woman  E aí, você gosta de filme? Mas sem pipoca... woman

Vocês leitores vão achar que eu pego no pé das manias nacionais. Então, vamos lá. Vou atacar outra paixão brasileira — não exclusivamente feminina, não, brasileira, mesmo: as películas nos vidros dos carros, mais conhecidas pela marca comercial Insulfilm. Mas por algum motivo muitos homens não apenas usam nos próprios veículos, mas também mandam colocar no das mulheres achando que assim elas e os filhos estão mais protegidos.

E ai, você é contra ou a favor? Ao parar num farol qualquer numa grande cidade do País e contar o número de veículos com os vidros escurecidos, diria que a maioria é a favor. Conta de padeiro, mesmo. E não, não encontrei nenhuma estatística sobre a quantidade de veículos que têm esse acessório. Nenhuma para que eu possa criticar ou divertir vocês.

No meu mais novo carro, a película já veio, mas como comprei um carro que estava disponível na concessionária e não o encomendei na fábrica, levei um modelo com coisas que fazia questão de ter e outras que aceitei receber. Pessoalmente, adoro o pára-brisa dégradée, que é raridade. O meu é esverdeado e ajuda, mas minha (mais ou menos) reduzida estatura clama por um dégradée até a metade do vidro, o que, claro é impossível, então dá-lhe subir e descer o banco e a coluna de direção. Manobrista detesta pegar meu carro. E eu detesto quando pego de volta e tenho de acertar os retrovisores. Ficamos quites. Mas antes que perguntem, não dirijo com o volante colado nas costelas. Pelo contrário. Apesar de algo prejudicada verticalmente, o assento fica meio próximo da coluna de direção (afinal, preciso chegar nos pedais com segurança, não com o bico do sapato, né?), mas o encosto do banco não e os braços vão no ângulo correto, ligeiramente dobrados, embora um pouco mais esticados do que mandam os especialistas. Mania de baixinha que acha que tem braço de Ana Hickmann.

Voltando à película. O argumento é que o Brasil é um país tropical e ela minimiza o calor. Na minha experiência, não faz lá muita diferença. E o termômetro interno já comprovou isso. Além disso, desde que o ar-condicionado virou item quase de praxe nos veículos, menos ainda. Naturalmente todos nós procuramos estacionar à sombra, pois o problema não é só o calor dentro do carro, mas tentamos proteger a pintura dos raios UVA, UVB e outra sopa de letrinhas.

Blitz – Outro argumento, o da segurança, pelo menos em São Paulo é bastante furado. Ninguém em sã consciência deixa nada à vista dentro do carro. Com ou sem película. E ladrão faz tempo que quebra vidro e ameaça motorista mais em função do carro ou da oportunidade do que do que vê dentro dele. Infelizmente, ninguém está protegido por película nenhuma. Se fosse apenas isso, o índice de furtos e roubos teria caído consideravelmente uma vez que a maioria dos carros já conta com ela. Ufa, quase saquei de uma estatística, mas resisti heroicamente.

Pessoalmente, quando passo por uma blitz da polícia, faço questão de acender a luz interna e de abrir os vidros para que, apesar da película, vejam que dentro do carro há uma pessoa de aparência honesta. Da última vez isso se voltou contra mim e talvez por ser a única de uma longa fila de veículos a fazer isso me mandaram parar. Os outros foram dispensados e seguiram em frente. Mas numa segunda olhada, o policial disse : “Vai, pode ir, pode ir”. Sei lá o que ele pensou. Talvez algo como “Somente uma idiota ia chamar a atenção para si mesma desse jeito. Deve ter nada, não”.

De noite, então, acho a película uma tortura. Moro em São Paulo e é onde dirijo a maior parte do tempo. As placas carecem de manutenção e limpeza e sobra fuligem e sujeira em geral. Fica difícil enxergar com a dita cuja escurecendo os vidros. E não apenas as de sinalização, mas também aquelas com os nomes das ruas. Muitas vezes ando com o vidro aberto e às vezes com a cabeça para fora feito um poodle, pois é difícil ler o que está escrito. E depois acho estranho viver resfriada! Para estacionar em garagem fechada ou mesmo rua escura, só abrindo os vidros pois o sensores não cobrem todo o perímetro do carro e sem visibilidade clara, babau.

Vela de macumba – Mesmo andando no trânsito já tive problemas com a película, embora aí não tenha sido problema exclusivamente do tal filme, e sim de uma irregularidade que muito me irrita – o uso incorreto das lanternas à noite e, ainda por cima, azul mortiço. Sim, o infeliz transitava tarde da noite com lanterna, em vez de farol, com luzinha azul tipo vela de macumba de 0,0001 watt e me ultrapassava pela direita. Claro que quase bati, pois olhei no retrovisor direito, não vi ninguém, sinalizei e quando começava a mudar de faixa, escutei aquele funk inconfundível que acompanha esse tipo de veículo. Mas enxergar, mesmo, não o enxerguei. Culpa da película do meu carro, que escurece demais o vidro lateral, e, claro, do uso da lanterna em vez do farol e numa luz totalmente irregular. Não vou dizer que fiquei contente de ter ouvido o funk porque jamais admitirei isso, mas que naquela única ocasião aquele, digamos, “som”, ajudou, isto eu preciso reconhecer.

E até aqui eu só falei das películas que estão dentro daquilo que a legislação permite, colocadas nos vidros em que podem ser colocadas. E o quê dizer daquelas que bloqueiam totalmente a visibilidade e, ainda por cima, no pára-brisa? Ultimamente, em tempos de delação premiada e prisões de políticos é muito comum vermos o pessoal saindo nos carros, muitas vezes dos próprios advogados e muitas vezes das delegacias e dos fóruns em veículos totalmente irregulares em termos de Insulfim. Ora, não são suas excelências aqueles que deveriam respeitar a lei em primeiro lugar? Como diria o menino-prodígio, santa ingenuidade, Batman!

E por que não arranco a película do carro, vocês me perguntarão? Pois é. Ainda estamos numa discussão familiar e assim como a colocação dos quadros na parede da sala, levaremos pelo menos um ano e meio para decidir o que fazer e outro tanto para executar o serviço. É que em casa as coisas são decididas assim, subitamente, como vocês podem perceber. Culpa da nossa precipitação. Mas estamos trabalhando nisso.

Mudando de assunto: Meu marido ganhou a biografia do Ingo Hoffmann, “Histórias que eu vivi”, outro piloto de quem gosto muito. Estou espreitando o criado-mudo para dar o bote no livro. Mas com esse sujeito como tema, só pode ser coisa boa.

NG

Foto: wsmseguros.com.br

 

Sobre o Autor

Nora Gonzalez
Coluna: Visão Feminina

Nora Gonzalez é jornalista, foi repórter (inclusive de indústria automobilística) e editora da Gazeta Mercantil e de O Estado de S. Paulo durante muitos anos. É fã de carros desde pequena, especialmente de Fórmula 1.

Publicações Relacionadas

  • André

    Nunca usei película. Peguei o carro de um amigo com a dita cuja. Uma coisa que estranhei é a falta de contato com pedestres e outros motoristas: exemplo, saindo duma garagem autorizando passagem de um pedestre; alguém no trânsito congestionado querendo entrar na sua faixa te olhando nos olhos esperando a autorização. Isso tudo se perdeu, e ajudava até na fluidez, assunto da ordem do dia.

    Muitos podem achar bobagem, mas esse contato visual ainda é muito importante. Automóvel não é esconderijo.

    • Lucas dos Santos

      Perfeito!

      Eu, que na maior parte do tempo sou pedestre valorizo bastante esse contato visual.

      Antes de atravessar a rua próximo a algum carro, sempre procuro verificar para onde o motorista está olhando, para saber se ele está me vendo ali ou não. Com a utilização das películas, isso se torna impossível.

    • CorsarioViajante

      Pois é, tbm sinto falta disso, a “conversa dos vidros pretos” é horrível no trânsito.

    • Nora Gonzalez

      André, concordo com você. E é a melhor forma de ter certeza de que tanto o pedestre quanto outro motorista enxergam você. Abraços.

  • CCN-1410

    Quanto à posição correta de dirigir, o Bob fala isso há
    séculos, hehehe…
    Quanto às películas, nada justifica. Tire-as e ponto final!
    A segurança deve vir acima de tudo e você sabe muito bem disso.

  • Lucas

    Eu não sou nenhum fã de película mas tenho no meu carro. Ela já está bem velha e gasta, de modo que um desatento, na primeira olhada não a nota, sendo preciso chegar perto e conferir mesmo. Ela não esconde nada no interior do carro. Não sinto que incomoda a visibilidade pois está bem transparente. Mesmo assim noto uma grande diferença quando dirijo com o sol batendo no meu braço entre com o vidro aberto e fechado. Seria por causa da película? Ou o próprio vidro já seria capaz de atenuar essa incidência solar?
    Outra coisa, um colega me falou de uma nova tecnologia dessas películas, que seria uma própria para pôr no para-brisa. Pela informação que ele teve, ela atenua a ofuscação dos faróis dos outros carros, atenua reflexos e sem prejudicar a visibilidade à noite. Alguém conhece?? Achei curioso. Mesmo assim não pretendo colocar.

  • Mr. Car

    Com o Bob e comigo, já são três que detestam insulfilm e adoram faixa degradê, he, he! Ah, e não menos (aliás, importantíssimo) importante, detestam funk! Vamos ao filme: não tenho no meu carro, mas nos da firma, sim. De dia até passam (se não se entrar em um ambiente escuro, como um túnel ou garagem mal iluminada), mas de noite, é uma desgraça. Se chovendo então, piora. E olha que estão dentro dos limites permitidos por lei. E já que tocou no assunto “calor dentro do carro”, mais uma vez gostaria de insistir com os fabricantes: cadê os benditos interiores clarinhos??? Abaixo os claustrofóbicos, soturnos, e quentes interiores “pretinho básico” que insistem em nos enfiar goela abaixo. Saco!

    • Acyr Junior

      Opa !!! Me põe nessa conta !!!

  • Krypto

    Ainda não pude fazer o teste em estrada com um carro sem película. Acredito que meu braço ia torrar após algumas horas.
    Atualmente deixo o carro parado no sol durante o dia, nessa condição acredito que a película ajude a conservar um pouco o interior.

  • Rafael Kleber

    Perfeito, a noite ou chuva em qualquer hora não é possível ver nada. As vezes tenho certeza que alguns carros são autonômos.

    • Nora Gonzalez

      Rafael, além de autônomos, alguns parecem doentes. Nem mencionei os insulfims de má qualidade que depois de um tempo formam bolhas e manchas no vidro e deixam o carro com aspecto que vítima de catapora.

  • Mr MR8

    Meu vizinho mandou remover o insulfilm do carro dele que a autorizada havia instalado de brinde. Quando alguém pergunta porque, ele responde: foi recomendação do meu oftalmologista.

  • Josenilson

    Excelente seu texto de hoje. Da gosto de ler.
    Gosto muito de crônicas e o texto tem um pouco disso, além claro, de colocar em discussão um tema interessante.

  • Marcelo

    “aparência honestas” e existe isso? Puro preconceito

  • Eduardo

    Visão feminina, por Bob Sharp?
    Sobre o texto, mais uma delícia de ler. Não uso película escurecedora de vidros pela simples razão de, à noite, a tal película deixar a visão prejuducada.

    • Eduardo

      Uma correção, a última palavra é: prejudicada.

  • Davi Reis

    Também não gosto das películas nos vidros, por mais claras que sejam. Acho que um dos principais argumentos pro seu uso, o de diminuir a temperatura interna, veio por terra há muitos anos, agora que todo carro novo tem vidros verdes e os aparelhos de ar condicionado estão cada vez mais eficientes e difundidos. Sobre serem mais seguras, acho uma bobagem das grandes. É só imaginar um caso de sequestro, é muito mais fácil identificar quem está lá dentro do carro e um comportamento suspeito com os vidros claros do que completamente selados. Mas parece que as coisas andam melhorando, ano passado, quando comprei meu carro, tive que encomendar direto da fábrica, e conversando com o vendedor, ele me disse que ultimamente as películas não andavam saindo tanto quanto antes.

  • CorsarioViajante

    Bem, com todo o respeito, mas vc resumiu pq a situação é como é: todo mundo sabe que é ruim, todo mundo sabe que atrapalha, mas na hora de fazer diferente e tirar a película… BEm, daí é outra história.

  • Rolim

    Se for remover a película, cuidado para não danificar o desembaçador do vidro traseiro, caso o carro seja equipado com este acessório.

    • Lucas5ilva

      Eu não tomei esse cuidado, tentei retirar do vidro traseiro com o carro ainda na sombra, depois vi na internet que usando um secador de cabelo pra aquecer a película e amolecer a cola enquanto se retira resolvia o problema, mas aí já era tarde, danifiquei o desembaçador no primeiro pedacinho quando tentei puxar com o plástico ainda frio!!

  • A mais nova desculpa pra usar esse troço é que se pode usar o celular sem ser multado, nestes tempos que o celular virou o cérebro de mão, nada mais grotesco e atrapalhador ao tráfego.

  • Rafael Aun

    Nora,

    Também não sou adepto a películas, mas instalei meses atrás para atender uma situação extraordinária e acabou ficando.

    É muito desagradável dirigir a noite e um pouco menos agradável durante o dia.

    Qualquer hora eu me animo a colocar os quadros na parede e também retiro a película.

    Rafael Aun

  • Paulo Roberto de Miguel

    Particularmente acho péssimo a película. Meu carro veio com elas e eu tirei. Em noites de chuva era muito ruim enxergar. A diferença foi enorme sem as películas. Parecia que o carro tinha “renascido”.

    • Bob Sharp

      Paulo Roberto
      Foi exatamente o que senti quando peguei um JAC J3 de teste que tinha vindo com películas e mandei retirá-las, com autorização do importador: sensação de carro renascido. Você achou o termo exato!

    • Lucas5ilva

      Mesma sensação com o meu Gol, ficou praticamente outro carro sem as películas!

  • Antonio Ancesa do Amaral

    Não tente ser normal no país das imbecilidades, também já fui parado por acender a luz interna e os demais motoristas “normais” seguiram adiante. Por questão de segurança não uso filme.

  • Oli

    Não é preconceito, é conceito. Onde você acha mais fácil o motorista ta bêbado ou levando drogas? Um carro com uma mulher sozinha ou um carro com 4 homens?

    • CorsarioViajante

      E aí vc provou que é preconceito. Para dirigir bêbado ou para levar drogas não precisa de 4 homens.

    • Leonardo Mendes

      Ambos

      A mulher sozinha pode estar transportando drogas pro namorado traficante, já estar bêbada por ter saído de uma despedida de solteira… e os 4 homens dentro do carro podem ser colegas de trabalho que usam a carona solidária.

      Viu, tudo depende do prisma pelo qual se olha…rs.

    • ccn1410

      Oli,

      Não coloque a tua mão no fogo.

    • Eduardo Silva

      Pô, pessoal, sério? Não dá para entender o significado de “aparência honesta” no texto? Precisa de uma discussão apaixonada por uma coisa tão fútil? Quem aqui se ofendeu ou se sentiu excluído quando a Nora disse isso de si mesma? Ela disse que tenta fazer o policial perceber que ela tem uma aparência honesta. E foi preconceituosa com quem? Com quem não tem? E ela disse quais são as supostas características dos desonestos?

      Tem uma aparência séria – não pode?
      Tem uma aparência desleixada – não pode?
      Mal encarado – não pode?
      Feio – não pode?

      Quem procurar vai achar preconceito em tudo. E mais uma vez deixa-se de lado o essencial para discutir o periférico. Sempre um vigilante atento a identificar um desvio no texto.

  • ccn1410

    Puro preconceito mesmo.
    É isso aí Marcelo.

  • Eduardo Silva

    Tem razão. É preconceito. Mas negar é hipocrisia.

  • ccn1410

    Eu dirijo há muito tempo sem película tanto em cidades quanto em estradas, e ainda não torrei meu braço.
    Experimente ficar sem elas para ver como a visibilidade melhora sensivelmente.

  • Eduardo Silva

    Antes de retirar o carro na cc pedi para instalar película anti-vandalismo sem escurecimento. A cc instalou com escurecimento. Segundo o vendedor meu carro ficava mais bonito assim. Pedi para trocar pelo que pedi, consegui e ganhei de brinde uma cara de nojo. É difícil justificar em terras tupiniquins o gosto por vidros transparentes.

    • Lucas dos Santos

      Que “beleza”! Instalaram a película escurecedora porque alguém da concessionária achou que ficaria melhor assim! Então quer dizer que a palavra do cliente não vale nada?

      Se a moda pega, daqui a pouco vai ter concessionária escolhendo a cor do carro, por achar que “fica mais bonito”, mesmo que o cliente não goste.

  • ccn1410

    Quatro, hehehe…

    • Fabio

      Cinco…

  • Nora Gonzalez

    Putz! Bem lembrado. Ainda tem isso…

    • NightRider

      Deixo o carro no sol o dia inteiro, e na hora que for retirar liga o desembaçador, 90% de certeza que não vai danificar. Já tirei alguns assim rs.

      • RoadV8Runner

        Essa técnica de deixar o carro no sol funciona, fiz isso com o meu para retirar os sacos de lixo e saiu fácil, sem deixar resíduo de cola nos vidros. Só não sabia da dica de ligar o desembaçador traseiro, para ajudar ainda mais.

  • Antonio Ancesa do Amaral

    Eu diria atitude honesta e não aparência honesta. Mas ser honesto também é preconceito, sobre os demais atualmente. A cordialidade deveria ser uma coisa habitual, enquanto o policial não perde tempo com o honesto, poderia empenhar-se em corrigir o infrator, mas aí é pedir demais, pois sou eu(povo) que paga o salário dele.

  • Tadeu Carnevalli

    Eu instalo película nos vidros para me proteger do sol. Sinto a pele queimando quando viajo e o sol que vem pela lateral bate no meu braço.

  • Bráulio Ygor

    O complicado é dirigir aqui no Nordeste (Piauí) nesse verão que dura praticamente 12 meses por ano. Acreditem: é quente! A incidência dos raios solares é muito alta, desde as primeiras horas do dia. Cada caso é um caso, não tem como generalizar.

  • Cláudio P

    Nora, sinto-me bastante a vontade para falar sobre esse assunto, pelas experiências do dia-a-dia com os carros aqui de casa, um Focus sem película e um 206 com película. Em primeiro lugar, película escura (sacos de lixo como diz o Bob) sou contra. No para-brisa então, nem escura nem clara. Em meus carros para-brisa é sem película, ainda que eu também lamente muito a ausência da faixa degrade. Nos vidros laterais e traseiro sou a favor da película clara, 70%. Só não coloquei no Focus porque, conforme tomei conhecimento aqui no AE, considerando a transparência dos vidros verdes a colocação de uma película, ainda que clara, nos vidros laterais dianteiros já me deixaria fora da lei. Sendo assim desisti, mas no 206 as tenho, colocadas antes da última norma sobre o assunto, e dentro do meu gosto pessoal como já expliquei. Sobre a experiência do dia-a-dia posso afirmar que, embora se diga que os vidros verdes já assegurem o conforto térmico e a proteção UV que se busca com as películas, não é bem assim. Por conta de trabalhos externos há dias que eu dirijo muito e em horários de forte insolação. Quando estou com o Focus a cor do meu braço esquerdo mostra que a tal proteção natural dos vidros verdes não está no mesmo nível que no 206 com película clara. Minha dermatologista que o diga. Quanto a temperatura interna, mesmo com estofamento preto no 206 sinto um pouco mais de conforto do que no Focus com interior cinza. Mas aí reconheço que há alguns fatores a considerar como, por exemplo, acho a difusão de ar para os ocupantes da frente melhor no 206 do que no Focus. Sem contar que no Peugeot o ar é digital, enquanto no Ford é convencional. Mesmo assim, pela experiência arrisco dizer que película clara num carro com interior preto seja uma boa pedida. O problema é que a norma mais recente sobre as películas foi um tanto severa demais, de tal forma que mesmo uma película clara nos vidros laterais dianteiros pode ficar fora da lei e sujeita a multas. E é aí que está, a severidade a mim parece refletir o mesmo patrulhamento exagerado dos radares de velocidade com limites propositalmente mais baixos do que seria natural para garantir mais multas. Resumindo, em minha opinião película clara nos laterais e traseiro (nunca no para-brisa) não atrapalha e oferece, sim, certo nível a mais de conforto térmico e proteção UV do que sem película. Mas do jeito que a norma foi feita vou seguir no Focus sem película para evitar problemas numa eventual fiscalização.

    • Eduardo Mrack

      Eu ainda penso que para se proteger dos raios solares, existe produto específico para tal fim, os cremes com filtro solar. Ainda que estes em sua totalidade não protejam o indicado na embalagem, o melhor deles chega a 57% do fator de proteção indicado na embalagem… Existe uma instituição federal chamada Inmetro, que em teoria deveria fiscalizar produtos diversos e aprová-los ou não, mas infelizmente é mais uma instituição que tem apenas e absolutamente fins lucrativos e não de regulamentação…

      • Cláudio P

        Tanto eu como minha esposa usamos protetor solar, claro, pois, como eu disse, consultamos a dermatologista regularmente, principalmente porque minha esposa tem a pele muito clara e sardas. Admito que, como normalmente acontece com os homens, minha disciplina em relação a isso não seja perfeita. Mas isso não vem ao caso, não é essa a questão e sim, conforme nossa experiência do dia-a-dia, relatar que comprovamos a diferença entre os dois carros com e sem película. A própria necessidade do protetor comprova isso. No Focus é imprescindível. Reitero, sou a favor de película clara nos vidros laterais e no traseiro, e no para-brisa nada de película. Tanto não gosto de película escura que eu mesmo já removi de um carro usado que comprei.

  • Marcelo R.

    Meu carro atual veio sem película nos vidros. Depois de ver como é a coisa sem ela, não quero mais isso em carro algum que eu tenha.

  • Rodolfo

    O que é seguro é o carro blindado… mas o problema é que uma hora você vai ter que sair dele.

    Meu carro não tem Insulfim… se o ladrão roubar a polícia vai notar a cara de medo dele e vai mandar parar.

  • murilo assis

    Já as usei , não uso mais e confirmo ser melhor sem as mesmas.

  • Nora Gonzalez

    Vejo que aconteceu a mesma coisa com você, Rafael. Incrível como tem provisório que dura uma eternidade, não? abraços

  • Fabio

    Não fica não. Os vidros verdes já filtram o que deve ser filtrado. Viajo muito de carro e, com vidro fechado (óbvio), o braço não fica queimado. A mesma coisa vale para o interior, e a temperatura dentro do carro fica até maior com a película…

  • Eduardo Mrack

    Eu não dirijo de modo algum, sob quaisquer circunstâncias, carro com película à noite, seja de empresa, de amigo ou de familiar, seja qual for a urgência. E reluto um bocado para dirigir algum com película durante o dia claro. Eu me sinto completamente nulo, 100% incapaz, dentro de um carro sem a devida visibilidade, e com estes sacos de lixo nos vidros é muito pior do que se eu estivesse completamente bêbado, ainda que eu jamais dirija após ter ingerido mais do que o equivalente a 2 latas de cerveja ( sim, eventualmente eu dirijo após duas latas de cerveja e assumo minhas responsabilides por isto, mas jamais me tornarei um idiota devido a alguma lei babaca que inventaram ).

    Além de tudo, discordo do argumento “fica mais bonito com película” , não, não fica, é de extremo mal gosto, sabe aquela peça de acabamento velha que o cidadão não tem dinheiro suficiente no momento para trocar por uma nova e passa uma tinta preta semi-brilho a pincel para “esconder” os defeitos, então, é assim que eu vejo um carro com películas nos vidros, seja novo, seja usado. Bonito para mim são vidros claros, tão limpos e bem cuidados que parecem cristais.

    • LucasMoraisdaSilva

      Isso é verdade, e dependendo do modelo do carro até rejuvenesce tirar a película, no meu caso, quando comprei meu Gol bolinha 97, veio com uma película 50% em todos os vidros, a diferença depois que retirei tudo é gritante, fora que é muito melhor dirigir a noite sem elas!!

  • Fabio

    Perfeito. Acrescento que um carro “filmado” atrapalha também quando se precisa ver “através dele” seja para antecipar um problema, quando ele segue à sua frente, seja para visualizar uma rua em que se vai ingressar, quando o carro está estacionado, por exemplo.

  • Leonardo Mendes

    Meu carro, até um tempo atrás, usava a mais escura das películas nos vidros laterais e a “regulamentada” no vidro traseiro… andei com ele assim durante quase 2 anos até que os olhos começaram a pedir arrego em situações de noites chuvosas, neblina e manobras em garagem (chegava ao cúmulo de abaixar os 4 vidros pra enxergar na garagem).

    Não vou citar o óbvio ganho de visibilidade, que é chover no molhado, mas o mais curioso: depois que removi as películas acabaram as abordagens policiais… antes era praticamente uma por semana.

    • Acyr Junior

      Leonardo, penso que você padece do mesmo mal que me aflige: DNA (data de nascimento antiga). Ha uns 20 e poucos anos passados eu só curtia meus carros com a tal película mas agora, flertando com os 50, a visão já não me permite mais esses “luxos”.
      Ultimamente o ponteiro do “juizômetro” chega bem mais rápido na faixa vermelha … C’est la vie

      • Leonardo Mendes

        Acertou em cheio, Acyr… Data de Nascimento Antiga.
        Os olhos já não são mais tão rápidos no gatilho como eram quando saíram da linha de montagem láaaa em 1972.

        O bom é que a gente já pode usar o termo vintage ao invés de “experiente”…heheh

  • Fernando Knapp

    Meu carro veio com peliculas mas foram removidas. E sim, faz diferença no calor sim (moro no Rio de Janeiro), mas o beneficio do vidro transparente compensa. Penso em colocar novamente uma bem clara mas é tão bom ter o vidro transparente que vou deixando pra lá… No verão faz falta. O carro fica mais bonito e dirigir a noite é muito melhor, vou acabar continuando sem.

    • joao

      Eu uso película 70%, recomendo. Ela reduz muito o calor sem diminuir a visibilidade. É transparente e permitida para todos os vidros exceto parabrisas.

      • Bob Sharp

        João
        Se seu carro saiu de fábrica com vidros esverdeados e a a película é de 70%, a transmitância luminosa é 52%%, portanto o carro está em situação irregular quanto aos vidros laterais dianteiros. O limite de 70% é para o vidro mais a película.

    • RoadV8Runner

      Não sei se ainda existem, mas antigamente havia películas totalmente transparentes e que tinham filtros para raios ultravioleta.

      • Arthur

        Película com filtro UV ainda existe para pegar quem não tem informação. Os vidros laminados já bloqueiam 99,5%, os temperados 82%.

  • Lucas dos Santos

    Creio que daria para fazer um teste simples, para saber se o vidro do carro, sem película, filtra ou não os raios UV.

    Seria necessário ter em mãos um óculos dotado de lentes fotossensíveis, daquelas que escurecem quando expostas a raios ultravioleta. Bastaria deixar o óculos no interior do veículo, obviamente com os vidros fechados e exposto à luz solar, e observar o que acontece. Se as lentes não escurecerem é porque o vidro filtra e se escurecerem é porque não filtra.

    Pena que eu não tenho como fazer esse teste no momento, mas seria útil se alguém pudesse fazê-lo e publicar o resultado aqui.

    • Vanessa Elisa

      Esclarecendo um pouco a questão… existem dois tipos de radiação solar bem diferentes: ultravioleta (UV) e infravermelho (IV). Os raios UV são os que deixam a pele vermelha, causam câncer, desbotam as cores, mas não transmitem calor. O vidro transparente já filtra boa parte desses raios, e o para-brisas laminado comum de um carro já filtra mais de 95% da radiação UV (os vidros laterais, nem tanto).

      O que esquenta o carro é a radiação infravermelha. Essa atravessa o vidro e boa parte das películas comuns. Meu BMW veio de fábrica com filtro IV no vidro, e a diferença é claramente perceptível no calor sentido pelos braços, em relação ao meu outro carro. A marca diz que isso pode reduzir em até 10 graus a temperatura interna, e eu acredito. Existem películas específicas para filtrar raios IV, e estas podem ser tanto escuras quanto quase transparentes.

      Portanto, quem quer usar películas para reduzir o calor no interior do carro, tem de procurar as específicas para isso, com filtro infravermelho.

  • Eduardo Silva

    Quando cheguei para retirar o carro o vendedor veio me receber e antes de mostrar o carro disse:
    – Eu sei que você não pediu, mas eu mandei colocar porque tenha certeza de que vai gostar quando vir.

    Quando agradeci mas pedi para retirar ele amuou. Saí de lá achando que ele colocou por engano e tentou passar por camarada.

    • Lucas dos Santos

      Ah, sim. Agora entendi.
      É, pode ser que tenham colocado errado mesmo e depois tentaram lhe “empurrar” assim mesmo só para não precisar refazer o serviço.

  • Roberto Neves

    Adorei o “cabeça pra fora, feito um poodle”. Muito bom texto, mais uma vez!

    Particularmente, fico de boca aberta quando vejo carros transitando à noite com as luzes inteiramente apagadas. Uma vez me dirigi a um policial e perguntei o que ele achava que fazia um vivente dirigir daquela forma. Ele ficou tão espantado que levou a mão à arma. Deve ter pensado que eu era um completo maluco para ainda me impressionar com alguma coisa.

    • Roberto Neves

      Complementando meu comentário: aqui no Rio de Janeiro vejo muitos motoristas e (pior ainda) motociclistas dirigindo à noite com todas as luzes de seu veículo apagadas. Fico a pensar se é um ritual de desafio à morte, uma prova de bravura tribal ou algo do tipo. Algum antropólogo presente?

  • Antonio Amaral

    Nora, perfeito, perfeito, perfeito, visibilidade é essencial para a segurança, e quanto mais, melhor, não deveria ter essa de 70%, 30%, deveria ser sempre o mais próximo de 100% possível. Tem gente que compra carros 5 estrelas ncap, para ganhar um pouco de segurança passiva, em uma situação muito específica e rara, e coloca película que afeta a segurança ativa praticamente a cada instante em que se dirige.
    Obs. não sou contra as estrelas, mas na forma como são divulgadas, fazendo parecer que o ganho de segurança é muito maior que o real, elas só fazem diferença quando você já errou em todo o resto e mesmo assim quando a colisão é de uma determinada forma e em uma faixa restrita de velocidade.

  • henrique schauz

    Mas a concessionaria já escolhe a cor também, preto ou prata e suas variações. Tente comprar um Jetta marrom ou um Fusion azul e prepare-se para esperar.

    • Lucas dos Santos

      Uma coisa é a concessionária limitar as opções de cores à pronta entrega. Outra, totalmente diferente, seria você escolher uma cor e a concessionária, deliberadamente, lhe entregar o carro em cor diferente, não por falta da cor escolhida, mas sim por considerarem que a cor entregue seria “mais bonita” ou que “combina melhor com o carro”.
      Foi essa a comparação que eu tentei fazer.

  • Bob Sharp

    Eduardo
    Como eu disse na primeira coluna da Nora, no texto de apresentação dela, ela reunia uma condição sine qua non para ser nossa colunista: ser autoentusiasta. Autoentusiasta faz questão de não deixar de fazer uso pleno do sentido mais importante para dirigir: a visão.

  • $2354837

    Virei especialista em retirar películas… Não as uso desde 2007. Não consigo dirigir carro com película, é como se faltasse um espelho interno no carro.

  • Michel Veras Santana

    Quando comprei meu carro ele veio com “lacrado no G5”, peguei o carro em um Sábado e naquela mesma noite fui fazer minha primeira viagem com ele e vi que aquilo era simplesmente impráticavel, dirigir na SP-070 com grande movimento a noite com os “sacos de lixo” nas janelas foi a experiência mais horrível que já tive, tanto que no dia seguinte pela manhã iniciei o processo de remoção das peliculas e hoje em dia ele está como um aquário, bem melhor em termos de visibilidade.

  • Bob Sharp

    Eduardo
    Agora é que entendi seu comentário. A Nora me avisou que era que figurava como autor, não ela. Na edição da matéria para publicar esqueci de trocar o nome do autor no formulário de composição. Já está corrigido.

  • Rafael

    Puro preconceito sim. Mas por parte das blitz, e de toda a sociedade, não da autora do texto. Essa que é a verdade.

    Tinha uma época que tinha blitz quase todo o dia perto do meu trabalho. Vestido de social, óculos, cara de nerd… nunca me pararam. Na sexta – vestido mais causal – estava com uma jaqueta de couro, descabelado, sem óculos: me pararam!

    O policial ainda perguntou se eu tinha alguma arma na jaqueta, kkkkk…

    Não tem umas “vovós” aí que volta e meia aparecem em noticiários policiais, como gerentes de boca de fumo?!

  • Rodolfo

    Nora,

    Esqueci de dizer que carro sem Insulfim tem a vantagem de o carro que vem atrás consegue ver o que acontece a frente do sem película. Assim as chances de alguém bater na traseira devido uma freada de emergência diminuem.

    • Nora Gonzalez

      Bem lembrado, Rodolfo. Esqueci de mencionar isso no texto. Abraços

    • Arnaldo L

      Além disso que o Rodolfo falou, nos carros com película muito escura, você não consegue ver se o motorista está olhando para o seu carro.
      Vendo a cara do motorista dos outros carros dá muito mais segurança para realizar qualquer tipo de conversão ou manobra.

  • Rafael

    Nora, quando comecei a dirigir fiquei anos sem película e não me incomodava. Depois que mandei colocar, achei ruim nos primeiros dias e depois acostumei e passei a estranhar quando dirijo um sem, apesar de achar a visibilidade ótima.

    Enfim, acho que vicia. Se vc quer tirar, tente aos poucos: tire das janelas da frente primeiro. Libera bem o campo de visão, principalmente os retrovisores. Acho que o Bob fez isso quando testou o Jac .

    E o cara acender só a lanterna com luzinhas de led no escuro é ser muito sem-noção ou espírito de porco mesmo. Principalmente quando o carro é preto.

  • RoadV8Runner

    A melhor coisa que fiz quando comprei meu carro atual foi retirar os sacos de lixo dos vidros. Nos carros que minha noiva comprou, fiz de tudo para convencê-la a não pôr essa aberração nos vidros.
    Pelo menos nos casos de carros escuros (meu caso, carroceria cor azul marinho metálico) a película esquenta mais o interior do veículo quando estacionado sob sol forte por tempo longo, afinal como é de cor escura, absorve mais calor do que o vidro sem a encrenca colada. Fiz o teste com termômetro e, depois que tirei as películas dos vidros, a temperatura interna ficou de 5 a 6 °C mais baixa quando estacionado por algumas hora sob sol de verão. E da mesma forma que a película retarda o aquecimento interno, ela também retarda o resfriamento, pois bloqueia o calor que quer irradiar para fora do veículo, ou seja, além de mais quente, o carro demora mais para esfriar se totalmente fechado.

    E o texto ficou divertidíssimo, ri muito com as luzes “vela de macumba”!

    • them

      Para que o veículo esfrie o mais rapidamente possível deve-se abrir todos os vidros.

      • RoadV8Runner

        Não diga…

  • joao

    Meu carro ganhou de “brinde” a pelicula de 20% em todos os vidros, exceto parabrisas. Usei um bom tempo, aí decidi retirar dos laterais dianteiros. Visibilidade ficou incomparável, no entanto viajei uma vez com o sol contra e a película fez muita falta. Coloquei uma 70% (transparente e permitida), manteve a visibilidade mas deixou o calor e os raios UVA/UVB de fora do carro, bem melhor! Vendo hoje em dia o mais escuro que colocaria em vidros importante pra condução (como os laterais dianteiros) seria 50%, te dão privacidade sem grande sacrifício da visibilidade. Mais que isso tô fora.

  • RoadV8Runner

    Sobre protetores solares, como minha noiva desenvolveu dissertação de mestrado sobre o assunto, conheço bem do riscado. Até o fator FPS30, a proteção é coerente. Daí para cima, o ganho é mínimo, é jogar dinheiro fora e bombardear o corpo com substâncias químicas não tão inertes assim, pois o FPS60 não chega nem perto de proteger o dobro do FPS30… Por outro lado, a carga química (lê-se Dióxido de Titânio – TiO2) do FPS60 é muito mais alta do que o FPS30. Existem diversos estudos em andamento (principalmente no Japão) para avaliar até que ponto os protetores solares acima de FPS30 realmente são benéficos, pois existem indícios que causam mais danos do que benefícios para a pele (o pior dano, no caso, é justamente aumentar o risco de desenvolvimento de câncer de pele…) O galho é que o TiO2, em contato com a pele e sob incidência de raios solares, gera dioxina, substância altamente tóxica e cumulativa no organismo, de difícil detecção e diretamente ligada ao desenvolvimento de câncer.

  • Xara_do_Edson

    Falando nisso…
    Um parente meu literalmente se ferrou usando película muito escura, principalmente porque usava no pára-brisa. Em um dia de tempestade ele entrou em um lugar alagado e ficou preso porque não conseguiu enxergar antecipadamente que a via estava alagada. Depois ele teve que admitir que a película atrapalhou e depois ele tirou a dita cuja.
    Gosto mesmo é de vidros verdes.
    Já dirigi veículos com película escura e é complicado em lugares escuros como túneis e garagens (à noite então nem se fala), portanto depois de dirigir nessas condições percebi que atrapalha mesmo. Felizmente nunca coloquei película em carro meu, apenas cogitei (lá no passado), antes de realmente sentir o que é dirigir com ela.

  • Rodolfo

    Meu carro não tem Insulfim, então quando o sol me incomoda eu pego apenas uma manga de uma blusa fina e cubro o braço. E quando o sol incomoda o pescoço eu boto pro lado da porta o quebra-sol.

    Outra sugestão é passar protetor solar nas mãos, braços e pescoço.

  • Jorge Diehl

    Por mais absurdo que possa parecer, todos os carros de auto-escola de minha cidade usam sacos de lixo nas janelas. A pessoa já começa aprendendo errado!

  • Rogério Ferreira

    Novamente, muito bom artigo, Nora… Me lembro que essa moda começou ainda nos anos 80, e se não me engano, o saudoso Monza Classic de 1987, já vinha com os vidros escurecidos de fábrica, mas não era filme, era fumê mesmo, e nada muito escuro…E por causa dele, que muitos naquela época quiseram imitar, colocando o aludido plástico nos vidros (era garoto na época, mas me lembro bem). Depois, lá pelos meados da década de 90, proibiram, tanto que nos primeiros carros que consegui comprar, não tinham filme, nem se eu quisesse. Foi liberado novamente, no princípio dos anos 2000. O primeiro carro zero que comprei, pedi para instalar, por exigência da esposa, os demais já vieram filmados da concessionária. Não me importo. A questão é que se um dia eu entrar em apuros por causa de películas escuras, arranco e nunca mais deixo colocar.

  • Nora Gonzalez

    Ótima dica. Metade do problema resolvido. Agora, tem alguma para pendurar quadros? 😉 brincadeira…

  • Fat Jack

    Nora, gostei também deste seu mais novo artigo, mas permita-me discordar de você em alguns pontos, como o que diz respeito a deixar itens de valor no banco traseiro (ou do passageiro dianteiro), é comum ver, sim, bolsas, e maletas para notebooks nestas condições, e quando você menciona que ninguém estaria protegido por película nenhuma, certamente esqueceu-se da “anti-vandalismo” (tudo bem que é uma parcela pequena a de consumidores que pode investir nelas, haja visto seu custo elevado). Aqui em casa temos 2 carros e curiosamente um com e outro sem película (como você mencionou ter ocorrido com você, um deles já veio com), então não estou totalmente condenado nem salvo… particularmente prefiro carro com película desde que a regulamentada, mas, não sou do tipo que “faz questão” dela (devo ser um caso raro de “semi-indiferença”), de qualquer forma é inegável que traz sim alguns inconvenientes, eu que tenho o costume de pôr o carro de ré na garagem (e odeio deixá-lo torto) costumo dar uma abaixada no vidro para ver o alinhamento dos pisos da garagem (digamos, é quase um TOC – hahaha). De qualquer forma não a retiraria, pois foi muito bem instalada e jamais me arriscaria a danificar os filetes do desembaçador traseiro…
    Ah…, e é extremamente comum vermos VIATURAS POLICIAIS com películas completamente fora da regulamentação, por que seria? Orgulho de mostrar o que ocorre lá dentro não deve ser…

  • Ricardo Trindade Brankowski

    Não suporto películas, meu Focus usado veio com películas novinhas bem escuras que pelo jeito a revenda colocou para “valorizar”, deixei ele estacionado fechado pegando sol por cerca de uma hora, fui lá e forcei um canto e tirei todos sem praticamente nenhum vestígio de cola, e para o desembaçador traseiro deixei ele ligado uns 10 min e também tirei sem nenhum problema.

  • Shutz

    Aqui em Brasília é impossível viver sem, o sol castiga sem dó,. mesmo com carro branco, eu troquei as do carro que eram originais de fabrica por mais escuras G20, e a película airblue no para-brisa. Aqui só G5 para dar conta do sol.

    • Paulo Roberto de Miguel

      Existem películas “originais de fábrica”?

  • Bob Sharp

    Paulo Henrique
    Agradeço sua preciosa informação. Eu realmente não sabia que o sol sobre Brasília havia mudado a partir dos anos 1990, exigindo a aplicação de sacos de lixo nos vidros para tornar a vida (sobre rodas) possível!

    • PAULO HENRIQUE

      Cabelos brancos vêem com o tempo, mas respeito vem de berço.

      Se para você o produto é um saco de lixo, isso é um problema só seu. Para quem tem que deixar o carro no sol o dia todo o produto é bom, protege o interior do carro evitando o ressecamento do couro borrachas e plásticos, além de deixar o interior do carro mais agradável.

      • Bob Sharp

        Paulo Henrique
        Engano seu, o problema não é só meu, mas de todo o trânsito que está à sua volta, um carro dirigido por alguém privado de visibilidade perfeita só porque quer deixar o carro “lindão”, usando para isso a desculpa esfarrapada do sol que “castiga sem dó”, como se só em Brasília houvesse alto nível de insolação e que ninguém além de você conhecesse a cidade. E obrigado por me ensinar mais uma, que objetos inanimados como os sacos de lixo se ofendem com falta de respeito….

      • Ricardo Trindade Brankowski

        O último carro com painel rachado que vi foi um Del Rey 1982, nesse ponto nossos carros melhoraram muito.
        Meu Focus 2004 passa o dia no sol, pois não tenho vaga coberta; o Uno que eu tinha antes também vivia no sol.
        Couro tem que tratar com ou sem Insulfilm.
        Colocar Insulfilm achando que vai proteger do sol é igual a comprar óculos de sol de camelô.

        • PAULO HENRIQUE

          Ricardo, pensando dessa forma tem vários tipos de películas, cada uma com suas qualidades, assim como lentes de óculos, umas filtram mais outras menos.

      • Rodolfo

        PH,

        Use defletor de sol que se coloca em pára-brisa quando o carro está estacionado no sol.

        O carro com ele fica bem fresquinho.

        Veja um igual ao meu aqui:

        http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-589319461-protetor-solar-de-parabrisas-quebra-sol-p-painel-de-carro-_JM

        • Shutz

          Pois é Rodolfo pior que já uso, até quando chego em casa às 18 h, e só vou usar o carro no outro dia à 8 h. Mas às 12 h quando saio para almoçar é que está bem quente.

  • Allan Welson

    Aos que desejarem alguma proteção extra, procurem pelas películas de baixa emissividade (“Low-e Window Film”). Existem modelos com ótima transmitância da luz visível (que é o que importa no ato de enxergar), deixando de fora boa parte do infravermelho (que carrega boa quantidade de calor) e até mesmo proteção quase total ao ultravioleta (que deteriora materiais e podem fazer mal à saúde da pele). Consegue-se assim bom nível de conforto térmico, proteção, e ainda com grande visibilidade.

    Já existem vidros especiais com esta proteção adicional em camada aplicada durante a sua fabricação (“Low-e Glass”). Como não é muito comum no mercado (custo adicional), a alternativa está na aplicação de películas. Existem modelos com elevada transparência, indo de encontro aos que desejam apenas proteção UV e IR, sem desejar escurecimento do interior (privacidade) ou resistência contra impactos e vandalismo (segurança contra estilhaçamento e violação do interior).

    Como visto, não é preciso ter grande escurecimento (películas fumê) para obter algum resultado; por vezes muito escurecimento para pouca proteção – conforme qualidade do material, e principalmente dúvidas quanto à proteção UV (igual àqueles óculos escuros que não possuem proteção UV – ou não se pode garantir eficácia e até mesmo procedência). É só escolher a película adequada e de boa procedência.

    Verifiquem no simulador as duas opções abaixo:
    http://solutions.3m.com.br/wps/portal/3M/pt_BR/Window_Film/Solutions/Markets-Products/Automotive/Simulator/

    http://solutions.3m.com.br/wps/portal/3M/pt_BR/Solucoes-Window-Film/Window-Film-3M/Produtos/Automotiva/Serie-Crystalline/

    Alguns exemplos (analisem a tabela de propriedades no final)
    Window Film Crystalline 90 (PDF)
    Window Film Crystalline 70 (PDF)

    Irei deixar aqui material extra para quem desejar:

    http://solutions.3m.com.br/wps/portal/3M/pt_BR/about-3M/information/more-info/press-room/?PC_Z7_RJH9U5230ONQ6027DTROJH2482000000_assetId=1273684580463

    http://solutions.3m.com.br/wps/portal/3M/pt_BR/Solucoes-Window-Film/Window-Film-3M/Produtos/Automotiva/
    Todos os modelos possuem fator de proteção solar (FPS) superior a 1.000.

  • Ggvale Vale

    Nunca tive em meus carros sacos de lixo nos vidros . Certo dia em uma noite chuvosa precisei de um táxi , me vem um taxista com uma Spin toda escura , perguntei como ele conseguia enxergar alguma coisa de noite com chuva e aquele filme escuro . Ele disse que dirigia pelo rumo …

  • Bob Sharp

    Ggvale
    E o indivíduo é um profissional do volante! Fim do mundo!

  • PAULO HENRIQUE

    Não que eu saiba Paulo, foram colocadas pela concessionária, me expressei mal.