Michael Schumacher e seu EB110 SS (forocoches.com)  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO schummy forocoches com

Michael Schumacher e seu EB110 SS (forocoches.com)

 
O mundo dos supercarros é no mínimo curioso. Carros que aparentemente são de épocas e fabricantes diferentes podem ter relações escondidas que nem desconfiamos. Se pensarmos bem, é até compreensível, pois é um mundo muito restrito, e poucas pessoas se aventuram neste universo incrível e maravilhoso das máquinas dos sonhos.

Quando a Bugatti voltou à vida, há poucos anos atrás, e surpreendeu o mundo com o 16/4 Veyron, foi como o ressurgimento de um mito. A Bugatti do começo do século 20 era uma fábrica distinta, refinada, uma referência para o mundo todo de como automóveis deveriam ser feitos. Os mais conservadores podem dizer que o Veyron não passa de um VW anabolizado, mas não o vejo assim.

O Veyron pode ter sido criado a partir do grupo VW e pela engenharia alemã, mas manteve a aura dos Bugatti. É um carro feito sem poupar despesas, fabricado com um objetivo claro de ser o melhor, assim como os antigos Bugattis foram os melhores de seu tempo. Mas entre o último carro dos tempos de Ettore e Jean Bugatti e o Veyron de 1.000 cv e 407 km/h de máxima, existiu um modelo que não deixava nada a desejar perante seu passado. Este foi o EB110 GT.

Podemos dizer que o mundo deve a três homens o nascimento deste carro que marcou uma geração de supercarros. Nos anos 1980, a marca francesa que havia passado de mão em mão ao longo dos anos, estava associada a uma empresa de tecnologia aeroespacial, especializada em trens de pouso, chamada Messier-Bugatti-Dowty, e os direitos da marca Bugatti foram compradas por Romano Artioli. 

 

Romano Artioli (bugattieb110.yolasite.com)  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO artioli bugattieb110 yolasite com

Romano Artioli (bugattieb110)

 
Artioli era um italiano envolvido com carros há anos, melhor dizendo, envolvido com negócios. Ele era revendedor Ferrari, um dos maiores do mundo, e representante Suzuki na Europa. Muito bom de lábia e de negócios, Romano conseguiu mobilizar capital suficiente para erguer uma grande fábrica de carros em Campogalliano, perto de Modena (Itália), exclusivamente para sua nova empreitada. O desenho do prédio foi feito por Giampaolo Benedini, arquiteto parente de Artioli. Há quem diga que ele investiu boa parte do próprio bolso, outros dizem que ele levantou dinheiro dos parceiros de desenvolvimento do seu projeto. De qualquer maneira, assim nasceu a Bugatti Automobili S.p.A.

O novo projeto de Artioli que traria de volta o nome Bugatti era uma homenagem aos 110 anos do nascimento de Ettore, e assim foi chamado de EB110 GT. Romano queria um carro à altura dos feitos dos Bugattis do passado. Deveria ser superlativo, inconfundível e merecedor do nome Bugatti. Mas, reviver uma marca esquecida não foi por acaso.

 

A grandiosa fábrica de Campogalll (yo.spc.free.fr/EB110.home)  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO nova fabrica yo spc free fr EB110 home

A grandiosa fábrica de Campogalliano (yo.spc.free.fr/EB110.home)

 
Como o mundo dos supercarros é pequeno, poucas pessoas eram capacitadas para bolar e desenvolver algo tão grandioso como Romano queria. Na realidade, o novo Bugatti não existiria como o conhecemos se não fosse a Lamborghini. Na verdade, o Lamborghini, o signore Lamborghini. Isso mesmo, o EB110 era praticamente um filho bastardo de Ferruccio Lamborghini, pai da marca do touro enfurecido de Bolonha.

A idéia de construir um novo supercarro veio de Ferruccio e um de seus maiores engenheiros, Paolo Stanzani, que foi chefe de desenvolvimento da Lamborghini por muito anos. Eles tinham os planos e as idéias, e Artioli tinha o dinheiro. Após diversas conversas e jantares de negócios, Artioli mostrou sua pretensão de reviver o nome de alguma grande marca do passado, o que viria a calhar com os planos de Lamborghini e Stanzani. Ficaram entre Bugatti e Isotta-Fraschini, ambas esquecidas no mundo. Comercialmente, a balança pesou para a Bugatti, e assim foi.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO Bob Wallace Paolo Stanzani Ferruccio Dallara lamborghini com

Da esquerda para direita: Bob Wallace, Paolo Stanzani, Ferruccio Lamborghini e Dallara (lamborghini.com)

Para desenhar o novo carro que levaria o nome Bugatti, quatro renomados designers foram convidados a mostrar propostas para a equipe de Artioli. Eram eles Paolo Martin, Giorgetto Giugiaro, Nuccio Bertone e Marcello Gandini.

Martin trabalhou na Michelotti e na Pininfarina, e apresentou o conceito PM1 Bugatti. Não atraiu muito os olhos da fábrica e foi descartado. Bertone não se acertou com o time da Bugatti, chegou a fazer uma proposta mas logo a destruiu. Giugiaro fez a proposta chamada Italdesign ID 90, que foi apresentada no Salão de Turim de 1990. Era bem conceituada, harmoniosa, mas também não se acertou com os homens da Bugatti.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO Italdesign ID90 by Giugiaro bugattirevue com

Proposta de Giugiaro: Italdesign ID90 (bugattirevue.com)

 

bertone bugatti - pinterest com  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO bertone bugatti pinterest com

O desenho de Bertone (pinterest.com)

 

EB110  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO EB110

A arrojada proposta de Paolo Martin, o PM1 Bugatti (bugattirevue. com)

 
O design oficial da primeira carroceria, bem intimidante e controversa, viria das habilidosas mãos de Marcello Gandini. Pelos seus belos trabalhos na Lamborghini, como o Countach, a equipe da Bugatti escolheu o mestre Gandini para desenhar sua criação. As portas tipo tesoura do Countach foram incorporadas ao EB110 GT original, bem como algumas linhas características dos Lamborghini.

A frente baixa e lisa dos primeiros protótipos remete ao próprio Countach, com linhas retas e vincadas. O EB110 final ficou mais arredondado e suave. Na verdade, o desenho de Gandini original parou nos primeiros protótipos, o design final não era mais dele, que inclusive não aprovou nem assinou o carro.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO prototype eb110 flaviendachet blogspot com

A obra de Gandini, já em testes (flaviendachet.blogspot.com)

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO eb110 original

A traseira do EB110 teria duas grandes saídas de ar para ventilação forçada (bugattirevue.com)

 

Um dos requisitos para o projeto do Bugatti dos anos 1990 era o desempenho. O custo do carro e os investimentos necessários para criar o mais marcante carro esportivo de todos os tempos estava sendo considerado. Contemporâneo de carros como Ferrari F40, Jaguar XJ220 e Porsche 959, o EB110 precisava ser mais rápido, mais moderno e mais desejado que todos eles.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO tests autodrome fr

Testes em túnel de vento ajudaram a esculpir a forma do carro (autodrome.fr)

 
Muitas inovações foram consideradas, e algumas chegaram até a ser testadas. Suspensão ativa derivada do conceito do Citroën SM chegou a ser considerada, mas descartada, assim como um novo sistema de freios de carbono, onde não se usariam pastilhas de atrito e uma pinça, mas sim discos de contato em carbono. Um disco central que girava com a roda seria o núcleo, e outros dois discos externos, fixos no que seria uma grande pinça, que se fechavam contra o disco do núcleo, como um sanduíche prensado. O sistema funcionou, porém o custo era estupidamente alto e mataria o planejamento de custos do carro todo.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO freio de carbono eb110 evo

Protótipo do revolucionário disco de freio de carbono do EB110 (EVO Magazine)

 
O chassi foi desenvolvido com a empresa francesa Aérospatiale, com grande know-how em materiais compósitos de uso em aviação. Uma estrutura central de fibra de carbono seria o núcleo do carro, com elevada rigidez e baixo peso, um dos pioneiros neste conceito. Ainda uma novidade em carros de rua, a tecnologia da fibra de carbono estrutural era caríssima e exclusiva. O entreeixos de 2.550 mm era um intermediário entre o ágil Ferrari F40 (2.450 mm) e o enorme Jaguar XJ220 (2.640 mm).

Gandini desenhou originalmente o EB110 ao redor desta célula de compósito de fibra de carbono. Ao contrário de carros como o McLaren F1 que viria pouco tempo depois, o Bugatti tinha a carroceria feita em alumínio, com pouca função estrutural. Era como uma suave cobertura esculpida cuidadosamente sobre um forte chassi e sua mecânica.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO o primeiro chassi yo spc free fr EB110 home

O primeiro chassi de testes, ainda em alumínio (yo.spc.free.fr/EB110.home)

Não apenas nas portas a essência da Lamborghini estava presente no novo EB. A parte mecânica foi desenvolvida pelo próprio Stanzani. Ele foi um dos primeiros funcionários da Lamborghini, contratado por Ferruccio em 1963 para projetar juntamente com Gian Paolo Dallara os carros que deveriam afrontar as máquinas de Enzo Ferrari. Stanzani era o responsável pelos motores e Dallara, pelo chassi. Juntos fizeram o Miura, o Urraco e outros, e depois Stanzani foi o responsável pelo Countach.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO bugatti eb110 1992  favcars com

Abertura das portas tipo tesoura, já no design final de produção (favcars.com)

Com sua experiência da Lamborghini, Paolo Stanzani projetou um novo V-12 para o EB110. Com 3,5-litros nos doze cilindros, cada um com 81 mm de diâmetro e curso dos pistões de 56,6 mm, o motor já tinha um ar de Lamborghini. O ângulo entre as bancadas de 60° era igual ao motor do Miura, porém ele foi muito além.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO cabecote bengineering it

Cabeçotes do EB110, cinco válvulas por cilindro (bengineering.it)

Para conseguir a potência desejada, os cabeçotes especiais do EB110 foram projetados com cinco válvulas por cilindro e duplo comando de válvulas. Não bastasse tal quantidade de válvulas e comandos, nada menos que quatro turbocompressores IHI foram instalados no V-12, com resfriadores de ar (intercoolers) independentes.

A potência gerada era de 565 cv com 62,3 m·kgf de torque. Pela aplicação de quatro turbos e o motor ser relativamente pequeno, a reação era muito rápida aos comandos do acelerador, mas só acima de 4.500 rpm. Antes disso, o motor não rendia tão bem. Era mesmo um carro que para andar rápido, tinha que ser mais exigido, como um Lamborghini.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO pictures bugatti engines  1 b favcars com

Motor completo do EB110 (favcars.com)

 
O sistema de injeção eletrônica multiponto foi desenvolvido pela Bugatti, exclusivamente para atender as necessidades de grande consumo do novo V-12. Até o lubrificante do motor era exclusivo, desenvolvido pela francesa Elf e similar ao usado na F-1, capaz de suportar as cargas do motor, além de ser biodegradável, mais amigável ao meio ambiente. Como se um V-12 de mais de 560 cv fosse amigável ao meio ambiente…

O motor era uma obra de arte da engenharia, mas a visão de Artioli não parava por ai. O EB110 deveria ir além, e recebeu um dos mais modernos sistemas de tração integral e câmbio de seis marchas. Assim como no Countach, o câmbio era montado na frente do motor, no centro do carro. Com um complexo sistema de três diferenciais, o EB110 tinha uma distribuição de torque inicial de 27% para o eixo dianteiro e 73% para o eixo traseiro, mantendo um comportamento similar ao de carros esporte com tração traseira. Com estes recursos, o EB110 arrancava da inércia até os 100 km/h em 3,5 segundos.

 

countach - pinterest com  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO countach pinterest com

Vista da posição de montagem do motor do Lamborghini Countach (pinterest.com)

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO BugattiEB 110 Top autoneuroticfixation com

Vista do EB110 e seu motor com transmissão (autoneuroticfixation.com)

 

Até o surgimento do McLaren F1, o EB110 era o carro de produção mais rápido do mundo, com velocidade máxima de 335 km/h. A asa traseira com comando eletrônico ajudava a manter o Bugatti no chão, variando sua influência na aerodinâmica do carro conforme necessidade, recurso que depois foi aplicado em muitos carros, inclusive no Veyron. Os pneus Michelin Pilot SX MXX3, também franceses, foram projetados exclusivamente para o EB110 e sua velocidade elevada, nas medidas 245/40 para a dianteira e 325/30 na traseira, ambos aro 18”.

A suspensão independente nas quatro rodas era muito bem resolvida, nem firme demais, nem mole demais. Propiciava conforto e estabilidade para uma guiada esportiva. Curiosamente, em cada uma das rodas traseiras, dois conjuntos paralelos de amortecedor e mola eram usados.

Suas boas características dinâmicas renderam aparições em corridas do Mundial de Carros Esporte, com participações na 24 Horas de Le Mans (1994) e na 24 Horas de Daytona (1996), mas sem grandes feitos. As publicações da época elogiaram muito o comportamento do carro, mas o visual era controverso demais. Era difícil ver um comentário favorável sobre o design.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO le mans flickr com psparrot

Bugatti EB110 GT em Le Mans (flickr.com – psparrot)

 
Como um verdadeiro Bugatti deveria ser, o interior do EB110 GT era refinado. Podemos dizer refinado para os padrões do começo dos anos 1990, na verdade. Como um verdadeiro superesportivo, praticidade não era seu forte, e espaço para bagagem era mínimo. Desta forma, até um jogo de malas especiais para o carro foi feito. O conforto era tido como muito bom, para os padrões de carro esporte deste porte, graças a uma boa calibração da suspensão.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO 80 14

Interior bem acabado (ultimatecarpage.com)

 A previsão de peso do carro era para ser algo em torno dos 1.200 kg, devido ao uso da fibra de carbono e do alumínio, mas com o sistema de tração integral e o V-12 com quatro turbocompressores, o peso final ficou em 1.620 kg. Isso poderia ter comprometido a dirigibilidade desejada, mas os pneus super-modernos e o avançado sistema de tração compensaram o peso.

Para atender as necessidades dos clientes, um pacote de garantia de três anos estava incluso na compra de um EB110. Isso incluía não só a mão de obra, mas também todas as peças necessárias para a manutenção dos carros, inclusive pneus, componentes de freio e amortecedores, peças consideradas de desgaste natural e que quase nunca são cobertas por garantia.

 

bugatti_110_rear_copy - motorsportcenter com  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO bugatti 110 rear copy motorsportcenter com

Instalação do motor durante a montagem do carro (motorsportcenter.com)

 
O carro tinha tudo para ser um sucesso. Levava o nome da Bugatti, era o mais rápido do mundo e um dos mais modernos também. Só que não foi bem assim. Com pouco mais de 130 unidades feitas, o EB110 não emplacou. Isso não quer dizer que tenha sido um fracasso, mesmo porque na época, nenhum supercarro vendeu muito mais que isso.

 

bugatti_110_asmbl_worker__copy - motorsportcenter com  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO bugatti 110 asmbl worker  copy motorsportcenter com

Montagem do interior e suspensão do EB110 (motorsportcenter.com)

 
O EB110 teve ainda a versão SS, mais brava e mais leve, com trinta unidades feitas e diversas conversões da versão GT para a SS. Mesmo assim as vendas mantiveram-se baixas. A venda mais representativa talvez tenha sido de um SS amarelo para Michael Schumacher, então piloto da Benetton, que participou de uma avaliação comparativa para uma revista alemã entre o XJ220, Porsche 911 Turbo, Diablo VT, Ferrari F40 e EB110 GT, e se deliciou com o Bugatti.

Pouco antes do lançamento do carro, Paolo Stanzani e Romano Artioli se desentenderam e Paolo foi demitido. Não influenciou muito no projeto do carro, que já estava concluído em sua grande maioria, mas já eram indícios que as coisas não corriam nos conformes na empresa.

 

eb110_prototipi - autodrome fr  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO eb110 prototipi autodrome fr

Os primeiros protótipos do EB110 (autodrome.fr)

 
As finanças da Bugatti não iam muito bem, os investimentos foram gigantescos e Romano Artioli era um tanto quanto “bom com números e palavras”. A crise financeira veio forte em 1993, perdendo diversos investidores. Romano tentou de tudo para recuperar o dinheiro necessário para manter a fábrica, chegou até a comprar a Lotus (?!) em uma tentativa maluca de conseguir novos empréstimos e salvar sua marca. Não deu muito certo, e em alguns anos, a Bugatti estava falida e bloqueada pelo governo italiano.

Mas isto não foi o fim do EB110. Por quase dez anos depois da falência, o Bugatti ainda estava pelo mundo, de uma forma ou outra.

Dauer EB110 Sportwagen

Após muitos rolos e negociações, o que sobrou dos ativos da fábrica em Modena foram vendidos. Uma grande parte foi comprada pela empresa alemã Dauer Sportwagen, que ficou famosa pela sua investida com os Porsches 962 de Le Mans, tanto de pista como na versão de rua. Muitas peças e chassis incompletos foram comprados, e a Dauer terminou a montagem de alguns carros.

 

dauer - supercarworld com  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO dauer supercarworld com

Dauer EB110 com a fibra de carbono da carroceria aparente (supercarworld.com)

 
Os Dauer EB110 SS, como ficaram conhecidos, foram parcialmente reformulados. Jochen Dauer, responsável pelo carro e pela marca, simplificou a carroceria de alumínio, substituindo-a por uma mais leve de compósito de fibra de carbono. O carro agora pesava “apenas” 1.480 kg e era bem mais simples de se fabricar, com menos peças. Neste caso o know-how adquirido nos Dauer 962 foram fundamentais para criar a nova carroceria.

O V-12 quadriturbo também foi modificado. Para tentar sanar o problema de falta de vitalidade em baixas rotações, a Dauer remapeou o motor e ajustou os cabeçotes e a forma das turbinas trabalharem. A potência poderia chegar até a 710 cv nos modelos padrões. Agora o EB110 atingia 351 km/h e acelerava de zero a 100 km/h em 3,3 segundos. Mas dizem que o melhor de tudo é a quase que total eliminação do turbo lag. Há alguns exemplares que receberam o último upgrade desenvolvido pela Dauer para aumentar a potência do motor, chegando a quase 880 cv. Estima-se neste caso, que o EB110 poderia passar dos 370 km/h.

 

_Dauer_EB_110_SS4ae612d577506 - fastestlaps com  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO Dauer EB 110 SS4ae612d577506 fastestlaps com

Detalhe do adesivo na coluna dos Dauer (fastestlaps.com)

 
Desde os tempos do EB110 GT feito pela empresa de Artioli, o carro era fácil de dirigir, com comandos leves e que não eram cansativos, e Dauer deixou isto ainda melhor. Poucos carros completos foram feitos pela Dauer, e cada um agora vale uma fortuna. Um dos mais bonitos é justamente um dos primeiros carros concluídos, com a carroceria em fibra de carbono exposta, apenas com uma camada de verniz, acabamento que também seria visto no Veyron anos depois.

A Dauer também enfrentou problemas financeiros em 2008, e vendeu o estoque de peças para uma outra empresa alemã, que até onde se sabe, ainda pode oferecer peças de reposição. Mas o fim da Dauer não acabou com o EB110.

B Engineering Edonis

Com a falência da Bugatti, um grupo de ex-funcionários criou no final dos anos 1990 uma nova empresa chamada B Engineering (B era de Bugatti), perto de onde era a antiga fábrica de Campogalliano. Uma estrutura mais simples, não tão grandiosa, mas que seria capaz de produzir o Edonis.

 

2001 B Engineering Edonis  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO 2001 b engineering edonis 8 bengineering it

B Engineering Edonis (bengineering.it)

 
Nomes como Jean-Marc Borel, que foi o vice-presidente da Bugatti Automobili SpA, o engenheiro Christian von Koenigsegg, que depois criaria sua própria empresa de supercarros que levaria seu nome, e Nicola Materazzi, agora o diretor técnico da empresa e que teve passagens pela Ferrari, Maserati e até na F-1, formaram o principal grupo de pessoas por atrás da B Engineering.

A ideia era usar o que sobrou do programa EB110 original, depois que a Dauer usou boa parte das peças, e criar um novo carro ainda mais espetacular que o Bugatti. Agora seria a vez Do Edonis.

 

edonis - bengineering it  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO edonis bengineering it

Fabricação artesanal da carroceria do Edonis (bengineering.it)

A base era o chassi de compósito de fibra de carbono do EB110 SS, forte e conhecido o suficiente pelo time para estruturar o novo carro. Uma nova carroceria foi criada, muito mais ousada, mas com menos classe que o EB110 original. Estudos de aerodinâmica deixaram a carroceria adequada para o que eles esperavam de desempenho. Gandini havia sido convidado para redesenhar o carro, mas declinou a oferta por já não ter gostado do que fizeram no seu EB110 original. Giampaolo Benedini, o arquiteto, fez o desenho do Edonis.

O complicado sistema de tração integral foi removido, mantendo o carro apenas com tração traseira e seis marchas. O motor V-12 de Stanzani foi mantido, teve sua cilindrada total aumentada para 3,8-litros e os quatro turbocompressores foram substituídos por apenas dois, também da marca IHI, porém com maior capacidade. Agora o V-12 poderia chegar a 760 cv.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO 048

O Edonis tem linhas desenhadas pelo arquiteto da fábrica original do EB110 (bengineering.it)

 
Em 2001, o primeiro carro foi mostrado ao público, com uma previsão de construção de apenas 21 unidades, em alusão ao século 21. Nos números apresentados pela fábrica, a velocidade máxima é de 365 km/h. Para isso, novos pneus Michelin especiais para suportar mais de 400 km/h foram feitos. E depois aproveitados no Bugatti Veyron, “por acaso”.

Missão cumprida

Romano Artioli conseguiu atingir seu objetivo. Reviveu uma grande marca ícone do automóvel mundial e fabricou um dos carros mais avançados de seu tempo, digno de seu nome. Ferruccio Lamborghini e Paolo Stanzani também conseguiram chegar em seus objetivos, criar um novo superesportivo capaz de marcar uma geração. E tudo isso ainda perdurou por anos.

 

BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO eb110 e veyron aussieexotics com

Bugatti Veyron e o EB110, ligação direta (aussieexotics.com)

 
Podemos dizer que estes três homens abriram caminho para a chegada do Veyron, concebido após a compra do nome Bugatti pela VW em 1998, e quer alguns gostem ou não, o carro que foi um marco na história do automóvel.

 MB

 Mais fotos:

 

lancamento em paris - yo spc free fr EB110 home  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO lancamento em paris yo spc free fr EB110 home

Lançamento com direito a desfile em Paris (yo.spc.free.fr/EB110.home)

 

DSC09937  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO DSC09937

Um EB110 GT convertido para SS (autor)

 

92-Bugatti-EB110GT_DV-12-BHM-e01  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO 92 Bugatti EB110GT DV 12 BHM e01

Foto do motor V-12 instalado no carro (conceptcarz.com)

 

url - favcars com  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO url favcars com

O complexo EB110 GT (favcars.com)

 

eb110_eng_long_block_copy - motorsportcenter com  BUGATTI EB110 GT, UMA HISTÓRIA E UM LEGADO eb110 eng long block copy motorsportcenter com

Motor parcialmente montado (motorsportcenter.com)

 

  • 911 Turbo

    Aqui no Brasil, um EB 110 azul repousa no interior de SP. Lindíssimo.

    • Eurico Junior

      Esse EB110 foi importado oficialmente pelo Grupo Gandini, que representou Bugatti, Lotus e Lamborghini por um brevíssimo período. Encomendado pelo saudoso Alcides Diniz e vendido anos depois para o Natalino Bertin (dono da finada Platinuss). O carro foi totalmente modificado pelo segundo proprietário, uma heresia! Vejam como era e como ficou: http://yo.spc.free.fr/39091.htm

      • A foto do carro prata no fim do post é deste carro do Alcides, já falecido quando vi o carro e tirei a foto.

  • Totiy Coutinho

    Que inveja da capacidade desses povos projetam desenham fazem as peças e por consequencia o carro e aqui não se conseguenem uma empresa que faça uma simples cromeação decente . . .

    • joão

      Amigo, essa é a diferença para um país de terceiro mundo e um país industrializado. Nos infelizmente somos o país do futebol (7×1, lembra?), do turismo sexual, das mulatas, carnaval e do assassino em série de Goiânia. Vamo que vamo!

  • Marcelo Druck

    Vi um azul desses em SP, na Platinuss, uns dois anos atrás. Achei lindo.

    • Até onde eu sei, parece que o azul era do Chiquinho Scarpa, mas não posso confirmar, pois é de boca a boca.

  • Guilherme

    Lembro de quando ouvia falar dele (o carro mais rápido de seu tempo) e das várias reportagens dele nas revistas especializadas.

  • alex.tora

    O que tinha na Platinus era prata, não? Esse azul repousa onde?

    • Eurico Junior

      É como eu expliquei acima: só há UM Bugatti EB110 no Brasil, originalmente prata e pintado de azul pelo segundo dono, como explicado no site EB110 Registry: http://yo.spc.free.fr/39091.htm

  • Daniel OP

    Me recordo da reportagem da finada revista Platina sobre este superesportivo… Adorava as reportagens de bom conteúdo e as fotos muito bem detalhadas dessa revista, e me pegava lendo, relendo e babando por várias e várias vezes neste supercarro que ainda encanta até hoje pelo seu desempenho e conforto.

  • Mr. Car

    Já sabem, não é? Troco todos por “barcas” dos anos 50 em absoluto estado de originalidade e conservação. Pensando bem, todos não: reservo três para trocar por um A8, um Classe S, e um BMW Série 7. With no regrets. He, he, he!

  • Eurico Junior

    Milton, é uma pena que o Bertin tenha descaracterizado o belíssimo carro original. O Cidão tinha muito bom gosto… e num “pur sang” da Bugatti não se mexe!

  • Eurico Junior

    Milton, o GT prata do Alcides foi comprado pelo Bertin, que o transformou num SS azul. Só há um Bugatti EB110 no Brasil. E nunca foi do Scarpa, que não aprecia carros viscerais como esse.

  • RoadV8Runner

    Belíssimo texto! Eu gosto muito mais do EB110 do que do Veyron. É indiscutível o marco tecnológico que o Veyron representa, mas não me atrai tanto assim…

    • Eu acho o Veyron tão marcante não só pelos números, mas por ser praticamente um VW, desenvolvido com os critérios e exigências de qualidade alemãs, que quase sempre são impraticáveis em um super esportivo. Mas o EB110 também foi um marco, tanto pelo nome como pela audácia de quem o fez. Abs,

  • Rafa F

    Esse talvez seja o supercarro que eu mais admire ! Desde criança coleciono e guardo TUDO sobre o carro … Posters, miniaturas e etc !
    Parabéns e muito obrigado sobre a matéria, Milton !!! Abraço a todos !
    Rafael F.

  • HorsePower

    Mas que reportagem sensacional…. Esses reviews históricos do Ae estão entre minhas reportagens favoritas. Adoro esse carro.

  • tkr2000

    gostei da historia!!!! provando que é além e não apenas mais um volks

    • Este é um dos carros mais legais já feitos em todos os tempos, e com uma história muito rica!

  • Muito obrigado! Muitas outras por vir ainda.