20140919_072156  MAIS BOÇALIDADE DA PREFEITURA PAULISTANA 20140919 072156

Depois da boçalidade mostrada ontem, chega um nova hoje pelo leitor Newton Schwindt. Numa rua de mão única, a Artur de Azevedo, no bairro de Pinheiros, a ciclofaixa é de mão de dupla.

 

20140919_072206  MAIS BOÇALIDADE DA PREFEITURA PAULISTANA 20140919 072206
Qual o problema? Atravessar essa rua de mão única obriga a olhar para os dois lados. Tirar o carro da garagem também. Com a agravante de atrapalhar os pedestres enquanto não puder embicar o carro na rua e ao embicar, atrapalhar os ciclistas.

Está difícil, não?

Bob Sharp
Editor-chefe

 

Sobre o Autor

AUTOentusiastas

Guiado por valores como paixão, qualidade, credibilidade, seriedade, diversidade e respeito aos leitores, o AUTOentusiastas desde 2008 tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo!

Publicações Relacionadas

  • Rapaziada de São Paulo, vocês estão lascados com esse governo aí, hein…
    Não que Maringá-PR seja uma beleza em termos de transito. E não é.
    Aqui a coisa também tá feia. Mas aqui o problema maior é a rivalidade política entre o prefeito e as associações de comerciantes das duas maiores e mais movimentadas avenidas da cidade.
    Na av. Brasil, o prefeito quer implementar um plano binário ridículo, tirou boas vagas de estacionamento e fez um monte de gambiarra…
    Na Av. Morangueira, a treta entre o governo e os comerciantes perdura desde quando a SETRANS decidiu fazer uma faixa exclusiva para onibus, das 7 às 9h e das 17 às 19h. Como os comerciantes protestaram contra, a administração municipal decidiu não cuidar mais dessa avenida. Ruas próximas, pequenas, que vão do nada a lugar-nenhum, recebem recapeamento e pintura, enquanto a tal Morangueira tá pior que estrada de sítio.

  • Ilbirs

    Outra coisa: notaram que a pista que vai no sentido oposto ao dos carros é majoritariamente localizada na sarjeta da rua? Logo, além de pedir para ciclista levar tombo em buraco, é pedir também para essa pista não ser usada em qualquer situação, ainda mais se estiver chovendo.

    • francisco greche junior

      Bem pensado! Eu sempre que passo por uma dessas aberrações pintadas no chão fico pensando, cadê o 1,5m que se deve guardar de distância lateral do ciclista?

  • Silvio

    Bob, algumas semanas atrás coloquei no Instagram imagem de absurdo semelhante ao da Rua Arthur de Azevedo, mas mostrando a ciclofaixa da rua Libero Badaró.

    http://instagram.com/p/rmXWPFvA2K/?modal=true

    Atualmente a faixa já está pintada e as sinalizações mudaram, mas o absurdo é ainda maior, pq a faixa de mão dupla ao chegar na esquina da rua Boa Vista e Lgo São Bento se torna única.

  • marcus lahoz

    Incrível, sai pesquisa dizendo que o povo quer transporte público melhor e os caras me fazem ciclovia para ninguém usar. É o cúmulo da idiotice.

    Aqui em Curitiba esta a mesma coisa, um absurdo total. Agora por que eles não fazem uma melhora no sistema de transporte, otimizam rotas, dão mais segurança ao usuário e principalmente mais conforto.

    • Antônio do Sul

      E vêm mais vias calmas por aí…com faixas de tráfego de veículos suprimidas p/ se fazerem ciclofaixas que ligam o nada a lugar nenhum…

  • Bob Sharp

    Silvio
    O que é que é isso??? Que patifaria!

    • Danilo

      Na rua dos Pinheiros em São Paulo, implantaram a ciclovia de mão dupla como esta da foto. Agora de quem é a preferencial? Quando um veículo sai de uma garagem vai ter que além de olhar o fluxo de veículos e pedrestes se atentar para as bicicletas transitando nos dois sentidos? A ciclovia de mão dupla está prevista em algum código de trânsito? Querem transformar o trânsito daqui em uma mistura de Índia (que se organiza na buzinada) com algumas regiões da China (muitas bicicletas). O trânsito em São Paulo antes das ciclovias já estava caótico, mas os condutores passaram por provas e testes de direção, pressupõe que estão todos preparados. Os ciclistas não.

      Política da falta de planejamento. O mesmo quando fizeram a campanha da faixa de pedestres. Tentaram educar o motorista sem antes educar os pedrestes. Ficou no “ar” que o pedestre tinha total direito e não precisava respeitar o semáforo de pedrestes e tinha alguns que se jogavam na frente de carros que já estavam passando pois estava livre e com isso ocorria freadas bruscas. Agora parece que acalmou. Tem que haver bom senso de ambas as partes, afinal motorista também é pedestre.

  • Mineirim

    Bob, você não entendeu o espírito da coisa: é pra atropelar pedestre, sô! rsrs
    Já contei aqui no Ae que um de meus filhos foi atropelado de leve numa avenida de BH: foi atravessar e uma bicicleta subia na contramão. Se o fluxo for institucionalizado, como você fotografou, o perigo é grande.
    Ainda sobre as ciclofaixas, voltei a morar em SP, depois de décadas, e não me conformo com a nova ciclofaixa permanente da Domingos de Morais: puseram umas estacas de ferro bem nas esquinas. Qualquer hora vai dar acidente com quem não conhece a região.
    O motorista pode escolher:
    – bate na estaca ao atravessar o cruzamento das ruas laterais, na conversão à esquerda;
    – bate na estaca ao ser surpreendido na reta da Domingos…

    • Andre Sousa

      Outro dia mesmo eu vi dois carros baterem na estaca de fato… E nao passou uma bicicleta em 15 minutos que fiquei na via.

  • joão

    Segundo a propaganda do TSE, a culpa é de quem votou, que vai ter que aguentar até o final do mandato do dito cujo, como um carneirinho, pois não há mais nada a fazer além disso. Minhas condolências.

  • petrafan

    Que ódio é esse que o Haddad tem de São Paulo?…

    • Bosley De La Noya

      Pior que teremos que suportar esse dejeto em forma humana até dezembro de 2016…
      Até lá, muita gente vai morrer de stress aqui em São Paulo!

  • Daniel Shimomoto

    Ciclofaixa na Artur Azevedo? É o fim dos tempos!
    Quando eu falo ninguém acredita (ou pior, diz que estou errado): A melhor saída para a capital são as rodovias que saem da cidade. Morar em São Paulo está virando coisa de masoquista!

    • Andre Sousa

      Daniel, é bom você saber que sempre pode piorar. O masoquismo não para aí. Dá uma olhada na boa nova:

      http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/2014/09/1518236-conheca-os-parklets-minipracas-instaladas-em-vagas-de-carros.shtml

      Vale tudo para dificultar e perseguir os carros. Vai ser pagar para ver o resultado dessa situação fora de controle.

    • Andre Sousa

      Ah, esqueci de dizer: além disso, vamos esperar até demolirem o Minhocão sem colocarem nenhuma alternativa plausível. Fala-se em transformá-lo em parque…Há um projeto a todo vapor na Câmara que mira em cheio esta via, só que o projeto não fala em alternativas. Está valendo tudo mesmo para acabar e desmoralizar aquele objeto que é a maior expressão da liberdade individual, e o pior, acabar com as facilidades alheias.

  • Mineirim

    Pode isso, Bob?
    O nome desse dejeto deve ser “baliza”. Editei no Disqus, mas não fez efeito.

  • Mineirim

    E você sabe que essas balizas podem ferir e até matar ciclistas? Antigamente punham em frente das casas e, o que sei, foram proibidas.

  • FabioH

    Nossa Silvio, quando você acha que já viu de tudo, aparece uma dessa…

  • Lauro

    Achei interessante o link. Mais ainda a partir do art. 105.

    http://vadebike.org/2004/08/o-que-o-codigo-de/

  • CorsarioViajante

    Podem espernear, o Haddad já descobriu que o que aumenta a popularidade é seguir a moda, e a moda é indiscutivelmente andar de “bike” (bicicleta não!, Bike, pois bicicleta é coisa de pobre).
    Para melhorar, descobriu que custa muito barato implantar quilômetros e quilômetros de ciclovias, ao contrário dos ônibus, que custam caro e ainda implicam mexer na máfia dos transportes em SP, leia-se PCC.
    Resultado: os índices de aprovação vêm crescendo rapidamente à um custo muito baixo.
    O objetivo final: garantir para o resto da vida ser eleito vereador como “o homem das bikes”.

  • Cintia

    Ainda mais que tem um hospital lá e não pode parar a ambulância kkkkk…bando de manés

  • Mineirim

    Bem lembrado! O Minhocão é a bola da vez na perseguição aos tempos da DitaDura.
    A degradação do entorno aconteceu há 40 anos. Agora ficam com essas soluções mirabolantes.
    A obra foi tão bem construída que os técnicos afirmam que não dá pra implodir: vai ter que ser desmontado e suas vigas aproveitadas em outras obras. Quero ver como fica sem o Minhocão!

    PAra mim, nem parque suspenso nem demolição: desapropria o entorno, derruba os prédios e faz um belíssimo parque debaixo do elevado, no nível do chão…

    • Andre Sousa

      Pois é, li em alguma reportagem destas por aí que a derrubada ao Minhocão seria “um recado aos carrodependentes que a cidade não é mais deles”, não lembro bem as palavras, mas foi alguma coisa neste sentido. Se o Minhocão for derrubado, a próxima a entrar na mira dessa turma serão as marginais Tietê e Pinheiros.
      Ah, e os parklets, chegou a ver? Agora começaram a fazer minipraças em vagas de estacionamento. Lombada, redução de velocidade, estreitamento de vias, curvas, mini-praças, está valendo de tudo contra os carros. Impressionante.

  • Renato

    Eu gostaria de saber quanto (R$) a prefeitura paga para pintar estas faixas. Ouvi dizer que saem muito caro.
    O amigos sabem onde posso encontrar esta informação com precisão?

    Agradeço antecipadamente.
    Renato

  • Roberto Neves

    Bob, além dos inconvenientes citados por você, penso que essas ciclofaixas não garantem minimamente a segurança dos ciclistas. Sou favorável ao uso da bicicleta, mas é preciso criar condições de segurança e que não prejudiquem o trânsito da cidade. Fora disto, é hipocrisia.

    Divagando: comprei um exemplar da revista “Carro” (que é antiga, mas eu não conhecia) e gostei muito do conteúdo. Eis que me deparei com uma coluna sua lá. Muito bom!

    Abraço!

  • Se o pessoal começar mandar as fotos das porcarias feitas em São Paulo, o Ae não vai ter braço para publicar tanta imbecilidade…

  • Bob Sharp

    Roberto
    Estou na revista Carro praticamente o tempo de vida do Ae (Carro, novembro de 2008, Ae, agosto). Sou o editor técnico dela. Lá tenho a coluna “Cá entre nós”, a responsabilidade pelo Correio Técnico, de vez em quando escrevo uma matéria e reviso todos os testes e matérias técnicas antes de publicar.

    • Roberto Neves

      A coluna que li falava sobre o absurdo que é a forma de conceder habilitação para dirigir. Aliás, acho que foi a primeira vez que li uma denúncia tão óbvia e tão necessária. Vemos até profissionais que não sabem dirigir, não sabem sinalizar, não sabem nada.

      Abraço.

  • Andre Sousa

    Contagem regressiva: faltam 831 dias!

  • Bob, olha essa foto que eu puxei agora do Facebook, informado que é na Av. Politécnica. A minha pergunta: Isso é calçada ou ciclovia? Está previsto no Código de Trânsito ou no Estatuto do Cidadão? Ou é uma nova forma de compartilhamento em benefício da população e contra o uso do automóvel? Sou a favor do transporte coletivo e minimizarão do uso do automóvel, mas essa bizarrice passou dos limites.

  • A foto.

    • Leonardo

      Pior… vai passar agora no Bom Dia SP uma ciclovia que fica na calçada!!! Não sei se é essa mas literalmente as coisas desandaram de vez!!!

  • Andrex2501

    Ano de eleição é sempre essa ladainha… Qrem dar uma de milagreiros e amigos da natureza, mas é a mais pura palhaçada

  • Roberto Neves

    Agora o pedestre já pode ser atropelado na calçada ou fora dela.

  • Talvez seja a mesma, consegui finalmente postar a foto. Me parece que na Eliseu de Almeida tem um trecho de ciclovia na calçada. Neste artigo da Folha falam de uma ciclovia na Zona Leste – http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/07/1491056-com-trechos-sobre-calcadas-maior-ciclovia-de-sp-irrita-moradores.shtml

  • Cleber

    Bob Sharp, admiro e recomendo o site, porém essa perseguição descabida ao transporte público e às ciclovias é digna da Idade Média. São Paulo fica diariamente entupida com milhares de veículos poluidores, cada qual com seu único ocupante encapsulado em sua máquina de egoísmo, enquanto as principais capitais do mundo já veem o óbvio, e buscam exatamente as soluções que você critica! É incompreensível que uma pessoa esclarecida como você não consiga perceber que os benefícios de uma ciclofaixa são muito maiores que os incômodos que venham a causar. Aliás, olhar para os dois lados antes de tirar o carro da garagem é um incômodo para você? Baaah, vai pastar! Texto egocêntrico, digno de um dono do mundo que não quer ver suas avenidas compartilhadas por outros que não sejam dos seus! Desejo que trave em um congestionamento por horas, você e os defensores malucos do automóvel individual como solução para São Paulo!

  • Eduardo Mrack

    As grandes capitais têm gente competente fazendo levantamentos e estudos sobre impactos à mobilidade, possíveis benefícios e possíveis malefícios ao se fazer uma mudança. Pasme, nas grandes capitais existe até mesmo profissionais capacitados a fazer engenharia e reengenharia de de tráfego, mas profissionais de fato e não de direito, como há aqui. Ao meu ver, nossos gestores públicos buscam e rebuscam “remendos” em cima de sistemas viários que já se provaram errôneos e mal planejados – leia-se construir tijolos onde não há um alicerce para tal. Precisamos sim de reformas profundas em todo o nosso sistema viário, além de uma reforma comportamental no trânsito, jamais chegaremos a lugar algum com estas “soluções de gérson” enfiadas goela abaixo. Informe-se antes de ter uma opinião tão ácida.

  • Lucas dos Santos

    E o que dizer disto aqui?

    A implantação do Ligeirão Leste-Oeste, com previsão de começo de obras no início do próximo ano, trará um novo modelo de corredor de transporte. Ao longo do eixo, nas quadras onde ficam as estações, serão criados calçadões para uso compartilhado por pedestres, carros, motos e bicicletas.

    As pistas de trânsito lento, que margeiam as canaletas, nos trechos das estações-tubo, serão transformadas em faixas elevadas, ao nível da calçada. Com a abertura de espaço para o pedestre, que terá a prioridade, estas pistas passarão a atender o trânsito local para quem mora ou trabalha na quadra“.

    Mais detalhes em: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/novo-ligeirao-leste-oeste-mudara-concepcao-das-canaletas/34043

  • Andre Sousa

    825

  • guest