais de 1.500 m de altura como “quase-morri”, termo criado pelo Bob quando fizemos um passeio off-road de picapes e SUVs em 2009. Foram tantos “quase-morri” reunidos nesse passeio que o termo pegou e acabamos usando ele ao nos referirmos a suves e outros carros mais altos como o CrossFox e o EcoSport, por se inclinarem mais nas curvas devido a elevada altura e não terem a agilidade de um sedã, hatchback ou perua — uma brincadeira entre  autoentusiastas, claro.

No “critério” Ae o GLA, que tem 1.494 mm de altura não é um “quase-morri” e assim não é um suve. Visualmente é fácil de entendê-lo como um hatch. Com comprimento de 4.417 mm, largura de 1.804 mm sem contar os espelhos, altura de 1.494 mm e entreeixos de 2.699 mm, ele é pouca coisa maior que o irmão Classe A, mais 125 mm no comprimento, mais 24 mm na largura, mais 6,1 cm na altura e o mesmo entreeixos. Isso se reflete no espaço interno, que não é amplo como esperado em um suve. Mas mercadologicamente é mais interessante chamá-lo de suve, pois os clientes vêem mais valor nisso hoje. 

O X1 é mais comprido, entreeixos maior e um pouco mais alto, tendo uma aspecto mais para o lado de uma perua, e o Q3 é pouca coisa mais curto, mais largo e o mais alto dos três, com um apelo mais de suve. O GLA também tem o estilo mais esportivo. E essa combinação de versatilidade com esportividade é muito bem vista. Se eu fosse comprar um carro para a família a escolha seria o X1, para me sentir superior seria um Q3, e se fosse para me agradar, seria um GLA. Isso do ponto de vista de estilo. E aí eu coloco o maior diferenciador do GLA.

 

MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 17  GLA, A CARA DA NOVA MERCEDES MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 17

Não é bem um suve

Tentando achar um bom resultado para uma equação que contém variáveis como economia, desempenho e custo, a Mercedes optou por lançar no Brasil o GLA com o já conhecido motor 4-cilindros 1,6-litro turbo com bloco e cabeçote de alumínio, duplo comando de válvulas de acionamento por corrente, quatro válvulas por cilindro e injeção direta que gera de 156 cv a 5.300 rpm e 25,5 m·kgf de 1.250 a 4.000 rpm. A caixa de marchas é a também conhecida 7G-DCT, robotizada de 7 marchas e dupla embreagem. Esse conjunto é exatamente o mesmo dos Classe A, B e CLA, e apresenta um bom desempenho.

Não há alavanca seletora no console, e sim na coluna de direção e as trocas de marcha em modo manual só são feitas pelas borboletas. Há três modos de trocas de marcha, Manual, Sport e Eco. Normalmente, ou toda vez em que se liga o carro, o modo ativado é o Eco., que faz as trocas de marchas em rotações menores. O modo Sport continua com trocas automáticas porém em rotações mais altas, 6.100 rpm. E no manual as trocas pelas borboletas, porém em acelerações fortes caso a borboleta não seja acionada, as marchas são passadas automaticamente.

 

MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 26  GLA, A CARA DA NOVA MERCEDES MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 26

O 1,6-litro turbo com 156 cv não faz feio

O botão para seleção do modo de condução fica muito escondido, como se não fosse feito para ser usado. E de fato realmente ele nem precisaria existir, pois a eletrônica do sistema entende a condução do motorista e se ajusta entre Sport e Eco. E quando quiser usar o modo manual basta usar as borboletas.  A natureza mais esportiva tanto do GLA quanto do CLA mereceria algo mais empolgante com pelo menos 180 cv e o zero-a-100 km/h, que é de 8,8 s, poderia estar mais próximo do 7 s. Mas o funcionamento desse trem de força é suave e confortável. O sistema desliga-liga motor nas paraas, de série, também tem um funcionamento bem suave. 

A suspensão, McPherson na dianteira e multibraço na traseira, de acordo com a Mercedes tem calibração mais voltada para o conforto. No entanto, as enormes rodas de 18 polegadas com pneus 235/50 comprometem o seu comportamento em piso irregular, principalmente pelos pneus serem runflat, do tipo que rodam vazios, de menos flexibilidade.

A estabilidade, apesar da suspensão elevada com altura do solo de 134 mm, é muito boa, assim como o ajuste da direção com assistência elétrica de assistência  regressiva com o aumento da velocidade, e também sistema automático de contra-esterço em casos de emergência, parte do sistema de controle de estabilidade. 

 

MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 03  GLA, A CARA DA NOVA MERCEDES MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 03

Altura do solo de 134 mm, bom para nossas vias

O interior do GLA é muito agradável. A posição de dirigir é quase normal, ou seja, não é muito alta. Tem um ambiente mais jovem com com bancos bem esportivos e revestimento mesclando tecido e couro e painel com apliques imitando alumínio. O conjunto de mostradores é menos formal que nos concorrentes, numa combinação de cinza e branco com aros cromados.

As saídas de ar imitando turbinas são muito funcionais. A tela do sistema de entretenimento e navegação é destacada com no Classe A e CLA. Muitos não gostam, mas eu acho uma solução diferente e elegante. O seletor de comando no console central não é nada ergonômico. De certa forma acredito que a Mercedes está num bom caminho, mas algumas coisas ainda são antiquadas, como, por exemplo as teclas de discagem de telefone no painel, o controle do limitador de velocidade por alavanca, a própria interface do sistema de entretenimento e uma certa falta de emoção. Se a função desses novos modelos é trazer novos clientes, a marca poderia inovar mais.

 

Interior agradável e joven  GLA, A CARA DA NOVA MERCEDES MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 20

Interior agradável e jovem

Se esportividade não é o destaque do GLA, a segurança é passiva. O GLA recebeu cinco estrelas no Euro NCAP. Todos os carros nesse segmento têm 5 estrelas, mas a Mercedes alega que as notas em cada quesito são melhores que nos concorrentes. Então é algo como se fosse 5 estrelas com louvor.

Além de 7 bolsas infláveis, incluindo a de joelhos para o motorista e toda a sopa de letrinhas nas assistências a frenagem e estabilidade,  o GLA ainda trás o Attention Assist que monitora o nível de cansaço ou sonolência do motorista. O sistema monitora uma série de elementos, como, por exemplo a ocorrência de pequenos desvios na trajetória e as correções feitas pelo motorista, acionamento dos freios e acionamento de outros sistemas e, comparando-os com padrões pré-estabelecidos, determina o comportamento do motorista.

Caso sistema entenda que o padrão é de alguém sonolento ele emite sinal sonoro e luminoso no painel e vibrações no volante, além de sugerir que o motorista faça uma parada para descanso. Mas como isso não dá para mostrar para o vizinho fica difícil atribuir algum valor mesmo que o atributo segurança esteja começando a fazer mais sentido para os brasileiros. 

 

MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 10  GLA, A CARA DA NOVA MERCEDES MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 10

Um excelente nível de equipamentos

O GLA 200 está disponível em três versões: Advance, Vision e Black Edition que trazem um excelente nível de equipamentos de série como volante multifuncional forrado em couro, controle de velocidade de cruzeiro, limitador de velocidade,  sistema de estacionamento automático, rodas de 18 polegadas e faróis bi-xenônio, entre muitos outros.

As versões GLA 200 Vision e Vision Black Edition adicionam teto solar panorâmico, rodas de 18 polegadas com desenho exclusivo, banco do motorista oferece ajustes elétricos com memória, ar-condicionado com duas zonas e sistema de navegação (com português de Portugal, raios). O Vision Black Edition é uma edição especial, com rodas e espelhos retrovisores pretos e sapatas dos pedais de alumínio com cravos de borracha.

Os preços sugeridos são: GLA 200 Advance – R$ 132.900, GLA 200 Vision – R$ 149.900 e GLA 200 Vision Black Edition – R$ 152.900.

 

MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 08  GLA, A CARA DA NOVA MERCEDES MERCEDES BENZ GLA 200 AUTOENTUSIASTAS 08

Saída de escapamento dupla, num 1,6-litro!

Como um dos entraves para a entrada de novos consumidores no mundo das marcas premium é o temor de um elevado custo de manutenção, a Mercedes também lançou recentemente o programa de revisão declarada para oferecer maior transparência e mudar a essa percepção. O programa estabelece preço fixo nas revisões, que no caso do GLA são: 1ª revisão (10 mil km ou 1 ano) – R$ 600,00,  2ª revisão (20 mil km ou 2 anos) – R$ 1.250,00,  3ª revisão (30 mil km ou 3 anos) – R$ 600,00. 

Outra novidade interessante é o Mercedes-Benz Service Care, um contrato de manutenção com preço fixo para até cinco revisões preventivas em que se pode escolher quantas revisões incluir. Os preços dos contratos de manutenção para o GLA são: 1ª e 2ª revisões – R$ 1.722, 1ª a 3ª revisões – R$ 2.201, 1ª a 4ª revisões – R$ 3.383, 1ª a 5ª revisões – R$ 3.813. Quanto mais revisões incluídas, maior o desconto. 

As versões do GLA vendidas no Brasil apresentam um bom nível de equipamentos, segurança e conforto. Mas no quesito desempenho e entusiasmo ainda falta uma pitada de esportividade. No entanto, o GLA deve agradar muito os mais jovens e famílias jovens, pois têm no estilo e versatilidade sua grande força. Além de, é claro, o magnetismo da estrela de três pontas. 

Como aproveitei o test drive de lançamento do GLK, o vídeo acabou ficando muito longo. Por isso acabei fazendo uma versão bem resumida. 

 

 

PK

Fotos: autor 
FICHA TÉCNICA MERCEDES-BENZ GLA 200
MOTOR
Tipo4 cilindros em linha, transversal, turbo de 1,2 bar com intercooler, injeção direta, duplo comando de válvulas no cabeçote, corrente, 16 válvulas, gasolina
Cilindrada1.595 cm³
Diâmetro x curso83 x 73,7 mm
Comprimento da biela145 mm
Relação biela-raio da manivela (r/l)0,254
Potência156 cv a 5.300 rpm
Torque25,5 m·kgf de 1.250 a 4.000 rpm
Taxa de compressão10,3:1
TRANSMISSÃO
Câmbio/traçãoRobotizado 2-embreagens de 7 marchas/dianteira
Relação das marchas1ª 3,86:1; 2ª 2,43:1; 3ª 2,91:1; 4ª 1,19:1; 5ª 0,87:1; 6ª 1,16:1; 7ª 0,94:1
Relação de diferencialI 4,60:1 II 2,65:1
SISTEMA ELÉTRICO
Tensão12 V
Bateria70 A·h
Alternador2.100 W/175 A
SUSPENSÃO
DianteiraMcPherson, braço inferior triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
TraseiraMultibraço, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
DIREÇÀO
TipoPinhão e cremalheira, assistência elétrica indexada à velocidade
Relação de direção14,4:1
Diâmetro mínimo de curva11,8 m
FREIOS
DianteirosDisco ventilado Ø 295 mm
TraseirosDisco Ø 295 mm
RODAS E PNEUS
RodasAlumínio 7J x 18
Pneus235/50 R18
CARROCERIA
ConstruçãoMonobloco em aço, capô de alumínio, suve 5-portas, 5 lugares, subchassi dianteiro
AERODINÂMICA
Coeficiente aerodinâmico0,31
Área frontal2,27 m²
Área frontal corrigida0,703 m²
DIMENSÕES
Comprimento4.417 mm
Largura sem/com espelhos1.804 / 2.022 mm (rebatidos 1.848 mm)
Altura1.494 mm
Distância entre-eixos2.699 mm
Bitola dianteira/traseira1.569/ 1.560mm
Distância mínima do solo134 mm (em carga máxima permitida)
PESOS E CAPACIDADES
Peso em ordem de marcha1.435 kg
Carga útil485 kg
Tanque de combustivel50 litros
Porta-malas421 litros (836 litros com bancos rebatidos)
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h8,8 segundos
Velocidade máxima215 km/h (limitada eletronicamente)
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 7ª50,8 km/h
Rotação do motor a 120 km/h em 7ª2.360 rpm
Rotação do motor à veloc. máx. (6ª)5.200 rpm

 

Mais fotos:

 

Sobre o Autor

Paulo Keller
Editor Geral

Engenheiro mecânico com pós-graduação em marketing e administração de negócios iniciou um grupo de discussão sobre o mundo do automóvel no final dos anos 90. Em 2008 percebeu que a riqueza do conteúdo desse grupo não deveria ser restrita aos seus integrantes e então criou o blog AUTOentusiastas. Seus posts são enriquecidos com belas fotos que ajudam a transmitir sua emoção e sensibilidade. Além de formatar e manter as mídias sociais do site. Visite: www.paulokeller.tumblr.com.

Publicações Relacionadas

  • Avatar

    Paulo,
    A informação sobre a altura do solo está correta? Poxa vida, um Bravo T-Jet possui 130 mm de altura (carro vazio, declarado pela Fiat) .Para comparar em mesmas condições, um Corsa B possui os mesmos 130 mm de altura com carga total, declarado pela GM. Agora crossover ou SUV já nem precisa de altura elevada para receber esse título pelos fabricantes? Se for assim, posso dizer à minha esposa que ela roda diariamente com um Corsa “Aventureiro”…
    Caso seja informação do material divulgado à imprensa, você confirma a impressão que os números trazem: altura idêntica a qualquer carro de passeio?
    Abraço.

    • Ilbirs

      Pelo que sei, estão usando o padrão alemão de divulgação de altura livre do solo, em que computam a menor possível (carro em carga máxima). Logo, um Classe A W176 cheio provavelmente terá altura livre de padrão alemão inferior a esses 134 mm do GLA.

    • Avatar

      Caramba, posso concluir, então, que o Classe A deve “lamber” boa parte das vias brasileiras…

  • Fórmula Finesse

    Ótima avaliação! Ao meu ver, um dos “suves” mais bonitos – se não o mais – do mercado. Esse interior invocado casou muito bem com a proposta jovem da atual Mercedes. Vai vender bem, ao menos até a chegada da nova geração da Tiguan, que se é melhor dotado mecanicamente hoje, têm visual já bem datado.

  • 911 Turbo

    Para minha pessoa, qualquer “SUV” que tem plataforma de carro de passeio, é um crossover. SUV de verdade, tem plataforma de picape ou própria.

  • Ilbirs

    1) De fato deu para ver no vídeo mais longo que o Paulo Keller estava mesmo se acostumando com o GLA, vide no começo em que ele faz a ultrapassagem com o kickdown acionado para depois fazer uma pilotagem mais limpa, apoiando-se na curva de torque plana;

    2) Tenho cá minha impressão de que o GLA poderá “engolir” o Classe A W176 se não o diferenciarem mais em relação ao modelo do qual deriva. Ambos têm tração dianteira (bem que o GLA poderia ser só 4MATIC para abrir uma distância) e, em que pese o preço maior do SUV, pode ser que as pessoas vejam as outras vantagens dele (maior altura livre e porta-malas maior);

    3) Vendo a reclamação do Paulo Keller em relação aos pneus run-flat, acabei prestando atenção a esta foto do fundo falso do porta-malas:

    http://autoentusiastas.com.br/wp-content/uploads/2014/10/MERCEDES-BENZ-GLA-200-AUTOENTUSIASTAS-23.jpg

    Daria para montar sossegadamente um estepe temporário nesse espaço. Aliás, na Europa há a opção de pneus comuns com estepe, conforme pude ver no configurador da Mercedes portuguesa. Se teremos isso quando o GLA for fabricado no Brasil, não sei ainda, até porque não me lembro de termos pneus run-flat produzidos aqui (ainda que o Inovar Auto e o Inovar Peças acabem meio que obrigando isso a acontecer em algum momento). Fico preocupado, isso sim, com o pouco ombro que essas borrachas têm: são apenas 117,5 mm entre o solo e a roda, com o agravante de pneus desse tipo terem ombros extremamente duros. Quem sabe agora, com a instalação em massa de fabricantes de carros de luxo no país e possíveis adaptações desses aos gostos e exigências nacionais, possamos ter o uso OEM deste equipamento inventado por um brasileiro:

    http://www.grocotts.co.za/files/story_photos/107760_Full_MedRes.jpg

    • Lemming®

      E quem leu a revista Quatro Rodas sabe que os 4 pneus runflat do MB tiveram de ser trocados gerando prejuízo considerável ao proprietário…
      Se bem que como todo brasileiro é milionário isso não deve ser problema…hehe

  • Marcos Alvarenga

    Relativamente leve, e apesar da falta de emoção, um quesito subjetivo, apresenta números de desempenho muito melhores do que alguns esportivóides que são desovados por aqui.
    Talvez um modo de condução “sport” um pouco mais bem trabalhado, com maior aspereza nos comandos pudesse contribuir para essa sensação.

  • $2354837

    Quero ver alguém reclamar das saídas de ar circular

  • Eduardo Palandi

    PK,

    a solução para a falta de esportividade do GLA deve vir ano que vem, com a chegada ao país do GLA 45 AMG. é o primeiro MB que prefiro na versão dessa divisão, e me soa como um A 45 AMG com um pouco mais de altura livre do solo – ou seja, um foguete adaptado para as ruas brasileiras!

  • CarroPopular

    Eu não sou muito fã desse tipo de carro, por melhor que seja.
    Mas gostei muito da “pilotagem” do motorista!!!
    Mesmo na velocidade máxima da estrada esta sempre que possível na pista da direita, uma exceção no Brasil.

  • Avatar, 134 mm est´na ficha técnica do carro. Muitos carros “brasileiros” tem a altura de 130 mm. Porém originalmente têm 120 mm. o GLA é mais alto em relação ao Classe A.

  • Mr. Car

    Rapaz, e não é que eu posso pagar ?! Bom, pelo menos as revisões, eu posso. Um otimista incorrigível estaria exultante com isso, he, he, he!

    • RoadV8Runner

      Mr. Car,
      Alguns comentários seus são impagáveis!

      • Mr. Car

        Road, a gente tenta manter algum humor. Difícil neste país, mas a gente tenta.

        • Dieki

          Humor como o seu, com inteligência e sem achaques a minorias, é mais que bem-vindo!

  • Allan Welson

    No vídeo completo, após 14:32 (edição) fica-se sem áudio – ficamos só com um pouco de “linguagem de sinais”.

    Perdi a “carona” (e durante a viagem). PK, deixaste-me com banzo… 🙁

  • Viajante das orbitais

    Está difícil para os aspirados. Os turbos tem torque de sobra para passar a régua e deixar o motor com uma linearidade de motor elétrico, graças à tecnologia.

  • Comentarista

    Hoje vi um preto. Juro que pensei ser um Classe A. Só vi que era um GLA quando olhei a traseira e vi escrito GLA.

  • Smooj

    Esse carro é basicamente o “Adventure” ou o “Stepway” da Mercedes. O X1 ao menos parece ser um carro completamente diferente do Série 1. Já o GLA só parece em grande parte um Classe A com suspensão alta.

    • Luke

      Disse tudo. O curioso é que a Audi não seguiu esse caminho, fazendo do Q3 um SUV de fato, pelo menos esteticamente. E o próximo BMW X1 será um mini-X3 pelo que mostram as fotos dos protótipos em teste. A Mercedes pode ficar isolada com essa escolha.

  • RoadV8Runner

    Pela apresentação do novo GLA, me fez desejar ainda mais um Mercedes-Benz Classe C Touring… Ou ficar com o Classe A “civil” mesmo.
    E essa “onda” atual de escape duplo em tudo quanto é modelo é de lascar… Pior ainda quando uma das saídas é falsa!!! Sempre gostei de escape duplo, mas desde que se tenha necessidade para isso (lê-se volume de gases de exaustão).

  • Allan, obrigado pelo aviso. Estou reeditando o vídeo. Não sei o que aconteceu. Mas foi apenas um trecho que ficou sem áudio. Ele volta lá nos 17:00. Atenciosamente, PK

    • Allan Welson

      Oi Paulo.

      Não é apenas um trecho não. Por exemplo, o som volta aos 16:47, mas some aos 17:41, e volta novamente em 18:18, mas some novamente em 19:32…

  • Roberto Mazza

    Comentário com um dia de atraso, o melhor do texto – para quem gosta de acompanhar todas as postagens – foi saber do apelido quase morri desta geração de crossovers. Vocês são ótimos! Uma vez li em algum lugar que o Citroën DS4 era um pouco ” alto” para o gosto de alguém (altura total suponho). Pois eu estou nessa turma que já entendeu que crossovers tem menos aerodinâmica, mais peso, preço, mas mesmo assim, para quem não busca o mais alto desempenho, circula a passeio, sem tanta pressa, e para quem não roda muito, os quase morri cativam mesmo. O mérito de que entrar e sair do crossover pra quem é alto penso que é relativo. Um argumento racional para tentar desmontar outras racionalidades. Mas quem disse que tudo em um automóvel tem que ser essencialmente racional? Talvez gostar dos carros altos seja algo como a importância do design, algo subjetivo, mas relevante sim. Tenho habilitação há mais de vinte anos, já dirigi veículos bem variados, mas continuo gostando de automóveis com 1, 60m pra cima, e torço muito pra ver todos eles extensamente avaliados por aqui. Um “no uso” de uma semana mais prolongada com um Tiguan e um Audi Q3 viriam super bem! Aspirados como CRV e EcoSport também poderiam ser revisitados. Obrigado.

  • Allan, estou subindo uma nova edição. Mas como é longo demora muito o upload! Aviso aqui quando trocar o vídeo! Abraço!

    • Allan Welson

      Oi Paulo. Entrei no carro novamente e segui contigo o restante do passeio, de onde eu tinha parado. Agradecido pela carona e pelo aviso!
      Abraço!

  • 45 AMG! nervosíssimo!

  • Não li a matéria, mas para ter que trocar os 4 algum problema fora do comum aconteceu!

    • Ilbirs

      Provavelmente esses pneus, por terem ombro rígido, vão tomando um grau de pancada que vai passando despercebido pelo proprietário (que fica “anestesiado” com a dureza dos mesmos), até uma hora em que esses problemas que passaram despercebidos se somam e viram um problemão dos bons.
      Não esqueçamos que pneus run flat são originalmente pensados para países com boa qualidade viária, o que não é o caso de nosso país. Logo, é de se imaginar que sofram bastante por aqui.

  • FF, o Tiguan tem mais cara de suve. Vamos ver o próximo! Abraço

  • Roberto, isso aí! Somos uma diversidade! Mas o que eu não entendo é carrão enorme para andar sozinho 95% do tempo. Vamos procurar avaliar esses modelos que você citou! Grande abraço, PK!

  • Allan, o novo vídeo está no ar! Abraço!

  • Caros, o leitor Allan Welson apontou problemas no audio do vídeo completo. Reeditei o vídeo e a nova versão já está aí no post. Desculpe a falha. Abraço, PK

  • pkorn

    Belo artigo, mas aceite meu reparo, não creio que o fator “mostrar para o vizinho” seja um critério válido. Talvez em faixas de preço menores um repeditor lateral seja mais apreciado pela estética que pela segurança, mas nessa faixa de clientes, acima de 100 mil reais, a discrição é mais apreciada que o exibicionismo. Já pensei em ter um importado alemão e uma das razões de não comprar por hora é minha vizinhança. Mesmo usado, seria o melhor carro da rua, traria comentários que acabariam chegando aos amigos do alheio, que ainda não me visitaram. Prefiro manter o low profile até um ou dois vizinhos comprarem suas BMs, então vou poder seguir com o fluxo.

  • PKOR, claro que o que falei não pode ser generalizado. Valeu e um abraço!