Nas comparações com os resultados de 2013, o licenciamento de julho deste ano aponta queda de 13,9% ao se comparar com as 342,3 mil do mesmo mês de 2013. No acumulado do ano o declínio é de 8,6%: 1,96 milhão em 2014 e 2,14 milhões no ano passado. Os dados são da Anfavea.

Para Luiz Moan Yabiku Junior, presidente da entidade, o segundo semestre deste ano apresentará dados positivos em licenciamento, produção e exportação em razão de alguns fatores: “A segunda metade do ano terá mais dias úteis do que a primeira e, historicamente, este período apresenta desempenho superior. Além disso, acreditamos que as medidas anunciadas nos últimos dias trarão aumento de liquidez para a economia brasileira como um todo”.

Mas o desempenho da indústria automobilística em julho melhorou com relação ao mês anterior. No sétimo mês do ano foram comercializados 294,8 mil autoveículos, 11,8% maior do que as 263,6 mil unidades de junho.

Os dados de julho foram superiores também para produção e exportação ao defrontar julho contra junho. Foram produzidos em julho 252,6 mil autoveículos, o que representa crescimento de 17% em relação as 215,9 mil de junho. As exportações também terminaram o período em alta de 40,2%: foram 34,2 mil unidades em julho e 24,4 mil no mês anterior.

A produção dos primeiros sete meses, de 1,82 milhão de veículos, está 17,4% abaixo das 2,20 milhões do mesmo período do ano passado. Já no comparativo mensal a produção fechou julho com retração de 20,5% – 317,9 mil unidades foram fabricadas em julho de 2013.

Nas exportações a baixa foi de 35,4%: foram 204,4 mil no acumulado de 2014 e 316,4 mil no ano passado. Ao analisar o resultado do mês, foram enviados para outros países 34,2 mil produtos, decréscimo de 36,7% frente as 54,1 mil de julho do ano passado.

Resumo das vendas:

Licenciamento total de veículos leves – julho 2014

 

 

 

 

 

 

Fabricante

Autos

Com. leves

Total

%

 

 

Posição

 

 

 

 

 

 

 

Fiat

42436

16346

58782

20,98

 

 

GM

41919

8285

50204

20,00

 

 

VW

39601

9228

48829

19,45

%

 

Ford

17570

7870

25440

10,13

70,57

4 grandes

Renault

12324

5676

18000

7,17

 

 

Toyota

11476

6238

17714

7,06

 

 

Hyundai BR

16190

0

16190

6,45

 

 

Honda

10028

948

10976

4,37

 

 

Outras

2913

5134

8047

3,21

 

 

10°

Nissan

4929

926

5855

2,33

 

 

11°

Hyundai Imp

931

4354

5285

2,11

 

 

12º

Mitsubishi

309

4542

4851

1,93

 

 

13º

Citroën

4033

210

4243

1,69

 

 

14º

Peugeot

2784

222

3006

1,20

 

 

15º

Mercedes

618

807

1425

0,57

 

 

16º

Audi

548

276

824

0,33

 

 

17º

Iveco

0

292

292

0,12

 

 

18º

Mahindra

0

77

77

0,03

 

 

19º

Subaru

33

117

150

0,06

 

 

20º

Agrale

0

0

0

0,00

 

 

 

208642

71548

280190

100,00

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Anfavea

 

 

 

 

 

 

BS

Sobre o Autor

AUTOentusiastas

Guiado por valores como paixão, qualidade, credibilidade, seriedade, diversidade e respeito aos leitores, o AUTOentusiastas desde 2008 tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo!

Publicações Relacionadas

  • pkorn

    No início do ano que vem eu pretendia comprar um nacional zero km. Comecei as pesquisas e… vou optar por um importado usado. Os carros sempre foram caros, mas hoje em dia estão num patamar inviável. A indústria poderia ceder um pouco nos preços para recuperar o crescimento, não?
    Abraços Pkorn

  • Renato Texeira

    Eu também acho isso. Está cada vez mais difícil achar carro razoavelmente bom e que não seja 1.0 abaixo de R$40 mil. Talvez isto até explique parte desta recessão nas vendas. Apesar de muita gente torcer o nariz para carro 1.0, a oferta e o preço dos carros com este tipo de motorização aumentaram muito.