A chuva que marcou a sétima etapa do Campeonato Brasileiro de Stock Car, no último final de semana em Curitiba, expôs o problema de ventilação interior dos carros e a atual situação do autódromo paranaense. Enquanto isso, a F-1 volta a Monza neste fim de semana, desta vez com a área de escape da curva Parabólica pavimentada

 

Chuva no autódromo de Curitiba revelou pontos fracos do esporte (Foto de Duda Bairros)

Chuva no autódromo de Curitiba revelou pontos fracos do esporte (Foto de Duda Bairros)

Categoria mais importante do automobilismo brasileiro e a mais longeva da atualidade, a Stock Car acaba sendo uma vitrine com teto de vidro. No último fim de semana a chuva que interrompeu a disputa da primeira corrida da sétima rodada, em Curitiba, evidenciou um dos problemas críticos do modelo atual: a ventilação interna e o embaçamento provocado pela diferença de temperatura entre o cockpit e o exterior.

 

image_800x600_pos_center_center

foto_14910450009_35266_foto

foto_15094127611_35266_foto (1)

 

Reta do autódromo está ondulada e permite formação de poças d´água (Foto Fernanda Freixosa) concentra

Reta está ondulada e permite formação de poças d´água (Foto Fernanda Freixosa)

Isso e as inúmeras poças d´água formadas ao longo dos 3.695 metros do traçado curitibano levaram à interrupção da primeira corrida e atrasou o inicio da segunda prova em cerca de uma hora. Os dois problemas evidenciam dificuldades do esporte e, em particular, da atual situação que envolve o Autódromo Internacional de Curitiba (AIC), um dos mais bem avaliados pela FIA (Federação Internacional do Automóvel) no País. Situado em uma área que sofre a valorização imobiliária natural por sua proximidade com a capital Curitiba, o circuito vive sob a ameaça de ser vendido e transformado em um condomínio.

Se a transação ainda não foi consumada, a possibilidade é real e admitida pelos atuais proprietários, o grupo Inepar, a julgar pela nota publicada há tempos em seu site e que continua sendo exposta, como se pode ver aqui. Fonte ligada à Federação Paranaense de Automobilismo confirma isso ao comentar que “temos informações seguras de que o autódromo não foi vendido, mas sua secretaria não está aceitando reserva de datas para o ano que vem”. Efetivamente, a informação da secretaria do AIC confirma que solicitações de datas para 2015 “só serão abertas por volta de 15 de dezembro. Sempre foi assim”.

 

 Daniel Serra aproveitou muito bem a pole position e venceu a primeira corrida (Foto Bruno Terena)

O borrifo levantado pelos carros diminuía ainda mais a visibilidade (Foto Bruno Terena)

Nesse impasse, a manutenção do autódromo é feita de forma reduzida e o necessário recapeamento da pista é protelado. Digitado isso, as ondulações e o escoamento de água imperfeitos do AIC terão que ser suportados até que o grupo Inepar decida investir nessas melhorias ou sucumbir à oferta de um incorporador disposto a esperar que a prefeitura de Pinhal mude seu ponto de vista sobre as possíveis utilizações da área.

Por enquanto, o município estaria considerando autorizar apenas projetos para galpões industriais, visando a arrecadação de impostos a médio e longo prazo. Como o custo da área ainda é alto para o retorno de um investimento industrial, só resta aos automobilistas brasileiros torcer para que a última rodada da temporada de Stock Car seja debaixo de sol, no máximo de céu nublado. Isso evitaria que a mistura de circunstâncias que marcou a rodada do final de semana se repetisse. Segundo Daniel Serra, vencedor da primeira corrida de domingo, correu-se sob condições atípicas e ao mesmo tempo normais:

“A visibilidade dentro do carro não é das melhores, tanto no seco, quanto no molhado, mas isso é algo que estamos acostumados a lidar. O que aconteceu em Curitiba é que choveu muito e nenhuma categoria conseguiria correr com a pista do jeito que estava.”

 

Serrinha aproveitou muito bem a pole position para vencer a primeira corrida (Foto Fernanda Freixosa)

Serrinha aproveitou a pole position para vencer a primeira corrida (Foto Fernanda Freixosa)

Serrinha lembra que a visibilidade dos carros da Stock “melhorou muito ao longo dos anos, mas o carro aquaplanava na reta. Se eu, que estava em primeiro, sem borrifo, já estava com dificuldade, imagino para quem estava atrás”. A melhoria alcançada foi conseqüência, em grande parte, da adoção de um pára-brisa equipado com filamento elétrico, que elimina boa parte do embaçamento causado pelo vapor gerado no interior do carro.

Para Ricardo Maurício, vencedor da segunda corrida do fim de semana (curiosamente mesmo sem a palheta do limpador do lado esquerdo, que se soltou da haste), a solução para melhorar a visibilidade na chuva passa por esse detalhe:

 

Maurício e Barrichello deram show de pilotagem na segunda corrida (Foto Duda Bairros)

Maurício e Barrichello deram show de pilotagem na segunda corrida (Foto Duda Bairros)

“Talvez adotar esse tipo de pára-brisa na traseira do carro ajude, assim como melhorar a vedação do interior: ali dentro é muito quente e sob chuva o embaçamento é normal, tanto que estamos sempre pesquisando possíveis tratamentos e líquidos que evitem isso. Vale lembrar que a situação de Curitiba neste fim de semana foi completamente atípica”.

Para o construtor Zeca Giaffone, responsável pela fabricação dos chassis e manutenção dos motores e transmissões, possíveis melhorias já estão sendo estudadas, com especial atenção para o modelo que será adotado em 2016 e que poderá novas soluções mecânicas e melhor ventilação lateral. Giaffone concorda em parte com as queixas dos pilotos – ele próprio venceu várias provas e foi campeão da Stock Car na temporada de 1987:

 

Zeca Giaffone anuncia mudanças para o carro que será adotado em 2016 (Foto Fernanda Freixosa)

Zeca Giaffone anuncia mudanças para o carro que será adotado em 2016 (Foto Fernanda Freixosa)

“Os pilotos tinham razão em alguns pontos levantados durante a interrupção da corrida. Desde que enfrentamos esse problema pela última vez nós desenvolvemos soluções para evitar o embaçamento, como o vidro térmico da Fanavid , que resolveu o problema em parte. Ocorre que é praticamente impossível testar soluções para isso pela dificuldade de repetir as condições em que o embaçamento ocorre. Por outro lado, eu não tenho certeza se todas as equipes aplicaram antiembaçantes antes da largada, o que amenizaria o problema. Afinal, só choveu no domingo e pouco antes de começar a prova…”

 

Asfalto na Parabólica

Palco de memoráveis disputas e cenas inesquecíveis, muitas delas imortalizadas no filme “Grand Prix”, de John Frankenheimer, o Autódromo Nacional de Monza volta à ribalta neste fim de semana com a disputa do 84º GP da Itália, uma das corridas mais tradicionais do esporte e que dá prosseguimento à temporada de F-1 deste ano. Construído em meio a um parque público entre 1922 e 1928, o traçado original ganhou as famosas curvas superelevadas em uma reforma iniciada em 1955, o que gerou competições bizarras onde uma volta era completada com duas passagens sobre a linha de chegada.

Demandas em torno de segurança e protestos de moradores locais sobre o ruído dos carros, sem falar nas exigências financeiras cada vez maiores, há muito ameaçam a sobrevivência do circuito e este ano um novo golpe foi desfechado contra o coração dos autoentusiastas: a famosa Parabólica, uma curva de alta velocidade que dá acesso à reta dos boxes, teve sua tradicional área de escape em areia recoberta por uma superfície pavimentada.

O local é ponto de incontáveis desfechos, abandonos e histórias, como uma que me foi contada por Michele Alboreto em meio a um jantar com amigos comuns. Segundo o saudoso piloto, Vittorio Brambilla treinava em Monza com seu F-3 quando parou com pane seca na reta anterior à Parabólica. Socorrido por um mecânico que levara um galão de gasolina, o piloto deu carona ao seu auxiliar, que agarrou-se como pode ao “santantônio”, apoiando os pés na suspensão traseira. Sempre arrojado, Brambilla acelerou como sempre fazia de volta aos boxes, onde o aguardava seu irmão Ernesto. Já parado no box, Tino lhe perguntou sobre o carro, sobre o que queria mudar e… sobre o mecânico que foi lhe socorrer. Para quem conheceu Vittorio não espantará muito saber que o mecânico foi encontrado na areia da curva parabólica, com as pernas quebradas após um inesperado vôo…

 

Max Verstappen já pilotou…e bateu um carro da Toro Rosso

Sensação da temporada, após ser confirmado como piloto da equipe Toro Rosso para o Mundial de F-1 de 2015, o holandês Max Verstappen já conseguiu o feito de se tornar aos 16 anos o mais jovem piloto a bater um F-1, como se pode ver neste vídeo sobre uma exibição realizada na cidade de Roterdã, na Holanda, no último fim de semana.

WG

 

A coluna Conversa de Pista é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
(113 visualizações, 1 hoje)